O Que Acontecerá quando o Holocausto não impedir mais os povos do Mundo de ver Israel como o país realmente É ?

Para quem quisesse ver, a verdade já era bastante clara ainda em 1955: “Eles tratam os árabes, aqueles que ainda estão aqui, de uma forma que por si só seria suficiente para reunir o mundo inteiro contra Israel”, escreveu Hannah Arendt. Mas isso foi em 1955, e apenas uma década depois do Holocausto – a nossa grande catástrofe e, ao mesmo tempo, o “manto protetor” do sionismo. Portanto, não, o que Arendt viu em Jerusalém não foi suficiente na altura para reunir o mundo contra Israel.

O Que Acontecerá quando o Holocausto não impedir mais os povos do Mundo de ver Israel como o país realmente É ?

Fonte: Haaretz

Quase 70 anos se passaram desde então. Entretanto, Israel tornou-se viciado tanto no regime de supremacia judaica sobre os palestinos como na sua capacidade de aproveitar a memória do Holocausto para que os crimes que comete contra eles não mobilizem o mundo contra si.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não está inventando nada: nem os crimes, nem a exploração do Holocausto para silenciar a consciência do mundo. Mas ele é primeiro-ministro há quase uma geração. Durante este período, Israel, sob a sua liderança, deu mais um grande passo em direção a um futuro em que o povo palestino será apagado do palco da história – certamente se o palco em questão for a Palestina, a sua milenar pátria histórica.

Tudo isto não só foi realizado gradualmente – outro dunam e outra cabra, outro posto avançado e outra quinta – mas no final também foi declarado publicamente, desde a Lei Básica de 2018 sobre Israel como Estado-Nação do povo judeu, até à política básica do atual governo e, acima de tudo, a declaração: “O povo judeu tem um direito exclusivo e inalienável a todas as partes da Terra de Israel.”

E a verdade é que o consenso é muito mais amplo e abrangente do que o apoio ao próprio Netanyahu. Afinal, quem em Israel não gostou da brilhante jogada, às vésperas de 7 de outubro de 2023, de normalização das relações com a Arábia Saudita, a fim de gravar na consciência dos palestinos o fato de serem uma nação derrotada?

Mas os palestinos, esse povo teimoso e resiliente, não saíram de cena. De alguma forma, ao longo de todos os anos e da opressão e dos colonatos e dos pogroms na Cisjordânia, e das “rondas” de conflito com Gaza e da violência do exército e da ausência de responsabilização e da expropriação em Jerusalém e no Negev e no Vale do rio Jordão e, com efeito, onde quer que um palestino tente manter a sua terra, depois de muitos anos e de muito sangue e de muitos crimes, o truque reciclado da hasbara israelita, ou diplomacia pública, começou a perder o seu efeito, desde que o a verdade trivial é que não, nem todos os povos e indivíduos que vêem os palestinos como seres humanos com direitos são anti-semitas.

Entretanto, veio a guerra de Israel na Faixa de Gaza, com a destruição de proporções bíblicas que provocamos, nós os judeus, sobre a Faixa e sobre as dezenas de milhares de palestinos mortos. Tem havido tanto sangue e destruição que a questão de se saber se isto é genocídio começou a ser seriamente discutida no Tribunal Internacional de Justiça em Haia.

Nas palavras de Arendt, o que estamos a fazer aos palestinos – aqueles que ainda estão em Gaza – ainda não é mobilizar o mundo contra Israel. Mas o mundo já se permite pensar nisso em voz alta.

Tudo isso ainda não nos faz repensar a forma como “tratamos os árabes”. Em vez disso, estamos mais uma vez tentando dar nova vida ao balão hasbara usado. Se em 2019 Netanyahu declarou que a investigação no Tribunal Penal Internacional é um “decreto antissemita” (que não impediu a investigação) e em 2021 afirmou que se tratava de “puro antissemitismo” (e isso não impediu a investigação) , então, há uma semana, ele começou a gritar sobre ser um “crime de ódio anti-semita”.

Carros carbonizados abandonados na entrada da vila ocupada de Duma, de palestinos na Cisjordânia, após mais um ataque de colonos israelenses, em abril. Crédito: Zain JAAFAR/AFP

Netanyahu, como sempre, incorpora algumas palavras de verdade entre uma mentira e outra. No seu discurso na véspera do Dia da Memória do Holocausto no Memorial do Holocausto Yad Vashem, foi verdade quando descreveu o Tribunal Penal Internacional como um órgão “estabelecido em resposta ao Holocausto e outros horrores, para garantir que ‘Nunca Mais’ houvesse um holocausto”.

Mas com uma ousadia excepcional, se pensarmos por um momento sobre o cenário e o momento, tudo o que Netanyahu disse em torno desta declaração era uma mentira, especialmente quando afirmou que se um mandado de prisão fosse emitido contra ele, “Este passo colocaria uma mancha indelével”. na própria ideia de justiça e direito internacional.”

A verdade é que a mancha que abala os alicerces do direito internacional é o fato de, mesmo depois de anos de investigação, tanto quanto sabemos, ainda não ter sido emitido um mandado de captura contra Netanyahu ou outros criminosos de guerra israelitas.

Isto apesar de durante décadas Israel ter perpetrado, em plena luz do dia, crimes contra os palestinos, crimes que são política governamental, crimes que são aprovados pelo Supremo Tribunal de Justiça, que são protegidos pelas opiniões dos procuradores-gerais. e encoberto por generais defensores militares – apesar de tudo o que é evidente e conhecido, relatado e publicado, ninguém está sendo responsabilizado por isso, nem em Israel nem no estrangeiro, pelo menos até agora.

Aproximamo-nos do momento, e talvez ele já esteja aqui, em que a memória do Holocausto não impedirá o mundo de ver Israel como ele é. O momento em que os antigos crimes históricos cometidos contra o nosso povo deixarão de servir como a nossa “Cúpula de Ferro”, protegendo-nos de sermos responsabilizados pelos crimes que cometemos no presente contra a nação com a qual partilhamos uma pátria milenar e histórica.

Mesmo que esse momento demore, é hora dele chegar. Israel ficará sem o Holocausto, segundo dois dos acendedores de tochas deste ano na prestigiosa cerimônia nacional do Dia da Independência no Monte Herzl, o gênio hasbara Yoseph Haddad e a criadora de conteúdo Ella Travels.

Vamos. Talvez fosse melhor abrirmos os olhos e adotarmos uma atitude diferente em relação aos palestinos: vê-los como seres humanos iguais a nós mesmos . Essa certamente é uma lição muito melhor para o Holocausto. Arendt provavelmente concordaria com isso.


2 respostas

  1. Uma lembrança:
    “Se lhe perguntarem se acredita em DEUS, não diga nada, pois, se disser que não acredita, serás considerado um ateu; se disser que acredita, SUAS AÇÕES o contradirão.” – Mestre Sufi
    “Ainda que faças uma centena de nós, a corda continuará sendo uma só.” – Rumi
    JES

  2. Se diz contra a agenda Gay européia, mas usa como fonte de um jornal defensor da agenda LGBT em Israel. Será que de uma mesma arvore pode sair uma fruta boa e uma má, diria Jesus. Parabéns a esta mídia por se aliar as trevas em seu ódio a Israel.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth