browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Meteorito Alan Hill-84001, um “pedaço” de Marte encontrado na Antártida

Posted by on 05/09/2019

ALH84001.jpgO meteorito Allan Hills 84001 (geralmente abreviado como ALH84001) é um fragmento de um meteorito marciano encontrado nas Allan Hills na Antártica em 27 de dezembro de 1984 por uma equipe de caçadores americanos de meteoritos do projeto ANSMET. – grupo de meteoritos pegsignita (SNC) ALH84001 acredita-se para ter sua origem no planeta Marte. No entanto, ele não se encaixa em nenhum dos grupos SNC descobertos anteriormente. Sua massa após a descoberta era de 193 kg (43 lb)

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Meteorito Alan Hill-84001, um “pedaço” de Marte encontrado na Antártida

Fonte: https://www.lpi.usra.edu/

O meteorito Alan Hill 84001 foi encontrado na Antártica durante o verão antártico em 27 de dezembro de 1984. Foi encontrado por uma equipe de caçadores de meteoritos do programa ANSMET, patrocinado pelo Escritório de Programas Polar da National Science Foundation dos EUA. ANSMET significa Pesquisa Antártica por METeoritos,  e é financiado desde 1977 pela NSF.

Uma seção cortada da ALH 84001 A área exposta mede 10 por 6 centímetros Foto cedida por Johnson Space Center

É quase certo que o ALH 84001 é de Marte, com as dimensões (tamanho) de : 17 x 9.5 x 6.5 centímetros, mesmo que as pessoas nunca tenham estado em Marte e nenhuma pedra tenha sido coletada em Marte. De fato, existem 11 outros meteoritos, chamados SNCs, que também são quase certos de Marte.

A evidência mais forte de sua origem marciana é que eles, incluindo o ALH 84001, contêm vestígios de gás que são exatamente como a atmosfera marciana. Conhecemos a composição da atmosfera marciana, porque a sonda Viking Lander a analisou em Marte, em 1976. A atmosfera marciana é realmente diferente da atmosfera terrestre, de Vênus ou de qualquer outra fonte de gás já encontrada.

Para sair de Marte, o ALH84001 deve ter deixado sua superfície indo mais rápido que a velocidade de escape de Marte, cerca de 5 quilômetros por segundo (cerca de 11.000 milhas por hora). O único processo natural conhecido que consegue movimentar as rochas com tanta rapidez é o impacto dos asteroides – os vulcões não conseguem lançar pedras com essa rapidez suficiente.

Em 1996, um grupo de cientistas afirmou ter encontrado evidências de fósseis microscópicos de bactérias no meteorito, sugerindo que esses organismos também se originaram em Marte. As alegações imediatamente foram manchetes em todo o mundo, culminando no então presidente dos EUA Bill Clinton, fazendo um discurso sobre a descoberta potencial . Essas alegações eram controversas desde o início e a comunidade científica em geral rejeitou a hipótese, uma vez que todas as características incomuns do meteorito foram explicadas sem exigir que a vida estivesse presente…

Se um meteorito ou asteroide grande o suficiente atingiu Marte, algumas rochas próximas à superfície do planeta vermelho seriam explodidas mais rapidamente do que a velocidade de escape e poderiam deixar Marte completamente. As melhores estimativas são de que um asteroide maior que 1 a 2 quilômetros possa lançar rochas como o ALH 84001 de Marte para o espaço.

Depois de deixar Marte, o ALH 84001 orbitou o Sol por conta própria, como um pequeno asteroide.  Tudo começou com uma órbita quase como a de Marte. Mas sua órbita mudava cada vez que passava perto de Marte ou colidia com um outro asteróide. Além disso, a gravidade dos planetas (especialmente do gigante Júpiter) empurrou lentamente o ALH 84001 para mais e mais longe de Marte.

Por acaso, a órbita do ALH 84001 mudou o suficiente para chegar perto da órbita da Terra, cerca de. 13.000 anos atrás,  e o ALH 84001 colidiu com a Terra na região da Antártida:

Novo mistério da Antártica – Mais um novo meteorito que veio de Marte foi descoberto por cientistas americanos na Antártica, anunciou a agência espacial americana NASA.

O meteorito foi encontrado por uma equipe de campo do programa de Pesquisa Antártica dos EUA (ANSMET) em 15 de dezembro de 2003, em um campo de gelo na Cordilheira Miller das Montanhas Trans Antárticas, a cerca de 750 quilômetros do Polo Sul.

Este meteorito MIL 03346, uma rocha de lava quase indistinguível de muitas rochas da Terra, aterrissou na Antártica há aproximadamente 11 milhões de anos Crédito: NASA / JSC / JPL / Instituto Planetário Lunar

O pedaço de rocha negra  de 715,2 gramas, oficialmente designado Miller Range-MIL 03346, foi um dos 1.358 meteoritos coletados pela ANSMET durante o verão austral de 2003-2004, informou a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço.

Cientistas do Museu Nacional de História Natural envolvidos na classificação das descobertas antárticas disseram que a mineralogia, a textura e a natureza oxidada da rocha são inconfundivelmente marcianas.

O novo espécime é o sétimo membro reconhecido de um grupo de meteoritos marcianos chamado nakhlites, nomeado após o primeiro espécime conhecido que caiu em Nakhla, no Egito, em 1911.

Pensa-se que os nakhlitas tenham se originado dentro de densos fluxos de lava que cristalizaram em Marte cerca de 1,3 bilhão de anos atrás e foram enviados à Terra por um impacto de meteorito cerca de 11 milhões de anos atrás. 


“E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou-se em sangue a terça parte do mar. E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte dos navios. E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas. E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas”.  –   Apocalipse 8:8-11


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

Isso deixa sem resposta a questão de como essa rocha atravessou cerca de 52 milhões de quilômetros de espaço e chegou à Terra. Talvez um OVNI tenha pousado em Marte e a rocha tenha se alojado em seu trem de pouso. Mais tarde, quando o disco estava se aproximando de uma base alienígena na Antártida, a rocha se soltou e caiu no campo de gelo. Em suma, a rocha chegou à Terra da mesma forma que o dente de leão chegou à América do Norte – por “navio”.

 


Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-golden-ratiowww.thoth3126.com.br

 

One Response to Meteorito Alan Hill-84001, um “pedaço” de Marte encontrado na Antártida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.