Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

O Terrorismo de uma Superpotência Imperialista – Cui Bono?

Todo mundo com um cérebro já sabia que o Império explodiu os gasodutos da Rússia. Agora, o relatório bombástico do premiado jornalista Seymour Hersh  não apenas detalha como os gasodutos Nord Stream 1 e 2 foram atacados, mas também cita nomes: desde o tóxico neoliberal trio judeu khazar Sullivan, Blinken e Nuland até o leitor atrapalhado de Teleprompter Reader-in-Chief, ‘Dementia’ Joe.

O Terrorismo de uma Superpotência Imperialista – Cui Bono?

Fonte: Zero Hedge

Indiscutivelmente, a pepita mais incandescente na narrativa de Hersh é apontar a responsabilidade final diretamente para a Casa Branca. A CIA, por sua vez, sai impune. Todo o relatório pode ser lido como a armação de um bode expiatório. Um bode expiatório muito frágil e de má qualidade – com aqueles documentos classificados encontrados jogados na garagem de ‘Dementia’ Joe, os olhares intermináveis ??para o vazio, a cornucópia de murmúrios incompreensíveis e, claro, todo o medonho carrossel de corrupção familiar de anos na Ucrânia e arredores, ainda para ser totalmente desvendado.

O relatório de Hersh apareceu imediatamente após os terremotos mortais na Turquia/Síria. Este é um terremoto de jornalismo investigativo em si, abrangendo linhas de falha e revelando inúmeras fissuras ao ar livre, pepitas de verdade ofegando por ar em meio aos escombros.

Mas isso é tudo que há lá?

A narrativa se mantém do começo ao fim? Sim e não.

Em primeiro lugar, por que agora?

Este é um vazamento – essencialmente de um insider do Deep State, a principal fonte de Hersh. Este remix de “Deep Throat” do século 21 pode estar chocado com a toxicidade do sistema, mas ao mesmo tempo ele sabe que o que quer que diga, não haverá consequências.

A covarde Berlim – ignorando as porcas e parafusos do esquema o tempo todo – nem vai chiar. Afinal, a gangue Green está em êxtase, porque o ataque terrorista avançou completamente em sua agenda de desindustrialização medieval. Paralelamente, como um bônus extra, todos os outros vassalos europeus recebem mais uma confirmação de que esse é o destino que os espera se não seguirem a Voz de Seu Mestre.

A narrativa de Hersh enquadra os noruegueses como o acessório essencial do terror. Não surpreende: Jens “Paz é Guerra” Stoltenberg, da OTAN, tem sido um ativo da CIA por talvez meio século. E Oslo, é claro, tinha seus próprios motivos para fazer parte do acordo; para coletar muito dinheiro extra vendendo qualquer energia sobressalente que tivesse para clientes europeus desesperados.

Um pequeno problema narrativo é que a Noruega, ao contrário da Marinha dos EUA, ainda não possui nenhum avião P-8 Poseidon operacional. O que estava claro na época é que um P-8 americano estava indo e voltando – com reabastecimento no ar – dos Estados Unidos para a ilha de Bornholm.

Um grito positivo é que Hersh – ou melhor, sua principal fonte – fez o MI6 desaparecer completamente da narrativa. A SVR, inteligência russa, havia focado como um laser no MI6 britânico na época, assim como nos poloneses. O que ainda cimenta a narrativa é que o combo por trás de “Biden” forneceu o planejamento, as informações e coordenou a logística, enquanto o ato final – neste caso, uma boia sonar detonando os explosivos C4 – pode ter sido perpetrado pelos vassalos noruegueses.

O problema é que a bóia pode ter sido jogada por um P-8 americano. E não há explicação de por que uma das seções do Nord Stream 2 escapou intacta.

O modus operandi de Hersh é lendário. Da minha perspectiva como um correspondente estrangeiro trabalhando no exterior desde meados da década de 1990, desde os EUA e da OTAN até todos os cantos da Eurásia, é fácil para alguém como eu entender como ele usa fontes anônimas e como acessa – e protege – sua extensa lista de contatos: a confiança funciona nos dois sentidos. O histórico do premiado e experiente jornalista Seymor Hersh é absolutamente incomparável.

Mas é claro que a possibilidade permanece: e se ele estiver sendo jogado? Isso não é mais do que um ponto de encontro limitado? Afinal, a narrativa oscila descontroladamente entre detalhes minuciosos e alguns becos sem saída, sempre apresentando uma enorme trilha de papel e muitas pessoas no circuito – o que implica um risco exagerado. 

A hesitação excessiva da CIA em matar é um alerta vermelho certificado ao longo da narrativa – especialmente quando sabemos que os atores subaquáticos ideais para tal operação teriam vindo da Divisão de Atividades Especiais da CIA, e não da Marinha dos EUA.

Crucial: O que a Rússia fará?

Indiscutivelmente, todo o planeta está pensando qual [ como e QUANDO] será a resposta russa.

Examinando o tabuleiro de xadrez, o que o Kremlin e o Conselho de Segurança veem é Merkel confessando que o Acordo Minsk 2 coma Ucrânia foi apenas um estratagema; o ataque imperial ao Nord Streams (eles entenderam, mas podem não ter todos os detalhes internos fornecidos pela fonte de Hersh); o ex-primeiro-ministro israelense Bennett no registro detalhando como os anglo-americanos mataram o processo de paz na Ucrânia que estava em andamento em Istambul no ano passado.

Portanto, não é de admirar que o Ministério das Relações Exteriores da Rússia tenha deixado claro que, quando se trata de negociações nucleares com os americanos, quaisquer gestos de boa vontade propostos são “injustificados, inoportunos e desnecessários”.

O Ministério, proposital, e um tanto ameaçadoramente, foi muito vago sobre uma questão-chave: “objetos estratégicos de forças nucleares” que foram atacados por Kiev – ajudados pelos americanos. Esses ataques podem ter envolvido aspectos “técnico-militares e de inteligência da informação”.

Quando se trata do Sul Global, o que o relatório Hersh imprime na mente coletiva é a Superpotência Imperialista, em letras gigantes vermelhas de sangue, como patrocinador estatal do terrorismo: o enterro ritual – no fundo do Mar Báltico – do direito internacional, e até mesmo o espalhafatoso ersatz do Império, a “ordem internacional baseada em regras”.

Levará algum tempo para identificar completamente qual facção do Deep State pode ter usado Hersh para promover sua agenda. Claro que ele sabe disso – mas isso nunca seria suficiente para impedi-lo de pesquisar uma bomba (três meses de trabalho duro). A grande mídia dos EUA fará de tudo para suprimir, censurar, rebaixar e ignorar o seu bombástico seu relatório; mas o que importa é que em todo o Sul Global ele já está se espalhando como um incêndio.

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores da Rússia Lavrov foi totalmente desconectado, assim como Medvedev, denunciando como os EUA “desencadearam uma guerra híbrida total” contra a Rússia, com ambas as potências nucleares agora em um caminho de confronto direto. E como Washington declarou a “derrota estratégica” da Rússia como seu objetivo e transformou as relações bilaterais em uma bola de fogo, não pode mais haver “negócios como sempre”.

A “resposta” russa – mesmo antes do relatório de Hersh – já estava em outro nível; desdolarização avançada em todo o espectro, da EAEU aos BRICS e além; e total reorientação do comércio para a Eurásia e outras partes do Sul Global. A Rússia está estabelecendo condições firmes para uma maior estabilidade, já antevendo o inevitável: a hora de lidar frontalmente com a OTAN-EUA.

No que diz respeito às respostas cinéticas, os fatos no campo de batalha mostram a Rússia esmagando ainda mais o exército proxy americano/OTAN em modo de ambigüidade estratégica total. O ataque terrorista no Nord Streams, é claro, sempre estará à espreita em segundo plano. Haverá um contragolpe pesado. Mas isso acontecerá no momento, forma e local escolhidos pela Rússia.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente. Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]. Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito “SUGERINDO” às pessoas para que “AMEM A SUA SERVIDÃO” ao invés de açoita-los e chuta-los até obter sua obediência“. – Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *