Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Javier Milei, inimigo do sistema de Banco Central, vence as eleições presidenciais da Argentina

Javier Milei, o candidato libertário outsider com soluções radicais para a crise econômica da Argentina, acaba de vencer o segundo turno presidencial de domingo contra o ministro da Economia, Sergio Massa. Num resultado surpreendente, Massa cedeu a vitória em discurso aos apoiadores em Buenos Aires no domingo, antes mesmo da divulgação dos resultados oficiais, dizendo que ligou para Milei para parabenizá-lo pela vitória.

Javier Milei, inimigo do sistema de Banco Central, vence as eleições presidenciais da Argentina

Fonte: Zero Hedge

Javier Milei, um economista de extrema-direita de 53 anos e antigo comentador televisivo sem experiência governativa, obteve quase 56 por cento dos votos, com mais de 80 por cento dos votos contabilizados. Foi uma surpresa impressionante para Sergio Massa, o ministro da economia de centro-esquerda que tem lutado para resolver a pior crise econômica do país sul americano em duas décadas.

Os eleitores deste país de 46 milhões de habitantes exigiram uma mudança drástica de um governo que provocou a queda do peso, a inflação disparou e mais de 40% da população caiu na pobreza. E com Milei, a Argentina dá um salto para o desconhecido – com um líder que promete destruir todo o sistema, que os habitantes locais agora percebem corretamente que está quebrado.

Milei, que há dois meses foi entrevistado por Tucker Carlson, prometeu resolver os problemas econômicos perenes da Argentina através de cortes orçamentais drásticos, da substituição do desgastado peso pelo dólar americano e do encerramento do banco central. Ele assumirá o cargo em 10 de dezembro.

Ep. 24 O próximo presidente da Argentina poderá ser Javier Milei. Quem é ele? Viajamos para Buenos Aires para falar com ele e descobrir.

Massa, da coalizão governista peronista, ficou em primeiro lugar no primeiro turno de outubro, uma recuperação notável depois de perder as eleições primárias dois meses antes. Mas o terrível estado da economia argentina, atormentada por uma hiperinflação de 143% e uma recessão iminente, representava um desafio demasiado grande para a sua candidatura presidencial.

“Os argentinos escolheram outro caminho”, disse Massa em discurso aos apoiadores. As pesquisas antes da votação mostravam Milei com uma ligeira vantagem sobre seu rival.

Para quem não está familiarizado com o estilo único de Milei, o clipe a seguir deve ser bastante informativo:

Comentando a vitória de Milei, Elon Musk previu que “a prosperidade está à frente da Argentina”.

Puta merda. A Argentina acaba de eleger Javier Milei como seu próximo presidente. A história foi feita hoje.

A presidência de Milei terá implicações profundas não só para a terceira maior economia da América Latina, mas também para a região e para o mundo. Num continente dominado por líderes de esquerda, Milei poderá criar tensões com governos que atacou, incluindo o parceiro comercial crucial e vizinho Brasil. Numa era de crescente influência chinesa na América Latina, Milei poderá tornar-se o antagonista mais vocal da região a um país que outrora chamou de “um assassino”.

Milei ganhou fama como comentarista de televisão que insultava outros convidados e mostrou tendência a brigar com a mídia. Nos debates presidenciais, ele lançou dúvidas sobre o número amplamente aceito de assassinatos durante a Guerra Suja do país, de 1976 a 1983.

Ele classificou o Papa Francisco argentino como um “mal” esquerdista, chamou as mudanças climáticas de “mentira socialista”; e disse que realizaria um referendo para desfazer a lei de três anos que legalizava o aborto.

Empunhando motosserras durante a campanha, o desgrenhada Milei prometeu cortar gastos públicos num país fortemente dependente de subsídios governamentais. Ele prometeu dolarizar a economia, fechar o banco central e reduzir o número de ministérios governamentais de 18 para oito. Seu grito de campanha foi a derrubada da “casta” política do país – uma versão argentina do “drenar o pântano” de Trump.

Massa era um símbolo dessa elite governante – “o rei da casta”, disse o analista político Pablo Touzón. O político de carreira tentou distanciar-se do governo de esquerda de Alberto Fernández e Cristina Fernández de Kirchner, os herdeiros da dinastia populista lançada pela primeira vez por Juan e Eva “Evita” Peron na década de 1940. Juntamente com uma campanha popular de ativistas, Massa procurou alimentar o medo sobre uma presidência de Milei que, segundo eles, poderia ameaçar a democracia e o modo de vida da Argentina.

Mas, no final das contas, a raiva venceu o medo. Para muitos argentinos, o risco maior era mais do mesmo. “Não temos nada a perder”, Tomás Limodio, empresário de 36 anos que votou em Milei em Buenos Aires no domingo. “Temos este tipo de governo há tantos anos e as coisas só estão piorando.”


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *