browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Os cinco maiores mitos do coronavírus desmascarados!

Posted by on 17/08/2020

Expondo o medo, a propaganda, a manipulação  e as mentiras que estão destruindo o mundo:  A desinformação e a manipulação sobre o coronavírus que cientistas, políticos e mídia [PRE$$TITUTE] forneceram ao público tem sido chocante. Faça um tour pelos mitos bizarros, contraditórios e absurdos que causaram mais danos do que o próprio vírus Covid-19. AVISO DE GATILHO! Não leia isto se você for um membro leal do Ramo dos Covidians, aguardando covardemente o prazer da picada da vacina de Covid-19 antes de aparecer em seu próprio jardim sem uma máscara facial. Ou melhor, leia, mas não espere gostar. 

Fonte:  https://www.rt.com/op-ed/498007-covid-19-myths-lies-exposed/

Os cinco maiores mitos do coronavírus desmascarados! Expondo o medo, a propaganda e as mentiras que estão destruindo o mundo

Fonte:  Russia Today

Por Peter Andrews, jornalista científico e escritor irlandês que reside em Londres. Ele tem formação em ciências da vida e se formou em Genética na University of Glasgow.

Não há lugar para suposições aqui – apenas o pensamento lógico dos primeiros princípios. O único objetivo é desmascarar os maiores mitos que a mídia ]PRE$$TITUTE] e o establishment político e científico propagaram. E se você pode me ouvir, então eu o saúdo; restam poucos de nós com mentes abertas.

Mito 1: “desacelerar” a propagação do vírus é uma boa ideia

Esta é a premissa fundamental da “resposta” do mundo à Covid-19, da qual tudo o mais surge. Mas nunca foi estabelecido que devemos tentar retardar o vírus, nem mesmo do ponto de vista limitado de apenas salvar vidas no curto prazo.

A desaceleração da propagação do vírus foi inicialmente vendida para nós como uma forma de proteger os serviços de saúde: se todos ficarem doentes de uma vez, os hospitais encherão a ponto de estourar e as pessoas morrerão em macas em estacionamentos externos sem atendimento. Lembre-se de “nivelar a curva”? Como as infecções por Covid são inevitáveis, disseminá-las ao longo do tempo salvará vidas indiretamente, garantindo que todos que possam ser salvos por intervenções médicas – máscaras de oxigênio e ventiladores – o sejam.

Uma ideia nobre, mas, por acaso, equivocada. A maioria dos hospitais passou os meses do surto praticamente vazios. Todos os outros tratamentos médicos foram adiados a fim de se preparar para o ataque de pacientes da Covid-19 com tosse para cima – um ataque que nunca aconteceu. Mesmo as unidades de terapia intensiva raramente atingiam a capacidade total, e rapidamente ficou claro que para as pessoas sob maior risco devido à Covid, o ventilador e o tratamento intensivo não são adequados. Apenas uma pequena minoria dos que morreram realmente morreu na UTI – idosos com muitas comorbidades são mais bem mantidos em enfermarias comuns.

Então, ‘achatar a curva’ era um pato morto, mas não faz sentido desacelerar a propagação do vírus de qualquer maneira? Bem, só se você pensar que aqueles que morreriam de Covid se o pegassem podem escapar do vírus até que uma vacina seja desenvolvida. Se as pessoas vulneráveis ​​que acreditam não ter contraído o vírus (podem ser assintomáticas) quiserem esperar por uma vacina putativa, devem ser mais francas sobre suas intenções. Porque se eles não podem esperar, então não há sentido para nada disso.

Além disso, existe pelo menos uma teoria de por que você poderia estar fazendo um favor a alguém ao transmitir o vírus. A teoria da evolução nos diz que, à medida que um vírus respiratório se espalha, ele perde potência. Um vírus bem-sucedido é um vírus moderado, que não mata seu hospedeiro antes que ele possa se espalhar. É assim que a imunidade coletiva realmente funciona neste contexto: trata-se das mudanças no próprio vírus. Em contraste, quando travamos o sistema, o vírus não tinha para onde ir. Em vez de ficarem mais brandas, todas as cepas mais perigosas se reuniram nos únicos lugares onde os doentes se reuniam: asilos e hospitais. Por isso, recebi a notícia de que o vírus estava se tornando mais contagioso com júbilo – é melhor que o vírus se espalhe livremente, pelo menos entre os saudáveis.

Mito 2: os bloqueios, quarentenas, lockdowns diminuem a propagação

Mas vamos fingir por um tempo que isso não é o melhor. Porque sem a suposição fundamental de que espalhar = ruim, o resto da discussão vira de cabeça para baixo. ‘Picos’ tornam-se motivo de alívio, não de preocupação. As máscaras, se funcionassem, se tornariam contraproducentes. Não estou afirmando isso como verdade – apenas que a possibilidade é pelo menos tão provável quanto o modelo clássico.

Mas se você puder suspender sua descrença por tempo suficiente para imaginar que vale a pena impedir a propagação do vírus, então você pode ser perdoado por presumir que bloqueios são a maneira de fazer isso. No entanto, não há sugestão, muito menos evidências, de que os bloqueios representariam um problema para um vírus astuto.

Se os bloqueios tivessem algum papel, esperaríamos ver uma correlação entre as diferentes formas de bloqueios impostos por várias regiões ou países e o formato das curvas de morte nesses locais. Mas não sabemos – a correlação é zero. Bélgica, Reino Unido, Nova York: bloqueios rígidos; muitas mortes. Suécia, Japão, Uruguai: pouco ou nenhum bloqueio; poucas mortes. Você pode apontar para exemplos opostos, mas esse é apenas o ponto – não há consistência. E antes de tentar explicar os países individuais acenando com a retórica sobre “diferentes culturas” ou “melhores testes”, também não há correlação com nenhuma dessas coisas.

Simplificando, não há nada que possa ser facilmente apontado para sugerir que qualquer medida tomada por qualquer governo do mundo para bloquear o vírus funcionou. Os bloqueios podem ser as maiores ferramentas do establishment, mas ainda apresentam defeitos.

Mito 3: o rastreamento de contato é a resposta

No início do surto, parecia haver uma conexão entre os países com capacidades impressionantes de rastreio e rastreamento, como Alemanha e Coréia do Sul, e sua capacidade de enfrentamento. Claro, o rastreamento por si só não pode ter “curado” a população de Covid. Ninguém sabia por que parecia haver um efeito positivo de testes abrangentes. Meses depois, ainda ninguém sabe mesmo.

Mas isso não impediu que os governos ocidentais de praticar tentativas patéticas de emular as sociedades conformistas do Leste Asiático com aplicativos e programas de rastreamento de contatos. Apesar de uma campanha de propaganda não desprezível, todos eles falharam miseravelmente. Em grande parte, isso ocorre porque um número suficiente de pessoas nem mesmo apresenta sintomas, meses após o pico do vírus.

Tentar aumentar o rastreamento de contato em agosto vai além de trancar a porta do celeiro depois que “o cavalo fugiu”. Este cavalo fugiu há tanto tempo que agora rebanhos de seus descendentes vagam pelo campo. Enquanto isso, o fazendeiro destrói sua casa e celeiro para despejar seus recursos em engenhocas com fechaduras cada vez mais elaboradas e caras.

Mito 4: as pessoas BAME [Black, Asian, and Minority Ethnic, no Reino Unido] correm mais risco

Para pessoas “BAME”, insira qualquer etnia ou outra minoria que você leu ser mais afetada pelo surto de vírus. Claro, o vírus é racista – todo o resto também é. Factoides como esse vêm da divisão dos enfermos ou mortos em seus agrupamentos Woke e depois da comparação das proporções com a população como um todo. E, sem dúvida, o pessoal do BAME está “super-representado” em tais estatísticas.

Mas o risco está no nível da população e é quase inteiramente explicado por fatores mediadores como obesidade, diabetes e outras comorbidades, mais prevalentes em algumas populações do que em outras. Se você tem mais de oitenta anos, está acima do peso e adoece, deve se preocupar em pegar o vírus [QUALQUER um], independente de sua raça. Da mesma forma, se você está em forma e tem menos de 60 anos, é mais provável que seja atingido por um raio do que morto pelo vírus, independente da sua raça. Houve uma sugestão, mas apenas uma sugestão, de que níveis mais baixos de vitamina D em pessoas negras poderiam desempenhar um papel, mas isso não está por trás das disparidades.

Esse ponto estatístico básico torna ridícula a noção de que alguns atletas profissionais estavam preocupados em retornar ao esporte. Na verdade, sinto pena de gente como Troy Deeney (não apenas porque ele foi rebaixado para Watford), mas porque ele ficou compreensivelmente assustado com a [intencionalmente] má comunicação científica. Como um jovem BAME saudável, não há razão para suspeitar que ele próprio corre um risco maior. Mas ele foi persuadido de que assim é por um regime de governo que destila o poder do controle pelo medo.

Mito 5: para as escolas abrirem, os bares devem fechar

Que podridão total é esta. O indivíduo que surgiu com essa falsa premissa teria uma carreira brilhante no design de jogos de tabuleiro, se não estivesse ganhando tanto quanto um servidor público. Isso é simplesmente uma invenção e, como tal, um tanto difícil de refutar, como a existência de fadas invisíveis.

Você poderia apenas, sabe, deixar os pubs abertos e depois abrir as escolas também? Mas suponho que então haveria uma “segunda onda” de mortes duas semanas depois. Você sabe, como a segunda onda que foi avisada em maio. E então junho. E depois julho. Apenas nas últimas duas semanas a OMS finalmente desistiu do sonho da “segunda onda” e mudou sua história para ‘One Big Wave’, que não tem o mesmo significado. Mas a ficção da segunda onda ainda não foi esquecida – ela pode ser lançada sob demanda para forçar quaisquer novos ataques às nossas poucas liberdades remanescentes.

Tudo o que posso fazer é prever que uma segunda onda de mortes nunca se materializará, e todos os dias, desde abril, provei que estava certo. O sistema, em contraste, faz previsões erradas repetidamente e nunca é responsabilizado. Eles apenas mudam a previsão e esperam que todos se esqueçam do que disseram há uma semana. Não use máscaras. Não vá trabalhar. Vá para o trabalho, mas não use transporte público. Mas se você fizer isso, use uma máscara. Não se iluda pensando que a confusão é acidental. Faz parte do plano – pessoas confusas são mais fáceis de controlar e de serem manipuladas.

Quanto maior a mentira

Pode ter sido Joseph Goebbels quem disse: ‘’Se você contar uma mentira grande o suficiente e continuar repetindo-a, as pessoas acabarão por acreditar nela’. ’Parece que esta é uma afirmação perene; não só não há limite para o tamanho da mentira, como também parece não haver limite para o número de mentiras e a capacidade das massas em acreditar nelas.

Hipóteses fazem previsões e, se forem consistentemente comprovadas como corretas, eventualmente se tornam teorias. Einstein é anunciado porque fez previsões sobre buracos negros que só se provaram verdadeiras quase um século depois. Muitas mentes boas colocaram seus pescoços para fora para fazer previsões sobre a natureza desse surto, apesar da calúnia e das mentiras dos políticos “líderes de torcida” da elite. Mas quando eles são justificados, os líderes de torcida simplesmente os afogam.

Em contraste, Neil Ferguson é lançado novamente e a segunda onda continua dizendo “espere mais duas semanas”. Quando isso vai acabar? Nunca. Não até que tenhamos um repensar completo. A lógica e a razão não funcionaram. É hora de uma nova abordagem.


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. Mateus 24:6-8

“E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da BESTA; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis[666]“.  –  Apocalipse 13:16-18


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.