Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Os ‘deuses primeiro os Enlouquecem’ para depois Destruí-los

Sim, e é exatamente isso que estamos testemunhando hoje. Significa que os principais opressores da humanidade não estão prestes a obter a vitória no seu desejo de dominar o mundo e destruir a humanidade, mas estão de fato caminhando para um colapso e estão vivendo cega e insanamente os seus últimos dias. A sua loucura, corrupção e demência já está à vista de qualquer um que acompanhe as artimanhas do despótico regime globalista que tão descaradamente ostenta o seu estrelato de auto satisfação. Não é uma visão bonita e as portas do inferno foram abertas para absorve-los.

Os ‘deuses primeiro Enlouquecem’ para depois serem Destruídos

Fonte: Julianrose.info

Bêbados e embriagados pelo poder e com egos superinflados, estes seres humanos, menos que humanos, pois são dementes psicopatas, posicionaram-se tão alto quanto puderam no cenário mundial para projetar os seus perfis pomposos, corruptos, liberais e permissivos – apenas para revelarem a sua verdadeira face como obsessivos traficantes de guerra psicóticos, apanhados na teia da sua própria megalomania mórbida.

Contudo, estes arquitetos do controle central não são os únicos a serem condenados a um fim inglório e infernal. A loucura concedida pelos deuses também recai sobre aqueles passivos viciados em televisão, em mídias sociais que “olham e não fazem nada” porque nada percebem, enterrando a cabeça na areia para evitar ter que se levantar contra as graves injustiças que os encaram cercando-os.

Então, uma loucura semelhante se apodera daqueles que se afastam de qualquer coisa que perturbe o seu retiro “falso espiritual” para um mundo de contemplação interior passiva. Os deuses não sorriem diante de tais abusos de disciplinas espirituais genuínas adotadas por verdadeiros aspirantes que se esforçam para evoluir para seres humanos conscientes, ativos, com discernimento e responsáveis.

Não há caminho para uma vocação evolutiva superior que não incorpore o serviço à humanidade e o confronto com a injustiça. Afastar-se de tal responsabilidade básica é uma forma de suicídio da própria alma – provocado pela crença errônea de que, ao fugir a uma resposta e atitude humanitária natural em relação ao bem-estar coletivo da humanidade, podemos permanecer “imperturbados” ao subir alguma escada invisível para o céu.

Depois, há aqueles homens e mulheres profissionais “apologistas”, cujas ambições exaustivas os levam a respeitar inquestionavelmente as regras do jogo, atropelando os outros para chegar ao topo do materialismo abjeto.

Os deuses sorriem diante de tal comportamento covarde? Não, farão cada vez mais com que tais indivíduos sofram a dor inevitável que resulta de irem contra a sua melhor consciência, de serem cúmplices na causa do mal. Essas pessoas, a menos que mudem de atitude, também estarão sujeitas a um estado de loucura arrepiante. Aquele que corrói as qualidades naturais de simpatia e empatia que mantêm a humanidade responsável, humana e sã.

E quanto àqueles que acumulam níveis desproporcionalmente elevados de riqueza pessoal e usam a grande maioria dela para embelezar os seus ninhos e reforçar ainda mais o seu sentido de auto-importância em relação a outros menos seguros financeiramente?

Que conceito têm os deuses sobre aqueles que apenas nutrem obsessões por ganhos e acumulação materiais?

Fazem com que essas pessoas se sintam cada vez mais inseguras; cada vez mais com medo de perder a facilidade aveludada de seus suntuosos estilos de vida. Isolados do mundo das pessoas reais, das emoções reais e do afeto humano real, preparando os seus bunkers para enfrentar o Armagedom, que no seu interior eles sabem ser inevitável.

Talvez esses exemplos inchados de excessos façam com que os deuses passem uma mensagem em seu campo de visão, como “É mais difícil para um homem rico [escravo da sua riqueza] entrar no reino dos céus do que um camelo passar pelo fundo de uma agulha”.

Quão atormentados ficam esses milionários estúpidos por não serem capazes de dissipar completamente a pungência de tal mensagem. Como se sentem vazios por dentro, apesar de toda a sua riqueza exterior. Com que facilidade eles se irritam com pequenas coisas ou com qualquer desafio ao valor de suas indulgências.

Sim, uma forma contínua de loucura aguarda aqueles que tentam negar que a sua ganância é de alguma forma responsável por atiçar as chamas da depravação social, do ciúme e, em última análise, da guerra. A raça humana, apesar do que às vezes parece ser o contrário, está evoluindo. Evoluindo do bruto para o sutil; do brutal ao sensível. Este processo não pode mais ser interrompido, nem adiado.

Estamos entrando numa época em que o contraste entre o lado claro e o lado negro da humanidade se torna cada vez mais nítido; cada vez mais reconhecível. Mas então você pode pensar que os líderes religiosos/igrejas seriam receptáculos abertos para essas energias espirituais ascendentes, encontrando a coragem para falar em voz alta sobre atos flagrantes de destruição da humanidade neste planeta.

Por exemplo, sobre os males horríveis perpetrados contra o povo de Gaza; as vis persuasões de pedófilos de alto escalão; molestadores e traficantes de crianças com fins lucrativos. Os dois enfrentaram políticos que se dirigiam aos Templos Maçônicos nos Salões de Westminster. Os produtores e distribuidores de injeções de armas biológicas da Covid. A pandemia geral de engano e mentira dos grandes banqueiros corporativos e dos chefes dos meios de comunicação; de ministros governamentais e CEO de instituições globais hegemônicos – aqueles que assumem a responsabilidade de reivindicar a autoridade para controlar todos os aspectos da vida de outras pessoas.

É claro que a lista é infinita… mas será que os “homens santos” da tradição judaico-cristã – ou de qualquer outra “fé” nesse sentido – dão um passo à frente para pôr fim a tal degradação em massa da moral, ética e valores espirituais do nosso mundo?

Certamente que não. Com algumas raras exceções, escondem-se nas suas sacristias, mosteiros, mesquitas e sinagogas e evitam assumir qualquer tipo de responsabilidade pelo mundo exterior – ou demonstrarem coragem para praticar enquanto pregam.

Os deuses respondem revelando publicamente que estes representantes do dogma religioso são falsos, são túmulos caiados de branco, paródias de virtude completamente desprovidas de quaisquer convicções espirituais genuínas. A sua variedade particular de loucura santa provém de sofrerem a indignidade de serem expostos como plagiadores dos ensinamentos de mestres espirituais genuínos, enquanto reivindicam a proteção das suas “santas igrejas” e do Estado.

Essa proteção é geralmente concedida, desde que os bispos, padres, sacerdotes, rabinos, imanes e clérigos cumpram a sua parte do acordo de “não se envolverem em política”.

Portanto, agora que dispensamos qualquer apego persistente a instituições que alegam falsamente representar a vontade de Deus, podemos voltar a nossa atenção para a verdadeira questão: descobrir em nós mesmos e encorajar a manifestação da verdadeira expressão da nossa existência como reflexos de um poder omnipotente e omnisciente.

Esta é a única forma de ganhar resiliência interior suficiente para superar os psicopatas manipuladores essencialmente covardes da escuridão fabricada – e final e definitivamente derrubá-los.

Enfrentar os vilões que governam este planeta não deveria ser uma perspectiva assustadora. Pelo contrário, deve ser visto como um desafio a ser plenamente abraçado, juntamente com a determinação de desenvolver os próprios poderes latentes para se tornar um guerreiro espiritual da Luz totalmente apoiado pelas forças universais mais elevadas.

Chegamos a esse ponto agora, e não há outro lugar para se ir – nada mais a fazer – a não ser entrar num confronto honesto com aqueles que tão astuciosamente vampirizam os poderes dados por Deus à humanidade.

Agora devemos finalmente romper com o artifício fascinante da doutrinação em massa que foi autorizado a sufocar as nossas liberdades fundamentais, em troca da adoção geralmente irresponsável de uma “cultura de conveniência” da IA/TI. Um beco sem saída, estúpido, covarde e superficial que, por sua vez, abre uma porta para a tecno insanidade da agenda Transumanista.

Não mais! Há, neste exato momento, um grande “chamado às armas” ressoando por todo o planeta. Devemos responder a isso. Levantar-nos-emos em unidade. Não tenham dúvidas de que uma extraordinária reviravolta na sorte está por surgir no horizonte de uma nova era. Uma tempestade crescente que varrerá e destruirá tudo o que tenta tão desesperadamente impedir a crescente maré da emancipação humana.

A emancipação humana não pode ser frustrada e nem adiada. Um novo amanhecer pulsante está reunindo seus brilhos dispersos neste exato momento. Quem não gostaria de participar na preparação do caminho para o seu aparecimento dramático no horizonte oriental, onde nasce diariamente a Luz do sol?

Julian Rose é agricultor orgânico, escritor, locutor e ativista internacional. Ele é autor de quatro livros, dos quais o último ‘Superando a Mente Robótica’ é um chamado para resistir à tomada despótica de nossas vidas pela Nova Ordem Mundial. Visite seu site para mais informações www.julianrose.info


2 respostas

  1. É assim que entendo e não conseguia por em palavras, obrigado pelo empenho em não se calar, procurando tirar o argueiro de nossos olhos. Todo esse processo faz parte de nossa evolução; há um “plano Divino” para a Humanidade que será realizado não importando o “conflito” que estamos vivenciando. Com Paz Profunda!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *