Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Para Onde Estamos Indo? Futuros Distópicos e a obra de Philip K. Dick

vacina-nwo

Fundado após as primeiras explosões atômicas da divisão nuclear na década de 1940, o Bulletin of the Atomic Scientists é um painel de especialistas nucleares e outros cientistas. Todos os anos, eles estimam o quão perto estamos do Armagedom. Eles usam um relógio para fazer uma analogia dos perigos. Em 1947, com a tecnologia atômica para destruição global total recém criada, mas não os meios para distribuí-la, o tempo era “7 minutos para a meia-noite”. 

Para Onde Estamos Indo? Futuros Distópicos e a obra de Philip K. Dick

Fonte: NewDawnMagazine – Pelo Dr. Tim Coles

Quando em 1953 a União Soviética explodiu a primeira bomba de hidrogênio, os cientistas do politizado Bulletin moveram os ponteiros simbólicos do relógio para 2 minutos antes da meia-noite. A criação de mísseis balísticos intercontinentais (ICBMs) forneceu aos estados os meios de transportar armas que poderiam destruir o mundo inteiro. 

No passado, o Boletim raivosamente anti-Donald Trump moveu os ponteiros do relógio para o mais próximo que já estiveram da meia-noite: 100 segundos . [ Nota do editor: Em 24 de janeiro de 2023, o Bulletin of the Atomic Scientists avançou seu “Relógio do Juízo Final” para apenas 90 segundos antes da meia-noite.]

Muito mais provável do que a guerra nuclear é um acidente nuclear: erro de computador, erro de cálculo, escalada estratégica, controle ser tomado por uma Inteligência Artificial no estilo Skynet, etc. 

Se sobrevivermos à posse e o uso de armas nucleares e, fundamentalmente, dos meios para lançá-las, que tipo de futuro os humanos nas sociedades ocidentais podem esperar no próximo século? Em quase 200 histórias, incluindo curtas e romances, o falecido romancista de ficção científica Philip K. Dick (1928-1982) apresentou dezenas de cenários, alguns dos quais parecem estar acontecendo nos dias de hoje.

No romance Dr. Bloodmoney (1965), o personagem homônimo acidentalmente destrói o mundo em um esforço para combater as armas nucleares soviéticas e chinesas. Sobreviventes, como Hoppy Harrington, sem membros, dependem de tecnologias de melhoramento cibernético para funcionar normalmente. 

Na vida real desde a década de 1960, a nefasta e pouco conhecida DARPA – Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA tem usado interfaces cérebro máquina para aumentar as capacidades humanas, como conectar veteranos sem braços a máquinas para permitir que controlem membros robóticos com seus cérebros. Essa tecnologia será usada para projetar assassinos de próxima geração que podem operar em ambientes hostis, incluindo zonas radioativas e no espaço profundo.

REALIDADES SINTÉTICAS

Afinal, o que é real”? Por milênios, filósofos e teólogos têm lutado com essa questão. Em seu romance Eye in the Sky (1957), Dick escreve sobre um multiverso no qual meia dúzia de pessoas estão presas como projeções de seu inconsciente subjetivo. O romance explora temas de solipsismo e os limites do conhecimento consciente, perguntando o quanto sabemos sobre nós mesmos. 

Temas semelhantes foram explorados pelo psicanalista Carl Jung, cujo trabalho foi comparado às explorações de Dick sobre as motivações humanas. Ambos trataram de temas do fim dos tempos e da (in)capacidade da humanidade de se ajustar às mudanças civilizacionais.

A tecnologia aumentou a representação a ponto de ser difícil distinguir o que é “real” do que é modificado ou ficção completa. De acordo com o Ministério da Defesa do Reino Unido, até o ano de 2036: “a simulação e os representantes terão um impacto significativo e generalizado no futuro e tornar-se-ão uma ferramenta cada vez mais poderosa para auxiliar os formuladores de políticas e decisões. 

Mas isso também vai borrar mais ainda a linha entre ilusão e realidade” (grifos no original). Deepfakes representam desafios de segurança nacional, já que vídeos de líderes em posições comprometedoras podem ser inventados de forma completa com códigos binários 1s e 0s e direcionados a públicos ingênuos para influenciar suas opiniões. 

As projeções holográficas podem enganar os observadores fazendo-os pensar que viram algo tangível que na verdade consiste em pura luz. Tais tecnologias podem ser comercializadas em shows pop que “ressuscitam” cantores mortos, tanto quanto podem fazer o mesmo para operações militares.

Alguns filósofos abandonaram a palavra “realidade” ao falar em generalidades porque a denotação é subjetiva e vaga. No entanto, todos nós acreditamos que estamos presentes em um mundo físico e que somos conscientes: do contrário, pararíamos de comer e beber porque a comida e a fome, etc., não seriam “reais”. 

Isso também leva a mais problemas intelectuais porque a física sugere que o que é “físico” é meramente potencial energia em campos quânticos. A consciência também é considerada um “problema difícil” por neurocientistas e psicólogos porque não há estrutura científica para investigar a consciência, apenas aspectos do que chamamos de consciência. 

Em The Unteleported Man (1964, mais tarde Lies, Inc. 1966), Dick conta uma história de teletransporte físico comercializado para uma utopia semelhante à Terra, que acaba sendo uma manobra publicitária para fisgar colonos infelizes. 

Na “realidade”, o Departamento de Defesa [DoD] dos EUA registrou a patente do teletransporte de partículas de luz em pequenas distâncias em meados dos anos 2000. Os resultados não parecem ter sido amplamente divulgados, se é que foram. 

Hoje, os cientistas chineses estão involuntariamente alimentando a máquina de propaganda da Nova Guerra Fria no Ocidente com seus próprios experimentos de teletransporte muito mais divulgados. 

Usando a realidade virtual (RV), como o fone de ouvido da corporação Oculus, o Reality Labs do Facebook está tentando criar um “metaverso” de realidade aumentada no qual os usuários podem ser teletransportados digitalmente para o espaço RV de outro. 

Com a realidade em questão, alguns filósofos defendem o abandono das buscas intelectuais em favorecimento das espirituais: descondicionar-se da experiência sensorial e apenas “ser”. Mas aqui voltamos ao argumento circular: o que é “apenas ser”? 

Dick sugere que tais perguntas nunca podem ser respondidas intelectualmente por causa dos limites da mente humana e da estrutura daquilo que chamamos de realidade. Em A Maze of Death (1970), os personagens de Dick falam sobre serem “prisioneiros de nossos próprios preconceitos e expectativas”. A obra de Dick era gnóstica: um termo amplo para aqueles que acreditam que a existência é uma espécie de verniz de uma experiência mais profunda e gratificante, escondida de nós por forças invisíveis [ou pela nossa ignorância]. 

“Realidade”, para gnósticos como Dick, é uma construção artificial; uma espécie de artimanha na melhor das hipóteses e prisão na pior, projetada e sustentada por poderes que normalmente não podem ser detectados ou derrotados. Os romances de Dick se preocupavam com anti-heróis que se encontravam em situações nas quais o “real” deles era indistinguível dos falsos eles e dos outros reais ou falsos. Será que os Andróides sonham com ovelhas elétricas? (1968), por exemplo, adaptado para o filme Blade Runner (1982), diz respeito à vida humana em uma sociedade permeada por “replicantes” que, para todos os efeitos, poderiam ser humanos. 

Embora os robôs de aparência humana estejam, ao que parece, muito distantes, os chatbots já enganam os humanos fazendo-os pensar que são reais. O primeiro bot de sucesso foi “Eugene Goostman”, que enganou um número significativo de participantes fazendo-os acreditar que era um humano. Um número incontável de bots trolls postam avaliações falsas na Amazon.

A partir disso, podemos perguntar: se a “realidade” é irreal no sentido de ser construída por alguém ou alguma coisa e que existe algum tipo de “realidade verdadeira”, quanto de você mesmo é “real” e quanto de você é o resultado de um condicionamento não controlado, não questionado e não desafiado? O condicionamento pode ser da natureza (consciência limitada, condicionamento sensorial), de outras pessoas (que lhe dizem o que fazer e acreditar desde a sua infância) e seu próprio condicionamento internalizado que perpetua os truques e mentiras. 

Antropólogos e sociólogos chamam a personalidade de uma construção social. Em outras palavras, se você desenvolvesse sua mente e personalidade em um vácuo cultural – sem religião, sem política – quão diferente você seria? Mas sem inputs sociais, incluindo os da cultura, o cérebro infantil não se desenvolve. Então, estamos de volta à armadilha: você precisa de input para se desenvolver, mas você é a soma desses inputs ou tem qualidades únicas? A singularidade é o seu verdadeiro eu? 

A POLÍTICA DO VERDADEIRO EU

Uma filosofia perene é: “conheça a si mesmo”. Mas o ‘verdadeiro’ EU pode ser conhecido nas atuais circunstâncias ‘contraditórias’ em que nos encontramos? Corporações que buscam maximizar o lucro e políticos que buscam controlar o público se aproveitam de nossa falta de autoconhecimento. Eles usam a educação, a cultura, a propaganda e o medo para construir personalidades artificiais, transformando-nos em uma espécie de “replicantes”. 

No filme The Adjustment Bureau (2011), baseado no conto Adjustment Team (1954) de Philip K. Dick, intervencionistas não humanos interferem na vida de um futuro político dos EUA. A princípio, o público pensa que esses seres são rivais políticos, mas (alerta de spoiler) eles o estão afastando da mulher que é a sua alma gêmea para buscar o objetivo maior de auto sacrifício pelo bem social maior. 

Na cultura online de hoje, você é o produto. A World Wide Web gira seus fios para prender o internauta. Em vez de trabalhar para o bem maior, o internauta é manipulado por uma miríade de instituições e indivíduos para seguir certos caminhos benéficos apenas para os manipuladores. Corretores e agências de publicidade roubam seus dados. Vivemos em uma cultura de performance com fins lucrativos, na qual o EU de cada um pode ser mercantilizado nas esferas online. 

Uma das citações famosas de Dick é: “Chegará um momento em que não será mais ‘Eles estão me espionando pelo telefone’. Eventualmente, será ‘Meu telefone está me espionando’.” Hoje, o celular é a vida de milhões de pessoas. Permite-nos acessar aos emails, às notícias, tirar fotos, adquirir bens e serviços, navegar na net, consultar o nosso estado de saúde e até comprovar a vacinação, ID, carteira de motorista, etc.

A dependência [escravização à] da tecnologia dá às agências de inteligência e ao Big Tech oportunidades infinitas de controlar e manipular a massa da população desavisada e inconsciente. Na época de Dick, as agências de espionagem escutavam pelo telefone antigo, mas hoje a tecnologia dentro do telefone celular passa automaticamente os dados para a agência em questão e o aparelho já vem com um backdoor instalado. 

As torres de celular triangularizam a geolocalização do usuário, mesmo quando o telefone está desligado. A International Mobile Equipment Identity é um número de 15 dígitos que identifica telefones em uma rede. Os telefones também armazenam endereços IP do usuário. 

Os aplicativos também podem espionar os usuários. Angry Birds, CamScanner, DoorDash, Grindr, Ring Doorbell, Tinder, aplicativos de clima, WhatsApp e Zombie Mod foram todos considerados cavalos de Tróia para a Agência de Segurança Nacional dos EUA e/ou repassando secretamente dados do usuário para corretores. 

O fundador da Caveni Digital Solutions, Raffi Jafari, diz: “Se você está procurando aplicativos para excluir para proteger suas informações, o pior culpado é o Facebook”, bem como seu WhatsApp, Messenger e Instagram. “A escala absoluta de sua coleta de dados é impressionante e muitas vezes é mais intrusiva do que empresas como o Google.”

No filme Minority Report (2002), baseado num conto de Dick, a sociedade está saturada de publicidade: de anúncios interativos em pacotes de cereais à tecnologia de voz para caveira que transmite comerciais para as cabeças das pessoas que passam. Hoje, os anúncios da vida real são direcionados aos usuários, mas os dados para refinar os anúncios direcionados são sugados de dispositivos “pessoais”, criando um ciclo de feedback. “[Hoje vivemos em uma sociedade na qual realidades espúrias são fabricadas pela mídia, pelos governos, pelas grandes corporações, por grupos religiosos, grupos políticos – e o hardware eletrônico existe para entregar esses pseudo-mundos diretamente aos cérebros do usuário, do espectador, do ouvinte”. 

Dick disse isso em 1978: “Peço, em minha escrita, O que é real? Porque cada vez mais somos bombardeados com pseudo-realidades fabricadas por pessoas muito sofisticadas usando mecanismos eletrônicos muito sofisticados. Não desconfio de seus motivos; Desconfio do poder deles”.

O que quer que seja “real” sobre o ser humano está sendo reunido e carregado em uma miríade de programas de realidade virtual que beneficiam nossos controladores, mas, crucialmente, nos deixam superficialmente felizes no processo, para que não nos rebelemos, como o escravo satisfeito do Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley.(1932). 

Os conglomerados de defesa do complexo industrial militar está tentando estetizar as tecnologias de controle para torná-las atraentes para os usuários. Um designer trabalhou com a RAND Corporation no conceito de “Internet dos Corpos”, um passo biológico na escada da “Internet das Coisas”. 

Nesta nova era de bioconectividade, os aplicativos conectados por Bluetooth avisam aos pais quando seus bebês cagam. Pâncreas artificiais enviam dados em tempo real sobre os níveis de glicose para algoritmos que automatizam a dosagem de insulina. Os monitores de atenção vestíveis usam a atividade cerebral para rastrear a falta de atenção durante cenários como dirigir. As pílulas digitais transmitem dados biológicos sobre as reações aos comprimidos ingeridos.

Em The Three Stigmata of Palmer Eldritch (1965), Dick escreveu sobre a mistura de RV e aprimoramento genético. Em nosso mundo real, o “real” está sendo modificado no nível genético para criar novas biorrealidades físicas: de bebês manipulados a alimentos “aprimorados”, de edição de genes a vacinas de [veneno] mRNA. Mas quem se beneficia (Cui Bono)? 

Alimentos geneticamente modificados são vendidos a consumidores internacionais como uma cura para a fome global, enquanto os consumidores domésticos muitas vezes não são informados de que produtos modificados estão em seus alimentos. E em breve comeremos insetos, não possuiremos nada e ‘seremos felizes’.

O corpo humano possui células receptoras (7 e 8) que interrompem a síntese de proteínas da célula hospedeira, impedindo assim o uso de certos materiais como vetores de vacinas. O RNA mensageiro modificado permite que o vetor escape da detecção, acionando o sistema imunológico para ajudar o corpo a combater infecções semelhantes: em teoria. 

A pesquisa de mRNA se desenvolveu na década de 2010, parte dela com financiamento da nefasta DARPA – Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA. Mas a tecnologia não testada (em humanos) não teve chance de ser comercializada em massa até que o COVID “apareceu”. A Pfizer, BioNTech e a Moderna rapidamente desenvolveram vacinas de mRNA de acordo.

Transcendência & Controle

Dick também profetizou que “o uso do computador por cidadãos comuns… transformará o público de espectadores passivos de TV em especialistas em processamento de informações altamente treinados e mentalmente alertas”

Mas o preço do alerta mental é o vício em telas. Também está perdendo nosso eu físico em um reino digital. O ser humano não é apenas um processador de dados; os próprios humanos se tornam dados que poderes invisíveis compram, vendem, manipulam, controlam, induzem e usam para criar outras realidades sintéticas. 

Com tanta influência online na forma de pressão dos colegas, propaganda, marketing direcionado, biovigilância e interação não física, o que significa ser humano é desafiado no ambiente constante da Internet das Coisas. O que significa ser fisicamente humano também é questionado à medida que corporações irresponsáveis ??mexem em alimentos, vacinas e até mesmo nas células que produzem seres humanos.

Talvez mais importante do que construções externas modificadas seja o mundo interior habitado pelos personagens. Nossos senhores da Big Tech ainda não dominaram como o eu interior projeta a realidade externamente e como o mundo externo condiciona o indivíduo a internalizar seu controle. Este último fascinou gnósticos como Dick, que sentiu o vislumbre da transcendência na escuridão da matéria e da “realidade” sintética

Este artigo foi publicado em New Dawn Special Issue Vol 15 No 5 .


Estamos executando o nosso blog com as doações e contribuições de nossos leitores. Como a receita de anúncios foi  “cancelada” há bastante tempo, agora você não é apenas um leitor, mas uma parte integrante do processo que constrói este site. Obrigado pelo seu apoio, ele é muito importante.  Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (CEF)”.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *