O ‘Acerto de Contas’ (o Carma) do Hospício Ocidental ?

Os (psicopatas, pseudo) líderes ocidentais estão vivendo dois acontecimentos surpreendentes: a derrota na Ucrânia e o genocídio israelense na Palestina. O primeiro é humilhante, o outro vergonhoso ao extremo. No entanto, eles não sentem humilhação ou vergonha. As suas ações mostram claramente que esses sentimentos lhes são estranhos – eles são incapazes de penetrar as barreiras arraigadas do dogma, da arrogância, hipocrisia e das inseguranças profundas de seus egos.

O ‘Acerto de Contas’ (o Carma) do Hospício Ocidental ?

Fonte: ScheerPost.com – De autoria de Michael Brenner

Os últimos são pessoais e também políticos. Aí reside um quebra-cabeça. Pois, como consequência, os loucos e dementes psicopatas do Hospício do Ocidente colocaram-se num caminho de suicídio coletivo. Suicídio moral em Gaza; suicídio diplomático – as bases lançadas na Europa, no Oriente Médio e em toda a Eurásia; suicídio econômico – o sistema financeiro global baseado no ‘armado’ dólar comprometido, a Europa desindustrializada, inflação galopante e à beira de uma escassez generalizada de alimentos. Não é uma imagem bonita.

Surpreendentemente, esta autodestruição ocorre na ausência de qualquer trauma grave, arrependimento, remorso – externo ou interno. Aí reside outro quebra-cabeça relacionado com a psique de uma elite europeia demente.

Algumas pistas para estas anomalias são fornecidas pelas suas respostas mais recentes, à medida que a deterioração das condições aperta o torno em torno de suas agendas – nas emoções, nas políticas prevalecentes, nas preocupações políticas internas, nos egos exacerbados.

Essas respostas se enquadram na categoria de comportamento de pânico porque eles estão ficando expostos à opinião pública. No fundo, eles estão assustados, medrosos, com muita raiva e agitados. (‘Dementia’ Joe) Biden e outros marionetes em Washington, o “acordado” Macron, o idiota Schulz, o imbecil Sunak, o ‘estulto‘ Stoltenberg, a vovó psicopata Ursula von der Leyen, et caterva.

Falta-lhes a coragem das suas convicções declaradas ou a coragem de enfrentar a realidade de frente. A dura verdade é que eles conseguiram colocar-se, a si próprios e aos seus países e povos, num dilema do qual não há escapatória, em conformidade com os seus atuais interesses e agendas autodefinidos e envolvimento emocional.  Conseqüentemente, observamos uma série de reações que são irresponsáveis, erráticas, grotescas e perigosas. 

Irresponsáveis:

A prova 1 é o plano proposto pelo “Acordado” presidente francês Emmanuel Macron para posicionar militares de países da OTAN na Ucrânia para servir como armadilha para os russos. 

Dispostos como um cordão em torno de Kharkov, Odessa e Kiev, destinariam-se a dissuadir o avanço das forças russas de sobre essas cidades, por medo de matar soldados da OTAN – arriscando assim um confronto direto com a Aliança atlântica. É uma ideia altamente duvidosa, estúpida ao extremo, fruto de uma mente doentia, que desafia a lógica e a experiência ao mesmo tempo que desafia o destino.

Há muito que a França destaca membros das suas forças armadas na Ucrânia, onde programaram e operaram equipamentos sofisticados – em particular, os mísseis de cruzeiro SCALP. Dezenas de franceses já foram mortos por ataques de retaliação russos há alguns meses que destruíram aa suas bases.

Paris gritou “assassinato sagrado” pela conduta antidesportiva de Moscou ao disparar mísseis contra aqueles que os atacaram. Foi uma retaliação pela participação francesa no bombardeamento mortal da cidade russa de Belgorod.

Por que então deveríamos esperar que o Kremlin abandonasse uma campanha dispendiosa que envolve o que eles consideram interesses nacionais vitais se tropas ocidentais uniformizadas fossem posicionadas numa linha de bloqueio em torno das principais cidades ucranianas? Será que os russos seriam levados à passividade por causa de verem uniformes elegantes montados sob faixas descomunais com o slogan: “NÃO MEXA COM A OTAN”?

Além disso, já existem milhares de ocidentais apoiando as forças armadas ucranianas. Aproximadamente 4 a 5.000 americanos têm desempenhado funções operacionais críticas desde o início do conflito. A presença de uma maioria antecede em vários anos o início das hostilidades há 2 anos. Esse contingente foi aumentado por um grupo suplementar de 1.700 no Verão passado, que era um corpo de especialistas em logística anunciado como mandado para procurar e erradicar a corrupção no mercado negro de fornecimentos furtados de armas e munições.

O pessoal do Pentágono está espalhado pelos militares ucranianos, desde unidades de planejamento de quartéis-generais, até conselheiros no terreno, técnicos e Forças Especiais. É amplamente sabido que os americanos operaram a sofisticada artilharia de longo alcance HIMARS e as baterias de defesa aérea Patriot. Isto significa que membros das forças armadas dos EUA têm apontado – talvez puxando o gatilho – armas que matam russos.

Além disso, a CIA estabeleceu um sistema massivo e polivalente[com doze centros de inteligência], capaz de conduzir uma vasta gama de atividades operacionais e de inteligência – de forma independente, bem como em conjunto com o FSB ucraniano. Isso inclui inteligência tática no dia a dia. Não sabemos se tiveram algum papel na campanha de assassinatos seletivos dentro da Rússia.

Um papel crítico também foi desempenhado pela Grã-Bretanha. O seu pessoal especializado tem operado os mísseis Storm Shadow (equivalente ao SCALP francês) utilizados contra a Crimeia e outros locais. Além disso, o MI-6 assumiu um papel de liderança na concepção de múltiplos ataques à ponte Kerch na Crimeia e a outras infra-estruturas críticas. A principal lição a retirar desta visão geral é que o posicionamento de tropas europeias em locais chave como reféns humanos não é totalmente original. A sua presença não impediu a Rússia de os atacar e eliminar, sem piedade, no terreno ou, como no caso francês, de os caçar nas suas bases.

A Prova 2 é o lançamento aéreo americano de uma insignificante carga de ajuda humanitária ao largo de Gaza enquanto os EUA apoiam a carnificina, genocídio e matança de Israel dos palestinos na Faixa de Gaza. 

Essa ação “humanitária” bizarra se sobrepõe ao bobo e ao grotesco. Os Estados Unidos têm sido o principal cúmplice na devastação israelita dos palestinos na Faixa de Gaza. As suas armas mataram 30 mil habitantes de Gaza, em sua maioria mulheres e crianças, feriram mais de 70 mil e devastaram hospitais, destruíram escolas, universidades, hospitais, etc.

Os psicopatas de Washington DC bloquearam ativamente qualquer tentativa séria de ajuda por parte da UNWRO [ONU] no sentido de reter os fundos necessários para financiar as suas operações de auxílio às vitimas da guerra, ao mesmo tempo que permanece em silêncio enquanto Israel bloqueia pontos de entrada do Egito e massacra fuzilando palestinos que aguardavam a chegada de um comboio de alimentos.

Além disso, os EUA vetaram todas as tentativas de pôr fim à carnificina através de resoluções de cessar-fogo do Conselho de Segurança da ONU. Este gesto absurdo de atirar paletes com alimentos para fora da escotilha de um avião simplesmente sublinha o desrespeito americano pelas vidas palestinas, o seu desprezo pela opinião mundial e a sua descarada subjugação aos ditames, agendas e interesses do anão Israel.

A prova 3 é fornecida pelo estúpido marionete Rishi ( Sage ) Sunak, primeiro-ministro interino do Reino Unido. 

Um fervoroso defensor de Israel, Sunak tem criticado consistentemente as manifestações pela paz que protestam contra o ataque aos habitantes de Gaza como obstáculos para alcançar um cessar-fogo de longo prazo e um acordo político. Nisto, ele continua a longa tradição de fidelidade britânica ao seu senhor americano e judeu khazar Rothschild de Londres.

Na semana passada, ele intensificou o ataque ao denunciá-los como ferramentas do Hamas que foram dominados por terroristas – terroristas que ameaçam despedaçar o país. Ele comparou-o ao “governo da turba” – pontuado pela vitória eleitoral do dissidente George Galloway, que esmagou os Conservadores (e os Trabalhistas) britânicos numa eleição suplementar. Não há provas, claro, de que meio milhão de cidadãos pacíficos sejam um cavalo de Tróia para os jihadistas muçulmanos.

Esta irresponsabilidade é reconhecível para aqueles que estão familiarizados com os modos hipócritas e arrogantes cultivados pela alta corte inglesa – contagiando até mesmo um arrivista naqueles círculos exaltados cujas origens estavam no Raj indiano. Condescendência para com os escalões inferiores, instrução sobre onde estão os limites do comportamento aceitável. Essa atitude muitas vezes está associada a depreciações engraçadas de grupos ou nacionalidades que não se conformam.

O fato de o próprio Sunak não se envergonhar de fazer agora acusações sarcásticas – por mais implícitas que sejam – sobre os muçulmanos demonstra a durabilidade dos preconceitos culturais, juntamente com a abertura histórica da classe alta de Inglaterra àqueles que têm dinheiro, posição ou prestígio. Hoje em dia, até mesmo um rishi como o marionete Sunak. Suponho que isso seja um tipo de ‘progresso social’.

O elemento perigoso na demagogia, hipocrisia e arrogância inconvenientes de Sunak não é o seu efeito agravante sobre a culpabilidade do Hospício do Ocidente no massacre na Palestina. Os protagonistas regionais, assim como o resto do mundo, sorriem perante os grandes floreios retóricos da Grã-Bretanha, sabendo que conta apenas como o ‘Tonto’ da América. Pelo contrário, abre uma brecha na dedicação do país à liberdade de expressão e de reunião. Pois chega perto de dizer que qualquer desacordo público com a política de sua “majestade” equivale a traição.

Grotesco

No que diz respeito à violenta limpeza étnica dos palestinos, é justo dizer que a cumplicidade dos governos ocidentais através do seu armamento e do apoio incondicional às ações horríveis de Israel constitui um comportamento grotesco. Destacar elementos individuais entre governos individuais é supérfluo. Todo o episódio de genocídio é grotesco. Assim, é visto por quase todo o mundo, fora dos muros do Hospício dos países do Ocidente coletivo. Isso representa cerca de 2/3 da humanidade.

Ainda assim, as elites políticas das nossas nações parecem alheias e/ou desdenhosas deste julgamento. Pouco lhes importa que sejam vistos pelos “outros” como desumanos, hipócritas, cruéis, lacaios e racistas. Essas fortes impressões são reforçadas em muitos lugares por memórias traumáticas de como eles próprios foram subjugados, pisados ​​e explorados ao longo dos séculos por pessoas que os instruíram justamente sobre a superioridade dos valores ocidentais – tal como fazem hoje.    

Há ações que representam manifestamente um perigo claro e futuro de uma guerra em expansão na Europa. 

Jens Stoltenberg, o idiota beligerante Secretário-Geral da OTAN, declarou ‘corajosamente’ na semana passada que os aliados ocidentais deveriam dar luz verde à Ucrânia para usar os mísseis de cruzeiro que adquiriram para atacar alvos dentro da própria Rússia. Essas armas incluem os mísseis Storm Shadow, o Scalp, os Taurus de longo alcance que a Alemanha poderá enviar em breve e hardware semelhante a ser fornecido pelos EUA (talvez lançado a partir dos caças F-16 que já chegaram à Ucrânia).

Uma medida tão drástica e desesperada foi sugerida por outros (psicopatas, pseudo)líderes ocidentais e impulsionada por facções linha-dura em Washington. Putin alertou que tal escalada por parte do Ocidente – tal como acontece com o suposto envio de tropas da OTAN para a Ucrânia – provocaria uma resposta militar de Moscou. Os riscos extremos de que as hostilidades que se seguem saiam do controle até ao limiar de uma guerra nuclear total são evidentes.

No seu conjunto, as ações dos líderes ocidentais – apoiadas pelas marionetes políticas dos seus países – são indicativas de um padrão de comportamento psicopático que se afastou da realidade. 

Eles derivam dedutivamente de dogmas não fundamentados por fatos objetivos. São logicamente contraditórios, imunes a acontecimentos que alteram o cenário e radicalmente desequilibrados na ponderação de benefícios/custos/riscos e probabilidades de sucesso. Como explicamos esta demente “irracionalidade”?

Existem condições de fundo que são permissivas ou encorajadoras para esta fuga do raciocínio sólido. Elas Incluem: as tendências socioculturais niilistas das sociedades ocidentais pós-modernas contemporâneas; a sua suscetibilidade à histeria coletiva/reações emocionais exageradas a eventos perturbadores – atentado de 11 de setembro, terrorismo islâmico, a fábula sobre a interferência russa nas eleições presidenciais de 2016, entre outros assuntos políticos, a conjuração do ameaçador dragão chinês, previsões assustadoras de uma guerra inevitável com a China, afirmações bizarras de que Putin está planejando lançar uma campanha total para conquistar a Europa até ao Canal da Mancha.

As duas últimas paranoias são alimentados pelas ansiedades flutuantes, ou seja, pelo pavor, engendradas pelos primeiros surtos de psicopatologia de massa. Estas alegações, na verdade puras ficções, ganharam popularidade entre importantes psicopatas figuras militares, chefes de governo e entre “pensadores” estratégicos.

De volta aos ingredientes do pânico. Notamos o medo – tanto do identificável como do desconhecido, e sentimentos subconscientes de insegurança. Esses sentimentos derivam de uma matriz de mudanças desorientadoras no ambiente global habitado pelas sociedades ocidentais. Eles, por sua vez, crescem em reciprocidade com desenvolvimentos internos perturbadores. O resultado é duplo: o embrutecimento de qualquer debate razoável sobre políticas duvidosas – deixando premissas e propósitos não testados, e abrindo oportunidades para pessoas ou facções obstinadas que nutrem objetivos e agendas ocultas audaciosos de refazer o espaço geopolítico mundial de acordo com as especificações hegemônicas americanas e de um “Povo Eleito” por “deus” em detrimento dos demais povos.

Para esse fim, os nossos [psicopatas pseudo] líderes manipulam e exploram condições de desorientação emocional e conformidade política das massas de ignorantes e zumbis amedrontados. O exemplo notável são os chamados “neocons” em Washington DC (que incluem o senil marionete ‘Dementia’ Joe Biden como um camarada de armas) que criaram uma rede de verdadeiros crentes com ideias semelhantes em Londres, Paris, Berlim, Madri, Roma, Varsóvia, Kiev, Tel Aviv, et caterva, e em ambos os extremos de Bruxelas.

O que dizer do enigma que notamos quanto à quase completa ausência de sentimentos de culpa ou vergonha – especialmente em relação ao genocídio israelense dos palestinos da Faixa de Gaza, de sermos humilhados aos olhos do mundo? Em condições de niilismo, as questões de consciência são discutíveis. 

Pois a rejeição implícita de normas, regras e leis liberta o eu individual egoísta para satisfazer quaisquer impulsos, ideias ou interesses egoístas que antes o impediam. Com o superego dissolvido, não existe nenhuma obrigação sentida de julgar a si mesmo com referência a qualquer padrão externo ou abstrato. As tendências narcisistas florescem. Uma psicologia semelhante elimina a necessidade de se sentir vergonha.

Isso é algo que só pode existir se fizermos subjetivamente parte de um grupo social onde o estatuto pessoal, a moral, a ética e o sentido de valor dependem da forma como os outros nos veem e se nos concedem respeito. Na ausência de tal identidade comunitária, com a consequente sensibilidade à sua opinião, a vergonha só pode existir na forma perversa de arrependimento por não ter sido capaz de satisfazer a exigente e avassaladora necessidade de autogratificação e de imposição da sua vontade. Isto aplica-se tanto às nações como aos seus líderes individuais psicopatas.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.327 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth