browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O fim da falsa igreja de Roma será o fim da Nova Ordem Mundial?

Posted by on 17/09/2021
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é Pope-Francis-Romanus-Jesuit-Illuminati-Satanist-Child-Trafficking-and-Genocide.jpg

A indiscrição vazou na mídia nos dias de hoje. Nos círculos do Vaticano, a hipótese de um conclave precoce está começando a ser exposta de forma cada vez mais concreta. As condições de saúde do papa Francisco [ Bergoglio ] teriam piorado consideravelmente e, portanto, na Santa Sé já começaram a pensar de alguma forma no pós-Francisco. No entanto, o que não foi dito ao grande público católico é o que preocupa e o que realmente causou o agravamento da saúde de Bergoglio.

O fim da falsa igreja de Roma será o fim da Nova Ordem Mundial?

Fonte: La Cruna dell’Ago – por Cesare Sacchetti

Sabe-se que Francesco foi submetido a uma operação cirúrgica em julho passado na policlínica Gemelli, em Roma. O relatório oficial publicado pelo Vaticano e da policlínica Gemelli falava de uma operação por estenose intestinal no papa.

Porém, mesmo assim algo parecia não retornar na versão oficial. Para cogitar a hipótese de que Bergoglio pudesse ter algo mais grave do que uma estenose intestinal o professor Fumagalli que dizia que o cenário de um tumor naquela parte do intestino não poderia ser totalmente excluído até que ele procedesse à operação cirúrgica.

Posteriormente, a equipe médica que realizou a cirurgia negou que Bergoglio pudesse ter uma neoplasia intestinal. Algumas fontes muito próximas aos círculos do Vaticano contataram este blog e forneceram uma versão diferente da situação. Segundo relataram, a situação seria muito mais grave. Bergoglio teria dois tumores na área onde seria operado.

O pontífice já havia ordenado aos seus assistentes que não vazassem a verdade sobre suas reais condições de saúde. Francesco não quer que nada seja conhecido. O site “Il Sismografo” administrado por Luis Badilla , um legalista de Bergoglio, também sugeriu que algo estava errado com a saúde do papa.

Badilla a esse respeito foi muito incisivo e ao mesmo tempo polêmico. Ele escreveu claramente em um artigo intitulado “O Papa Francisco não precisa de cortesia na imprensa” que a grande mídia não estava prestando um bom serviço a Francisco ao dizer que tudo ficaria como antes após a intervenção.

Nada teria sido como antes, escreveu Badilla, que deixou claro que Bergoglio estava cansado demais da operação. Os sinais neste sentido, aliás, já existiam nos últimos meses, mas foram completamente ignorados pelos meios de comunicação que sempre tentaram esconder o verdadeiro estado de saúde de Francesco.

No Vaticano, entretanto, eventos anômalos acontecem há algum tempo e ainda não tiveram uma explicação clara. Tudo começou no passado dia 6 de janeiro, quando ocorreram apagões estranhos e nunca explicados na Santa Sé. A webcam apontada para a cúpula de San Pietro mostrou a Igreja projetada por Buonarroti totalmente envolta em trevas.

Em determinado ponto do vídeo, ocorre um fenômeno ainda mais inexplicável. Ouvem-se sons distintamente que se assemelham a tiros, seguidos imediatamente pelo grito de uma gaivota voadora assustada. Nos dias seguintes, outros eventos ainda mais anômalos se seguiram no Vaticano. Alguns moradores próximos à área escreveram para este blog e relataram que uma procissão de muitos carros saiu da Santa Sé naqueles dias em janeiro.

As mesmas testemunhas oculares viram um helicóptero branco voando sobre os céus da Basílica de São Pedro que se assemelhava ao usado pelo papa em suas viagens oficiais. Imediatamente após essa série ousada de eventos sem precedentes, as aparições públicas de Bergoglio começaram a declinar continuamente. A mídia para justificar sua ausência de compromissos oficiais, falou de uma crise ciática misteriosa.

O Vaticano, no entanto, não pronuncia uma palavra. Nem um comunicado emitido naquelas semanas do início do inverno para fazer os fiéis entenderem o que Bergoglio tinha. No final de janeiro, aparece um artigo publicado pela revista espanhola perto de Bergoglio, “Vida Nueva” , que escreve que Francisco devia ser operarado para fazer frente aos problemas de saúde que o afligem. Também nesta ocasião, a Santa Sé nada faz para esclarecer a situação, quebrando assim o protocolo do passado que sempre viu o porta-voz do Vaticano emitir declarações oficiais sobre as condições de saúde do Papa.

O silêncio aqui continua até que no final de fevereiro surge repentinamente uma conversa , travada dois anos antes, por Bergoglio com um jornalista argentino a quem Francisco confessa que não será enterrado na Argentina, mas em Roma, como governante ou emérito. Bergoglio, portanto, pela primeira vez fala claramente de sua morte.

O resto é conhecido até que se alcance a cirurgia de julho passado, que não foi anunciada pelo Vaticano com a devida antecedência, mas pelo próprio Bergoglio, a uma curta distância da intervenção. Uma vez fora do hospital, Francisco correu para publicar um motu proprio , ou um documento emitido espontaneamente pelo próprio papa para tomar uma decisão específica.

Neste caso, Bergoglio muda completamente as normas sobre a missa antiga que era celebrada antes do Concílio Vaticano II, a chamada vetus ordo , e torna sua celebração impossível porque os padres que desejam praticar esta liturgia nas paróquias precisarão de autorização especial. o bispo diocesano. Uma autorização que dificilmente virá porque os bispos são em grande parte uma expressão da cúria bergogliana modernista e progressista.

Pouco mais de um mês depois dessa decisão, Francisco convoca com urgência os líderes da Fraternidade Sacerdotal de São Pedro e do Instituto Cristo Rei. Bergoglio estaria pronto para dar um ultimato a essas irmandades. Ou o antigo rito é abandonado ou seus seminários serão encerrados.

São as próprias ações de Francisco que falam agora. É ele mesmo quem revela implicitamente que o tempo disponível está se esgotando. O “pontífice” não tomou essas decisões no início de seu mandato. Ele só os pegou agora no final, provavelmente porque esperava ou acreditava que não haveria necessidade. Bergoglio provavelmente estava convencido em seu coração de que o espírito da verdadeira Igreja pré-conciliar já estava morto.

Ele estava convencido de que ter estabelecido uma falsa igreja anticatólica como a conclusão natural e inevitável do Vaticano II era mais do que suficiente para enterrar para sempre o que tem sido a verdadeira e única tradição milenar da Igreja de Roma.

Em vez disso, o espírito dos católicos tradicionalistas, que nada mais são do que católicos autênticos que permaneceram fiéis ao magistério secular da Igreja, continua a arder. Nunca saiu, e o trabalho de Bergoglio inspirado pelo pensamento maçônico para remover qualquer vestígio da verdadeira Igreja Católica produziu, em vez disso, o efeito oposto. Ele trouxe de volta à vida aquela chama que agora arde mais do que nunca e que não quer saber se extinguir.

O Concílio Vaticano II: a infiltração da maçonaria na Igreja

Mas o que está acontecendo agora não é o resultado de um único pontificado herético. Reduzir tudo a Bergoglio seria um grave erro e não seria uma descrição precisa da história da Igreja.

A Igreja deixou de ser Igreja [???] por algum tempo. O espírito maçônico de Bergoglio, que odeia ferozmente o catolicismo, já havia penetrado nas paredes do Vaticano pelo menos desde 1959, quando o então Papa João XXIII anunciou o Concílio Vaticano II, que foi então encerrado por Paulo VI em 1965. O espírito do Concílio foi separar a Igreja de seu “ensino tradicional” e prostrá-la à filosofia liberal do mundo moderno.

Já não é o mundo moderno que deve inspirar-se na palavra e na verdade imutável do Evangelho de Cristo, mas sim a Igreja que deve se adaptar à modernidade e, portanto, secularizar-se.

A apostasia, portanto, já estava presente no Vaticano há algum tempo e com o Concílio a marcha para a reviravolta desta instituição tornou-se praticamente imparável. Na época, os seminários já haviam sido fortemente infiltrados por membros do Partido Comunista. Em seu depoimento perante o Comitê de Atividades Antiamericanas da Câmara dos Estados Unidos, Bella Dodd, uma ex-militante comunista que mais tarde se converteu ao catolicismo, revelou que o Partido Comunista já estava trabalhando na década de 1930 para se infiltrar nos seminários católicos.

Nas décadas seguintes, os seminários que deveriam ter agitado padres e bispos dedicados à defesa da Igreja Católica, em vez disso agitaram padres e bispos dedicados à causa marxista da teologia da libertação que questionavam o Evangelho e a autoridade do próprio pontífice.

A este respeito, Monsenhor Viganò assinalou corretamente que o Vaticano II foi a causa primária dos acontecimentos subsequentes de 1968 que abalaram e posteriormente demoliram todos os pilares tradicionais da sociedade cristã ocidental, como Deus, a pátria e a família. A apostasia, portanto, já havia atingido a Basílica de São Pedro e até mesmo chegado a sentar-se no trono de Pedro porque o pontífice reinante da época, Roncalli, cuja eleição foi extremamente controversa, estava ele mesmo no odor da Maçonaria.

Segundo o que foi declarado por Ivo Marsadoun , um maçom francês do mais alto grau da Maçonaria, ou 33º, o papa Roncalli também foi um grande mestre do 33º grau e costumava frequentar os círculos do Grande Oriente da França. A maçonaria, portanto, que por mais de dois séculos desde o início de sua fundação em 1717, que via a Igreja como um inimigo jurado, havia conseguido entrar no Vaticano e levar a Igreja a tornar sua a causa dos maçons.

A maçonaria sempre teve um propósito específico. Sua tarefa é se infiltrar em todas as áreas da sociedade em todos os países para trazer as nações para servir ao propósito desta seita secreta. Essa organização é inspirada pelo pensamento oculto da religião de mistérios, que tem uma natureza profundamente [pseudo] ocultista.

O objetivo final acabou revelando que ele era um dos maçons mais influentes da história, Albert Pike em uma carta relatada pelo historiador militar canadense William Carr e dirigida a Giuseppe Mazzini, outro maçom importante, revelou que o objetivo final da maçonaria era destruir as nações e então ser capaz de substituí-las por um único governo mundial [NWO].

Não há lugar no governo mundial para o cristianismo e religiões. A religião do Leviatã global será a do culto de Lúcifer, onde os cristãos serão perseguidos ferozmente. David Spengler, um filósofo membro da sociedade teosófica fundada pela ocultista Madame Blavatsky, fez a mesma revelação .

Ninguém será capaz de entrar na Nova Ordem Mundial [NWO] sem primeiro ter recebido uma iniciação luciferiana.

Para atingir este objetivo final, era necessário conquistar o bastião da fé cristã, a Igreja Católica. Por séculos, a maçonaria foi obcecada por esse plano. Para entender a extensão dessa obsessão, podemos citar um episódio revelador testemunhado na primeira pessoa por São Maximiliano Kolbe. Em 1917, por ocasião do bicentenário da maçonaria, os maçons decidiram passar por baixo das janelas da Basílica de São Pedro.

Os membros dessa sociedade [pseudo] ocultista desfilaram exibindo uma faixa representando a intenção de Lúcifer de esmagar São Miguel Arcanjo, quando exatamente o oposto ocorria na tradição da teologia cristã. Foi o Arcanjo São Miguel quem esmagou a cabeça da serpente, Satanás, e o expulsou do céu.

Isso ajuda a entender como tudo está invertido na visão da maçonaria. O mal assume a aparência de bom e o preto se torna branco. Na ocasião, os maçons distribuíram folhetos com esta inscrição.

“O diabo reinará no Vaticano e o Papa será seu guarda suíço”.

Essa ameaça infelizmente se tornou realidade porque Satanás sentou-se no trono de Pedro em 1958 e ainda não se levantou.

A apostasia presente na Igreja está prestes a terminar?

A pergunta que muitos se colocam nestes meses tão atormentados pela operação terrorista do coronavírus expressamente concebida para poder arrastar a humanidade para a Nova Ordem Mundial, é se e quando tudo isso terá um fim.

A resposta não é fácil, mas para entendê-la é preciso entender não tanto o onde, mas sim o quando. Em outras palavras, é necessário entender em que período da história do mundo e da Igreja se vive, e para poder ter respostas, certamente se pode recorrer às profecias e ensinamentos herdados da Igreja antes da início da apostasia conciliar.

A esse respeito, pode-se citar um episódio particular ocorrido com Leão XIII. Leão XIII é o pontífice que sucedeu a Pio IX em 1878 e que escreveu uma admirável encíclica contra a maçonaria intitulada ” Humanum Genus “.

O pontífice teve uma visão chocante em 13 de outubro de 1884 .

Naquele dia, o papa estava em sua capela particular discutindo alguns assuntos com os cardeais quando de repente parou. Uma expressão de consternação e terror apareceu em seu rosto que o levou a se retirar para seus aposentos. Mais tarde, Leão XIII revelou o que tanto o aterrorizou.

“Eu vi os demônios e ouvi seus sussurros, suas blasfêmias, suas difamações. Eu ouvi a voz assustadora de Satanás desafiando a Deus, dizendo que ele poderia destruir a Igreja e levar o mundo inteiro para o inferno se ele lhe desse tempo e poder suficientes. Satanás pediu a Deus permissão para ter 100 anos de idade para influenciar o mundo como ele nunca foi capaz antes ”.

Portanto, a apostasia e o reinado do ocultismo no Vaticano já haviam sido anunciados há algum tempo. Os dirigentes da Igreja sabiam que um dia o feroz inimigo daquela instituição ocuparia o trono de Pedro e a levaria a ser porta-voz das mais horrendas blasfêmias, até as contemporâneas, em que o jesuíta Bergoglio nega até o caráter absoluto dos mandamentos.

Leão XIII, porém, revela um detalhe fundamental. A apostasia terá começo e fim. Não será eterno.

A Providência o permitirá até certo momento.

O que Leão XIII profetizou parece coincidir inteiramente com as profecias feitas pelo venerável Bartolomeu Holzhauser. Holzhauser foi um alemão abençoado que viveu no século 17 e dividiu a história do mundo em sete idades. O primeiro é aquele em que a própria história da Igreja começou com o nascimento de Cristo.

O último é aquele em que haverá a manifestação do tirano global, o Anticristo, anunciado no Apocalipse de João. Os últimos tempos serão tempos em que os homens atingirão seu mais alto grau de abjeção, corrupção e degradação moral. São Paulo se expressa neste sentido a respeito da condição da humanidade neste período histórico.

“Tempos difíceis virão nos últimos dias, porque os homens serão egoístas, amantes do dinheiro, presunçosos, orgulhosos, blasfemadores, rebeldes aos pais, ingratos, irreligiosos, insensíveis, desleais, caluniosos, intemperantes, implacáveis, sem amor ao bem, traidores , imprudentes, orgulhosos, amantes dos prazeres em vez de Deus, tendo a aparência de piedade, embora tenham negado o seu poder. “

Os homens, portanto, estarão longe de Deus nesta fase como nunca estiveram em toda a história da humanidade. Se você ler as palavras de São Paulo, há enormes semelhanças entre sua descrição dos homens dos últimos tempos e a atual humanidade do coronavírus, que certamente perdeu todo o sentido espiritual e moral para o ódio cego e gratuito ao seu próximo.

Porém, se levarmos em consideração as profecias de Leão XIII e do bem-aventurado Holzhauser, aprendemos que haverá um período antes do Apocalipse em que os homens se permitirão entrar em uma dissolução semelhante àquela a que se permitirão antes do vinda do Anticristo. De acordo com Holzhauser, este período é a quinta era da Igreja, e esta é a descrição que o Abençoado faz dele .

“O quinto período é um período de aflição: desolação, humilhação e pobreza, pois a Igreja de Jesus Cristo [não a de Roma] purificará seu povo por meio de guerras cruéis, fomes, epidemias de peste e outras calamidades horríveis. A Igreja de Roma também será afligida e enfraquecida por muitas heresias. Um período de deserção, calamidade e extermínio se seguirá… “.

Quando vier a luz, o governo mundial terá características muito específicas que não podem ser confundidas. Este sistema político que será o mais totalitário da história da humanidade verá o domínio absoluto desta figura, o Anticristo, por um tempo limitado.

O advento dessa figura será anunciado por uma espécie de paródia oculta de João Batista, conhecido na tradição cristã como o “falso profeta”. Ninguém poderá entrar nesta empresa se não aceitar usar a marca da Besta [Passaportes Covid?], que se parece muito com o microchip subcutâneo que já é usado em alguns países, por exemplo na Suécia.

Ninguém poderá vender ou comprar sem carregar este dispositivo. Quem não carrega a marca da Besta será banido pela sociedade globalista. A este respeito, a comparação mais espontânea que vem à mente é aquela com o certificado verde aprovado pelo regime de Draghi, sem o qual não há acesso a bares e restaurantes e sem o qual a deslocação em meios de transporte será até mesmo impedida.

Porém, o certificado verde [ainda] não possui todas as características da marca anunciada pela Bíblia. Não é algo que as pessoas tenham que usar no corpo e não é algo essencial para poder comprar o básico, como será a futura marca.

O que vivemos é, portanto, uma época que pode ser considerada como uma antecâmara do que acontecerá muito em breve, quando a humanidade tocará definitivamente o fundo do poço ao se deixar levar à impiedade ainda mais do que o que vimos até agora.

A sociedade [de zumbis] dominada pelo medo do coronavírus, portanto, seria uma espécie de antecipação da apostasia final que virá em outro momento histórico. Por um lado, essa pode ser uma perspectiva horrível, a saber, saber que a distopia que você está experimentando agora AINDA não é o pior da humanidade.

Por outro lado, pode ser uma perspectiva que faz você respirar em parte um suspiro de alívio, porque é encorajador saber que esta era dissoluta terminará em breve e então um ciclo de renascimento começará. Isso é o que dizem as profecias de Holzhauser e de Maria. No final desta era, chegará um tempo em que haverá uma restauração da fé.

O que nos perguntamos neste ponto é se o fim próximo de Bergoglio pode ser considerado um sinal do fim da apostasia [será o começo do fim] que afligirá a Igreja de Roma e o mundo. Parece haver pistas pesadas nesse sentido, porque quanto mais Bergoglio se aproxima do fim de sua obra maçônica, mais o espírito de quem deseja manter a Igreja e sua mensagem viva é revigorado.

Da mesma forma, o Leviatã global parece estar se afastando. A Grande Reinicialização de Davos não está indo como planejado e as grandes potências, como EUA, Rússia e China, que deveriam permitir a ascensão do supergoverno mundial, não parecem dispostas a ingressar na nova sociedade totalitária global.

Portanto, é muito provável que esta seja uma fase de transição. Uma era está se encerrando e nos aproximamos de outra. Para completar a transição, será necessário enfrentar outras turbulências. Não será fácil, é sempre bom ter isso em mente.

Se, no entanto, se tem uma visão que não pertence apenas ao nível material, mas que necessariamente se refere ao nível espiritual, sem a qual praticamente nada da realidade atual é compreendido, está, conseqüentemente, certo de que as forças do mal não prevalecerão em qualquer caso.

O mal age enquanto tem permissão para agir pelas forças mais poderosas do que ele. Depois da escuridão, vem sempre a Luz.


Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa).


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é sata-esquerda.png

“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.