Macron primeiro ameaçou a Rússia com tropas e depois comprou 600 milhões de euros em Gás de Moscou no primeiro trimestre de 2024

Ao mesmo tempo que o ‘acordado’ marionete Rothschild, Emmanuel Macron ameaçou enviar tropas para a Ucrânia para lutar contra a Rússia, o seu país está alimentando o esforço de guerra russo ao comprar 600 milhões de euros em gás natural de Moscou apenas nos primeiros três meses de 2024. De acordo com novos dados, o insignificante “Petit Roi”, agora conhecido nos seus domínios franceses como ‘Macronapoleon‘, a França paga silenciosamente cada vez mais pelo gás russo, apesar de a França usar uma retórica cada vez mais dura e hipócrita em relação à Rússia.

Macron primeiro ameaçou a Rússia com tropas e depois comprou 600 milhões de euros em Gás de Moscou no primeiro trimestre de 2024

Fonte: ReMix News,

Na verdade, o grupo de reflexão do Centro de Investigação sobre Energia e Ar Limpo (CREA) indica que os envios russos de gás natural liquefeito registraram um aumento maior em vendas à França do insignificante “Petit Roi” do que qualquer outro país da UE no ano passado. Os 600 milhões de euros pagos pela França ajudarão, sem dúvida, a alimentar o esforço de guerra da Rússia na Ucrânia.

No mês passado, o ‘acordado’ marionete Rothschild, Macron disse que a França não podia descartar o envio de tropas para a Ucrânia, e o anúncio gerou um debate acirrado em toda a Europa.

Macron chegou ao ponto de apelar aos colegas aliados da OTAN para não serem “covardes”. Muitos líderes europeus reagiram duramente às declarações do insignificante “Petit Roi” Macron, incluindo várias nações afirmando claramente que não enviariam nenhuma das suas próprias tropas para participar no conflito.

A França tem tentado continuamente justificar as suas compras de gás e petróleo à Rússia, argumentando que está presa a contratos de longo prazo com a Rússia que são difíceis de cancelar. Os críticos dizem que Macron poderia estar fazendo mais para reduzir a dependência da França do gás natural da Rússia, especialmente quando afirma que a França é um dos maiores aliados da Ucrânia.

A energia continua a ser a base do fluxo de receitas da Rússia, com os combustíveis fósseis contribuindo com até metade dos seus fluxos de receitas.

Apesar da França e outros países da UE continuarem a comprar ativamente petróleo e gás russos, bem como combustível nuclear, os esforços da UE para reduzir a dependência da Europa da energia russa têm sido amplamente bem-sucedidos, com o bloco reduzindo o seu consumo em dois terços.

No entanto, há dúvidas sobre quão exatos são realmente estes alegados números, uma vez que a Europa, por exemplo, aumentou drasticamente as suas compras de gás natural e petróleo à Índia. Na realidade, muitos destes produtos energéticos vêm da Rússia, com a Índia a servir simplesmente como intermediária e a retirar lucro extra das suas vendas.

A Europa continua a gastar bilhões de euros em gás natural liquefeito (GNL) russo e, num futuro próximo, é pouco provável que isso mude.

A França não é o único país que compra energia russa, mas Macron e muitos dos outros líderes ocidentais que usam uma retórica agressiva em relação à Rússia são talvez os maiores hipócritas. Pelo menos nove países da UE continuam a comprar GNL russo, de acordo com dados de navegação. A França lidera estes países em termos de quantidades globais de compras em 2024, enquanto a Bélgica, a Espanha e os Países Baixos seguem atrás.

O Ministro da Economia francês, Bruno Le Maire, defendeu as compras massivas de Paris, dizendo que o fim da dependência da França do gás de Moscou deve ser “implementado gradualmente para evitar um impacto demasiado brutal no mercado” e aumentos de preços.

Recentemente, têm circulado alegações de que alguns políticos de direita aceitaram dinheiro do meio de comunicação Voice of Europe, que teria sido financiado pela Rússia. A notícia causou indignação generalizada por parte dos meios de comunicação liberais, enquanto, ao mesmo tempo, alguns dos países liberais mais esquerdistas de toda a Europa continuam a enviar bilhões para a Rússia.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth