OTAN/G-7, WEF e ONU, a Tríade Hegemônica: ‘Desenvolvimento Sustentável’ (ODS 2030), Guerras sem Fim, Pobreza e Fome em Todo o Mundo

O Sistema ONU tornou-se ao longo dos anos um instrumento de hegemonia dos EUA. Nas palavras de Miguel d’Escoto Brockmann: Precisamos arrancá-lo daqueles que o usurparam para que nós, os realmente preocupados com o futuro da Terra, possamos injetar nova vida, relevância e eficácia em nossa Organização Mundial.” Nomeado por Washington, o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, mais do que usurpou a nossa confiança. Ele é o epítome da ambiguidade do DoubleSpeak, particularmente em relação à crise dramática social e econômica que afeta o Sul Global

OTAN/G-7, WEF e ONU, a Tríade Hegemônica: ‘Desenvolvimento Sustentável’ (ODS 2030), Guerras sem Fim, Pobreza e Fome em Todo o Mundo

Fonte: Global Research

“A pobreza está aumentando e a fome está crescendo… a conclusão é clara: o mundo está falhando com os países em desenvolvimento.” disse o Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, na sua apresentação de abertura no local da Conferência do G-77 de Setembro de 2023, em Havana.

A pobreza global  tornou-se parte de uma “ narrativa” política conveniente. O que Guterres fez para reverter a maré da pobreza global? Nada!

“Guterres conseguiu carregar a ONU só porque é ignorante, manipulável e corruptível. Ele está tocando os tambores da narrativa da elite dominante – seja ela a covid, as mudanças climáticas, ou a [pseudo] crise energética; ou qualquer outra coisa que possa atingir o quadro de crise. Os combustíveis fósseis que causariam as alterações climáticas são uma falácia cientificamente comprovada. Nenhum trilhão de dólares pode fazer isso.” (Peter Koenig)

Guterres não é um instrumento apenas da Casa Branca, o seu Projeto de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030 está sendo executado de forma cooperativa com Klaus Schwab e o Fórum Económico Mundial (WEF), que representam os interesses [de judeus khazares] do establishment financeiro global. Escusado será dizer que o Big Money de Wall Street e da City de Londres dá as ordens. 

A Parceria ONU-WEF

Uma parceria estratégica foi assinada em 2019, numa reunião realizada na sede da ONU entre o Secretário-Geral da ONU, António Guterres, e o Presidente Executivo do WEF, Klaus Schwab, “para acelerar a implementação da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”.

Assinatura da Parceria WEF-ONU 

O Projeto de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030 é uma “Grande Reinicialização” do FEM com outro nome. 

Esta parceria constitui uma violação flagrante da Carta das Nações Unidas. O SGNU está em conflito de interesses. Ele deu luz verde à implementação da Agenda do WEF em nome de interesses financeiros poderosos e de políticos corruptos, que consistem essencialmente em empobrecer todo o planeta. 

O que deveria ter sido debatido pelo G-77 em Havana, em setembro de 2023, é a natureza desta parceria insidiosa entre o WEF e a ONU. É uma agenda neoliberal ao enésimo grau em nome do “Big Money”, em detrimento óbvio do Sul Global. É parte integrante da “Grande Reinicialização” do WEF :

“A parceria ONU-Fórum centrar-se-á no alinhamento dos sistemas financeiros  e na orientação dos fluxos financeiros na direção à Agenda 2030 e aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS 2030).

A pesquisa procurará construir uma compreensão compartilhada do investimento sustentável, especialmente em pequenos Estados insulares em desenvolvimento, países menos desenvolvidos e países em desenvolvimento sem litoral, e identificar e levar soluções futuras para aumentar os investimentos nos ODS” (fase incluída).Para consultar o texto da parceria ONU-WEF clique aqui

“Alinhando os Sistemas Financeiros” 

Embora Guterres tenha referido retoricamente aos “sistemas e estruturas globais” falidos, ele está visivelmente envolvido no “alinhamento  dos sistemas financeiros” em detrimento dos países em desenvolvimento altamente individualizados, que são vítimas da dolarização dos EUA. 

Embora prevaleça o Programa de Ajustamento Estrutural (PAE) do FMI e do Banco Mundial, lançado no início da década de 1980, o tabuleiro de xadrez neoliberal tornou-se cada vez mais complexo. O “alinhamento dos sistemas financeiros” vai muito além da imposição da “medicina econômica do FMI” , que historicamente desencadeou a pobreza em massa em todo os países do Sul Global.

Embora a dívida externa tenha designado que os dólares continuem a ser o instrumento de subserviência econômica, o “alinhamento dos sistemas financeiros”  pretende abrir uma porta à privatização de tudo em grande escala, afetando setores e regiões inteiras, tanto dos países em desenvolvimento como do Ocidente. 

Os gigantes fundos de investimento de ativos, incluindo os khazares BlackRock, State Street e Vanguard  (juntamente com os cartéis bancários de Wall Street) são uma força motriz por detrás destes interesses. “Suas propriedades são colossais. A BlackRock administra quase US$ 10 trilhões em investimentos. A Vanguard tem US$ 8 trilhões e o State Street tem US$ 4 trilhões” ( NYT ).

BlackRock é dona do mundo”

As empresas do portfólio possuem investimentos estratégicos em todas as principais regiões do mundo. A BlackRock opera em todo o mundo com 70 escritórios em 38 países. 

“Esses oligarcas são acompanhados por algumas instituições financeiras supergigantes, como BlackRock, Vanguard, State Street, Fidelity e outras, que controlam um valor estimado de 25 trilhões de dólares em ativos, dando-lhes um poder de alavancagem de bem mais de 100 trilhões de dólares em comparação com o PIB mundial de cerca de 101,5 Trilhões de dólares [2022]. Por outras palavras, eles podem manipular, controlar e pressionar todos os governos dos países da Mãe Terra para que cumpram as suas ordens”. (Peter Koenig)

Vídeo: BlackRock, empresa dona do mundo

Abaixo as três iniciativas principais da BlackRock são.

No caso da Ucrânia, os níveis de individualização são indescritíveis. O acordo com a BlackRock equivale à privatização de um país inteiro.  

BlackRock na Floresta Amazônica do Brasil

Os montantes investidos na Amazônia são colossais sob os auspícios dos três gigantes de fundos de investimento de carteira: Os 20 investidores institucionais investiram um total de 54,1 bilhões de dólares em nove conglomerados de mineiração  … “Desse montantes, 14,8 bilhões de dólares veio de apenas três empresas norte-americanas – BlackRock, Capital Group [uma empresa de serviços financeiros dos EUA] e Vanguard – com a BlackRock sozinha investindo US$ 6,2 bilhões nas empresas de mineração”. (Mongabay) 

BlackRock no Quênia

“O veículo de financiamento público-privado da BlackRock Alternatives, Climate Finance Partnership (CFP), adquiriu uma participação de 31,25% na Lake Turkana Wind Power (LTWP), o maior parque eólico de África. A participação foi comprada da Vestas, Finnfund e do Fundo de Investimento para Países em Desenvolvimento por uma quantia não revelada ”( Kenya Wallstreet Journal)

Ucrânia está sendo comprada pela BlackRock e JPMorgan

Nos desenvolvimentos recentes, a BlackRock juntamente com o J.P. Morgan “vieram em socorro da Ucrânia”, cuja dívida externa denominada em dólares é indescritível. (Ver Michel Chossudovsky, Global Research, agosto de 2023)  

O objetivo declarado é “atrair bilhões de dólares em investimento privado para ajudar projetos de investimentos num país devastado pela guerra”. ( FT , 19 de junho de 2023) 

A privatização da Ucrânia foi lançada em novembro de 2022 em ligação com a empresa de consultoria McKinsey da BlackRock, uma empresa de relações públicas que tem sido em grande parte responsável pela cooptação de políticos e funcionários corruptos em todo o mundo, para não mencionar cientistas e intelectuais em nome de poderosos interesses financeiros.

No final de dezembro de 2022, o presidente judeu khazar Zelensky e o CEO da BlackRock, o judeu khazar Larry Fink, concordaram com uma estratégia de investimento.

.

A Tríade Hegemônica: ONU-WEF-OTAN/G-7

“Cooperação” ONU-OTAN

Paralelamente à Parceria ONU-WEF, as Nações Unidas sob o Secretário-Geral Guterres desenvolveram  uma relação estratégica com a OTAN. Embora esteja descrita como um diálogo, a OTAN está cada vez mais inserida no sistema da ONU, realizando e endossando o “apoio à paz e a gestão de crises”. A realidade é outra: é a ONU que está endossando a agenda hegemónica EUA-OTAN/G-7 de Guerra Global:

“A complexidade dos atuais desafios de segurança envolve um diálogo mais amplo entre a OTAN e a ONU. Isto levou a uma cooperação reforçada e a acordos de ligação entre o pessoal das duas organizações , bem como as agências especializadas da ONU”. (OTAN, julho de 2023)

O “estratagema de relações públicas” do secretário-geral da ONUFornecendo uma “face humana” ao capitalismo global 

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, lançou uma estratégia estereotipada de relações públicas que pretende apresentar uma Agenda ONU-WEF-OTAN/G-7 como um meio de resolver a crise climática, eliminando a pobreza, bem como instaurando a “Paz Mundial”. É pura mentira. 

Em 2021, em preparação para a 76ª Assembleia Geral da ONU, o SGNU nomeou “defensores” para apoiar os Objetivos de “Desenvolvimento Sustentável“. Em Setembro de 2021, o Secretário-Geral da ONU nomeou quatro novos defensores dos ODS como parte de uma estratégia repreensível de relações públicas:

  • o Prêmio Nobel da Paz de 2014, Kailash Satyarthi ;
  • o presidente da Microsoft, Brad Smith ;
  • as estrelas do k-pop da Coreia do Sul BLACKPINK 
  • Ativista STEM do Chile – ciência, tecnologia, Valentina Muñoz. (Chica Rosadita)

É assim que a opinião pública e a cobertura de imprensa são manipuladas na Assembleia Geral da ONU. A censura é aplicada. Analistas independentes não são convidados. 

Tenho grande conhecimento e admiração pelos artistas de k-pop da Coreia do Sul, mas o fato do Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, ter sido convidado a apresentar um guia cuidadosamente preparado (em seu nome) à 76ª Assembleia Geral da ONU foi impróprio, manipulativo e inadequado. 

Também em 2021, Valentina Munoz (La Chica Rosadita ) de 19 anos foi convidada por Guterres para endossar a Agenda 2030 da ONU num discurso à Assembleia Geral da ONU.

“Aqueles de nós que compreendem a nefastidade do império hegemônico e o perigo cada vez maior que representa, devem ter claro que a defesa eficaz da vida no planeta Terra, incluindo a da própria espécie humana, exige inexoravelmente a existência de países e fórum democrático mundial independentes para uma defesa genuína e eficaz dos direitos da Mãe Terra e da humanidade.

É por isso que insistimos, repetimos e dizemos repetidamente que as Nações Unidas tal como existem hoje são inúteis, inoperantes, disfuncionais e um instrumento do império hegemônicoÉ por isso que já não goza de qualquer confiança ou recompensa. Miguel d’Escoto Brockmann.  Manágua, 28 de fevereiro de 2011

Este artigo é dedicado à memória do meu mentor e amigo de longa data Padre Miguel D’Escoto Brockmann . Em 2020, a Universidade Nacional da Nicarágua (UNAN) criou o Centro de Desenvolvimento Miguel d’Escoto Brockman (CEDMEB).

O legado de Padre Miguel d’Escoto viverá para sempre. 


2 respostas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth