Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os BRICS lançarão um ‘Novo Mundo’ com Novas Alternativas em 2024?

Reuniao-OTAN

Os BRICS+5 duplicaram o seu número de membros no início de 2024 e enfrentam enormes tarefas pela frente: integrar os seus membros mais recentes, desenvolver futuros critérios de novas admissões, aprofundar e expandir os fundamentos da instituição e, o mais importante, lançar os mecanismos para contornar o dólar americano nas finanças internacionais, criando novos mecanismos financeiros e livre de sanções.

Os BRICS lançarão um ‘Novo Mundo’ com Novas Alternativas em 2024?

Fonte: The Cradle

Em todo o Sul Global, os países fazem fila para se juntarem aos BRICS multipolares e ao futuro livre de sistemas Hegemonicos que este promete. A onda de interesse de novos países tornou-se um tema inevitável de discussão durante este ano crucial da presidência russa sobre o que, neste momento, é o BRICS+5.  

A Indonésia, maior país de população muçulmana do mundo, com 280 milhões de habitantes e a Nigéria, país mais populoso da África com cerca de 220 milhões de habitantes, estão entre os principais países candidatos com probabilidade de aderir ao BRICS+5. 

O mesmo se aplica ao Paquistão, único país muçulmano com bombas atômicas, com cerca de 215 milhões de habitantes e ao Vietnam. O México está numa situação muito complexa: como aderir sem invocar a ira do Hegemon, o seu vizinho do norte.  E depois há a nova candidatura em alta: o Iémen, que conta com bastante apoio da Rússia, da China e do Irã. 

Coube ao principal sherpa russo dos BRICS, o imensamente capaz vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergey Ryabkov, esclarecer o que está por vir. Ele diz à TASS : 

Devemos proporcionar aos países interessados ​​na aproximação com os BRICS uma plataforma onde possam trabalhar praticamente sem se sentirem deixados para trás e aderirem a este ritmo de cooperação. E quanto à forma como a expansão futura será decidida – isto deveria ser adiado pelo menos até que os líderes se reúnam [este ano] em Kazan [Rússia] para decidir.

A decisão chave sobre a expansão do BRICS+ só sairá da reunião de cúpula do BRICS de Kazan, em Outubro próximo. Ryabkov sublinha que a ordem do dia é primeiro “integrar aqueles que acabaram de aderir”. Isto significa que “como um ‘dez’, trabalhamos pelo menos com a mesma eficiência, ou melhor, com mais eficiência do que nos ‘cinco’ países iniciais.”

Só então os BRICS+5 “desenvolverão a categoria de estados parceiros”, o que, na verdade, significa criar uma lista baseada em consenso entre as dezenas de nações que estão literalmente ansiosas por aderir ao clube. Ryabkov faz sempre questão de salientar, em público e em privado, que o duplo aumento de membros do BRICS a partir de 1 de Janeiro de 2024 é “um acontecimento sem precedentes para qualquer estrutura internacional”.

Mas não é uma tarefa fácil, diz Ryabkov: 

No ano passado, demoramos um ano inteiro para desenvolver os critérios de admissão e expansão ao nível dos altos funcionários. Muitas coisas razoáveis ​​foram desenvolvidas. E muitas das coisas que foram formuladas naquela época foram refletidas na lista de países que aderiram. Mas provavelmente seria impróprio formalizar os requisitos. No final das contas, a admissão à associação é uma questão de decisão política de cada país.

O que acontece depois das eleições presidenciais na Rússia que acabou de reeleger Putin 

Numa reunião privada com alguns indivíduos selecionados à margem da recente conferência multipolar em Moscou o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, falou efusivamente dos BRICS, com particular ênfase nos seus homólogos Wang Yi da China e S. Jaishankar da Índia. 

Lavrov tem grandes expectativas para o BRICS+5 este ano – ao mesmo tempo, lembra a todos que este ainda é um clube; deverá eventualmente aprofundar-se em termos institucionais, por exemplo, nomeando um secretariado geral, tal como a sua organização de tipo primo, a Organização de Cooperação de Xangai (OCS).

A presidência russa terá muito trabalho durante os próximos meses, não só navegando no espectro geopolítico das crises atuais, mas, acima de tudo, na geoeconomia. Uma reunião ministerial crucial em Junho – daqui a apenas três meses – terá de definir um roteiro detalhado até à cúpula de Kazan, quatro meses depois. 

O que acontecer depois das eleições presidenciais russas desta semana também condicionará a política dos BRICS. Um novo governo russo tomará posse apenas no início de maio. É amplamente esperado que não haja mudanças substanciais no Ministério das Finanças russo, no Banco Central, no Ministério dos Negócios Estrangeiros e entre os principais conselheiros do Kremlin. 

A continuidade na Rússia será a norma. 

E isso leva-nos ao principal dossiê geoeconómico: os BRICS na vanguarda para contornar o dólar americano nas finanças internacionais. Na semana passada, o principal conselheiro do Kremlin, Yury Ushakov, anunciou que o BRICS trabalhará para estabelecer um sistema de pagamento independente baseado em moedas digitais e blockchain. 

Ushakov enfatizou especificamente “ferramentas de última geração, como tecnologias digitais e blockchain. O principal é garantir que sejam convenientes para governos, pessoas comuns e empresas, bem como econômicas e livres de política”.

Ushakov não mencionou isso explicitamente, mas já existe um novo sistema alternativo. No momento, é um projeto cuidadosamente guardado na forma de um white paper detalhado que já foi validado academicamente e também incorpora respostas a possíveis perguntas frequentes. 

The Cradle foi informado sobre o sistema por meio de várias reuniões desde o ano passado com um pequeno grupo de especialistas em fintech de classe mundial. O sistema já foi apresentado ao próprio Ushakov. Tal como está, está prestes a receber a luz verde final do governo russo. Após passar por uma série de testes, o sistema em tese estaria pronto para ser apresentado a todos os membros do BRICS+5 antes da cúpula de Kazan. 

Tudo isto está relacionado com a declaração pública de Ushakov de que uma tarefa específica para 2024 é aumentar e fortalecer o papel dos BRICS no sistema monetário/financeiro internacional. 

Ushakov recorda como, na Declaração de Joanesburgo de 2023, os chefes de estado dos BRICS se concentraram no aumento das liquidações em moedas nacionais e no fortalecimento das redes de correspondentes bancários. A meta era “continuar a desenvolver o Arranjo Contingente de Reservas, principalmente no que diz respeito ao uso de moedas diferentes do dólar americano”. 

Não há moeda única no futuro próximo 

Tudo o que foi dito acima enquadra a questão fundamental que está sendo discutida atualmente em Moscou, no âmbito da parceria Rússia-China e, em breve, mais profundamente entre os BRICS+5: pagamentos de liquidação alternativos ao dólar americano, aumento do comércio entre “nações amigas” e controles na fuga de capitais.  

Ryabkov  acrescentou  elementos mais cruciais ao debate, dizendo esta semana que os BRICS não estão debatendo a implementação de uma moeda única: 

Quanto a uma moeda única, semelhante à que foi criada pela União Europeia, isso dificilmente será possível num futuro próximo. Se estamos falando de formas de compensação de liquidação mútua como o ECU [Unidade Monetária Europeia] numa fase inicial do desenvolvimento da União Europeia, na ausência de um verdadeiro meio de pagamento, mas na oportunidade de utilizar de forma mais eficaz os recursos disponíveis dos países em acordos mútuos para evitar perdas devido a diferenças nas taxas de câmbio, e assim por diante, então este é precisamente o caminho ao longo do qual, na minha opinião, os BRICS deveriam seguir. Isto está sendo considerado.

A principal conclusão, segundo Ryabkov, é que os BRICS não deveriam criar uma aliança financeira e monetária; deveriam criar sistemas de pagamento e liquidação que não dependessem da instável “ordem internacional baseada em regras”

É exatamente essa a ênfase das ideias e experiências já desenvolvidas pelo Ministro da Integração e Macroeconomia da União Econômica da Eurásia (EAEU) Sergei Glazyev,  como explicou  numa entrevista exclusiva, bem como do novo projeto inovador prestes a receber luz verde pelo governo russo.  

Ryabkov confirmou que “um grupo de especialistas, liderado pelos Ministérios das Finanças e representantes dos Bancos Centrais dos respectivos países [BRICS]”, está trabalhando sem parar no dossiê. Além disso, há “consultas em outros formatos, inclusive com a participação de representantes do ‘ocidente histórico’”.

A conclusão de Ryabkov reflete o que os BRICS como um todo pretendem: 

Coletivamente, devemos criar um produto que seja, por um lado, bastante ambicioso (porque é impossível continuar a tolerar os ditames do Ocidente nesta área), mas ao mesmo tempo realista, não fora de alcance com a realidade. Ou seja, um produto que seria eficiente. E tudo isso deveria ser apresentado em Kazan à consideração dos líderes dos BRICS.

Em poucas palavras: um grande avanço pode estar literalmente batendo à porta dos BRICS. Depende apenas de uma simples luz verde do governo russo. 

Comparemos agora os BRICS que concebem os contornos de um novo paradigma geoeconómico com o Ocidente coletivo que pondera sobre o roubo real dos ativos da Rússia ilegalmente apreendidos em benefício do buraco negro que é a Ucrânia. Para além de ser uma declaração de [guerra] fato dos EUA e da UE contra a Rússia, isto é algo que carrega o potencial, por si só, de destruir totalmente o atual sistema financeiro global. 

Um roubo de ativos russos, caso alguma vez aconteça, deixará furiosos, para dizer o mínimo, pelo menos mais dois membros-chave dos BRICS, a China e a Arábia Saudita, que trazem à mesa um peso econômico considerável. Tal medida por parte do Ocidente destruiria completamente o conceito de Estado de direito, e a confiança que teoricamente sustenta o sistema financeiro global centrado no ocidente. 

A resposta russa será feroz. O Banco Central Russo poderia, num piscar de olhos, processar e confiscar os ativos do Euroclear belga, um dos maiores sistemas de liquidação e compensação do mundo, em cujas contas as reservas russas foram congeladas. 

E isto para além da apreensão dos ativos da Euroclear na Rússia – que ascendem a cerca de 33 bilhões de euros. Com o Euroclear a ficar sem capital, o Banco Central Belga terá de revogar a sua licença, causando uma enorme crise financeira internacional. Estamos falando de um choque de paradigmas: o roubo ocidental versus um sistema de liquidação comercial e financeira equitativo baseado no BRICS e Sul Global. 

São situações como estas que estão, cada vez mais, minando a confiança e afastando os países não pertencentes ao bloco ocidental da OTAN, G-7, UE, ao mesmo tempo que buscam associar-se à iniciativa do BRICS. O Hospício Ocidental “acordado” e seu bando de psicopatas, está ficando cada vez mais isolado.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *