Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Ano de 2023 será pior do que 2022? (se for permitido)

Mesmo que alguém tenha se acostumado a ver o governo dos Estados Unidos se comportando errática e irracionalmente em escala épica [e de acordo com ‘Dementia’ Joe], sem se preocupar com o que acontece com o cidadão comum que não é membro de um dos constituintes do show de horrores do Partido Democrata, ainda é possível ficar surpreso ou até mesmo chocado. Pouco antes do final do ano de 2022 ,um artigo apareceu na grande mídia e foi amplamente divulgado.

O Ano de 2023 será pior do que 2022? (se for permitido)

Fonte: RonPaulInstitute.org

A manchete em que foi apresentada na versão original do Business Insider dizia “Um ataque nuclear provavelmente teria como alvo uma dessas 6 cidades dos EUA – mas um especialista diz que nenhuma delas está preparada”. As cidades nomeadas foram Nova York, Washington DC, Los Angeles, Chicago, Houston e San Francisco.

O artigo busca fornecer informações e dicas que permitiriam sobreviver a um ataque nuclear, repetindo comentários de vários “especialistas” em gestão de emergências e “saúde pública” sugerindo que uma guerra nuclear seria catastrófica, mas não necessariamente o fim do mundo. Deve-se estar preparado. 

O artigo observa que “essas cidades teriam dificuldades para fornecer serviços de emergência aos feridos. As cidades também não têm mais abrigos antiatômicos designados para proteger as pessoas da radiação.” Está cheio de conselhos sábios e observações improvisadas, incluindo “Você consegue imaginar um funcionário público mantendo edifícios intactos para abrigos antiatômicos quando o mercado imobiliário está tão apertado?” 

Ou melhor ainda, o conselho do “guia de planejamento de detonação nuclear” da Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (FEMA) que, um aviso para cidadãos comuns em uma cidade que foi bombardeada atomicamente: “Entre, fique por dentro e fique atento.” Simples assim.

O Dr. Ron Paul pergunta  “Eles estão loucos? Eles agem como se um ataque nuclear aos Estados Unidos fosse apenas mais uma inconveniência a ser planejada, como uma tempestade de gelo ou um furacão.”

O artigo argumenta que as seis cidades seriam os alvos principais, pois são centros de infraestrutura vital. As explosões de bombas atômicas matariam centenas de milhares ou mesmo milhões de americanos quase instantaneamente com muito mais mortes por envenenamento por radiação, mas o artigo não faz nenhuma tentativa de explicar por que a Rússia, com uma liderança relativamente sã, iria querer iniciar uma guerra nuclear que potencialmente vai destruir o planeta. 

Além disso, a lista de segmentação das cidades fornecida pelos “especialistas” é um pouco estranha.  Certamente a Rússia [ou outro pais nuclear, como a China] atacaria alvos militares e governamentais como primeira prioridade para limitar a possível retaliação e, ao mesmo tempo, prejudicar no máximo a capacidade dos psicopatas e loucos da Casa Branca e do Pentágono de comandar e controlar a situação.

Lendo o artigo, somos lembrados dos primeiros anos da Guerra Fria, que buscavam tranquilizar o público de que a guerra nuclear era de alguma forma administrável. Era uma época em que nós, então crianças do ensino fundamental, éramos treinados para nos escondermos sob nossas carteiras quando o alarme antiaéreo disparava. 

Herman Kahn era, na época, o mais famoso defensor da escola de pensamento de que os Estados Unidos poderiam sobreviver ao “impensável”, ou seja, a uma guerra nuclear. Físico americano por formação, Kahn tornou-se membro fundador do ultra-neocon nacionalista Hudson Institute, que infelizmente ainda existe. Ele, que serviu no Exército dos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial como operador de linha telefônica não combatente, iniciou sua carreira como estrategista militar na  RAND Corporation

Kahn endossou uma política de dissuasão e argumentou que, se a União Soviética acreditasse que os Estados Unidos tinham uma capacidade devastadora de segundo ataque, Moscou não iniciaria as hostilidades, o que ele explicou em seu artigo intitulado “A natureza e a viabilidade da guerra e da dissuasão”

Os russos tiveram que acreditar que mesmo um ataque massivo perfeitamente coordenado garantiria uma medida de retaliação que também os deixaria devastados. Kahn também postulou sua ideia de uma troca nuclear “ganhável” em seu livro de 1960, On Thermonuclear War, pelo qual ele é frequentemente citado como uma das inspirações para o personagem-título do clássico filme de Stanley Kubrick,  Dr. Strangelove.

O aparecimento do artigo do Business Insider que trata de uma discussão fria sobre a capacidade de sobrevivência de uma guerra nuclear sugere que os malucos estão novamente escapando do hospital psiquiátrico aqui no [Hospício] dos EUA e estão obtendo altos cargos no governo e na mídia. 

Enquanto se continua a esperar que de alguma forma alguém acorde na Casa Branca e perceba que o profundo buraco escuro em que nós, o povo americano, nos encontramos exige uma mudança de curso e uma reinicialização genuína, há pouca luz do dia visível na escuridão.

Minha preocupação particular diz respeito às relações complicadas que mantiveram nosso país permanentemente em guerra, apesar do fato de que, desde o fim da Guerra Fria em 1991, nenhum adversário em potencial realmente ameaçou os Estados Unidos. 

Agora, o governo federal parece estar no negócio de cultivar relacionamentos perigosos para justificar gastos com defesa e colocar a nação à beira do que pode ser catastrófico. A atual missão dos EUA de “enfraquecer a Rússia” e, eventualmente, também a China, a fim de manter sua própria “ordem internacional baseada em regras”, inclui tais anomalias hipócritas e totalmente ilegais sob o direito internacional, como a  ocupação militar contínua de parte da Síria para negar aos líderes desse país o acesso aos seus campos de petróleo e às melhores terras agrícolas. 

Uma investigação recente da agência humanitária da ONU determinou que o povo sírio está sofrendo e até morrendo de fome como resultado disso e os EUA impuseram sanções que o governo Biden mantém contra toda a razão e humanidade.

No momento, no entanto, o mais complicado de todos os relacionamentos, ainda mais do que com Israel, deve ser o envolvimento dos EUA na guerra por procuração travada contra a Rússia em nome da Ucrânia, que é exatamente o que ameaça se tornar nuclear se alguém pisca na hora errada. Bilhões de dólares em ajuda direta, bem como outros bilhões na forma de armas retiradas dos arsenais da Europa e dos EUA, foram entregues ao regime corrupto do presidente Volodymyr Zelensky, enquanto o psicopata khazar Zelensky continua a trabalhar assiduamente para ordenhar a situação e levar Washington a um guerra mais profunda confrontando Moscou diretamente.

Na verdade, segundo alguns cálculos, a guerra já começou, com os EUA e seus aliados claramente dedicados na tentativa frustrada de paralisar a economia russa e ao mesmo tempo se livrar do presidente Vladimir Putin. A 101ª Tropa Aerotransportada está agora na Romênia ao lado da Ucrânia para “advertir” o Kremlin, enquanto o Pentágono admitiu recentemente que alguns militares americanos já estão na Ucrânia, contrariando as negações dos porta-vozes da Casa Branca. 

Os britânicos também revelaram que parte de seu pessoal de operações especiais de elite está no local. E há relatos de que mais soldados americanos estarão a caminho em breve, ostensivamente para “rastrear as armas” fornecidas a Zelensky, que incluirão baterias de mísseis Patriot fabricadas nos EUA. algumas das quais podem até ser colocados na Polônia, membro da OTAN, para fornecer cobertura aérea sobre a Ucrânia Ocidental, um ato de guerra definido como visto pela Rússia, que alertou que tal movimento significaria que os EUA e seus aliados se tornaram “efetivamente uma parte” para a guerra na Ucrânia e haverá “consequências”. “Consequências” significa escalação do conflito.

A missão de “rastreadores” de soldados pode ser uma resposta a relatos de que armas fornecidas pela OTAN foram vendidas de forma corrupta no mercado negro ou “doadas” a terceiros países pelos ucranianos. 

As várias iniciativas dos EUA tomadas em conjunto podem produzir uma rápida escalada do conflito, com americanos mortos voltando para casa em sacos mortuários e um inevitável envolvimento direto dos EUA em papéis de combate que podem levar a qualquer lugar, mas neste momento são os russos que estão agindo com moderação, ao não visar os “conselheiros” da OTAN e dos EUA que já estão ativos no campo de batalha da Ucrânia.

Cresce também a suspeita de que os Estados Unidos  “deram sinal verde” com antecedência a recentes ataques de mísseis de cruzeiro realizados pela Ucrânia contra alvos militares no interior da Rússia. Desde os ataques, a Casa Branca declarou que a Ucrânia tem “permissão” para atacar a Rússia e basicamente concedeu ao desequilibrado Zelensky o direito de tomar todas as decisões e conduzir a guerra que os EUA financiam em grande parte, o que é uma fórmula para o desastre.

Já se sabe que a Ucrânia está recebendo inteligência de alto nível fornecida pelos EUA e também por outros estados da OTAN. Os ataques de precisão à Rússia sugerem que o exército ucraniano recebeu as coordenadas de possíveis alvos ativos, algo que os EUA seriam capazes de fornecer, mas que estaria além das habilidades da Ucrânia, que não possui capacidade de vigilância por satélite.

Certamente, alguns idiotas e loucos no hospício em Washington, principalmente da variedade neoconservadora, continuam a ver a guerra contra a Rússia como algo como uma cruzada pela liberdade mundial. 

Rick Newman, o principal colunista de finanças do Yahoo,  observa como  “os falcões do orçamento no Congresso estão preocupados em atender ao pedido do presidente Biden de US$ 38 bilhões adicionais em ajuda à Ucrânia para ajudar a derrotar os invasores russos”. Ele conclui “Eles estão certos. Trinta e oito bilhões não são suficientes. Torná-lo em US$ 50 bilhões. Ou até US$ 100 bilhões. Quanto mais, melhor, até que o trabalho seja feito.”

Aparentemente, o belicoso Rick não entende muito bem que a Rússia deixou claro que, se estiver prestes a ser derrotada por força maior, ela tornará nuclear e radioativo o mundo inteiro. E o Congresso e a Casa Branca também não parecem entender, com os partidos Republicano e Democrata alheios ao perigo real que confronta o povo americano. Guerra nuclear? Certo! Apenas se esconda em seu porão, se você tiver um, e fique alerta.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


…mas [eles] receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro [Cristo], e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis“.Apocalipse 17:12-14

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é nabucodonoor-estatua-daniel.png

A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *