O Socialismo não é um Fracasso. É uma Fraude.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é comunismo-assassinos-comunistas-1.png

“Quer ser rico? Comece um bom negócio. Quer ser realmente rico? Torne-se um socialista.” – Autor Desconhecido. – Niemietz documenta cada ocorrência do socialismo no século XX em seu livro para mostrar que o planejamento central e a redistribuição de riqueza [apropriação indevida] simplesmente não funcionam. Depois, há o Livro Negro do Comunismo, que registra a contagem de corpos dos regimes socialistas do século XX (mais de 100 milhões de almas ceifadas).

O Socialismo não é um Fracasso. É uma Fraude.

Fonte: BombThrower.com

Não faltam dados empíricos de que o socialismo falha toda vez que é tentado e deixa a maior contagem de corpos em seu rastro. O livro “Socialismo: a ideia fracassada que nunca morre” do Dr. Kristian Niemtietz documenta os três estágios distintos pelos quais o socialismo passa:

  1. A fase da lua de mel
  2. A fase What Aboutery
  3. E, finalmente, quando tudo o que resta é uma cratera fumegante e uma pilha de corpos, “a fase do socialismo não real”

Niemietz documenta cada ocorrência do socialismo no século XX em seu livro para mostrar que o planejamento central e a redistribuição de riqueza [apropriação indevida] simplesmente não funcionam. Depois, há o Livro Negro do Comunismo, que registra a contagem de corpos dos regimes socialistas do século XX (mais de 100 milhões de almas ceifadas).

Portanto, é curioso, por que nossas elites [na realidade idiotas cheios de ideias “revolucionárias”, vagabundos que nunca criaram nada] intelectuais, culturais, políticas e econômicas diversas condenam o capitalismo e promulgam o socialismo como uma cura para os males percebidos pela sociedade?

A resposta, penso eu, é porque o socialismo não foi feito para ter sucesso econômico. É bem-sucedido se mantém a população sob controle e as elites dos psicopatas da esquerda no comando de um regime totalitário e tirânico sem nenhum respeito à vida humana.

Um manuscrito estranho encontrado em um cilindro de cobre

Temos uma pista, ainda que alegórica, em uma referência literária do romance de 1888 “Um Estranho Manuscrito Encontrado em um Cilindro de Cobre” do canadense James De Mille.

Esta é uma história de aventura do gênero “Horizontes Perdidos” ou ficção a la Júlio Verne, onde um grupo de passageiros numa viagem transatlântica recupera “um estranho manuscrito num cilindro de cobre”. O conteúdo contém a história de Adam More, um marinheiro britânico presumivelmente perdido no mar em uma expedição baleeira décadas antes.

Seu relato é fantástico: ele e seu companheiro foram separados de seu navio depois de desembarcarem em algum lugar ao sul da Ilha da Desolação. Eles continuaram indo para o sul, passando por uma cadeia de ilhas vulcânicas e terminando, como supõem os narradores que lêem seu relato, em algum lugar do continente antártico. Lá eles encontram uma civilização verdadeiramente bizarra.

Depois de atravessar as bordas desta terra desconhecida, povoada por selvagens, que acabam por ser a vanguarda de uma civilização avançada localizada mais no interior do continente, Adam More (seu companheiro infelizmente não sobreviveu, tendo sido ritualmente canibalizado pelos nativos) encontra-se acolhido e cuidado pelos Kosekins. Uma raça afável de pessoas gentis e cultas, mas que são estranhamente avessas à luz do sol e, conforme Adam aprende mais sobre essas pessoas, são possuídas por uma inversão inexplicavelmente profundamente enraizada dos valores tradicionais britânicos de More:

Os Kosekin reverenciam a pobreza e desdenham a riqueza.

Sua classe social “mais alta” são aqueles que vivem em extrema pobreza de subsistência. Na verdade, aqueles selvagens pelos quais passavam nos arredores da terra eram considerados sua classe de elite mais alta.

Eles recuam do amor correspondido. Quando duas pessoas descobrem que se amam, elas se separam o mais rápido possível para conceder a bênção da perda uma à outra.

Acima de tudo, eles valorizam a morte. A civilização inteira é, de fato, um culto à morte.

Logo, Adam More encontra seu interesse amoroso entre a sociedade, Almah, outra mulher nascida no exterior que detém algum tipo de papel de refém cerimonial entre os Kosekin. Almah compartilha os mesmos valores de More e está tão perplexo quanto ele com a curiosa inversão de valores dessa sociedade. Juntos, eles enfrentam tristemente a realização de seu destino iminente (deixarei para o leitor se aprofundar, se estiver interessado).

A imagem maior do Strange Manuscript para nossos propósitos aqui, é que o chamado degrau “mais baixo” da sociedade é o que chamaríamos de “os ricos” em nosso próprio ambiente. Eles suportam terríveis dificuldades para o benefício da população em geral: palácios, servos, riquezas inimagináveis.  Esses infelizes oligarcas absorvem como vampiros a prosperidade de todos acima deles, para que todas as classes mais altas possam se deleitar na glória da pobreza e da miséria.

Eventualmente, Adam More e Almah recebem uma audiência para conhecer os principais governantes desta sociedade, e a verdade surge: como More, eles também amam a vida, temem a morte e pensam que a prosperidade e a riqueza são muito superiores à pobreza. Imagine isso.

Apenas esses governantes sabiam a verdade, mas eles tinham a seus pés toda uma sociedade que era tão doutrinada com seu zeitgeist perversamente invertido que não tinham adversários para seu poder e riqueza, e assim eles governavam absolutos e controlavam toda a riqueza da Terra.

Não consegui encontrar muito material biográfico sobre De Mille além de sua entrada na Woke-epedia, então não sei se ele escreveu seu romance como uma parábola do socialismo mundial. Mas eu li isso pela primeira vez quando era um adolescente que não prestava muita atenção à história ou geopolítica e mesmo assim me lembro de pensar comigo mesmo “isso soa como uma metáfora para o comunismo da URSS”. 

Isso foi na época em que Leonid Brezhnev era secretário-geral do Partido Comunista. Brezhnev adorava carros esportivos de luxo e colecionava BMWs. Ele gostava de correr com eles pelas ruas perto de sua dacha (que é russo para “villa”) na Crimeia.

Hipernormalização: o molho secreto do comunismo global

Pode ser que o fascismo, aquela outra ideologia totalitária que está bem fora da Janela de Overton de hoje tivesse em seu molho secreto o identitarismo e o nacionalismo. Contanto que você tivesse “o outro” para culpar por seus problemas, você poderia convencer a população a aceitar a supressão brutal de seus direitos individuais.

O socialismo, por mais malsucedido que seja, hoje é estranhamente normalizado. Os políticos podem até concorrer a cargos públicos proclamando orgulhosamente suas ideologias socialistas e, de alguma forma, isso não os torna intocáveis ??e os confunde com seus irmãos autoritários. Está na moda ser socialista de novo. Nunca será aceitável, muito menos moderno, ser um fascista. (Um já foi, falta um)

O molho secreto para tornar o socialismo palatável é o que o documentarista britânico Adam Curtis chamou de “hipernormalização”. Para adulterar a famosa citação de Voltaire, a hipernormalização é a arte de fazer as massas acreditarem em absurdos, para que seus governantes possam cometer atrocidades.

Para ser claro, Curtis acredita que a hipernormalização é um “mundo falso” criado por corporações e mantido por políticos e pela propaganda. Acho que o mundo falso foi criado por quem está no poder, o establishment do Estado, com a cumplicidade de certas facções do mundo corporativo e muito bem de todas as pre$$tituta$ [de esquerda, claro] da grande mídia. 

Realmente não importa, é um cenário de ovo/galinha. O que é importante entender é que existe um quadro estabelecido daqueles que detêm o poder que abrange o Estado, os militares, a mídia e a corporatocracia. 

Todos os absurdos em que se espera que acreditemos hoje, desde a ideia de que o Kremlin está por trás de qualquer resultado que não tenha saído conforme o planejado, até o de que mundo vai literalmente acabar se não transformarmos a sociedade em uma estrutura de controle linear de cima para baixo num “Great Reset”, dentro de (escolha um prazo) 12 anos, 10 anos, 1 ano ou (talvez o mais revelador) “antes da próxima eleição”.

É contra isso que estamos lutando. Se a humanidade não abandonar os combustíveis fósseis (antes da próxima eleição), a Terra aquecerá a níveis inseguros e haverá uma catástrofe climática”.

Qualquer um que tente debater essas narrativas, apresentar contrafatos ou teorias alternativas é falaciosamente censurado e descartado de uma forma ou de outra como “negacionista”, “fóbico”, “odioso” ou “racista”.

Martelar incansavelmente esses absurdos suaviza a mente do público para aceitar o alarmismo climático cada vez mais histérico, o extremismo da justiça social, a tal de “inclusividade” e o bode expiatório do capitalismo. A solução então apresentada, frequentemente defendida por celebridades multimilionárias e/ou aspirantes a políticos multimilionários, oligarcas e/ou velhos senis como ‘Dementia’ Joe e Klaus Schwab, é o socialismo.

Esses temas hipernormais são narrativas, são agendas ocultas, não são notícias. No entanto, eles são repetidos incessantemente pelas pre$$tituta$ da mídia corporativa e pelos pedófilos de Hollywood, com entrega garantida de mensagens aprovadas pelos gigantes da tecnologia do Vale do Silício, que também fornecem atenuação concomitante de dados não conformes. 

É um simpatico eficaz para coordenar a doutrinação generalizada para que, eventualmente, acabemos com uma população que se apega fervorosamente a um sistema de valores completamente depravado, corrompido e invertido.

O capitalismo é mau e o socialismo é ótimo.

Então, nos tornamos como os Kosekins. Ainda não chegamos lá, mas vemos mensagens projetadas para lançar balões de teste e nos suavizar para esta sociedade de dois níveis. A subclasse majoritária terá que renunciar a certas extravagâncias e, nesta encarnação, não é para “emancipar o proletariado de zumbis idiotas”, mas para, de alguma forma, administrar centralmente o clima de um planeta inteiro.

As elites que recentemente se reuniram em uma conferência sobre o aquecimento global por meio de superiates e 114 jatos particulares (para 300 participantes) lidam com essas [“graves”] questões. Quem sabe que tipo de sacrifício todo mundo terá que fazer. Mesmo viagens aéreas e carros podem ter que sair da mesa em algum momento.

Por exemplo, de repente, ultimamente, temos ouvido que o consumo de carne vai ter que diminuir, essa é a palavra decretada do alto. A melhor maneira de alimentar as massas de maneira ecologicamente correta será direcioná-las para larvas, insetos e rissóis de soja. 

Meu palpite é que esses itens estarão ausentes do menu em futuros eventos dos oligarcas e psicopatas do WEF de Davos. (Embora aquele tópico do Twitter ao qual acabei de vincular seja  muito  esclarecedor sobre quem se beneficiará ao convencer a população a mudar de carne para larvas . . .)

Do jeito que as coisas estão indo agora, as massas vão ficar bem com tudo isso. O socialismo está prestes a ser a estrutura de controle geral para o século XXI, e terá uma estranha semelhança com a sociedade retratada em Um Estranho Manuscrito Encontrado em um Cilindro de Cobre: ??um culto de morte niilista anti-humano, transhumanista, ‘acordado’, LGBTQ+ e transgênero que abomina a prosperidade e deixa um pequeno grupo de elites de oligarcas no auge e no topo da sociedade para definhar na opulência.

Se você quiser se manter informado sobre como sobreviver ao socialismo no século XXI, certifique-se de estar na lista de discussão do GC, siga-me no Mastodon (ou se você estiver acordado, no Twitter ).


A estátua do sonho de Nabucodonosor, um símbolo daquilo que a humanidade construiria na Terra. Os dias de insanidade da atualidade estão contados, muito em breve, a “Grande Prostituta”, a cidade de Roma será varrida da face da Terra, dando início a derrota completa dos servidores das trevas e o fim de seus planos nefastos para o controle do planeta. Em 2023 o Brasil terá um papel decisivo na guerra entre a Luz e as trevas.


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

4 respostas

  1. Nada imparcial o artigo, mas tudo bem. Qual a diferença do capitalismo ? Tô vendo também contagem de corpos . Ainda não vejo um regime que salva esse planeta.

  2. Os que apoiam o socialismo sempre tem o desejo de viver com o dinheiro dos outros, mesmo que tenham que roubar para conseguir… meros ladrões disfarçados de gente politicamente correta …

  3. O capitalismo sempre será o sistema no qual pobres trabalham para ver o resultado de seu esforço refletido na melhoria da vida alheia, nesse caso a dos ricos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth