browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

‘Jovens Líderes Globais’, eleitos do WEF são ‘Marionetes” da Realeza, Partidos Políticos, Big Tech, Big Pharma, Oligarcas Bilionários, et Caterva

Posted by on 15/02/2022

Por meio de seu programa Jovens “Líderes” [Marionetes] Globais , o Fórum Econômico Mundial [WEF] tem sido fundamental para moldar uma agenda oculta da Nova Ordem Mundial que mina todos os princípios democráticos. Por várias décadas, este programa alimentou líderes [marionetes] em conformidade com sua agenda que atuam como agentes do WEF em governos de países ao redor do mundo. As consequências são de longo alcance, nefastas e podem vir a ser devastadoras para a humanidade.

‘Jovens Líderes Globais’ , eleitos do WEF são ‘Marionetes” da Realeza, Partidos Políticos, Big Tech, Big Pharma, Oligarcas Bilionários, et Caterva

Fonte: Humans Are Free

Devo dizer que mencionei nomes como [Angela] Merkel, até Vladimir Putin e assim por diante, todos eles foram Jovens Líderes Globais do Fórum Econômico Mundial-WEF. Mas o que estamos realmente orgulhosos agora com a geração jovem como o primeiro-ministro Justin Trudeau [um palhaço marionete e covarde do WEF no Canadá], o presidente da Argentina e assim por diante, é que penetramos nos gabinetes dos governos … É verdade na Argentina e é verdade na França agora [com Emmanuel Macron, outro fantoche] …” – Klaus Schwab CEO do WEF

Assista abaixo:

Em 1992, Klaus Schwab e o Fórum Econômico Mundial lançaram um programa inicialmente chamado ‘Líderes Globais do Amanhã’. Em 2004, este programa foi transformado no Fórum para Jovens Líderes Globais (que abordo em meu livro The Global Coup D’Etat) – um programa de 5 anos de doutrinação nos princípios e objetivos do WEF.

O objetivo era – e é – encontrar [e manipular] futuros líderes adequados para a sociedade global emergente. Desde o início, o programa inclui políticos, líderes empresariais, realeza, jornalistas, artistas e outros influenciadores culturais que se destacaram em suas áreas, mas ainda não completaram 40 anos de idade (originalmente 43 para incluir Angela Merkel).

Desde então, cresceu em uma extensa rede global de líderes dedicados com enormes recursos e influência, todos trabalhando para implementar os planos tecnocráticos e agenda oculta do Fórum Econômico Mundial em suas respectivas nações e áreas.

A rede cria uma força de influência mundial por meio da combinação das habilidades e recursos individuais de seus membros.”

Como Klaus Schwab diz na citação introdutória, o plano teve muito sucesso. Já no primeiro ano, 1992, foram eleitos vários candidatos altamente influentes. Entre os 200 selecionados estavam perfis globais como Angela Merkel , Tony Blair , Nicolas Sarkozy , Billy Boy , Bono , Richard Branson (Virgin), Jorma Ollila (Shell Oil) e José Manuel Barroso (Presidente da Comissão Europeia 2004–2014). [1]

Outra “Líder Global do Amanhã” de 2000 foi  Chrystia Freeland , Vice-Primeira Ministra e Ministra das Finanças do Canadá , jornalista e autora que anteriormente foi diretora-gerente da Thomson Reuters  e editora adjunta do Financial Times . Ela também é membro do conselho do Fórum Econômico Mundial .

“Como Ministra das Relações Exteriores, ela liderou e concluiu com sucesso a renegociação do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA) entre Canadá, México e Estados Unidos. Em novembro de 2019, a Sra. Freeland foi nomeada Vice-Primeira-Ministra do Canadá e Ministra de Assuntos Intergovernamentais. Nessa capacidade, ela liderou a resposta unida do Canadá à pandemia do COVID-19”. (Fórum Econômico Mundial) [2]

Mais Exemplos De Jovens Líderes Globais Influentes [3]:

  • Princesa Victoria da Suécia
  • Príncipe Herdeiro Haakon da Noruega
  • Príncipe Herdeiro Fredrik da Dinamarca
  • Príncipe  Jaime de Bourbon de Parme , Holanda
  • Princesa  Reema Bint Bandar Al-Saud , Embaixadora da Arábia Saudita nos EUA
  • Jacinda Arden , Primeiro Ministro, Nova Zelândia
  • Alexander De Croo , Primeiro Ministro, Bélgica
  • Emmanuel Macron , Presidente, França
  • Sanna Marin , Primeiro Ministro, Finlândia
  • Carlos Alvarado Quesada , Presidente, Costa Rica
  • Faisal Alibrahim , Ministro de Economia e Planejamento, Arábia Saudita
  • Shauna Aminath, Ministra do Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Tecnologia, Maldivas
  • Ida Auken , MP, ex-Ministra do Meio Ambiente da Dinamarca (autora do infame artigo “ Bem- vindo a 2030: não possuo nada, não tenho privacidade e a vida nunca foi melhor ”)
  • Annalena Baerbock , Ministro das Relações Exteriores, Líder da Alliance 90/Die Grünen, Alemanha
  • Kamissa Camara , Ministra da Economia Digital e Planejamento, Mali
  • Ugyen Dorji , Ministra dos Assuntos Internos, Butão
  • Martín Guzmán , Ministro das Finanças, Argentina
  • Muhammad Hammad Azhar , Ministro da Energia, Paquistão
  • Paula Ingabire , Ministra de Tecnologia da Informação e Comunicação e Inovação, Ruanda
  • Ronald Lamola , Ministro da Justiça e Serviços Correcionais, África do Sul
  • Birgitta Ohlson , Ministro dos Assuntos da União Europeia 2010–2014, Suécia
  • Mona Sahlin , Líder do Partido Social Democrata 2007–2011, Suécia
  • Stav Shaffir , Líder do Partido Verde, Israel
  • Vera Daves de Sousa , Ministro das Finanças, Angola
  • Leonardo Di Caprio , ator e ativista climático
  • Mattias Klum , fotógrafo e ambientalista, Suécia
  • Jack Ma , Fundador do Alibaba
  • Larry Page , Fundador do Google
  • Ricken Patel , Fundador da Avaaz
  • Jimmy Wal e , Fundador da Wikipedia
  • Jacob Wallenberg , presidente do investidor
  • Niklas Zennström , fundador do Skype
  • Mark Zuckerberg , CEO do Facebook

O objetivo desde o início foi “identificar e promover uma agenda global orientada para o futuro, com foco em questões na interseção dos setores público e privado”.

As Parcerias Público-Privadas são um dos pilares da filosofia do Fórum Econômico Mundial. Ou seja, uma fusão entre estatais e grandes empresas (também conhecido como corporativismo) com o objetivo de resolver problemas globais de forma mais “efetiva”. A escolha dos líderes reflete claramente essa aspiração.

O grupo “Young Global Leaders” foi inicialmente instruído a identificar os principais desafios do século XXI. Estes incluíam paz, meio ambiente, educação, tecnologia e saúde – áreas que esses futuros líderes poderiam explorar política, econômica e culturalmente no novo milênio.

Os parceiros dos líderes globais de amanhã em 2000 eram grandes empresas globais, como The Coca Cola Company , Ernst & Young , Volkswagen e BP Amoco. Estes poderiam contribuir para a agenda “desempenhando um papel ativo no desenvolvimento e implementação do conceito do projeto GLT. Os parceiros podem, portanto, participar ativamente no desenvolvimento de programas GLT;  representantes das empresas parceiras , bem como seus convidados, são convidados para as  reuniões da GLT  .. ”

Os parceiros dos líderes globais do futuro em 2000 eram grandes empresas globais, como The Coca Cola Company, Ernst & Young, Volkswagen e BP Amoco. Estes poderiam contribuir para a agenda “desempenhando um papel ativo no desenvolvimento e implementação do conceito do projeto GLT. Os parceiros podem, portanto, participar ativamente no desenvolvimento de programas GLT; representantes das empresas parceiras bem como seus convidados são convidados para as reuniões da GLT…”

Desde que o Global Leaders of Tomorrow foi transformado em Young Global Leaders 2004, parceiros como a Fundação Bill & Melinda Gates, Google e JPMorganChase (com ex-alunos do programa) também participaram como patrocinadores.

A consequência final das parcerias público-privadas e dessas áreas-alvo é a criação de um contrato social amplamente fascista no qual o indivíduo se subordina a esses interesses poderosos. Objetivos nobres de criar um mundo melhor também foram sequestrados. Isso fica especialmente evidente no contexto da parceria entre o FEM e a ONU e a implementação das metas globais (Agenda 2030) por meio da aplicação das tecnologias da Quarta Revolução Industrial .

Isso significa que os princípios democráticos e a divisão de poder do século 20 foram amplamente minados e substituídos por uma nova classe global que molda nosso futuro comum com base em seus próprios interesses e agendas. Isso levou a uma privatização de fato de governos nacionais e organizações internacionais, onde os lobistas não são mais mantidos no lobby, mas se mudaram para a sede do poder, moldando políticas que afetam diretamente nossas vidas. O que isso significa tornou-se particularmente evidente desde que a pandemia foi declarada em março de 2020.

Além disso, as principais corporações multinacionais de gestão de investimentos, como a BlackRock , liderada pelo próprio Larry Fink, do Fórum Econômico Mundial, têm constantemente avançado em suas posições.

O economista e jornalista alemão Ernst Wolff acredita que muitos dos líderes nacionais incluídos no programa Young Global Leader foram selecionados por sua disposição de cumprir a dura agenda de bloqueios nos últimos anos sem fazer perguntas e que seu fracasso iminente (como evidenciado por uma crescente insatisfação das massas) será usado como uma desculpa para criar uma nova forma de governo global onde os antigos estados-nação se tornam em grande parte obsoletos. Uma nova moeda digital global com Renda Básica Universal (UBI) pode ser introduzida gradualmente para substituir nosso sistema monetário condenado. [4]

Esta conclusão coincide parcialmente com a minha. Também é apoiado pelos cenários de Paul Raskin da The Great Transition Initiative sobre como uma “Nova Ordem Terrestre” totalitária é estabelecida, a ser substituída a longo prazo por um governo democrático global (Federação da Terra) com uma Constituição Mundial. [5]

“A pandemia do COVID-19 ressaltou o fracasso catastrófico de uma abordagem cada país por si para a saúde pública, e os interesses econômicos nacionais, em vez das necessidades globais, continuam a dominar as discussões sobre política climática, abrindo caminho para o caos climático.

Sob o tricameral Parlamento Mundial estão as quatro principais agências do governo da Federação da Terra: o sistema da Suprema Corte Mundial, o Executivo Mundial, o Sistema de Execução Mundial e o Ombudsman Mundial. [6] – Glen T. Martin, A Constituição da Terra

A visão é que um mundo pacífico e harmonioso em equilíbrio seja criado através do estabelecimento de uma Federação Mundial com um Parlamento Mundial, Governo Mundial e uma Corte Mundial. Essas são ideias que há muito circulam no  Clube de Roma e estão intimamente ligadas aos círculos da Nova Era. A questão é como esse novo sistema global de poder escaparia do destino de ser sequestrado pelos mesmos interesses que criaram nosso atual sistema corrupto e falido? Isso é na opinião de quem apoia projetos como The Great Transition (iniciado com capital inicial de Steven Rockefeller). O que está acontecendo é antes um método de nos levar à sua solução final na forma de um sistema de controle tecnocrático global.

No entanto, é altamente improvável que este plano tenha sucesso. A consciência está se espalhando como um incêndio e o pânico da elite aumenta à medida que sua narrativa desmorona e as pessoas se tornam cada vez mais imunes à propaganda da corrompida mídia pre$$titute$. Daí todos os inquisidores e “verificadores de fatos” que diligentemente mantêm a narrativa e ajudam a “orientar” a opinião pública na direção “certa”. Eles certamente são confiáveis, pois, por exemplo,  David Roy Thomson , presidente da Thomson Reuters Corporation , é um ex-aluno da  Global Leaders of Tomorrow , turma de 1993.

Agora é hora de assumir o controle de nossos próprios destinos e evitar cair em novas armadilhas.

Referência: Pharos.stiftelsen-pharos.org / Referências:

Obrigado ao jornalista investigativo  Cory Morningstar  pelo clipe que inspirou este artigo do blog. Siga seu blog  Wrong Kind of Green .

[1] Fórum Econômico Mundial, Classe GLT de 1993 .pdf
[2] Fórum Econômico Mundial, Chrystia Freeland
[3] Fórum Econômico Mundial, Comunidade de Jovens Líderes Globais (lista pesquisável sobre ex-alunos da YGL)
[4] Michael Lord, “ Exposed: Klaus Schwab’s School For Covid Dictators, Plan for ‘Great Reset’ ”, Fundação RAIR, 10 de novembro de 2021
[5] Paul Raskin,  Journey to Earthland: The Great Transition to Planetary Civilization .pdf, Tellus Institute, Boston, 2016
[6] Glen T. Martin,  The Great Transition Requirs the Earth Constitution “, Great Transition Initiative, novembro de 2021


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

2 Responses to ‘Jovens Líderes Globais’, eleitos do WEF são ‘Marionetes” da Realeza, Partidos Políticos, Big Tech, Big Pharma, Oligarcas Bilionários, et Caterva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.