Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Nuland foi demitida por seu papel no ‘Desastre da Ucrânia’?

A “aposentadoria” de Victoria Nuland é uma admissão de que o principal projeto de política externa do Deep State em Washington DC falhou vergonhosamente. Nenhum funcionário do governo está mais identificado com o fiasco da Ucrânia do que Nuland. Ela esteve no terreno microgerindo as atividades desde e durante o golpe de 2014 e supervisionou o sórdido envolvimento do Departamento de Estado empurrando a Ucrânia para a guerra com a Rússia. 

Nuland foi demitida por seu papel no ‘Desastre da Ucrânia’?

Fonte: Unzreview.com

A sua carreira está inextricavelmente ligada ao malfadado desastre apoiado pela OTAN/G-7, que resultou na morte desnecessária de centenas de milhares de jovens ucranianos e na destruição de grande parte do país. 

Assim, a questão que temos de nos colocar é se as maquinações persistentes de Nuland para arrastar a OTAN/G-7 para uma guerra invencível com a Rússia são a razão pela qual ela “levou o machado”, ou seja, anunciou a sua demissão por “aposentadoria” ? Aqui está um trecho da declaração oficial à imprensa do Departamento de Estado:

Mas é a liderança de Toria (Nuland) na Ucrânia que os diplomatas e estudantes de política externa irão estudar nos próximos anos. Os seus esforços têm sido indispensáveis ​​para enfrentar a invasão em grande escala da Ucrânia por Putin e para organizar uma coligação global OTAN/G-7 para garantir o seu fracasso estratégico, e para ajudar a Ucrânia a trabalhar rumo ao dia em que será capaz de se manter firmemente de pé – democraticamente, economicamente e militarmente. Sobre a aposentadoria da subsecretária de Estado para Assuntos Políticos Victoria Nuland, Departamento de Estado dos EUA

Este é um parágrafo extraordinário que coloca a culpa pelo desastre ucraniano diretamente sobre os ombros de Nuland. Sim, ela foi “indispensável” na liderança do esforço para confrontar Putin, tal como desempenhou um papel crítico na “organização de uma coligação globalOTAN/G-7 para levar a cabo uma guerra por procuração contra a Rússia. 

E o que esta declaração nos diz é que Nuland foi um dos principais arquitetos do conflito em curso, o que significa que ela é em grande parte responsável pelo abismo cada vez maior entre os líderes da OTAN/G-7, pela crescente carnificina no campo de batalha e pela derrota estratégica da América para o seu principal país e rival geopolítico, a Rússia. Em suma, nenhum outro funcionário do governo é mais responsável pelo atoleiro ucraniano do que Victoria [Toria] Nuland.

Além disso, Nuland deixa para trás uma catástrofe gigantesca para a qual não há remédio aparente nem saída fácil. Não podemos esperar que a administração de ‘Dementia’ Joe Biden simplesmente “corte e fuja” no que é visto como um confronto direto com Moscou. ‘Dementia’ Joe irá, sem dúvida, avançar como um gesto de salvação, independentemente dos custos, prejudicando ainda mais as relações com os aliados, ao mesmo tempo que entregará grandes porções do leste da Ucrânia ao exército russo. 

Esta é claramente uma situação sem saída para o Deep State que controla seus marionetes em Washington DC e é por isso (pensamos) que Nuland – que criou esta confusão– conseguiu o seu “Pink Slip”. Aqui está mais da declaração do Departamento de Estado:

O mandato (de Nuland) encerra três décadas e meia de “notável serviço público” sob seis presidentes e dez secretários de Estado. Começando com seu primeiro posto como funcionária consular em Guangzhou, China, Toria ocupou a maior parte dos empregos neste departamento. Oficial político e oficial econômico. Porta-voz e chefe de gabinete. Subsecretária Adjunta e Secretária Adjunta. Enviada Especial e Embaixadora.

Estas experiências armaram “Toria” com um conhecimento enciclopédico de uma vasta gama de questões e regiões, e com uma capacidade incomparável de utilizar todo o conjunto de ferramentas da “diplomacia americana” para promover os nossos interesses e valores. ( Departamento de Estado dos EUA )

Em outras palavras, Victoria Nuland é uma das diplomatas mais bem informadas e experientes de todo o Departamento de Estado, mas – mesmo assim – esta sendo jogada debaixo do ônibus durante um momento de crise extrema porque ela falhou na maior e mais importante missão de sua carreira de 35 anos. Não é isso o que eles estão dizendo?

É isso mesmo. Você pode ter 100% de certeza de que uma lutadora de rua combativa como a khazar Nuland nunca jogaria a toalha a menos que recebesse ordem explícita de sair. E, talvez, ela pudesse ter mantido o seu emprego se houvesse algum sinal de progresso na guerra com a Rússia, mas não há nenhum sinal de progresso. É a situação mais desesperadora e terrível que já vimos no conflito para a Ucrânia. Neste preciso momento, as linhas da frente ucranianas estão entrando em colapso enquanto o número de corpos continua a aumentar. 

A Ucrânia está desarmada, desguarnecida e acéfala, não há liderança genuína num pais fantoche do ocidente. É uma incompatibilidade total e tem sido assim desde que Putin convocou as suas reservas, há mais de um ano. Atualmente, jovens soldados ucranianos estão sendo massacrados em massa e deixados a apodrecer em trincheiras cheias de lama que cheiram a pólvora, sangue e a morte. Tudo isso sugere que o fim está próximo. E se o fim estiver próximo, alguém terá de ser culpado. Entra Nuland com um alvo afixado nas suas costas.

Nuland merece tudo o que ela recebe. Como uma falcão de guerra obstinada, ela sempre jogou de forma precipitada com os fatos, construindo a defesa da guerra contra meias verdades e invenções descaradas, tudo com a intenção de mergulhar o país num outro derramamento de sangue inútil que inevitavelmente terminaria noutra derrota humilhante. Ela realizou seu desejo e agora está recebendo parte de seu castigo. Aqui está um pequeno trecho de um artigo da autora Karen Kwiatkowski, que está igualmente curiosa sobre a falsa aposentadoria de Nuland:

Estará a sua saída relacionada com o colapso contínuo da Ucrânia como Estado-nação e/ou com a queda iminente de Zelensky num outro golpe de Estado, ou pior? Talvez alguém esteja planejando outro golpe em Kiev em breve, para tentar estancar o sangramento, e desta vez a velha Vic não foi convidada. Talvez a CIA esteja finalmente decidindo reduzir suas perdas na Ucrânia, e isso causou “danos colaterais”. O seu substituto é o antigo embaixador John Bass, que supervisionou a mais excelente e bem planejada retirada do Afeganistão há alguns verões. Podem ser simplesmente o começo das ratazanas saltando dos navios que estão afundando. Tori foi um ator-chave no sangrento e corrupto [10%] nexo Ucrânia-Biden; espera-se que a sua partida repentina seja mais significativa do que apenas uma grande e gorda ratazana assassina e desagradável mergulhando nas profundezas – que ela lidere o caminho para o resto das ratazanas neoconservadoras. Tchau, tchau, Vitória!  – Karen Kwiatkowski, Lew Rockwell

Nuland e os seus antigos colegas, John Brennan e [a satânica] Hillary Clinton, tiveram um efeito venenoso na nossa política, elevando a russofobia a uma religião de Estado, ao mesmo tempo que arrastavam a reputação da nação na lama a cada passo dado. Numa entrevista à revista Time, Nuland anunciou corajosamente:

Apoiaremos a Ucrânia enquanto for necessário. A Ucrânia está lutando pela devolução de todas as suas terras dentro das suas fronteiras internacionais. Estamos a apoiá-los, inclusive na preparação de um próximo esforço duro para recuperar o seu território… A Crimeia deve ser – no mínimo, no mínimo – desmilitarizada.” Revista Time

Absurdo. Tem alguém que ainda acredita nesse monte de besteira e delírio completamente fora da realidade?

“Enquanto for preciso” provavelmente significa mais 10 a 12 meses, no máximo. Nessa altura, Washington terá retirado o seu apoio e transferido a sua atenção para Taiwan. Aposte nisso.

De qualquer forma, pensamos que a demissão de Nuland é tudo menos voluntária. Pensamos que ela está sendo demitida pelas elites da política externa que já não acreditam na sua retórica tempestuosa e nas promessas vazias de derrotar Putin. Ao remover Nuland, estão reconhecendo que a guerra por procuração falhou e que é necessária uma estratégia diferente. E embora ainda não saibamos o que essa mudança política implicará, sabemos que Nuland não estará envolvida na sua implementação.

Um comentário final: Em uma entrevista de 22 de fevereiro de 2024 no prestigiado Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, Nuland recebeu a seguinte pergunta:

“…se o Congresso não agir (para fornecer financiamento adicional à Ucrânia)…existe um Plano B? A administração está pensando em como poderia levar ajuda à Ucrânia? Existe uma maneira de levar ajuda à Ucrânia sem que o Congresso realmente aloque o financiamento para isso?

Nuland: Max, estamos no Plano A. Estamos no Plano A. E, francamente, você sabe, o Senado dos EUA acabou de aprovar este projeto de lei com 70 votos. Isto significa que o povo americano apoia fortemente a continuação da ajuda à Ucrânia, no interesse da Ucrânia, mas também no nosso próprio interesse. Portanto, penso que a questão, à medida que a Câmara dos Representantes se dirige aos seus distritos, é: que mensagem estão os constituintes transmitindo aos seus membros do Congresso? E como é que os membros do Congresso compreendem a aparência do mundo e como terão de responder se não apoiarem este financiamento? Portanto, sou otimista nesse aspecto. Acho que chegaremos lá. Mas penso que o povo americano precisa falar fortemente com os seus membros. Subsecretária de Estado Victoria Nuland: O aniversário de dois anos da invasão em grande escala da Rússia na Ucrânia, Centro CSIS de Estudos Estratégicos e Internacionais

Você ouviu o que ela disse? Não existe Plano B. Ou os EUA prevalecem na sua guerra por procuração com a Rússia ou o quê? Caos? Uma aquisição russa de toda a Ucrânia? A dissolução da OTAN? O que será?

Este não é o tipo de resposta que as elites poderosas da política externa (que assistiram à entrevista) querem ouvir. Eles sabem que a Ucrânia não está ganhando a guerra, tal como sabem que as possibilidades de sucesso da Ucrânia são extremamente fracas, a menos que consigam mais dinheiro, mais tropas e mais poder de fogo, e a Rússia fique quieta esperando… coisas que estão agora seriamente em dúvida. 

Eles também sabem que o Departamento de Estado não convocou quaisquer negociações clandestinas com a Rússia, pelo que também não há possibilidade de um acordo surpresa. E agora Nuland disse-lhes que nem ela nem os seus colegas formularam um plano alternativo no caso de a guerra não resultar como tinham previsto/desejado ardentemente. Sem plano B.

Isto é inacreditável. Nuland é extremamente hipócrita e arrogante ou criminosamente negligente, ou todos eles. Seja o que for, podemos entender por que os poderosos da elite podem ter decidido que era hora de colocar a irascível Sra. Nuland no ‘pasto’.

Lamentavelmente, não pensamos que “mudar o mensageiro” signifique necessariamente um repensar fundamental da política externa dos EUA. Mesmo assim, é um passo na direção certa. À medida que o “ar de invencibilidade” da América continua a desgastar-se e a sua autoridade moral [“acordada”] entra em colapso (Gaza), Washington será forçado a conter-se e a “jogar bem” com os seus vizinhos. Esse dia está se aproximando rapidamente.

Finalmente, não importa como você olhe para isso, demitir Nuland é um desenvolvimento positivo.  Saboreamos o momento. Mais peças do dominó macabro cairão em breve.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *