Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O “Experimento” Covid-19

O “Experimento Covid-19” foi uma aula magistral no uso da autoridade e tirania para coagir, intimidar e obrigar as massas de zumbis medrosos e ignorantes a se conformarem bovinamente com regras e regulamentos inventados sobre bloqueios, “focinheiras”, distanciamento social, proibição do uso de medicamentos seguros, baratos e eficazes como ivermectina e hidroxicloroquina e, em última análise, impondo injeções mRNA com uma toxina que altera genes, insegura, não testada e perigosa, a ser injetada em seus corpos.

O “Experimento” Covid-19

Fonte: Theburningplatform.com

O regime totalitário que infligiu este espetáculo de horror global à humanidade não hesita em falsificar dados, a fim de promover a sua agenda maligna, pelo que as suas estatísticas mostram que 81% dos americanos receberam pelo menos uma injeção parecem suspeitas. Superestimar o número de inscritos é um método para convencer mais ovelhas a fazê-lo. Eu estimaria que cerca de 60% dos adultos foram vacinados, poucos sob ameaça de sanções, perda de emprego e/ou perda de privilégios.

O Diagrama de Venn abaixo é um retrato preciso das técnicas utilizadas pelas “autoridades” na condução desta experiência mundial sobre até que ponto poderiam pressionar as pessoas antes que estas recuassem. Do ponto de vista dos nossos senhores, esta experiência foi um tremendo sucesso, preparando o terreno para o seu próximo exercício de ameaça existencial [Doença X] planejado para abocanhar mais da nossa riqueza, ao mesmo tempo que aumentava o seu poder e controle sobre as nossas vidas. A submissão contínua às suas exigências resultará na perda contínua das nossas liberdades e direitos civis.

“Controle a maneira como um homem interpreta seu mundo e você terá percorrido um longo caminho para controlar seu comportamento. É por isso que a ideologia, uma tentativa de interpretar a condição do homem, é sempre uma característica proeminente de revoluções, guerras e outras circunstâncias em que os indivíduos são chamados a realizar ações extraordinárias.” – Stanley Milgram, Obediência à Autoridade

A única coisa que falta no Diagrama de Venn é uma sobreposição da Propaganda de Edward Bernays , fornecendo o modelo de como utilizar os meios de propaganda dos meios de comunicação do regime para fazer cumprir qualquer mensagem que fosse necessária para apoiar a narrativa autoritária específica da época.

Aspectos chave de todas as três experiências foram utilizados durante a plandemia covid-19 para alcançar os resultados desejados pela classe dominante, utilizando medidas autoritárias para forçar as massas a fazerem o que lhes foi ordenado, ou então . . . O medo e a aversão ao nosso governo foram o resultado desta experiência pandêmica. Eu permaneço firmemente do lado da rebeldia. As breves descrições abaixo capturam a essência dos experimentos:

Experiência de Autoridade Milgram : Uma série de experimentos de psicologia social foram conduzidos pelo psicólogo da Universidade de Yale, Stanley Milgram, que pretendia medir a disposição dos participantes do estudo em obedecer a uma figura de autoridade que os instruiu a realizar atos conflitantes com sua consciência pessoal. Os participantes foram levados a acreditar que estavam participando de um experimento não relacionado, no qual tiveram que administrar choques elétricos a um “aluno”. Esses choques elétricos falsos aumentaram gradualmente para níveis que teriam sido fatais se fossem reais.

Experiência na prisão de Stanford ; Experimento da Prisão de Stanford teve como objetivo examinar os efeitos psicológicos da autoridade e da impotência em um ambiente prisional. O estudo, liderado pelo professor de psicologia Philip G. Zimbardo, recrutou estudantes de Stanford usando um anúncio de jornal local. Vinte e quatro estudantes foram cuidadosamente selecionados e distribuídos aleatoriamente em grupos de prisioneiros e guardas. A experiência, que estava programada para durar de 1 a 2 semanas, teve que ser encerrada apenas no 6º dia, pois a experiência ficou fora de controle quando os prisioneiros foram forçados a suportar abusos cruéis e desumanizantes nas mãos de seus pares. A experiência mostrou, nas palavras do Dr. Zimbardo, como “estudantes universitários comuns podiam fazer coisas terríveis”.

Experimento de Conformidade Asch: Os experimentos de conformidade de Asch foram uma série de experimentos psicológicos conduzidos por Solomon Asch na década de 1950. Os experimentos revelaram até que ponto as opiniões de uma pessoa são influenciadas pelas de um grupo. Asch descobriu que as pessoas estavam dispostas a ignorar a realidade e a dar uma resposta incorreta para se conformarem com o resto do grupo.

várias adaptações da experiência Milgram Authority foram usadas durante a “experiência COVID” para promover os seus objetivos. Vimos vídeos de autoritários ambiciosos infligindo dor aos americanos comuns, prendendo-os à força por nadarem sozinhos no oceano, surfarem, sentarem-se num parque público, correrem e pescarem no quintal com os filhos. Infligir dor àqueles que não seguem as “regras pandêmicas” foi adotado pelos zumbis Karens e Chads em todo o país.

Queriam que os não-conformistas (também conhecidos como pensadores críticos) fossem despedidos dos seus empregos, censurados nas redes sociais, multados, presos e transformados em párias sociais. Eles desejavam a morte dos não vacinados e faziam danças de vitória quando uma pessoa não vacinada morria. Milgram teria ficado orgulhoso desses psicopatas tiranos e mesquinhos.

experiência da Prisão de Stanford mostrou que pessoas comuns podem tornar-se sociopatas fascistas cruéis quase sob comando, infligindo dor e tortura àqueles que lhes disseram que merecem ser tratados de forma desumana. Governadores políticos autoritários como Cuomo, Murphy, Whitmer, Wolf e Newsom assassinaram cidadãos idosos ao colocar pacientes infectados em centros de convivência para idosos.

Médicos, administradores hospitalares e enfermeiros assassinaram pacientes colocando-os em ventiladores, administrando Remdesivir e negando aos pacientes ivermectina e hidroxicloroquina. Biden, Fauci, Trump, Walensky e o complexo industrial da Grande Indústria Farmacêutica [Big Pharma] assassinaram e feriram milhões de pessoas através da aplicação do seu golpe mortal multibilionário.

A prisão em curso dos turistas do Capitol em 6 de Janeiro nas masmorras de DC sem julgamento é um castigo cruel e desumano como uma mensagem para todos os pensadores críticos que exercem os seus direitos da Primeira Emenda.

experimento Asch Conformity foi claramente confirmado durante a fraude da covid. As pessoas obedecem à vontade da multidão, mesmo que o seu cérebro lhes diga que a multidão [a manada] está errada. Eles não querem ser a ovelha negra perturbadora num rebanho de ovelhas brancas submissas. Praticamente todas as pessoas, quando instruídas a usar as focinheiras [máscaras], o fizeram sem qualquer resistência, embora estudos científicos tenham provado que as máscaras NÃO FUNCIONAM.

As massas se conformaram porque acreditaram em Herr Dr. Fauci (também conhecido como “The Science”), Biden, Trump, falsos especialistas em seus tubos de ensaios, xerifes de Hollywood com baixo QI, atletas de QI mais baixo ainda pagos pela Big Pharma e os falantes/bimbos jorrando a narrativa de propaganda covid-19 no meios de comunicação do regime. Em vez de fazerem suas próprias pesquisas, os idiotas intelectualmente preguiçosos, distraídos em igadgets, viciados em mídias sociais e doutrinados nas escolas do governo decidiram se conformar, obedecer e acreditar em tudo que lhes era dito.

Se você não acreditava que éramos governados por um governo invisível (também conhecido como Estado Profundo) de homens que controlam toda a sociedade e manipulam as mentes das massas para alcançar qualquer resultado que os beneficie, então o “experimento covid-19” deveria remover todas as suas dúvidas.

Todo o episódio “experimento covid-19” foi planejado com meses de antecedência em N. York (Evento 201) com múltiplos objetivos, tudo em benefício de quem conduz esta experiência, tendo nós como cobaias descartáveis ​​na sua trama diabólica. A arrogância destes tiranos cresceu para proporções épicas, pois eles vêem a sua “experiência” como um triunfo absoluto de medidas autoritárias bovinamente aceitas pela imensa maioria de zumbis.

Sabemos que talvez cerca de 20% da população resistiu às medidas impostas pela classe dominante do Estado Profundo, distinguindo-se assim como a única mosca na sopa do “experimento covid-19”. Não há dúvida de que irão introduzir a sua próxima “experiência” de totalitarismo nos próximos nove meses, uma vez que as eleições presidenciais potencialmente inviabilizam os seus esforços em curso para pilhar e a restante riqueza acumulada pela plebe.

Será um colapso financeiro planejado, uma invasão de canibais haitianos, outra doença criada em laboratório, a ativação de milhões de migrantes invasores ilegais para criar o caos, uma derrubada coordenada da rede elétrica/internet, assassinando Trump e iniciando uma guerra civil, ou finalmente atravessando a linha vermelha de Putin na Ucrânia e o desencadeamento de um conflito global?

A resistência durante o “experimento covid-19” significou não seguir a sua narrativa e não aceitar as suas diretivas impostas. Foi mais uma resistência passiva. Isso não os impediu de atingir seus objetivos. Eles usaram a experiência para aumentar os gastos federais de US$ 4,4 trilhões para mais de US$ 7 trilhões, com a maior parte do aumento indo diretamente para os bolsos do Estado Profundo, enquanto deixavam a plebe desempregada, com uma inflação violenta, milhares de negócios fechados, um enorme aumento na carga de sua dívida e um padrão de vida drasticamente reduzido.

Para resistir à sua próxima “experiência” de destruição em massa da nossa sociedade, será necessário o uso desses 300 milhões de armas de fogo espalhadas entre os 20% a 30% dos agregados familiares que são capazes e estão dispostos a dizer NÃO. Isso pode parecer demasiado terrível e apocalíptico, mas estes psicopatas de fato não irão parar até temerem pelas suas próprias vidas. O tempo para abordagens de ação e as suas “experiências” deve terminar, se quisermos ter alguma aparência da República que nos foi dada há 235 anos.

2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *