“Ministério da Verdade” de Orwell criado pelos EUA. Conselho de Desinformação da DHS será ‘Não Partidário’ e ‘Apolítico’

A Casa Branca afirmou nessa segunda-feira que um conselho recém criado sobre desinformação sob a supervisão do Departamento de Segurança Interna (DHS) será “não partidário e apolítico”, em meio a preocupações de que possa ameaçar a liberdade de expressão. A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, foi questionada sobre como o conselho funcionaria, em relação ao combate à desinformação de cartéis [??] e desinformação de grupos extremistas.

“Ministério da Verdade” de Orwell criado pelos EUA. Casa Branca diz que a criação do ‘Conselho de Desinformação’ da DHS [Depto de Segurança Interna] será ‘Não Partidário’ e ‘Apolítico’

Fonte: The Epoch Times

“Como exatamente esse conselho combateria isso [a “desinformação”]? Seria apenas checagem de fatos, publicação de orientação ou, você sabe, o que os americanos realmente veriam quando se trata do trabalho deste conselho?” perguntou um repórter.

Psaki disse que o Conselho de Governança da Desinformação está “continuando o trabalho feito pela [Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura (CISA)] até 2020”.

“Então, o que isso faria é continuar esse trabalho e ajudaria a coordenar as atividades internas do departamento relacionadas à desinformação que representa uma ameaça à pátria”, disse ela.

A CISA foi criada em novembro de 2018 depois que o então presidente Donald Trump sancionou a Lei CISA de 2018. Os objetivos declarados da CISA incluíam coordenar questões de segurança cibernética em todos os níveis de governo e melhorar as proteções de segurança cibernética do governo contra hackers.

Em novembro de 2020, Trump demitiu o então diretor da CISA, Chris Kreb, depois que a agência disse que a eleição presidencial de 2020 era a “mais segura da história americana” e que “não há evidências de que qualquer sistema de votação tenha excluído ou perdido votos, alterado votos ou estava em qualquer forma comprometida.” 

Na ocasião, a CISA omitiu que a Dominion Voting Systems, cujas máquinas vários estados utilizam,  fazia parte de um dos conselhos que divulgou a declaração.

Psaki disse a repórteres na segunda-feira que o objetivo geral do Conselho de Governança da Desinformação “não é julgar o que é verdadeiro ou falso online ou de outra forma”, acrescentando: “Ele funcionará de maneira apartidária e apolítica”.

O secretário do DHS, Alejandro Mayorkas, revelou notícias do Conselho de Governança da Desinformação  durante uma audiência no Congresso em 27 de abril.

O anúncio do conselho ocorre depois que Elon Musk, que é contra a censura e apoia  a liberdade de expressão, chegou a um acordo para comprar o Twitter e torná-lo privado. O conselho foi comparado pelos críticos ao “Ministério da Verdade”, conforme descrito no romance “1984”, de George Orwell. Mais de uma dúzia de legisladores republicanos expressaram preocupação com a nova iniciativa.

Nina Jankowicz

No domingo, Mayorkas disse à Fox News que o conselho abordará a desinformação que representa uma “ameaça à segurança da pátria”, que pode vir de países como China, Rússia e Irã, bem como de cartéis mexicanos. Ele afirmou que o trabalho do conselho não infringiria a liberdade de expressão, liberdades civis ou direitos civis.

“É basicamente destinado a coordenar muito do trabalho em andamento que está acontecendo”, acrescentou. “O foco está na desinformação que ameaça a pátria, como observei – coisas que incitariam o extremismo violento, você sabe, traficantes de seres humanos e outras organizações criminosas transnacionais, quaisquer esforços de influência estrangeira maligna, qualquer coisa que coloque em risco indivíduos durante emergências”.

“Então, muito desse trabalho é realmente sobre o trabalho que as pessoas podem não ver todos os dias que está em andamento pelo Departamento de Segurança Interna.”

Enquanto Psaki afirmou que o conselho seria “não partidário e apolítico”, a khazar Nina Jankowicz, que foi nomeada diretora executiva do “Conselho de Desinformação”, “apoliticamente” já havia expressado apoio à candidata presidencial Hillary Clinton durante a eleição de 2016.

Ela também fez várias declarações públicas contra Trump e, em 2020,  elogiou o  ex-espião britânico Christopher Steele, que em 2016 foi coautor de um dossiê desacreditado sobre Trump, financiado pela campanha de Hillary Clinton e pelo Comitê Nacional Democrata. Não partidário e apolítico é uma piada grosseira.

Mais recentemente, semanas antes da eleição de 2020, Jankowicz postou nas mídias sociais contestando notícias sobre o laptop de Hunter Biden, sugerindo que era uma “operação de influência russa”.

Jankowicz é uma “especialista em desinformação russa” que atuou como Disinformation Fellow no Woodrow Wilson Center for International Scholars em Washington. De acordo com seu site , ela é uma especialista reconhecida internacionalmente em desinformação e democratização”.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.325 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth