O Perigoso Caminho para o Despertar da Consciência Espiritual (5)

Capítulo V – Forças ocultas hostis visando o buscador: As armadilhas antes mencionadas na jornada do despertar relacionam-se mais à nossa atitude interior e às idéias, experiências e conhecimentos espirituais sequestrados pelo ego (incluindo o conhecimento de como a matrix funciona), o que leva o ego a acreditar que é o “eu que desperta”. A maneira como uso o termo “ego” é em relação à identificação com quem “pensamos” que somos, a personalidade [intelecto] condicionada ou qualquer coisa que “fazemos” com base na ilusão de estarmos separados, presos em um estado fragmentado de consciência, ou seja, falta de totalidade (que também é o resultado da divisão do homem e da mulher interior que aparece na divisão corpo-mente (cabeça) que é tão prevalecente em nossa sociedade moderna).

O perigoso caminho para o despertar da Consciência Espiritual

Fonte:  Veilofreality.comPor Bernhard GuentherAs expressões entre [ ] são de autoria do tradutor.


Capítulo V –  Forças ocultas hostis visando o buscador

No entanto, todas as armadilhas mencionadas anteriormente também são “aprimoradas” por interferências e ataques hiperdimensionais que ficam “fora” de nossos problemas de estrutura do ego ou sombra – por mais importantes que o trabalho das sombras seja da perspectiva junguiana, ele tem suas limitações (como trabalho psicológico em geral, abordado  neste ensaio ). As forças ocultas hostis nos afetam de mais maneiras do que temos consciência, especialmente com aquelas pessoas que estão ativamente engajadas em atividades de conscientização, trabalho de elevação espiritual, buscando a verdade e falando sobre isso.

Seja através de nossas próprias mentes, como ataques psíquicos ou apegos a entidades, ou forças trabalhando através de outras pessoas que estão sendo  usadas como “portais” para nos tirar do caminho., a vigilância é essencial. Pense no agente Smith capaz de se injetar em qualquer personagem do mundo virtual do filme “The Matrix”, tentando impedir Neo de despertar para suas habilidades reais. Portanto, pessoas cegas cognitivamente – pessoas que estão adormecidas, conectadas à Matrix, a grande ilusão – podem se tornar “ferramentas” e marionetes inconscientes da Matrix, empregando táticas como pressão dos colegas / ostracismo social para garantir que ninguém saia da linha .

“ Além dos fracos e indefesos, esses vampiros [escondidos] procuram pessoas que estão à beira de um salto quântico evolutivo na sua própria consciência, mas ainda não integraram totalmente suas realizações e saem do outro lado. Esses indivíduos estão em uma condição energeticamente sensível e “carregada” pela dinâmica do confronto com seu próprio ego, e sua abertura e vulnerabilidade convidam as entidades vampíricas a ajudarem a si mesmas e a devorar a luz da consciência crescente de suas presas. Paradoxalmente, porém, prosperando com a ausência de luz, pode-se dizer que os vampiros são “devoradores de luz”, enquanto atraem e consomem a luz pertencente a outras pessoas no buraco negro cavernoso de seu vazio congênito. Economicamente falando, os vampiros querem dominar o mercado de energia, de luz, de modo a centralizar seu poder e controle.

Incapazes de gerar eles próprios a fonte de energia da luz, eles precisam roubar e usar as reservas dos seres que lhes são atraídos. Os elementos positivos e saudáveis ??emergentes na outra pessoa são cooptados, neutralizados ou corrompidos. Uma vez que a vítima é encurralada, o vampiro literalmente quer manter seus cativos trancados. Paradoxalmente, os seres vampirizadores tentam destruir a luz dos outros, pois isso os lembra do que eles mataram em si mesmos, ao mesmo tempo em que tentam se apropriar da luta.

Os Wetikos vampirizadores vêem seu trabalho como “prender” as expressões criativas de amor, porque o amor genuíno ameaça seu reino de terror. A estratégia desses predadores é nos distrair para manter nossa atenção voltada para fora, impedindo-nos de encontrar a luz dentro de nós mesmos, o que “mataria” os vampiros. Se levantarmos um espelho e refletirmos de volta a loucura exibida pelos atingidos pela psicose wetiko, corremos o risco real de ser acusado de ser o louco. Se conseguirmos nos conectar com a luz dentro de nós mesmos e tentar compartilhá-la com os outros, essas entidades vampirizadoras (o que eu tenho em escritos anteriores chamados “demônios não-locais”, ou NLD, resumidamente), não estão sujeitas às leis tridimensionais de espaço e tempo, tentará, através de suas “conexões” com o campo não-local, nos parar, influenciando outras pessoas a se voltarem contra nós.

Esse processo pode nos destruir ou, se tivermos a meta-consciência para ver o que está acontecendo e somos capazes de navegar com habilidade, podemos servir para fortalecer ainda mais nossa intenção, aprofundar nossa conexão com a luz da lucidez [interior], aprimorar nossa habilidade de transmitir criativamente nossas realizações e cultivar mais compaixão de coração aberto. É como se esses vampiros psíquicos e não-locais fossem guardiões do limiar da evolução. ”

– Paul Levy, dissipando Wetiko

“Existem forças altamente conscientes cujo único objetivo, aparentemente, é desencorajar o buscador (espiritual) e desviá-lo do caminho que ele escolheu . O primeiro sinal de sua presença é facilmente perceptível: a alegria é nublada, a consciência é nublada, tudo fica envolto em uma atmosfera de melodrama e melancolia. A angústia pessoal é um sinal claro da presença do inimigo. O melodrama é o local favorito dessas forças; é assim que eles são capazes de criar o maior caos, porque brincam com um companheiro de equipe muito antigo dentro de nós, que não pode deixar de amar o melodrama, mesmo quando ele clama por alívio.

Primeiro, eles geralmente fazem questão de nos forçar a tomar decisões repentinas, extremas e irrevogáveis, a fim de nos afastar o mais longe possível de nosso caminho – uma vibração premente e exigente que exige conformidade imediata; ou então, eles separam, com habilidade notável, todo o sistema de nossa busca para provar que estamos nos iludindo e que nossos esforços não darão em nada; mais frequentemente, provocam um estado de depressão, brincando com outro conhecido companheiro dentro de nós, que Sri Aurobindo chama de homem das dores: um companheiro. . .  cobrindo-se com um casaco sete vezes maior de tragédia e tristeza [autopiedade], e ele não sentiria sua existência justificada se não pudesse ser colossalmente infeliz.

O método para lidar com essas forças adversas é o mesmo que para as outras vibrações: silêncio, quietude interior que deixa a tempestade soprar e rugir. Podemos não conseguir pela primeira vez dissolver esses ataques, mas cada vez mais eles parecem ocorrer na superfície de nosso ser; podemos ficar abalados, chateados, mas no fundo sentiremos a “Testemunha” em nós, ilesa e sem ser afetada – ela nunca é afetada. Caímos e voltamos a levantar, cada vez mais fortes. O único pecado é o desânimo. Na prática, o buscador [sincero] estará muito mais exposto do que outros [pois seu objetivo é uma ameaça à agenda da força hostil oculta] . ”

– Satprem, “Sri Aurobindo ou a aventura das consciências”

Qualquer pessoa que esteja à beira de um verdadeiro despertar atrairá a atenção dessas forças, e isso nem sempre resulta de pensamentos negativos ou atitudes negativas (como afirma a versão distorcida da Nova Era da “Lei da Atração”).  A razão simples para seus atos sinistros é que eles não querem perder sua fonte de “alimento” e, portanto, tentam atrapalhá-lo no meio de sua mudança de frequência (como resultado do processo de despertar). Eles visam especialmente nossos próprios pontos cegos, feridas não curadas e identificações predominantes do ego, que são diferentes para cada um de nós.

Por exemplo, se você tem uma síndrome do “cavaleiro branco” inerentemente incorporada, eles aprimoram o seu complexo salvador, além de induzi-lo à armadilha de (forçosamente) tentar acordar / ajudar os outros. Ou, por outro lado, se você sofre de baixa auto-estima e auto-piedade (geralmente devido a traumas passados ??/ ferimentos na infância), eles aprimoram o complexo de vítima. O mesmo vale para o complexo de superioridade, e assim por diante. Tudo o que eu mencionei na seção de armadilhas pode e será aumentado por interferência hiperdimensional e injeções de pensamento.

É por isso que, à luz do processo de despertar de uma perspectiva absoluta, a parte mais importante da experiência é sair da cabeça e não se identificar com quaisquer pensamentos que residam nela, independentemente se eles provêm da nossa própria estrutura interna do ego ou são infundidos através de inserções “externas”. A saída é instilar um estado de ser não reativo calmo e fundamentado, ancorado a uma frequência mais alta incorporada, o que resulta na ativação de nosso projeto original antes da modificação genética, a fim de transcender a matrix de controle. Mas antes que possamos fazer isso, precisamos limpar o vaso interno, e isso é um trabalho muito mais difícil do que combater a matrix externamente (que é fútil de qualquer maneira, no final do dia), especialmente quando estamos presos em suas manifestações em 3D.

É através de “erros” e ataques que aprendemos e crescemos – no final do dia, mesmo essas forças (estejam trabalhando com outras pessoas ou nos alvejando diretamente) são nossos “professores”, tornando-nos conscientes de onde está nosso trabalho. necessário dentro do nosso universo interior. Quando tudo estiver dito e feito, essas são apenas lições e iniciações para nos ajudar a ficar mais conscientes. A armadilha está na possibilidade de ficarmos presos em uma prisão de vibração mais baixa (ou “pensamento” puramente 3D) e ficar atolados em “laços” emocionais negativos, projetando-os para os outros e para o mundo em geral.

“Embora nem sempre possamos ser a fonte de injustiças contra nós, somos a causa de sua entrada em nossas vidas. A Matrix, mesmo com todos os seus desequilíbrios e corrupção por parte das entidades de livre arbítrio que ultrapassaram seu lugar na natureza, ainda é um programa de aprendizado que responde inteiramente à nossa própria ignorância e fraqueza. Pode ser a escolha de um predador atacar, mas é nossa escolha aceitar o ataque e sucumbir a ele.

O sistema de matrix  de controle só pode nos trapacear através dos elementos dentro de nós que correspondem à sua baixa natureza vibratória. Se ignoramos nossa intuição, temos pontos cegos em nossa consciência ou nos envolvemos em sentimentos e comportamentos ignóbeis, essas são as vias pelas quais cederemos. Os ataques servem para identificar nossas próprias fraquezas , fornecendo foco para onde dar o próximo passo no caminho de um despertar espiritual.

No sentido absoluto, o Sistema de controle matricial serve para acelerar seu crescimento espiritual e, embora seus agentes o vejam como o inimigo, saiba que você pode utilizá-los como professores. Você não precisa procurá-los, pois eles o encontrarão à medida que você progride no seu caminho de aprendizado. Mais importante ainda, saiba que você nunca receberá nada que não possa escolher para lidar com sucesso. ”

– Tom Montalk

“ Sempre há um teste espiritual antes de poder atingir o próximo estágio do poder pessoal. Cada vez que você precisa progredir, é necessário fazer um exame. Quando as manifestações divinas acontecem, elas também precisam passar por grandes dificuldades e sofrimentos, como resultado de oposições de forças obscuras e anti-divinas que se apoderaram da Terra desde o princípio da criação. Esses poderes das trevas sempre se opõem às novas luzes porque eles não querem abandonar seu domínio sobre a Terra e, às vezes, sua hostilidade assume a forma de guerras na Terra [criada e iniciada por forças ocultas / hiper-dimensionais que trabalham através de suas marionetes humanas], mas apesar de todas as obstruções, a Vontade Divina finalmente consegue vencer”

~ A Mãe, “Obras Coletadas da Mãe” – Biblioteca Sri Aurobindo

Armadilha da paranóia e apego às experiências

Vejo cada vez mais pessoas se conscientizando das forças da matriz hiperdimensional e de como elas podem estar interferindo em suas próprias vidas, trabalhando através delas ou de outras pessoas próximas a elas. Isso é encorajador para testemunhar, pois a conscientização e a educação sobre esse tópico ajudam muitas pessoas a curar e trabalhar com suas tribulações. Ao mesmo tempo, também vejo pessoas sendo pegas no modo de paranóia – ou o complexo vítima / culpa entra em ação. Muitas vezes, também percebo (em algumas pessoas com quem trabalho) que elas realmente não estão lidando com interferência de entidades, mas com suas próprias projeções de pensamento (baseadas no medo / paranóia) que assumiram uma “vida” própria e se tornaram “entidades”, por assim dizer, mas não estão diretamente relacionadas às forças hostis ocultas que interferem em um reino diferente.

Às vezes, as pessoas também podem se apegar muito às suas experiências e “histórias” em um nível inconsciente, enquanto ao mesmo tempo desejam curar e seguir em frente (através de um processo consciente de cura). Esse apego inconsciente e contradição interna resultam na incapacidade de deixar ir e se curar completamente, pois o ego se retroalimenta da história / experiência ao se identificar fortemente com ela. Geralmente, há uma “auto-importância” inconsciente ou um sentimento de “especial” em jogo aqui em relação a ter essas experiências que definem a auto-imagem (ou seja, quem “pensamos” que somos). Às vezes, também é apenas um fascínio mórbido subjacente pelo tópico, e uma parte de si (a “mente predadora”) que realmente “gosta” do drama que se identifica com esse assunto. Essencialmente, ele ainda fornece a frequência na qual essas forças se prendem; enquanto isso,

Eu vejo o mesmo padrão ocorrendo na comunidade marginal / OVNI / alienígena, onde alguns pesquisadores e pessoas que tiveram / tem encontros com forças hostis ocultas (em qualquer modo ou forma que manifestem e nomes específicos que damos a eles) estão sendo apanhados numa visão de túnel, e tendem a “esquecer” ou perder o ponto de transcender essencialmente as influências / interferências ocultas através de sincero trabalho autônomo esotérico, personificação e ancoragem a uma frequência mais alta. Embora seja obviamente importante entender o “modus operandi” das entidades hiperdimensionais e nos educar (e aos outros) sobre isso, precisamos ter cuidado para não dar a “eles” mais poder, dando-lhes muita “atenção”. Não é um cenário em preto e branco e, como sempre, cada situação é diferente. Isso também se refere à É uma armadilha de ficar preso no buraco do coelho da sobrecarga de informações , que eu abordei  AQUI .

“Consideramos o modus operandi da sugestão telepática em detalhes porque ela forma a base real de todo tipo de ataque oculto. Seja uma entidade desencarnada, um ser de outra ordem de evolução, um demônio ou apenas uma alma em pânico de um amigo egoísta, apegando-se à vida da forma independentemente das consequências, em todos os casos o lance inicial é o mesmo.

Até que a aura seja perfurada, não pode haver entrada na alma, e a aura é sempre perfurada por dentro pela resposta do medo ou desejo que sai em direção à entidade atacante. Se pudermos inibir essa reação emocional instintiva (consciência não reativa de ponto zero, fundamentada no corpo – encarnação / ancoragem da alma), a borda da aura permanecerá impenetrável e será uma defesa tão segura contra a invasão psíquica quanto a saúde e a pele intacta é uma defesa contra a infecção bacteriana. ”

– Dion Fortune, “Autodefesa psíquica – Manual de instruções clássicas para se proteger contra ataques paranormais”

“É para que elas [as sugestões hostis] sejam consideradas – sem interesse, com indiferença. Isso elimina a necessidade de luta constante, que por si só é uma forma de interesse, e é tão desanimadora quanto mais a essas sugestões. Pensar demais nos Poderes hostis é trazer sua atmosfera. É preciso reconhecê-los quando eles vierem e repelir eles, mas pensar muito sobre eles, temer, estar esperando ou cuidando deles é um erro [pois isso os convida ] . É melhor não se preocupar com as forças hostis. Mantenha sua aspiração [ao Divino, sua presença encarnada do EU SOU] forte e sincera. Se você começar a se preocupar com as forças hostis, apenas tornará o caminho mais difícil. 

A pior coisa para o sadhana [o caminho da auto-disciplina e prática espiritual] é o sadhaka entrar em uma condição mórbida, sempre pensando em ataques de “forças inferiores”. Se o sadhana parou por um tempo, deixe-o parar, fique quieto, faça coisas comuns, descanse quando for necessário – espere até que a consciência física esteja pronta. Meu próprio sadhana, quando era muito mais avançado do que o seu, costumava parar por meio ano juntos. Não me preocupei com isso, mas fiquei quieta até o período vazio ou sem graça terminar. As forças adversas tiram vantagem de qualquer perturbação desse tipo, pois abre, por assim dizer, uma passagem para sua ação. O medo é a única coisa que nunca se deve sentir diante deles, pois os torna ousados ??e agressivos. Além disso, o medo chama o que é temido – deve, portanto, ser totalmente descartado.

Isso acontece com todo mundo, desde que não exista o siddhi positivo da transformação, pelo qual se torna contrário à própria natureza do instrumento responder a essas vibrações – porque elas se tornaram estranhas a ele. Até então tudo depende da vigilância da consciência e de sua vontade. A repetição da resposta não aumenta a dificuldade – apenas retarda a eliminação das forças invasoras“. Sri Aurobindo , Cartas sobre Yoga


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?  Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber [o conhecimento] as minhas palavras. – Provérbios 1:20-23


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth