Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os ‘Arquivos do Twitter’ liberados por Elon Musk tornam impossível para os democratas negar suas Práticas de Censura

O novo dono e CEO da plataforma tornou possível discutir abertamente os esforços de supressão de informações e de censura aberta. A divulgação dos ‘arquivos do Twitter’ por Elon Musk na noite de sexta-feira confirmou o que Donald Trump e muitos conservadores suspeitavam há muito tempo, mas não puderam provar: que a campanha de Biden conspirou com empresas de mídia social para interromper as reportagens sobre o conteúdo do laptop de Hunter Biden, constrangendo e comprometendo seu pai, o agora presidente [o senil marionete ‘Dementia’ Joe] Biden.

Os ‘Arquivos do Twitter’ liberados por Elon Musk tornam impossível para os democratas negar suas Práticas de Censura

Fonte: Rússia Today

Além de fotografias e vídeos humilhantes que detalhavam as farras de cocaína e flertes de Hunter Biden com prostitutas, o laptop continha e-mails da apresentação do jovem Biden em 2015 de seu pai, então vice-presidente, [o senil marionete ‘Dementia’ Joe] Biden, a um alto executivo de uma empresa de energia ucraniana. 

Um ano depois, Joe supostamente pressionou funcionários do governo na Ucrânia a demitir um promotor que havia iniciado uma investigação sobre a empresa, embora as investigações do Senado dos EUA tenham falhado em provar que o motivo era o emprego de seu filho no Conselho de Administração da mesma.

A história veio à tona em outubro de 2020, durante a fase final da campanha eleitoral, quando o New York Post deu a notícia de um laptop que pertencia a Hunter Biden. O laptop, que estava na posse do proprietário de uma oficina em Delaware, continha e-mails e outros documentos sugerindo que Hunter havia se envolvido em esquemas de tráfico de influência e pagamento de propinas enquanto seu pai era vice-presidente dos Estados Unidos.

Apesar da natureza potencialmente explosiva dessa história durante a eleição presidencial, os meios de comunicação pre$$tituta$ alinhados aos democratas optaram por ignorá-la, tachando a história de fake news preferindo se concentrar em histórias que poderiam prejudicar as chances de reeleição do presidente Trump.

Essa supressão da história do laptop de Hunter Biden é preocupante por vários motivos. Por um lado, levanta questões sobre o viés das pre$$tituta$ da mídia e até que ponto os meios de comunicação irão proteger seu candidato preferido e interferir no resultado de uma eleição presidencial.

A recusa em relatar a história foi tão flagrante que, dois anos após a denúncia, veículos como o New York Times e o Washington Post finalmente admitiram que o laptop e seu conteúdo são reais, apenas para oferecer ainda mais cobertura para [o senil marionete ‘Dementia’ Joe] Biden.

Ambos os jornais se juntaram à campanha para suprimir as reportagens sobre o laptop. Uma das linhas de defesa era jogar isso como “desinformação russa”, citando dezenas de ex-funcionários da inteligência que lançaram dúvidas sobre sua proveniência .  

Esse tipo de tomada de decisão da mídia também é preocupante, pois abre um perigoso precedente para futuras eleições. Se a mídia decidir ignorar certas histórias, independentemente de seu significado ou importância potencial, é possível que outras histórias de magnitude semelhante não sejam divulgadas.

Mas para desespero dos democratas entra Elon Musk na história. Após sua aquisição e nova propriedade do Twitter – uma plataforma que participou agressivamente da supressão do relatório – Musk anunciou publicamente sua decisão de revelar o que aconteceu nos bastidores da empresa de mídia social com sede em San Francisco quando o relatório do laptop Hunter ganhou as manchetes.

Uma série de tuítes do jornalista independente Matt Taibbi, usando materiais fornecidos por Elon Musk, detalha como a empresa “apenas freelancer” sua decisão de censurar a reportagem bombástica do New York Post nas vésperas da eleição presidencial de 2020.  

Os e-mails revelam como o caos e a confusão reinaram na plataforma logo após o relatório. Executivos de alto escalão do Twitter discutiram como suprimir a história, decidindo finalmente encerrá-la usando políticas promulgadas em 2018, criadas em resposta à vitória presidencial de Donald Trump em 2016. A decisão, segundo Taibbi, foi tomada sem o conhecimento do então CEO Jack Dorsey.

“A base da política são materiais hackeados – embora, conforme discutido, esta seja uma situação emergente em que os fatos permanecem obscuros”,  escreveu o ex-chefe de confiança e segurança do Twitter, Yoel Roth, em correspondência privada com o ex-conselheiro geral do Twitter, Vijaya Gadde. “Dados os riscos SEVEROS aqui e as lições de 2016, estamos errando ao incluir um aviso e impedir que esse conteúdo seja ampliado.”

A mudança ainda enfrentou questionamentos de outro executivo, o ex-vice-presidente de comunicações globais Brandon Borrman, que perguntou se a empresa poderia “afirmar sinceramente que isso faz parte da política [de materiais hackeados]”. Conforme mostrado na própria reportagem do New York Post sobre o laptop de Hunter Biden, não há evidências de que os materiais tenham sido hackeados.

A decisão de suprimir a história também incluiu pedidos de remoção da campanha de Biden e do Comitê Nacional Democrata para suprimir o conteúdo do laptop que foi postado no Twitter.

“Mais para revisar da equipe de Biden” escreveu um executivo não identificado do Twitter para outro, fornecendo links para os tweets ofensivos. “[H] lidou com isso”, escreveu outro executivo.

Até celebridades como o ator conservador James Woods foram analisadas pelo DNC e suprimidas pelo Twitter a seu pedido. Em um caso, relatado pelo Daily Wire em 2020, o DNC reclamou que Woods twittou um meme que, segundo ele, deturpava sua organização, e o Twitter o removeu após considerá-lo parte de uma “campanha de desinformação” e que foi visto como uma “iniciativa de supressão de eleitores direcionada”.

Postagens semelhantes, publicadas por empresas como a organização democrata MeidasTouch e o anti-Trump Lincoln Project, foram autorizadas a permanecer na plataforma, revelando a abordagem unilateral do Twitter à moderação de conteúdo.

Por enquanto, não está claro que tipo de ação legal poderia ser tomada contra todas as partes envolvidas na supressão da reportagem do New York Post pela Big Tech . No entanto, Musk afirmou que “o Twitter agindo por si só para suprimir a liberdade de expressão não é uma violação da 1ª emenda, mas agir sob ordens do governo para suprimir a liberdade de expressão, sem revisão judicial, SIM”.

Musk perguntou : “Se isso não é uma violação da Primeira Emenda da Constituição, o que é?”

Mesmo que algumas das revelações não sejam necessariamente novidades para quem acompanhou a história de perto, o conteúdo dos e-mails prova o que muitos suspeitavam, mas nunca conseguiram provar.

Crucialmente, a nova direção do Twitter sob Elon Musk significa que o público agora pode discutir abertamente a supressão e manipulação de informações por atores ligados ao governo americano, organizações políticas e mídia alternativa sem medo de censura.


O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é fim-dominio-eua-otan-nabucodonosor-fim-roma.jpg

“Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não reconheceis os sinais dos tempos? Uma geração má e adúltera pede um sinal, e nenhum sinal lhe será dado . . .” – Mateus 16:2-4


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *