Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Centro da América do Sul é em Cuiabá ou na Chapada dos Guimarães?

No fim do século XVIII, José Barbosa de Sá, considerado o primeiro cronista da história de Cuiabá, já registrou uma das maiores particularidades da capital mato-grossense: Cuiabá está no meio da América do Sul: Achace esta Villa asentada na parte mais interior da América Austral em altura de quatorze gráos não completos ao Sul da linha do Equador, quase em igoal paralelo com a Bahia de Todos os Santos pella parte oriental e pelo ocidente com a cidade de Lima, capital da Província do Peru, distante huma de outra costa, setecentos e sincoenta léguas que sam as mil e quinhetas que tem de latitude nezta altura este continente, asentada na beira do rio Cuyabá“.

O Centro Geodésico da América do Sul é em Cuiabá ou na Chapada dos Guimarães?

Fonte: Agronews.tv.br – Por: Felipe Van Deursen

Pulemos para o século XX. Em 1909, a Comissão Rondon — a histórica expedição que mapeou áreas desconhecidas do Brasil, instalou linhas telegráficas por onde passava e, no meio do caminho, estabeleceu contato com povos indígenas, demarcou fronteiras, criou um parque nacional e fez toneladas de descobertas para a botânica, a geologia e a zoologia —, calculou com mais exatidão o que se sabia desde o Brasil Colônia.

O Marechal Cândido Rondon cravou que o centro geográfico da América do Sul fica no antigo Campo d’Ourique, no centro da cidade de Cuiabá, e mandou erguer um pequeno marco geográfico no local.

Polêmica: O meio da América do Sul é Cuiabá ou Chapada dos Guimarães?
Marco simbólico do Centro Geodésico da América do Sul, construído em 1909 a pedido de Rondon. Imagem: IBGE

Nos anos 1970, o obelisquinho foi substituído por um outro, mais pomposo e moderno. Nessa época, o Exército refez as contas, com tecnologias mais precisas, e confirmou os dados constatados pelo marechal Cândido Rondon.

O Centro da América do Sul

O Campo d’Ourique é hoje a praça Moreira Cabral, onde fica a Câmara Municipal. Em tempos muito mais antigos, a área serviu de palco de enforcamentos, execuções e punições a pessoas escravizadas. Por isso, em vez do nome que faz referência à batalha de 1139 em que os portugueses derrotaram os árabes no Alentejo, o Campo d’Ourique era chamado também de Largo da Forca.

Além dos espetáculos sanguinolentos desse passado, o Campo também recebeu parques, circos e as touradas cuiabanas. “Os moradores da redondeza tinham convicção que o local era assombrado, e era comum dizer que se ouviam gritos, gemidos e almas penadas passeando pelo largo”, escreveu o geógrafo Pedro Arnaldo Paschoiotto em sua dissertação de mestrado na Universidade Federal de Mato Grosso.

No Dia de Finados a população acendia velas e fazia orações. A criançada costumava fazer peraltagem, ora se escondendo atrás do marco geodésico ora fantasiada, embrulhada em lençóis ou com ‘véus’ pretos e roxos, de suas mães religiosas, assustando as pessoas desavisadas que passavam, ao entardecer.

Com o tempo, o obelisco virou um ícone da cidade. Está na bandeira de Cuiabá, estilizado em verde e amarelo. Também está em verde, sobre fundo amarelo, no escudo do Cuiabá Esporte Clube, time emergente que foi fundado há 20 anos e já está na elite do futebol nacional.

Confusão

Mas a afirmação e a confirmação do centro geodésico teve resistência dentro do estado e levantou algumas polêmicas. O grande mato-grossense Rondon, um dos maiores exploradores do mundo, herói nacional que virou nome de cidade, de estado e até de meridiano (o 52 Oeste, de onde partiu a expedição, se chama Meridiano Rondon), o “general pacifista” que encantou Einstein, que fez Ted Roosevelt ficar viciado em canja e que por pouco não ganhou o Nobel da Paz, teria errado os cálculos?

Na mesma época em que o atual obelisco foi instalado, uma outra afirmação ganhou força, dizendo que o centro geodésico da América do Sul ficaria 42 quilômetros a leste. Ele não ficaria em Cuiabá, mas no município de Chapada dos Guimarães, conhecido pelo belíssimo parque nacional homônimo, criado em 1989.

Desde os anos 1940 se falava que um mirante na Chapada dos Guimarães era o ponto central da América do Sul. Trinta anos mais tarde, outro peso-pesadíssimo brasileiro, o arquiteto Lúcio Costa, criador do projeto do Plano Piloto [a ave egipcia Benu, símbolo do criador Rá, a alma do sol] de Brasilia que elaborou o plano diretor de turismo da Chapada, sugeriu explorar esse viés como atrativo local.

O que faz todo sentido se analisarmos do ponto de vista místico-goodvibes-cachoeira. Pode haver outras chapadas, mas só Guimarães fica no centro do continente da América do Sul! É uma energia diferente [e feminina]!

De fato, um baita cartão de visitas turístico. Mas que com o tempo enfraqueceria o argumento de ambas. Nos anos 2000, a tensão entre as duas cidades aumentou. Estava pegando mal. Imagine você, turista, chegar à Chapada, ver o marco que diz que o centro da América do Sul é lá e, pouco depois, dar de cara com um obelisco no centro de Cuiabá falando a mesma coisa.

Então, em 2007 elas chegaram a um acordo. Chapada dos Guimarães cedeu e trocou a inscrição de seu marco. Desde então, ele diz “Mirante do Centro Geodésico da América do Sul”. Em 2020, um decreto do governo o tornou monumento natural.

O obelisco de Cuiabá agora reina tranquilo, mas ainda tem quem levante dúvidas. É que o IBGE nunca fez um levantamento próprio e a definição de centro geográfico é difícil. Por isso mesmo, o marco do centro geodésico do Brasil, em Tocantins, também é questionado.

A suposta dúvida de Cuiabá não se situar no centro geodésico da América do Sul prende-se ao fato da simples visualização aparente nos mapas. Existem inúmeras formas de projeções cartográficas e cada uma delas é ajustável para uma determinada área do globo terrestre”, argumenta Paschoiotto

Mapas sempre vão favorecer um pedaço em detrimento de outro porque não dá para planificar uma esfera sem distorções.

Em tempos em que muitos monumentos são alvo de polêmica, de questionamentos e revisionismos do papel que se quer dar a certos personagens históricos, o obelisco de Cuiabá se destaca porque não perdeu significado nem “envelheceu mal”. Pelo contrário. É um marco científico que acabou virando, também, um símbolo cultural desta região do Brasil.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *