O Incêndio na catedral de Notre Dame e a destruição da Europa Cristã

Apenas uma hora após as chamas irromperem e a fumaça se elevar acima de Notre Dame – num momento em que nenhuma explicação poderia ser fornecida por ninguém – as autoridades francesas correram para dizer que o incêndio foi um “acidente” e que “um incêndio (atentado) criminoso foi descartado”. Essas afirmações apressadas  soaram iguais a todas as declarações oficiais feitas pelo governo francês após os ataques na França durante a última década.  O incêndio de Notre Dame também ocorreu em um momento em que os ataques contra prédios de igrejas na França e na Europa se multiplicaram. Mais de 800 igrejas foram atacadas na França  apenas durante o ano de 2018.   

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Incêndio na catedral de Notre Dame e a destruição da Europa Cristã

Fonte:  https://www.thetruthseeker.co.uk/

Por Guy Millière – Gatestone Institute 22 de abril de 2019

  • As Igrejas na França estão vazias, assim como por toda a Europa. O número de padres está diminuindo e os padres que estão ativos na França são muito velhos ou vêm da África ou da América Latina. A religião dominante na França agora é o islamismo. Todos os anos, igrejas são demolidas para dar lugar a estacionamentos ou shopping centers. Mesquitas estão sendo construídas em todo lugar, e elas estão cheias.

O incêndio que destruiu grande parte da Catedral de Notre Dame, no coração de Paris, é uma tragédia (orquestrada) irreparável.  Mesmo se a catedral for reconstruída, nunca mais ela será como era antes. Vitrais e principais elementos arquitetônicos foram severamente danificados e a moldura de carvalho totalmente destruída. A torre que se erguia da catedral era uma peça única de arte. Foi desenhado pelo arquiteto que restaurou o edifício no século XIX, Eugène Viollet-le-Duc, que baseou seu trabalho em documentos do século XII.

Além do fogo, a água necessária para extinguir as chamas penetrou no calcário das paredes e da fachada,  enfraquecendo-as, tornando-as quebradiças. O telhado não existe mais: a nave, o transepto e o coro estão agora ao ar livre, vulneráveis ??ao mau tempo. Eles nem podem ser protegidos até que a estrutura tenha sido examinada minuciosamente, uma tarefa que levará semanas. Três elementos principais da estrutura (o pinhão norte do transepto, o pinhão localizado entre as duas torres e a abóbada) também estão à beira do colapso.

Notre Dame tem mais de 800 anos. Ela sobreviveu a turbulência da Idade Média, ao Reino do Terror da Revolução Francesa, a duas guerras mundiais e a ocupação nazista de Paris. Ela não sobreviveu ao que a França (e a Europa) está se tornando nesse século XXi. A causa do incêndio até agora foi atribuída pelas autoridades a “um acidente“, “um curto-circuito” e, mais recentemente, “uma falha no computador“.

Se o incêndio realmente foi um acidente, é quase impossível explicar como o fogo começou. Benjamin Mouton, ex-arquiteto-chefe da Notre Dame, explicou que as regras eram excepcionalmente rigorosas e que nenhum cabo elétrico ou aparelho, e nenhuma fonte de calor, poderia ser colocada no sótão. Ele acrescentou que um sistema de alarme extremamente sofisticado estava em vigor. A empresa que instalou o andaime não utilizou soldagem e se especializou neste tipo de trabalho. O incêndio irrompeu mais de uma hora após a saída dos trabalhadores e nenhum deles estava presente. Ele se espalhou tão rapidamente que os bombeiros que correram para o local assim que chegaram lá ficaram chocados. Remi Fromont, o arquiteto-chefe dos monumentos históricos franceses disse: “O fogo não pode começar de qualquer elemento presente onde começou. Uma carga calorífica real é necessária para lançar tal desastre ”.

Uma investigação longa, difícil e complexa será conduzida.

A possibilidade de que o fogo tenha sido resultado de um incêndio criminoso não pode ser descartada. Apenas uma hora após as chamas começarem a se elevar acima de Notre Dame – num momento em que nenhuma explicação poderia ser fornecida por ninguém – as autoridades francesas correram para dizer que o incêndio foi um “acidente” e que “um incêndio (atentado) criminoso foi descartado”. Essas observações apressadas soaram como todas as declarações oficiais feitas pelo governo francês após ataques na França durante a última década.

Em novembro de 2015, na noite do massacre no Teatro Bataclan, em Paris, no qual os jihadistas assassinaram 90 pessoas, o Ministério do Interior francês disse que o governo não sabia de nada , exceto que um tiroteio havia ocorrido. A verdade saiu somente depois que o ISIS reivindicou a responsabilidade pelo abate.

Em Nice, após o ataque dos caminhões em julho de 2016, o governo francês insistiu por vários dias que o terrorista que esmagou 86 pessoas até a morte era um ” homem com um colapso nervoso “.

Em 2018, o assassino de Sarah Halimi, que recitou versos do Alcorão enquanto torturava sua vítima, foi declarado  “mentalmente perturbado” e mantido em uma instituição psiquiátrica imediatamente após sua prisão. Ele provavelmente nunca enfrentará um tribunal. Em 8 de abril, Alain Finkielkraut e 38 outros intelectuais publicaram  um texto dizendo que seu assassino não deve escapar da justiça. O texto não teve efeito.

O incêndio em Notre Dame ocorreu menos de três anos depois que uma “unidade de comando” de mulheres jihadistas, mais tarde presas, tentou destruir a catedral ao detonar cilindros de gás natural. Três dias antes do incêndio da semana passada, em 12 de abril, a líder dos jihadistas, Ines Madani, uma jovem francesa convertida ao islamismo, foi  condenada a oito anos de prisão por criar um grupo terrorista afiliado ao Estado Islâmico.

O incêndio de Notre Dame também ocorreu em um momento em que os ataques contra igrejas na França e na Europa se multiplicaram. Mais de 800 igrejas foram atacadas na França durante o ano de 2018 sozinho. Muitas sofreram  danos  sérios: estátuas quebradas e decapitadas, tabernáculos esmagados, fezes jogadas nas paredes. Em várias igrejas, os incêndios foram provocados. Em 5 de março, a Basílica de St. Denis, onde todos os reis da França, com exceção de três, estão enterrados, foi vandalizada por um refugiado paquistanês. Vários vitrais foram quebrados, e o órgão da basílica, um tesouro nacional construído entre 1834 e 1841, estava quase destruído. Doze dias depois, em 17 de março, um  incêndio irrompeu em Saint Sulpice, a maior igreja de Paris, causando sérios danos. Depois de dias de silêncio, a polícia finalmente admitiu que a causa havia sido um incêndio criminoso .

Durante meses, organizações jihadistas emitiram declarações pedindo a destruição de igrejas e monumentos cristãos na Europa. Notre Dame foi repetidamente nomeado como um alvo primário. Apesar de tudo isso, a catedral não estava adequadamente protegida. Dois jovens, que entraram na Catedral à noite, subiram no telhado em novembro passado e gravaram um vídeo que eles colocaram no YouTube.

Muitas mensagens foram postadas por pessoas com nomes muçulmanos nas redes sociais – Twitter, Facebook, o site da Al Jazeera – expressando uma alegria ao ver um importante símbolo cristão destruído. Hafsa Askar , uma imigrante de Marrocos e vice-presidente da União Nacional de Estudantes da França (UNEF), a principal organização estudantil na França, publicou um tweet dizendo: “As pessoas estão chorando em pequenos pedaços de madeira … é uma ilusão do  Lixo branco”.

O presidente francês Emmanuel Macron, que nunca havia mencionado os ataques a Saint Denis ou Saint Sulpice, foi rapidamente a Notre Dame e declarou : “Notre Dame é nossa história, nossa literatura, nossa imaginação”. Ele deixou totalmente de fora a dimensão religiosa e espiritual da catedral.

Na noite seguinte, ele disse que a Notre Dame seria reconstruída em cinco anos: foi uma declaração ousada. Muitos comentaristas interpretaram suas palavras como ditado por sua vontade de tentar desesperadamente recuperar a confiança do povo francês após cinco meses de manifestações, tumultos e destruição decorrentes de sua manipulação ineficaz do levante “Coletes Amarelos”. (Em 16 de março, grande parte dos Champs-Élysées foi danificada por desordeiros ; os reparos mal começaram.) Todos os especialistas concordam que quase certamente levará mais de cinco anos para reconstruir Notre Dame.

Macron, estranhamente, acrescentou que a catedral seria “mais bonita” do que antes – como se um monumento histórico com oito séculos e seriamente danificado pudesse ser mais bonito após sua restauração. Macron prosseguiu dizendo que a reconstrução seria um “gesto arquitetônico contemporâneo”. A observação levantou a preocupação , se não o pânico, entre os defensores dos monumentos históricos, que agora temem que ele queira adicionar elementos arquitetônicos modernos a uma jóia da arquitetura gótica. Mais uma vez, ele deixou totalmente de fora a dimensão religiosa e espiritual da catedral.

A atitude de Macron não é surpreendente. Desde o momento em que ele se tornou presidente, ele se manteve longe de qualquer cerimônia cristã. A maioria dos presidentes que o precederam fez o mesmo. A França é um país onde o secularismo dogmático reina supremo. Um líder político que se atreve a chamar-se de cristão é imediatamente criticado na mídia e só pode prejudicar uma carreira política em ascensão. Nathalie Loiseau – ex-diretora da Escola Nacional de Administração da França e principal candidata na lista eleitoral do partido de Macron, “Republic on the Move”, para as eleições do Parlamento Europeu de maio de 2019 – foi recentemente fotografada saindo de uma igreja depois da missa, o que levou a um debate na mídia sobre se a sua participação na igreja é um “problema”.

Os resultados do secularismo francês são visíveis. O cristianismo foi quase completamente eliminado da vida pública.  As Igrejas estão vazias. O número de padres está diminuindo e os padres que estão ativos na França são muito velhos ou vêm da África ou da América Latina. A religião dominante na França é agora o islamismo . Todos os anos, as igrejas são demolidas para dar lugar a estacionamentos ou shopping centers. Mesquitas estão sendo construídas em todo lugar, e elas estão cheias. Os imãs radicais fazem proselitismo. O assassinato, há três anos, de Jacques Hamel, um padre de 85 anos que foi assassinado por dois islamitas, enquanto ele rezava a missa em uma igreja vazia onde apenas cinco pessoas (três freiras idosas) estavam presentes à cerimônia religiosa.

Em 1905, o parlamento francês aprovou uma lei decretando que todas as propriedades da Igreja Católica na França fossem confiscadas. Igrejas e catedrais tornaram-se propriedade do Estado. Desde então, sucessivos governos gastaram pouco dinheiro para mantê-las. As igrejas que não foram vandalizadas estão em más condições , e a maioria das catedrais também está em mau estado. Mesmo ainda antes do incêndio devastador, a Arquidiocese de Paris afirmou que “não poderia pagar todos os reparos necessários” que a Notre Dame precisava valores “estimados em US$ 185 milhões”.  Segundo a CBS News, em um relatório de 20 de março de 2018:

“O governo francês, dono da catedral, prometeu cerca de US$ 50 milhões na próxima década, deixando uma conta de US $ 135 milhões. Para levantar o resto, Picaud ajudou a lançar a Fundação Amigos da Notre-Dame de Paris. Ele trabalha para encontrar doadores privados na França e no outro lado do Atlântico. “Sabemos que os americanos são ricos, então vamos aonde achamos que podemos encontrar dinheiro para ajudar a restaurar a catedral”, disse Picaud.

