browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O Que É o “Great Reset” e o Que os Globalistas Realmente Querem?

Posted by on 06/04/2022

Ouvi pela primeira vez a frase “Grande Reinicialização” [Great Reset] em 2014. Christine Lagarde, que era chefe do FMI na época, de repente começou a falar muito sobre a centralização global. Era uma agenda que geralmente só era comentada nos cantos escuros dos white papers institucionais e nas reuniões secretas das elites bancárias, mas agora essas pessoas estavam se tornando bastante barulhentas sobre isso e usando o termo quase como um mantra.

O Que É o “Great Reset” e o Que os Globalistas Realmente Querem?

Fonte: Alt-Market – Por Brandon Smith

Christine Lagarde estava fazendo uma sessão de perguntas e respostas no Fórum Econômico Mundial – WEF e a noção de “Reset” foi deliberadamente levantada; o que o projeto implicava era vago, mas a raiz básica dele era uma mudança dramática dos atuais modelos econômicos, sociais e políticos do mundo para um sistema globalmente centralizado e integrado – vamos lá, uma “Nova Ordem Mundial”, se você preferir…

É importante lembrar que havíamos acabado de passar pelos incêndios de um colapso de crédito internacional que começou em 2008, com a crise imobiliária nos EUA, e continuou a causar incerteza nos mercados por anos. Os bancos centrais despejaram dezenas de trilhões de dólares em estímulos no sistema apenas para mantê-lo em suporte de vida. Alguns de nós da mídia alternativa acreditavam que essas ações não tinham o objetivo de salvar a economia, apenas zumbificar a economia por meio da desvalorização da moeda e da inflação. Não muito depois, essa zumbificação se voltaria contra nós e tentaria nos comer vivos, e apenas os banqueiros centrais saberiam exatamente quando isso ocorreria.

Pense no crash de 2008 como o Estágio 1 da agenda “Great Reset”; os globalistas estavam ficando arrogantes e prontos para revelar seus planos ao público.

A discussão de Lagarde no WEF também aconteceu na época em que Klaus Schwab estava apresentando seu conceito de 4ª Revolução Industrial, que é um pouco mais avançado com o que os globalistas realmente querem. Ele fala com entusiasmo de uma verdadeira “sociedade global” e um mundo em que as pessoas se voltam para a Inteligência Artificial (IA) como um melhor meio de governança. Ele até sugere que as leis acabariam sendo ditadas pela IA e que os tribunais seriam administrados por robôs.

Claro, ele admite que isso não pode acontecer sem um período de desconstrução econômica em que pessoas e governos terão que escolher entre o sacrifício em prol da estabilidade ou a dor contínua em nome de manter os “antigos costumes”. Veja desta forma: o Grande Reset é a ação ou o caos, e a 4ª Revolução Industrial é o resultado pretendido ou a “ordem” planejada. Ou seja, é uma nova ordem criada a partir do caos projetado [Ordo ab Chao – (Uma Nova) ordem a partir do CAOS, nesse caso intencionalmente criado]

Sim, soa como ficção científica ruim, mas lembre-se, essas são as pessoas que desfrutam da atenção exclusiva de muitos de nossos “líderes políticos” [controlam-nos] e se acotovelam com os banqueiros centrais do Federal Reserve. Repito: os proponentes da Grande Reinicialização e da 4ª Revolução Industrial, que querem minar completamente e reconstituir nossa sociedade e modo de vida, são parceiros próximos de nossos líderes nacionais e dos próprios banqueiros que poderiam forçar tal reset para acontecer através de um colapso deliberadamente projetado.

Os globalistas têm tentado reformular e reembalar sua agenda da Nova Ordem Mundial por muitos anos, e o Great Reset foi o que eles criaram. Em vez de soar inócuo, o termo ameaça uma reviravolta sistêmica e um apagamento do passado. Quando você “reinicia” algo, geralmente volta a zero – Uma lousa em branco que os engenheiros e os psicopatas podem usar para reescrever o código e as funções. Mas o que isto significa realmente?

O que os globalistas REALMENTE QUEREM? Aqui estão os detalhes, até onde posso provar ou apoiar com evidências, do que realmente é a “Grande Reinicialização” e quais programas eles esperam aplicar:

Centralização Econômica Global Total

Algumas pessoas podem alegar que já temos uma centralização econômica global, mas não entendem o que isso realmente significa. Embora os bancos centrais nacionais sejam todos membros do FMI e do Banco de Compensações Internacionais e recebam suas ordens de marcha dessas instituições [controladas pelos Rothschilds], o que os globalistas querem é uma governança global aberta das finanças, provavelmente através do FMI.

Em outras palavras, não basta que eles manipulem as economias secretamente usando bancos centrais nacionais como seus representantes e instrumentos; o que eles querem é parar de se esconder e sair para a luz como os governantes magnânimos que pensam que são.

O objetivo final da centralização total é apagar a própria ideia de livre mercado e permitir que um punhado de pessoas situadas no topo da pirâmide microgerencie todos os aspectos do comércio e dos negócios. Não se trata apenas de influência, trata-se de império econômico. Mas, para alcançar um banco central global, eles devem primeiro implementar um plano de moeda mundial.

Um sistema de moeda digital mundial

O FMI vem falando em usar sua cesta de direitos de saque especiais como base para uma moeda global há anos ( desde pelo menos o ano 2000 ). Cerca de uma década atrás, a China começou a assumir trilhões de dólares em dívidas apenas para se qualificar como membro do sistema SDR, e o FMI deu a entender que, quando tudo estiver dito e feito, esse sistema será digital. Tudo o que é necessário é o tipo certo de crise para chocar o público em MAIS BOVINA conformidade.

Isso ficou evidente no auge dos bloqueios da pandemia de covid e da ameaça de desastre econômico quando as instituições globalistas começaram a sugerir que o SDR do FMI poderia ser usado como uma rede de segurança para as nações , com amarras, é claro. Mas além das tensões da pandemia há uma crise muito maior; nomeadamente a crise estagflacionária agora à nossa porta. Com várias moedas nacionais em declínio e o status de reserva mundial do dólar cada vez mais em questão, não tenho dúvidas de que os globalistas aproveitarão a oportunidade para oferecer ao público sua moeda digital como solução.

O novo sistema seria mais como uma moeda fantasma por um tempo. O SDR seria a cola ou o suporte enquanto as moedas nacionais permanecerem em circulação até que a estrutura digital se torne difundida. O FMI e as pessoas por trás dele se tornariam o banco central mundial de fato, com o poder de orientar o curso de todas as economias nacionais por meio de um mecanismo de moeda única.

No lado microeconômico, todo e qualquer indivíduo agora dependeria de uma moeda digital ou criptomoeda que remove toda a privacidade no comércio. Todas as transações seriam rastreadas e, pela própria natureza da tecnologia blockchain e do livro digital, isso seria necessário. As elites do dinheiro não teriam que explicar o rastreamento, tudo o que teriam a dizer é “É assim que a tecnologia funciona; sem o livro-razão não funciona.”

Um Sistema Global de Crédito Social

O mal inerente ao globalismo ficou prontamente aparente durante os recentes bloqueios e o violento impulso pela tirania médica de imposições de lockdowns generalizados, desorganizando os pilares da economia mundial. Apesar do Covid ter apenas uma taxa média de mortalidade por infecção de apenas 0,27% , de acordo com dezenas de estudos oficiais, o contingente de políticos e líderes mundiais do WEF estava espumando pela boca, proclamando que a existência do Covid lhes dava o direito de tomar total controle da vida das pessoas.

Klaus Schwab e o WEF anunciaram alegremente que a pandemia era o início da “Grande Reinicialização” e da 4ª Revolução Industrial, afirmando que a crise da Covid apresentava uma “oportunidade” perfeita para a mudança.

Os passaportes das vacinas foram felizmente derrotados por vários estados republicanos conservadores nos EUA, levando à reversão completa de tais políticas na maior parte do mundo ocidental. Estávamos livres enquanto muitos estados azuis e outros países enfrentavam o autoritarismo e isso causou muitos problemas para os globalistas. É difícil instituir uma distopia médica global quando as pessoas ao redor do mundo podem olhar para os conservadores nos EUA e ver que estamos vivendo bem sem os controles, assim como alguns países que mantiveram suas situação normal, como a Suécia.

Os “Passaportes de Vacina” precisam ser entendidos como um primeiro passo em direção a outra coisa – o início de um sistema de crédito social massivo muito parecido com o que está sendo usado sobre cerca de 500 milhões de habitantes na China agora. Se você acha que a cultura do cancelamento é um pesadelo hoje, pense no que aconteceria se a máfia coletivista tivesse o poder de lançar uma bomba de revisão em sua conta de crédito social e declarar você intocável? 

Imagine se eles tivessem o poder de simplesmente fechar sua capacidade de conseguir um emprego, fazer compras em supermercados e até mesmo fechar o acesso ao seu dinheiro? Sem a sua conformidade com o coletivo, o acesso às necessidades normais de sobrevivência seria impossível.

É isso que os globalistas querem, como admitiram abertamente no início da pandemia, e os passaportes de vacina teriam sido uma introdução a esse horror tecnocrático se nós, conscientes, não nos mantivessemos firmes.

Você não terá nada e será feliz em 2030

A “Economia Compartilhada” (também às vezes referenciada em paralelo com “Capitalismo de Partes Interessadas” ) é um conceito que vem circulando no WEF há alguns anos. A mídia tem tentado a todo momento espalhar mentiras e desinformação alegando que o plano não existe; mas, novamente, é abertamente admitido.

A economia compartilhada é essencialmente uma economia comunista, mas destilada em um minimalismo bizarro que mesmo as pessoas que viviam na União Soviética não precisaram experimentar. A estrutura é descrita como uma espécie de sociedade comunitária em que as pessoas vivem em habitações estilo Seção 8, com cozinhas compartilhadas, banheiros compartilhados e quase nenhuma privacidade. 

Todos os imóveis são alugados ou emprestados. Todos os carros são emprestados e compartilhados, a maior parte do trânsito é de massa, itens pessoais básicos, como computadores, telefones e até utensílios de cozinha podem ser itens compartilhados ou emprestados. Como diz o WEF, você não possuirá nada.

Ser feliz com isso é outra questão.

O argumento para esse tipo de sociedade é, claro, que as “mudanças climáticas” e as fragilidades da economia de consumo exigem que reduzamos nossos padrões de vida a quase zero e abandonemos o ideal sagrado da propriedade pelo [pseudo] bem do planeta.

Deixe de lado o fato de que o aquecimento global baseado em carbono é uma farsa. As temperaturas do mundo aumentaram apenas 1 GRAU CELSIUS no período de um século, de acordo com a NOAA. Esses eram dados que os cientistas do clima tentaram esconder ou encobrir por anos, mas agora estão disponíveis para todos verem. Não há nenhuma prova do aquecimento global feito pelo homem.  Nenhuma. O que existe é uma pesada propaganda pela mídia pre$$titute$ à serviço da agenda dos globalistas.

Os globalistas planejam usar o ambientalismo como desculpa para a centralização desde pelo menos 1972, quando o Clube de Roma publicou um tratado intitulado “Os limites do crescimento” . Vinte anos depois eles publicariam um livro intitulado ‘A Primeira Revolução Global’. Nesse documento, eles recomendam especificamente o uso do aquecimento global como veículo:

Na busca [e na criação] de um inimigo comum contra o qual possamos nos unir, tivemos a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e coisas do gênero, seriam suficientes. Em sua totalidade e em suas interações, esses fenômenos constituem uma ameaça comum que deve ser enfrentada por todos juntos. Mas ao designar esses perigos como o inimigo, caímos na armadilha, sobre a qual já alertamos os leitores, ou seja, confundir sintomas com causas. Todos esses perigos são causados ​​pela intervenção humana em processos naturais, e é somente através de atitudes e comportamentos alterados que eles podem ser superados. O verdadeiro inimigo então é a própria humanidade.”

A afirmação vem do Capítulo 5 – The Vacuum , que aborda sua posição sobre a necessidade de um governo global. A citação é relativamente clara; um inimigo comum deve ser conjurado para induzir a humanidade a se unir sob uma única bandeira, e as elites veem a catástrofe ambiental, causada pela própria humanidade, como o melhor motivador possível.

Apresentam a solução do conceito de economia compartilhada como se fosse uma ideia nova e ousada. O que os globalistas querem em última análise para sua Grande Reinicialização, no entanto, é uma reversão do maremoto da liberdade e prosperidade individual de volta a uma maneira muito antiga de fazer as coisas, semelhante ao antigo feudalismo. Você se torna um camponês trabalhando em terras de propriedade das elites, ou do Estado, e nunca terá permissão para possuir essa terra.

A única diferença seria que em um império feudal do passado os camponeses não poderiam possuir terras por causa do sistema de classes. Desta vez, você não terá permissão para possuir nada, incluindo terras, porque querer possuir qualquer coisa é “egoísta” e destrutivo para o planeta.

Total Information Control

A verdade é uma mercadoria rara hoje em dia, mas nem de longe tão rara quanto será se esses elitistas conseguirem o que querem. Os globalistas estão muito mais abertos sobre sua agenda hoje do que jamais estiveram antes, e suspeito que isso seja porque eles acreditam que serão capazes de reescrever a história dos eventos de hoje com impunidade depois que o Reset se desenrolar. Eles pensam que serão donos do mundo da informação [já são] e poderão editar nossa memória cultural à medida que avançam.

A grande mídia chama tudo isso de “teoria da conspiração”. Eu chamo isso de realidade da conspiração. É difícil negar as admissões faladas abertamente pelos próprios globalistas, tudo o que eles podem fazer é tentar distorcer a informação o máximo possível para manter o público em cima do muro em termos do que precisa ser feito, que é um expurgo dos globalistas de nosso país e talvez do mundo inteiro.

Se não fizermos isso, chegará um momento em que nada do que eu digo aqui será lembrado e nenhuma evidência do plano Reset existirá. A história será reescrita. . . de novo. O establishment terá eliminado todas as noções dele da história escrita, deixando apenas um conto de fantasia de como o mundo entrou em colapso e uma pequena organização de globalistas “visionários” o salvou do esquecimento por meio de uma nova religião de centralização com a imensa maioria da humanidade aceitando . . ..


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.