browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Mohenjo Daro, destruição por bomba atômica em torno de 2000 a.C.

Posted by on 13/06/2020

Mohenjo Daro localizada as margens do lendário rio Indus no hoje Paquistão é um sítio arqueológico que ainda representa uma questão fascinante, foi a sede de uma antiga civilização, da qual ainda são ignoradas as causas do desaparecimento súbito e repentino, que adotou uma escrita pictográfica com um significado também ainda desconhecido e onde as roupas de algodão já eram usadas há quatro mil anos ( 1 ) ; o algodão mais antigo descoberto até agora. Mohenjo Daro, local onde não há tumbas, é chamado de Morro dos Mortos.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Mohenjo Daro, antiga civilização do Rio Indus, sua destruição por bomba atômica em torno de 2000 a.C.

Fonte:  https://www.bibliotecapleyades.net/arqueologia/esp_mohenjo_daro_6.htm

É o local de esqueletos “extremamente radioativos” ( 2 ) . Esqueletos, com traços de carbonização e calcinação, agora desaparecidos, e os pesquisadores descobriram que as mortes foram instantâneas e violentas. São restos de homens, mulheres e crianças, e não de guerreiros que morreram em batalha. Armas não foram encontradas e nenhum ser humano mostra ferimentos por armas de corte ou de guerra.

As posições e locais onde os ossos foram encontrados indicam mortes instantâneas, que ocorreram sem tempo material para as vítimas perceberem o que estava acontecendo; pessoas foram apanhadas durante as suas ações diárias habituais. Alguns foram do sono até a morte, junto com dezenas de elefantes, bois, cães, cavalos, cabras e veados.

A descoberta arqueológica da cidade veio à luz em 1921, quando a arqueóloga Daya Harappa, de quem a civilização descoberta foi nomeada, foi contratada para recuperar as ruínas de um templo budista localizado em uma ilha no meio do rio Indus.

Anteriormente, em 1856, John e William Brunton , encarregados de construir um trecho de ferrovia, relataram que havia ruínas na área da qual numerosos tijolos foram retirados para construir uma estrada ferroviária. As escavações, continuadas pelo governo paquistanês, desvelou a existência de um núcleo urbano com sete cidades sobrepostas em camadas, uma acima da outra, e outras mais seriam encontradas se as escavações continuassem abaixo do nível do rio. Sete camadas de cidades se sobrepondo nesta colina como as ruínas de Troia.

Mohenjo Daro, com sua piscina coberta de doze metros, sem templos e um palácio, característico de todas as cidades antigas; mas com ruas de até dez metros de largura e prédios construídos em tijolos cozidos completamente semelhantes aos nossos, com até três andares de altura, equipados com água encanada, banheiros, canalização de esgoto e água da chuva. Em outras palavras, uma cidade moderna de incríveis quarenta mil habitantes, dedicada à caça, pesca, produção de cerâmica, a principal atividade industrial do local, desapareceu no ar instantaneamente e acabou carbonizada, como foi deduzido dos únicos quarenta e três restos de esqueletos humanos encontrados.

Poços que levavam água para os andares superiores das casas senhoriais, em uma área longe do epicentro da explosão.

Com os habitantes de Mohenjo Daro, uma cabeça de terracota, sem rosto, com uma estranha “abertura ao nível dos olhos”, da qual  as fotos tiradas por Davemport e Vincenti, indicam a peça como um “capacete de guerra”, desapareceu misteriosamente.

Curiosidade: nenhum capacete desse tipo foi encontrado em outro local.

Os primeiros assentamentos na bacia do fértil vale do rio Indus datam de 9.000 anos atrás. Segundo estimativas, havia mais de 2.500 centros habitados no vale do Indus. O principal recurso são os produtos cerâmicos de excepcional qualidade tecnológica, com conteúdo de sílica médio-alto.

Em Mohenjo Daro, que se acredita ter sido destruída pela explosão de dois dos inúmeros fornos presentes, devido a uma temperatura excessiva atingida na câmara de combustão, destacada, segundo a ciência oficial, por blocos parcialmente derretidos e milhares de gotas enegrecidas de argila vitrificada. Dizem que escavações são proibidas por “necessidades conservadoras”.

2000 a.C.: distruzione atomica: La misteriosa scomparsa di una città Titanica nella Valle dell'Indo (India Misteriosa) (Italian Edition) por [Davenport, David William , Vincenti, Ettore ]David Davemport e Ettore Vincenti , autores do livro “2000 a.C.,Distruzione Atomica” [Destruição Atômica em 2000 a.C.], tiveram alguns detritos enegrecidos coletados na área considerada o epicentro da explosão examinada, em amostras de vasos e tijolos, pulseiras e areia vitrificadas. A partir das análises realizadas pelo Instituto de Mineralogia da Universidade de Roma, a argila resultou, como já mencionado anteriormente, ter sido submetida a uma temperatura superior a 1500 graus por algumas frações de segundo.

Isso teria causado o início de uma fusão que foi imediatamente interrompida, excluindo que o calor de um forno, sem falar em outros desastres naturais, poderia produzir esse efeito. Os resultados foram confirmados pelo Prof. Bruno Di Sabatino, vulcanologista do Instituto de Mineralogia e Petrografia, com quem o Prof. Amuleto Flamini e o Dr. Giampaolo Ciriaco colaboraram.

Evidências adicionais da ausência de fenômenos vulcânicos e sísmicos na região, os poços de água permaneceram no seu local original. Segundo Davemport, especialista em sânscrito, o Ramayana [Caminho de Rama] forneceria a chave certa para a leitura do que aconteceu em Mohenjo Daro.

É descrita a história de Ravana de Sri Lanka que força seu irmão Dhanada a se aposentar no Himalaia, apoderando-se do reino em seu lugar. Ravana o persegue, o vence e toma posse do seu veículo [VIMANA] voador, o prestigiado “Pushpaka vimana”. Fala-se de uma aeronave equipada com pilares dourados, portões de esmeralda, tão rápida quanto o pensamento, construída sob as ordens de Brahma . A bordo deste vimana, Ravana, desceu do sagrado Monte Kailash.

Na parte do poema chamado “Uttara Kanda”, no capítulo 23, está escrito:

“Vendo o exército deles abatido em voo, os filhos de Varuna, esmagados pela chuva de mísseis, tentaram parar a luta. Eles estavam fugindo para o subsolo ( 3 ) quando viram Ravana em seu Pushpaka Vimana. De repente, mudaram de rumo e se jogaram no céu com sua frota de máquinas voadoras. Uma briga terrível estourou no ar. “

Ravana sequestra Sita [consorte de Rama], filha de Jawata, rei da cidade de Mithila e esposa de Rama , que após uma amarga batalha matará Ravana e libertará Sita.

Efeito do calor intenso nas rochas. As bolhas presentes atestam a temperatura extremamente alta à qual foram expostas por uma fração de segundo.

O capítulo 88 de Uttara Kanda lê a reação do rei Jawata:

“Indra queimará o reino daquele vilão com uma chuva de poeira esmagadora. Chegou a hora do extermínio daquele louco e de seus seguidores.”

Então o dardo de Indra destrói a fortaleza de Ravana.

Mas seu reinado, situado entre as montanhas Vindhya e Saivala, hoje Aravalli e Sulaiman , corresponde a Lanka , uma palavra que significa ilha, que é Mohenjo Daro localizada exatamente em uma ilha do rio Indus. Conclusões ousadas, mas mais confiáveis ​​do que qualquer outra, ligadas às histórias sobre vimanas, o meio de transporte comum das pessoas que vieram das estrelas, narradas em Ramayana e seu excerto, o Mahabharata .

Amostra de pedras negras derretidas por calor.intenso

Com esta tecnologia, o uso de armas atômicas não pode ser descartado, nem o uso dessa energia é a causa do desaparecimento de “Lanka”. Outros povos nos contam eventos semelhantes. Da China, vêm histórias de eventos remanescentes dos descritos nos dois livros sagrados indianos. Diz-se que a China foi governada por reis divinos por dezoito mil anos, narrações de feitos em comum com a Índia, Suméria e o Egito. Ele fala de uma época em que homens e animais viviam em harmonia em um jardim que lembra muito o Paraíso.

Em Shan-hai-ching , um livro sagrado, falamos do “Miao”, uma raça humana com asas que, em 2.400 a.C, discutiu com o “Senhor das Alturas” e perdeu a capacidade de voar.

Também se fala de quando o Senhor Chang-ti , vendo que a raça dos atlantes perdeu toda a virtude, ordenou que dois Dhyani ( 4 ) , Chang e Li, parassem todo contato entre o céu e a terra. Há a história dos dez sóis e do arqueiro Yi; mas descreve a história de quatro gigantes celestiais que, à frente de cem mil guerreiros, correm em auxílio de Shang comprometidos em defender a montanha de Hsich’i. O gigante mais velho tinha sete metros de altura e tinha uma espada chamada “nuvem azul”.

Quando ele a desembainhou, “um vento negro emergiu de onde saíram milhares de lanças que atingiram o inimigo pulverizando-o”.

Por trás do vento “uma roda de fogo encheu o ar com dezenas de milhares de cobras douradas”, uma fumaça espessa subiu do chão que queimou e cegou as pessoas. Durante a leitura, também encontraremos os Imortais a cavalo de dragões e unicórnios, talvez aeronaves; conheceremos o velho imortal do sul, que vem de Agartha e dá a Tzu-Ya, herói da história, uma arma “que queima o chão e produz luz”, com a qual ele pode conquistar o mundo.

Histórias idênticas às da Índia, na Suméria, dos celtas da tribo Tuatha de Danaan , que ocorrem em todas as partes da Terra no mesmo período e lembram armas de raio lasers e dispositivos voadores.

Depois de vencer Ravana, Rama voa para a cidade de Ahyodhya com o Pushpaka Vimana vencido pelo inimigo, para trazer Sita para casa. A descrição da viagem atesta que Rama está acostumado a voar. De cima, ele reconhece os lugares que voou e os lista em Sita. Ele ainda menciona o Monte Kailash e sua forma piramidal, indicando-o como o lugar “visitado por homens do céu” e usado como ponto de referência como consequência de sua forma.

Reprodução de como seria Mohenjo Daro há cerca de 4 mil anos.

Por coincidência, falamos do Monte Kailash, hoje considerado sagrado e com sua forma piramidal, e que o nome Sita é o mesmo que é atribuído ao rio Shambhala?

A história também confirma que Mohenjo Daro é Lanka:

“Veja como o Lanka foi construído por Vishvakarma no topo da fortaleza de três pontas que se assemelha ao pico de Kailash ( 5 ) . Olhe para o campo de batalha coberto com uma lama de carne e sangue, houve uma grande carnificina de Titãs por lá ( 6 ) .

Ali fica o feroz Ravana. (…) Agora chegamos a KishKindha com seus magníficos bosques, naquele lugar que matei Bali. “

Rama é um especialista em geografia aérea de um território de cerca de dois mil quilômetros de largura. Quem escreveu o Ramayana, como ele poderia saber tudo isso? O autor era um especialista em vôo e manutenção de mapas de toda a região? Segundo Davemport ,

“os autores antigos certamente viram e testemunharam seus efeitos; mas, como conseqüência da pobreza da linguagem ou da falta dos termos necessários, a imagem que eles dão está ausente do ponto de vista técnico-descritivo”.

Isso já aconteceu quando os nativos americanos entraram em contato com a tecnologia da raça branca e com animais que desconheciam, como o cavalo, que chamaram de “cachorro grande”.

Tínhamos “as varas trovejantes”, as “facas compridas”, o “cavalo de ferro”. Os arianos viram a “flecha inteligente”, “o pássaro habitado”, a “flecha que segue os sons”, “a arma do sono”. É o Vymanika Shastra que fornece os dados técnicos para se produzir um objeto voador muito semelhante às cápsulas espaciais.

É evidente que o autor deste livro foi capaz de observar as “Vimanas” voando nos céus por um longo tempo, de modo a fornecer informações precisas. O Dr. Josyer, diretor da Academia Internacional de Pesquisa Sânscrita em Misore, na Índia fornece essas informações. Segundo Davemport e Vincenti, a descoberta pode ajudar a aprimorar nossa tecnologia.

Outra evidência a favor da tese de Vincenti e Davemport, infelizmente desapareceu prematuramente, é fornecida pelos estudos do Dr. Roy, diretor do Institute of Chronology of New Delhi .

Das investigações histórico-arqueológicas, parece que Mohenjo Daro é realmente o Lanka de Dasagriva, a cidade de Ravana mencionada no Ramayana. De fato, o poema nasceu na conquista de Mohenjo Daro há cerca de quatro mil anos atrás. Dr. Roy identifica o moderno Kalat na região que era então conhecida como Kishkindha . Um ponto do vale do rio Indus onde a língua, chamada Telogu, era uma elaboração da família Dravidica.

Na guerra de Deva Asura, este Dasatha lutou contra Timidhwaja, pertencente à raça dos Rakshasas e aliado de Shambara, cujo emblema, uma Timi (baleia), sugere que ele morava perto do mar, talvez em Makran, onde Ravana também morava. Além disso, “ravana” era um título, uma denominação simples, não um nome próprio, o nobre morto por Rama era Dasagriva, conhecido como Senhor do Lanka, ou seja, Ravana de Lanka.

A partir de dados históricos, descobrimos que Dasagriva Ravana era um amigo do rei de Kishkinda. O reino de Ravana estava em Sind, e Mohenjo Daro era sua capital.

Assim, o império Harappa tinha a cultura da raça Danava no norte, com seu centro em Hariupia; ao sul, Rakshasa, com a capital Mohenjo Daro, conhecida como “a ilha” ou Lanka na língua Telogu,

“uma estreita faixa de terra entre o leito principal do rio Indus e a curva oeste do rio Nara, sujeita a inundações até que um longo aterro foi capaz de impedi-los”.

Há restos desse aterro artificial pré-histórico por uma milha. Inundações subsequentes também são evidentes com a conseqüente deposição de camadas de sedimentos de areia que elevam o piso em trinta pés (nove metros). Estudos hidrográficos realizados na região de Sind mostraram que o rio Indus inundou o oeste de Mohenjo Daro em 2000 aC. Outra demonstração é o gigantesco aterro anti-inundação que o cerca.

Uma peça manufaturada de Alumínio com a idade de 20 mil Anos, um trem de pouso de um “Vimana” (uma antiga espaçonave) da antiga ÍNDIA – Bharata – foi descoberto. FONTE

Naquela época, durante as inundações, Swarna Lanka tinha que aparecer como descrita : a ilha dourada . As batalhas aéreas do Mahabharata também teriam realmente acontecido. Segundo Roy em 1.424 a.C. A confirmação de Mahabharata de que pertenceria à Idade do Cobre, uma vez que a palavra védica muito antiga “ayas” significa “cobre”.

Dr. Roy afirma que Vyasa usou a palavra “ayasa bhima”, não “Iron Bhima”. As escavações teriam revelado que as últimas culturas de Harappa e Kuru coexistiram, e o Dr. Roy mostrou que essas duas culturas pertenciam à era do cobre, portanto à era védica. O material astronômico do Rig Veda revela que em 3.070 a.C. o rei Manu reinou; em 2.000 a.C. Rama e Dasaratha. Em 2.005 a. C. a derrota e o saque de Lassa ocorreram, colocando assim a Divodasa em 2.005 aC

Naquela época, vários povos viviam no país. Havia os Devas, os arianos védicos, os adoradores de Indra e os Asuras, proponentes de guerras ferozes por volta de 2.000 a.C., que lhes deram o apelido de perversos. Um fato histórico que começou no reino de Divodasa em 2.030 a.C. e terminou com a grande batalha “Dasa Rajana”. Assim, temos a confirmação de que Dasaratha participa ativamente da guerra ao lado de Divodasa contra Timidhwaja, e esse fato mostra que a batalha ocorreu entre dois exércitos humanos.

Os Danavas foram comandados por Shambara, rei de Hariyupia, filho de Kulitara, que viveu e governou por volta de 2.000 a.C. Divodasa travou uma guerra contra ele, matou-o e Hariyupia (ou Harappa) foi conquistada. Toda a região de Asura fez uma oferta para resgatar a cidade, mas em uma horrível batalha no rio Parushni (agora Ravi), Sudasa os rejeitou. É uma batalha conhecida como a dos dez reis (1.930 a.C.). Os dados históricos também fornecem a data de planejamento da cidade de Harappa, 2.550 a.C.

Caracteres da escrita de Mohenjo Daro, até hoje ainda não decifrada, permanece um enigma

Na região de Harappa, havia uma civilização comercial por excelência, também habitada pelos nagas [povo SERPENTE] e janas, que também eram excelentes comerciantes e industriais. No poema também há referências aos Vanaras e seu grande rei Bali, aliado de Ravana, assim tudo se forma e encontra as correspondências históricas corretas; não podemos mais falar de coincidências .

Devemos considerar a possibilidade de que tecnologias avançadas foram usadas e o uso de armas atômicas, quatro mil anos atrás (e não apenas somente na Índia, no Oriente Médio, Sodoma e Gomorra também foram incineradas por artefato atômico). Uma investigação, embora limitada em sua viabilidade, na área poderia fornecer outras evidências. Seria o suficiente para verificar o aumento de mortes após câncer, quantas escavadeiras; quantas gravações de objetos com traços radioativos.

Ainda existem áreas com traços de radioatividade que, segundo se diz, muitos ainda evitariam para “não serem mortos por maus espíritos”? Mediante consulta, ainda que limitada, de documentos e registros pessoais e funerários; alguma coisa, se você quiser, acho que podemos verificar.

Notas:

  1. O algodão, procedente das Américas, foi introduzido no Mediterrâneo apenas em 300 a.C.
  2. Segundo Gobrovski, autor de “Enigmas da Antiguidade”, cinquenta vezes mais do que o normal.
  3. Davemport e Vincenti se perguntavam se eram abrigos subterrâneos.
  4. Denominação com que os deuses são indicados na doutrina esotérica, como veremos mais adiante.
  5. Isso lembra a cidade das três alturas e suas histórias.
  6. Desta forma, os habitantes de Lanka foram indicados.

“Há muito mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que imagina tua vã filosofia”. – Hamlet.


Mais informações sobre civilizações antigas em:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.