Na noite do dia do incêndio em Notre Dame, centenas de franceses se reuniram em frente à catedral em chamas para cantar  Salmos e orar. De repente, alguns franceses pareciam entender que estavam perdendo algo imensamente precioso.

Após o incêndio, o governo francês decidiu começar a coletar doações de particulares, empresas e organizações para a reconstrução; mais de um bilhão de euros foram arrecadados. Bilionários franceses prometeram pagar grandes somas: a família Pinault (os principais proprietários do conglomerado varejista Kering) prometeu 100 milhões de euros, a família Arnault (proprietária da LVMH, a maior empresa de artigos de luxo do mundo) 200 milhões de euros, a família Bettencourt (proprietários da L’Oréal), também 200 milhões. Muitos militantes da “esquerda” francesa (em sua maioria ateus) disseram  imediatamente que as famílias ricas tinham muito dinheiro, e que esses milhões seriam melhor usados ajudando os pobres do que cuidando de pedras antigas.

Para um futuro previsível, o coração de Paris suportará as terríveis cicatrizes de um incêndio que devastou muito mais do que uma catedral e suas velhas pedras. O incêndio destruiu uma parte essencial do que resta da alma quase perdida da França e o que a França poderia realizar quando os franceses acreditavam em algo mais elevado do que a própria existência cotidiana mundana e fugaz.

Alguns esperam que a visão da catedral destruída inspire muitos franceses a seguir o exemplo daqueles que rezaram na noite do desastre. Michel Aupetit, Arcebispo de Paris, disse em 17 de abril, dois dias após o incêndio, que estava certo de que a França viveria um “despertar espiritual”. Outros, não tão otimistas, vêem nas cinzas da catedral um símbolo da destruição do cristianismo na França. O historiador de arte Jean Clair disse que vê na destruição de Notre Dame um sinal adicional de uma “decadência irreversível” da França e do colapso final das raízes judaico-cristãs da Europa.

Um colunista americano, Dennis Prager, escreveu :

“O simbolismo da queima da Catedral de Notre Dame, o mais renomado edifício da civilização ocidental, símbolo icônico da cristandade ocidental, é difícil de perder. “É como se o próprio Deus quisesse nos advertir da maneira mais inequívoca que o cristianismo ocidental está queimando – e, com ele, a civilização ocidental”.

Outro autor americano, Rod Dreher, observou :

“Esta catástrofe em Paris hoje é um sinal para todos nós cristãos e um sinal para todas as pessoas no Ocidente, especialmente aqueles que desprezam a civilização que construiu este grande templo para o seu Deus em uma ilha no Sena onde ritos religiosos eram celebrados pelos gauleses desde antes dos dias da Roma pagã. É um sinal do que perdemos o rumo e do que não o recuperaremos se não mudarmos de curso agora. ”

No momento, nada indica que a França, a Europa Ocidental (e os demais países do planeta) mudarão o seu curso.

O Dr. Guy Millière, professor da Universidade de Paris, é autor de 27 livros sobre a França e a Europa. Fonte


A Matrix, o SISTEMA de CONTROLE MENTAL: “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar. Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle MENTAL. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

0 resposta

  1. O Futuro do Planeta não vai ter Igrejas ou Religiões,,,Existe Obras mais importantes para o Bem Maior da Humanidade e do Planeta,,,lamentável aparecer Dinheiro tão Rápido para restaurar um Edifício,essas pessoas o que fazem para o Bem da Humanidade,Animais,Natureza,????tudo acaba,,a vida não!!certo ,obra de arte,800 anos!!alguém se lembra o que se passou dentro dela na Inquisição?e muito mais,,,,,claro está que não foi dito o que deu origem,,mas não Admira porque todas as desgraças que tem acontecido em França ,nada tem sido por acaso,,,,A VERDADE VIRÁ A SEU TEMPO,,,O AMOR DO PLANETA E DA HUMANIDADE É MAIS IMPORTANTE AGORA,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth