Netanyahu ignorou todos os avisos. Agora Biden está dizendo a Israel: ‘Já basta’

Com um carregamento de cerca de 3.500 bombas atualmente parado, o presidente dos EUA, [‘Dementia’ Joe] Biden, está enviando uma mensagem clara ao primeiro-ministro [e psicopata] Benjamin Netanyahu sobre a operação terrestre em Rafah, na Faixa de Gaza. Os Estados Unidos não irão “isolar-se do resto do mundo para apoiar a intransigência israelita”, disse o presidente ao seu secretário de Estado. O presidente em questão não era Joe Biden e o secretário de Estado não era Antony Blinken. Pelo contrário, foi o Presidente Gerald Ford quem disse isto a Henry Kissinger no auge da crise de “reavaliação” de Março de 1975.

Netanyahu ignorou todos os avisos. Agora Biden está dizendo a Israel: ‘Já basta’

Fonte: Haaretz, Israel

Ao tentarem mediar um acordo de retirada israelo-egípcio para o Sinai, no rescaldo da Guerra do Yom Kippur, em 1973, os americanos encontraram o desafio israelense, a paralisação e as discussões intermináveis.

Como resultado, os Estados Unidos anunciaram uma “reavaliação” da sua política para o Oriente Médio, que incluía o adiamento do fornecimento de jatos F-15 – na altura a suposta plataforma de armas multiplicadoras de força de Israel.

O cenário da crise é muito diferente, as relações entre Israel e os Estados Unidos em 2024 são inerentemente diferentes das de 1975. A geopolítica é diametralmente diferente. O contexto internacional é manifestamente diferente. Mas o que o presidente Biden disse na quarta-feira é, neste momento, de forma limitada, uma “reavaliação” das relações dos EUA com Israel.

Quando o presidente americano diz numa entrevista à CNN que os Estados Unidos não fornecerão armas ofensivas a Israel para atacar Rafah, menos de uma semana depois de ter suspendido um importante carregamento de armas de cerca de 3.500 bombas, trata-se de uma reavaliação por definição, por natureza. e por design.

A questão de saber se isto é uma grande mudança ou um aviso simbólico depende de Israel, não dos Estados Unidos. Após meses de procurar deliberadamente um confronto aberto com os americanos para servir os seus interesses políticos, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu finalmente conseguiu a sua crise – e imediata e previsivelmente começou a pontificar.

Desde a reavaliação de Março de 1975 (que foi revertida mais tarde nesse mesmo ano), os americanos reduziram várias vezes os envios de armas para Israel, incluindo entre Dezembro e Fevereiro, durante a última guerra em Gaza. Foram atrasos muito específicos e temporários, feitos discretamente e concebidos para enviar uma mensagem, mas que não refletiram negativamente nas relações até então.

A singularidade da decisão atual é a sua abertura. A remessa em espera inclui 1.800 bombas de 2.000 libras, 1.700 bombas de 500 libras e possivelmente kits JDAM – a munição conjunta de ataque direto que converte bombas “burras” não guiadas em bombas de precisão guiadas. Simultaneamente, em Abril, o Congresso aprovou o pedido de Biden para um acordo emergencial de armas no valor de 14 bilhões de dólares para Israel, e na semana passada autorizou um carregamento de munições no valor de 827 milhões de dólares.

Significa isto que a declaração de Biden deve ser encarada levianamente ou rejeitada como um espasmo momentâneo causado pela pressão dos democratas no Congresso e a opinião pública ocidental contra Israel ? Absolutamente não.

A enxurrada de clichês e mais clichês tipo “Isso vai passar”, “Quando a situação chega, somos aliados”, “Isso é apenas simbólico” e “O Partido Republicano nos ama” é irrelevante e equivocada. Enquanto Netanyahu [e seu governo radical] estiver no poder, isto não passará.

Os lamentos e queixas vindos de Tel Aviv podiam ser ouvidos do outro lado do Atlântico, em Washington. Israel está “profundamente frustrado com a decisão dos EUA”, além de “Israel está chateado e furioso porque os EUA o surpreenderam com o acordo de reféns/cessar-fogo” de três dias antes. A frustração é compreensível ; a surpresa não é.

Netanyahu foi avisado repetidamente, mas optou, como sempre faz, por rejeitar, ridicularizar ou ignorar os avisos e mensagens discretas vindas dos EUA. Durante sete meses ele enganou, manipulou, evitou, protelou e recusou-se a interagir com os Estados Unidos.

Ele não demonstrou nada além de grosseiro desrespeito pelos pedidos dos EUA. Mesmo quando eles estavam errados, ele não iniciou um diálogo verdadeiro e não tentou persuadi-los. Ele simplesmente ignorou ou fez declarações desafiadoras e incendiárias para os americanos.

Do ponto de vista dos EUA, independentemente de esta decisão ser ou não simbólica, foi Israel quem provocou isto. É assim que é percebido e interpretado em Washington: Israel tem ignorado as ideias e os pedidos dos EUA sobre como evitar mortes de civis palestinos em Gaza. Israel recusa-se a encetar um diálogo com os americanos sobre a governança de Gaza no pós-guerra. Israel tem empregado táticas e munições que causaram destruição desnecessária e uma taxa muito elevada de vítimas civis. Israel criou uma crise humanitária que os Estados Unidos foram severamente criticados por países do ocidente a oriente por terem permitido.

É claro que Israel tem uma perspectiva e explicações diferentes. Mas fingir estar surpreso com a declaração de Biden é, na melhor das hipóteses, falso e, na pior, manipulador.

Imediatamente depois de os Estados Unidos confirmarem que o envio de armas foi adiado propositadamente, Netanyahu revelou uma jóia: esta decisão irá potencialmente “colocar em risco as negociações para chegar a um acordo de reféns”. Ele poderia muito bem ter dito que a decisão afetaria negativamente o aquecimento global ou os playoffs da NBA.

A decisão de suspender o carregamento de armas para Israel foi seguida pelas observações do secretário da Defesa, Lloyd Austin, de que os Estados Unidos irão rever a “assistência de segurança a curto prazo” a Israel à luz dos acontecimentos em Rafah. E então a entrevista de Biden na CNN focou-se em Rafah. Ligaram diretamente uma revisão política a um potencial ataque israelita a Rafah.

Vale a pena, portanto, investigar como a abordagem dos EUA em relação a Rafah contrasta fortemente com a de Israel. Netanyahu, com emoção, psicose e hipocrisia extras, retratou Rafah como Stalingrado em 1942-1943 ou a Batalha do Bulge em 1944-1945. O princípio da “vitória total” e a erradicação do Hamas.

Ao acusar Biden de deter Israel à beira da vitória, Netanyahu está insinuando propositadamente que o presidente Biden está impedindo Israel de derrubar o Hamas. Esse era o seu objetivo desde Outubro: projetar o fracasso de uma ou de ambas as Forças de Defesa de Israel e dos Estados Unidos.

Neste mapa uma “diferente” visão do ORIENTE MÉDIO: O GRANDE ISRAEL: Em 04 de setembro de 2001 uma manifestação foi realizada em Jerusalém, para apoiar à ideia da implantação do Estado de Israel desde o RIO NILO (Egito) até o RIO EUFRATES (Iraque). Foi organizado pelo movimento Bhead Artzeinu (“Para a Pátria”), presidido pelo rabino e historiador Avraham Shmulevic de Hebron. De acordo com Shmulevic: “Nós não teremos paz enquanto todo o território da Terra de Israel não voltar sob o controle judaico …. Uma paz estável só virá depois, quando ISRAEL tomar a si todas as suas terras históricas, e, assim, controlar tanto desde o CANAL de SUEZ (EGITO) até o ESTREITO de ORMUZ (o IRÃ) … Devemos lembrar que os campos de petróleo iraquianos também estão localizadas na terra dos judeus”. UMA DECLARAÇÃO do ministro Yuval Steinitz, do Likud, que detém o extenso título de ministro da Inteligência, Relações Internacionais e Assuntos Estratégicos de Israel hoje: “Estamos testemunhando o extermínio do antigo Oriente Médio. A ordem das coisas esta sendo completamente abalada. O antigo Oriente Médio está morto, e o novo Oriente Médio não está aqui ainda. Esta instabilidade extrema poderia durar mais um ano, ou até mais alguns anos, e nós não sabemos como a nova ordem do Oriente Médio vai se parecer à medida que emergir a partir do caos e derramamento de sangue e fumaça atual. É por isso que devemos continuar a agir com premeditação”. No mapa acima podemos ver as pretensões de judeus radicais (tão ou mais radicais quanto os fanáticos islâmicos).

A evolução americana do pensamento sobre Rafah é mais sutil e ligada à realidade. Tudo começou com uma pergunta simples em outubro: se Rafah é o centro de gravidade militar do Hamas, ao longo da rota de Filadélfia de 14 quilômetros (8 milhas) que se estende de Rafah, no sudeste, até o Mediterrâneo, no noroeste, então por que isso aconteceu? Israel iniciar a campanha no sul em vez de invadir o norte de Gaza e a Cidade de Gaza? Um general da Marinha de três estrelas enviado para aconselhar Israel fez essa pergunta específica já em outubro. O secretário de Defesa Austin fez essa pergunta novamente algumas semanas depois.

À medida que a invasão do norte de Gaza avançava, com milhares de mortes de civis, em sua maioria mulheres e crianças, e destruição generalizada, acompanhada inevitavelmente por uma crise humanitária dos palestinos, os Estados Unidos começaram a questionar se Israel poderia fazer o mesmo em Rafah. Os americanos não se opuseram a operações cirúrgicas de menor dimensão, orientadas pela inteligência, mas alertaram Israel repetidas vezes relativamente a uma operação em grande escala.

Nas últimas semanas, esse alerta foi ampliado à medida que as negociações sobre um acordo de reféns pareciam progredir. Mas então Netanyahu apresentou uma falácia lógica, declarando que “uma operação em Rafah será lançada com ou sem cessar-fogo”. Isso [essa arrogância tresloucada] pareceu ser demais para a administração Biden.

A principal crítica que os Estados Unidos fazem à condução da guerra por Israel não são as baixas civis ou a devastação, mas a total falta de objetivos políticos claramente definidos, coerentes e alcançáveis. O caminho para derrubar o Hamas é diplomático e não um ataque violento a Rafah – por mais justificado e sensato que possa parecer aos planejadores militares israelenses.

Com a sua decisão de condicionar os carregamentos de armas à política de Rafah de Israel, os EUA está enviando uma mensagem clara e inequívoca [aos sionistas de] ISRAEL: BASTA.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth