browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Luciferianismo: um olhar num sistema de controle globalista destrutivo

Posted by on 06/03/2019

Ao longo de muitos anos investigando a mecânica dos eventos globais e as pessoas e ideias por trás deles, tornei-me talvez um pouco obcecado com um assunto em particular – a fonte, motivações e a origem do mal. Esse fascínio não se origina de uma simples curiosidade mórbida, mas de uma necessidade estratégica de entender o pior inimigo. Assim como um exterminador precisa entender o comportamento das baratas para ser eficaz, procuro entender o comportamento e a natureza do mal organizado. O mal é, antes de mais nada, qualquer ação que procure destruir, explorar ou escravizar em nome do ganho ou gratificação pessoal, em ações caracterizadas, essencialmente, pelo EGOÍSMO. Infelizmente, as ações más são muitas vezes deturpadas como vantajosas para um grupo, tornando-as “moralmente aceitáveis”. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Luciferianismo: um olhar secular em um sistema de crença globalista destrutivo

Fonte:  http://www.alt-market.com/

Observações entre { } são de autoria do tradutor.

Um fato muito importante que deve ser esclarecido primeiro nas mentes das pessoas é que o mal existe de fato. A propaganda do establishment da mídia mainstream {em sua grande maioria à serviço do próprio mal} gastou imenso tempo, esforço e capital tentando condicionar a sociedade a acreditar que o mal nada mais é do que {mais} uma construção social – uma opinião. O mal está supostamente nos olhos do observador; um produto de condicionamento religioso. Isso é uma falsidade. Assim como os conceitos de beleza, os conceitos do mal são inerentes à nossa psique desde o nascimento. O “olho do observador” é irrelevante.

Duas áreas particulares da psicologia humana apoiam este fato:

Primeiro, como expôs o trabalho de Carl Jung (e por extensão, antropólogos como Joseph Campbell), todos os seres humanos, não importa em que lugar do mundo, eles nasceram, desde uma tribo mais isolada da Amazônia até a maior metrópole da América, e carregam o mesmo símbolos arquetípicos em sua psique. Ou seja, todos nós temos os mesmos elementos psicológicos em nossas mentes, independentemente do ambiente.

Este fato por si só é tão grande para o homem moderno que algumas pessoas se recusam a reconhecer isso como uma possibilidade. Fomos treinados como ratos de laboratório para ver apenas um caminho pelo labirinto; nos foi dito repetidas vezes que tudo é “relativo”{nos dias atuais até mesmo a Lei de Gênero – duas polaridades básicas e naturais, Positivo (masculino) e Negativo (Feminino) também são contestadas}; que cada pessoa é inteiramente “um produto do ambiente” e que todos nós começamos vazios como “folhas em branco”.

Os ataques cruéis contra Carl Jung pelo establishment por trás do sistema de controle (incluindo mentiras de que ele cooperou com os nazistas ) me dizem que Jung estava muito perto do alvo. Ele havia tropeçado em algo muito perigoso para o establishment; algo que poderia inviabilizar seu condicionamento de controle mental do público.

Em segundo lugar, a inegável existência da consciência humana sugere que nascemos com uma compreensão inata da dualidade. Significando, assim como Jung descobriu, que a nossa psique contém conceitos inerentes de bem e mal que influenciam nossas decisões e reações. Jung referiu-se aos impulsos malignos, ou psicologicamente destrutivos, como a “sombra pessoal” e a “sombra coletiva”.

A grande maioria das pessoas tem uma relação intuitiva com o bem e o mal. Elas sentem ansiedade quando confrontados com atitude, ações ou pensamentos malignos, e sentem culpa pessoal quando sabem que fizeram algo que causa o mal para outras pessoas. Alguns podem chamar isso de “bússola moral”. Eu me referiria a ela como parte da consciência {e o aviso através da intuição} advinda de nossa alma e/ou espírito.

Em qualquer caso, há um contingente de pessoas no mundo que não o têm – uma alta porcentagem da população que nasce sem consciência, especialmente nos dias atuais, onde a regra é a permissividade, ou que acha fácil ignorar a orientação de sua consciência. Nós vamos chegar a essas pessoas em um momento, mas primeiro, provavelmente devemos definir o que é o mal.

O mal é, antes de mais nada, qualquer ação que procure destruir, explorar ou escravizar em nome do ganho ou gratificação pessoal, em ações caracterizadas, essencialmente, pelo EGOÍSMO. Infelizmente, as ações más são muitas vezes deturpadas como vantajosas para um grupo, tornando-as “moralmente aceitáveis”. As necessidades dos muitos supostamente superariam as necessidades de poucos, e assim o mal é {aceito} racionalizado como um meio para um “fim positivo” para um “bem maior”.

Na maioria dos casos, no entanto, ações destrutivas não acabam servindo aos interesses da maioria e acabam dando mais riqueza, mais poder e mais controle a uma minoria elitista. Isto não é uma coincidência {é uma agenda que vem sendo implantada desde que existimos}.

O mal começa com a negação da existência da consciência, ou a negação da existência da capacidade e possibilidade de escolha. Cada pessoa nasce com capacidade ou liberdade para escolher {o tal de Livre Arbítrio}. Podemos ouvir a nossa consciência ou podemos ignorá-la. Nós podemos fazer o bem, ou podemos fazer o mal. O mal nos diz que a “escolha é relativa” e que a moralidade é relativa; que não há diferença entre uma boa escolha e uma má escolha, ou que a escolha do mal é a única escolha.

Além de ignorar a consciência, também devemos definir a motivação que impulsiona a prática do mal. A psicologia sugeriria que ações auto-destrutivas derivam de um desejo obsessivo de obter, possuir ou controlar coisas que não podemos ou não devemos ter. Curiosamente, isso também é o que algumas religiões nos ensinam, mas vamos nos ater a um exame secular.

Como mencionado anteriormente, há um grupo de pessoas no mundo que não vê o bem e o mal como muitos de nós vê. Sua psique funciona de uma maneira completamente diferente, sem o filtro da consciência. Essas pessoas exibem os traços dos sociopatas narcisistas. Os sociopatas narcisistas completo e de alto nível representam cerca de 1% a 5% do total da população humana, e a maioria deles nasce assim, não é produzido pelo ambiente. Além disso, 5% a 10% das pessoas possuem traços latentes de narcisismo ou sociopatia que geralmente só sobem à superfície em um ambiente de crise instável, quando o ego é exacerbado pela necessidade de sobrevivência em um ambiente hostil.

Tenho escrito muito sobre sociopatas narcisistas e o establishment por trás do sistema de controle globalista em numerosos artigos. Eu também delineei como essas pessoas, ao contrário da crença popular, não estão isoladas umas das outras. Eles de fato se organizam em grupos para ganho mútuo e constante.

Existe uma ideologia, um sistema de crenças que defende exatamente o oposto daquilo que a consciência nos diz ser o “bem”, e esse sistema é o luciferianismo. De fato, o luciferianismo parece ser a fonte de influência para a maioria dos “ismos” {criados pelo intelecto/ego} destrutivos existentes em nossa sociedade hoje (incluindo o socialismo, comunismo, capitalismo, o globalismo, e tantos outros “ismos”). É minha teoria que o luciferianismo é uma religião ou um culto projetado por narcisistas sociopatas em benefício de narcisistas sociopatas.

Às vezes é difícil identificar os verdadeiros “sacramentos” por trás do luciferianismo porque, por exemplo, os luciferianos se recusam a admitir que o sistema é uma religião. Eles preferem chamá-lo de “filosofia ou metodologia”, pelo menos em público. O sistema também parece encorajar a desinformação ativa a fim de dissuadir ou enganar os não aderentes. O termo histórico para esse sigilo religioso é “ocultismo”. Eu chamaria isso de “elitismo”.

Existem algumas crenças fundamentais que os luciferianos abertamente admitem. Em primeiro lugar, o objetivo do luciferianismo é alcançar a divindade. Ou seja, eles acreditam que ALGUNS seres humanos têm a capacidade de se tornarem deuses através do acúmulo de conhecimento.

Escrevi sobre a insanidade do objetivo da divindade no passado, delineando como a física quântica e a Prova de Incompletude de Kurt Gödel tornam impossível a observação científica e matemática total e a compreensão do universo . Mas a realidade matemática não impede que os círculos luciferianos persigam destrutivamente aquilo que eles não podem ter. Por extensão, o conhecimento científico não temperado pela disciplina, sabedoria e bússola moral {consciência} pode levar à catástrofe. O conhecimento material é invariavelmente abusado por aqueles que procuram chegar ao olimpo do poder divino.

A noção de auto-adoração {egoísmo exacerbado e a rebeldia} é um traço central dos narcisistas sociopatas; O luciferianismo apenas o codifica como se fosse uma virtude. Outro problema com a ideia de se tornar um deus é que a pessoa inevitavelmente desenvolve um desejo por seguidores e adoradores {e vai obtê-los dentre a massa de ignorantes que buscam por um salvador externo}. O que é um salvador, afinal, sem um rebanho? Mas como um ser humano ganha um rebanho e se torna mais um deus? Através da força ou através de truques?

Segundo, os luciferianos alegam que buscam elevar o poder do indivíduo em geral. Na mente de muitas pessoas isso não parece negativo. Até mesmo argumentei a importância do individualismo em meio aos controles sociais. Dito isto, qualquer ideologia pode ser levada a extremos.

A busca da gratificação individual dos sentidos pode ser levada longe demais, a ponto de as pessoas ao nosso redor começarem a sofrer. Por causa da natureza elitista do luciferianismo, eles não estão necessariamente buscando a elevação de TODOS os indivíduos, apenas certos indivíduos “merecedores”. Existe uma tendência de ver os não-aderentes como “inferiores”; pessoas estúpidas que devem ser controladas como ovelhas por aqueles que estão perseguindo um sonho superior de divindade pessoal {os lobos}.

Essa atitude também pode ser vista nas ações comuns de sociopatas narcisistas, que não têm escrúpulos em enganar ou explorar pessoas ao seu redor como recursos, alimentando-se de outros como parasitas. Eles tratam isso como uma prática aceitável porque se vêem como especiais; eles estão destinados a alcançar mais do que a plebe ignorante. Eles pretendem fazer grandes coisas, e sua imagem deve ser cimentada nos fundamentos da história {fundamentos construídos sobre os ossos de milhões de cadáveres, como aconteceu com o comunismo}.

O elitismo do luciferianismo dificilmente é oculto. Os luciferianos afirmam que não têm interesse em converter outras pessoas. Em vez disso, os adeptos precisam ser “inteligentes o suficiente” para chegar ao sistema de crenças por conta própria. No entanto, seu objetivo de influenciar o público através das esferas social, cultural e política é bastante evidente {para quem não esta “dormindo}.

Os luciferianos políticos, embora não abertamente luciferianos, tendem a deixar escapar suas afiliações às vezes. Saul Alinsky, um organizador esquerdista e democrata de alto nível, elogia o rebelde Lúcifer no reconhecimento pessoal de seu manual político ‘Rules For Radicals’ , no qual ele diz:

“ Não esqueçamos, pelo menos, um reconhecimento exagerado do primeiro radical: de todas as nossas lendas, mitologia e história (e quem deve saber onde a mitologia termina e a história começa – ou qual é qual), o primeiro radical {rebelde} conhecido pelo homem que se rebelou contra o establishment e o fez tão efetivamente que ele pelo menos ganhou seu próprio reino – é Lúcifer. ”

O luciferianismo também é predominante nas instituições globalistas. Por exemplo, a ONU parece estar altamente envolvida na ideologia por meio de grupos como a Lucis Trust, uma editora fundada por Alice Bailey, uma ávida promotora do luciferianismo que também era proprietária da Lucifer Publishing Company . A Lucis Trust esteve originalmente sediada no prédio da ONU em Nova York, e ainda hoje administra uma biblioteca particular de livros ocultos da ONU.

Ex-diretores da ONU como Robert Muller estavam intimamente ligados à Lucis Trust e ao trabalho de Alice Baily e promovem abertamente o luciferianismo. Muller era central nas políticas de educação global da ONU para crianças e formou várias agências de agências com a intenção de governança global. Você pode ler os white papers de Robert Muller sobre a formação de um governo global em seu site Good Morning World .

Os luciferianos abordam a governança global como fazem tudo mais – com muita propaganda. Muller argumenta que o objetivo deve ser lançado ao público através da idéia de “proteger a Terra”. Em outras palavras, ele acreditava que o ambientalismo era a chave para convencer as massas da necessidade de total centralização de poder nas mãos de instituições globalistas. Os ideais luciferianos são revestidos de açúcar em uma série de motivos florais e nobres que soam. Mas o que eles realmente são?

Alguns luciferianos adotam uma postura gnóstica sobre a figura do diabo e apenas alegam apreciar o conceito como mitologia, em vez de o diabo existir como uma força literalmente. Alguns textos gnósticos descrevem Satanás como o “bom rapaz” e deus o “vilão” na história do Gênesis; deus sendo um mestre escravo impiedoso e a serpente como a “libertadora”, trazendo conhecimento do mundo material para a humanidade. Lúcifer é apresentado como uma espécie de Prometeu; o Titã que roubou o fogo dos deuses e o deu ao homem.

Esta narrativa de “Lúcifer como salvador heróico” é muito comum. Manly P. Hall, maçom de grau 33 e influente escritor da Nova Era é citado em sua coleção de escritos intitulada ‘The All Seeing Eye’ :

 Lúcifer representa o intelecto individual e a vontade que se rebela contra a dominação da Natureza e tenta se manter contrária ao impulso natural. Lúcifer, na forma de Vênus, é a estrela da manhã mencionada em Apocalipse, que deve ser dada àqueles que vencem o mundo ”.

Um modelo luciferiano descreve deus apenas como um conceito arquetípico, um cobertor de conforto mitológico que nos ajuda a encarar a solidão e aridez da existência humana. Eles não acreditam que existe uma figura corpórea de deus, entretanto, alguém se pergunta como eles podem reconciliar a existência de arquétipos psicológicos inerentes a essa noção? De onde vieram os arquétipos se não há design criativo ou significado intencionado para a humanidade?

Seguidores de Lucifer mais discretos às vezes argumentam que a figura mitológica de Lúcifer é separada da imagem católica de “Satanás”. O nome “Lúcifer” não é mencionado diretamente na Bíblia em referência a Satanás (embora a frase “estrela da manhã”, a tradução direta da palavra “lúcifer” seja mencionada em referência a Satanás). Mas esse argumento parece um tanto tímido e falso para mim. Durante séculos o termo Lúcifer foi sinônimo do mal, do engano, da sedução, da traição, o diabo na consciência pública. Os luciferianos parecem estar tentando se separar das conotações negativas associadas ao satanismo através de uma forma distorcida de jogo de palavras e semântica.

Anton Lavey, fundador da igreja de satã, na Califórnia, em um ritual de iniciação com uma atriz “bombshell” de Hollywood, a “sedutora” satanista  Jayne Mansfield.

Mas por que eles se importariam? A menos, é claro, que eles estejam tentando influenciar a consciência do público e percebam que é difícil vender mais pessoas no satanismo, então eles querem colocar uma cara diferente em uma ideia antiga e feia. Os satanistas frequentemente se referem a Lúcifer e Satanás ao mesmo tempo em que são a mesma figura. No documentário, Anton LaVey, um satanista e criador da igreja de satã na Califórnia, um representante bem conhecido nos círculos satânicos e Luciferianas, faz exatamente isso.

LaVey parece ser tratado como um aborrecimento pelos grupos luciferianos mais conscientes do marketing. Eu suspeito que sua franqueza pública sobre o que as crenças luciferianas realmente envolvem é vista como muito honesta. Essas pessoas acreditam em sigilo e iniciação. Eles não gostam do seu lado sombrio em exibição para o mundo inteiro ver e julga-los.

Uma antítese direta para alguém como Anton LaVey seria Michael Aquino, um oficial de inteligência militar especializado em guerra psicológica que era um membro da igreja satânica de LaVey, mas partiu para começar seu próprio Temple of Set mais comercializável. Aquino é mais conhecido por uma tese tática sobre guerra psicológica que ele escreveu com o general Paul Vallely (creditado no jornal como “Paul E Valley”) chamado “De Psyop To Mind War” . A tese delineia o uso de propaganda e outras estratégias para colocar uma determinada população alvo contra si mesma {a velha tática de Cezar, imperador romano: Divide Et Impera}, seja para destruir aquela população ou controlá-la mais facilmente, sem nunca ter que usar uma força militar em ataque aberto e direto.

A Guerra {pelo controle} da Mente de Aquino mostra a crença luciferiana na “magia”, mas não a magia da maneira como a cultura popular a entende. Os luciferianos acreditam no poder das palavras e símbolos mágicos na forma de frases-chave e arquétipos psicológicos subliminares. Isto é, eles adotaram o uso da psicologia arquetípica, mas onde psicólogos como Carl Jung usaram a psicologia arquetípica para curar pessoas com doenças mentais e emocionais, os luciferianos usam arquétipos para manipular e controlar o pensamento público da imensa maioria.

Isso geralmente é feito através da cultura popular, disseminação de “novos hábitos”, peças de teatro, filmes, discurso político, etc. A Truthstream Media produziu um excelente documentário sobre este assunto que eu recomendo para ser assistido.

Outra satanista à serviço de Lúcifer, a loira platinada Marylin Monroe, também iniciada {e manipulada mentalmente} pelo satanista Anton Lavey. FONTE

Há exemplos mais óbvios, como o Blade Runner, de Ridley Scott, em que os andróides se rebelam contra seu mestre e criador de escravos e acabam matando-o. Então há mais entretenimento subversivo como a Série de Eventos Desafortunados da Netflix, que começa como um conto infantil cômico divertido, mas termina com uma exibição de essencialmente todos os aspectos da crença luciferiana até o elitismo como uma prática necessária, relativismo moral, onde um inútil e controlador deus é figura cercada por bajuladores, e até mesmo uma serpente carregando uma maçã contendo o “conhecimento” para salvar os protagonistas de um destino horrível.

A duplicidade do luciferianismo por si só deveria ser suficiente para tornar as pessoas cautelosas com suas promessas e argumentos. A humanidade passou a maior parte dos últimos e decisivos 2.000 anos tentando remover as influências do elitismo oculto secreto (a classe do sumo sacerdote de Lúcifer) de nossas estruturas políticas e sociais. No entanto, essas pessoas são implacáveis ​​em seu desejo pelo poder e controle total.

Independentemente do giro positivo que os luciferianos adotam por sua ideologia, os frutos de suas atividades falam muito mais alto que a propaganda da qual eles se utilizam. Através de seus esforços em direção ao globalismo, o que vejo é um desejo cancerígeno pelo controle da civilização e de todos os aspectos do pensamento humano. Eu também vejo uma perversão da natureza quando eles procuram obter o que eles chamam de “divindade”. O transhumanismo, o transgênero e a manipulação genética têm todas as características do ideal de controle total do luciferiano.  Independentemente das afiliações religiosas, é difícil encontrar algo de valor em seu sistema. Tudo sobre isso é uma afronta à consciência daquilo que é NATURAL, bom, belo e verdadeiro. Só pode tornar-se aceitável para a maioria pelo engano e pela subversão de tudo que seria sagrado para uma sociedade humana saudável e em progresso.

Se você tem que mentir e agir de modo oculto sobre os motivos da sua filosofia e ideologia para levar as pessoas a adotar àquilo que voce quer, então a sua filosofia deve ser perigosamente incompleta ou completamente cataclísmica e apocalíptica.


Matrix, o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. 

Mas até que nós consigamos despertá-las, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …” 


Saiba MUITO mais, informação adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e a citação das fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

One Response to Luciferianismo: um olhar num sistema de controle globalista destrutivo

  1. silvana

    Assuntos bastante pertinentes e de grande orientação para o momento que estamos atravessando!
    Muito bom!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.