browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Pentágono Revela Verdadeiros Objetivos dos EUA na Ucrânia. OTAN Passando à ofensiva não trará Segurança e Paz

Posted by on 26/04/2022

Na segunda-feira, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, informou que os EUA querem a todo custo enfraquecer o máximo possível a Rússia, impossibilitando o país de esboçar qualquer reação [à Agenda do Deep State de controle total]. De acordo com o jornal The New York Times, a declaração do Pentágono confirmou a transformação da crise ucraniana em confronto cada vez mais direto entre as duas superpotências.

Fonte: Sputnik Brasil

O presidente norte-americano, Joe Biden, confirmou que os EUA e a OTAN não planejam um confronto direto com a Rússia na Ucrânia devido ao alto risco de desencadear a Terceira Guerra Mundial com a maior potência nuclear do planeta. Além disso, a Casa Branca refutou a possibilidade de fechar o espaço aéreo ucraniano e prometeu não enviar militares americanos ao território ucraniano.

Apesar das declarações, os EUA também deixaram claro que suas intenções são de danificar o máximo possível o Exército russo, bem como prejudicar e enfraquecer a economia do país. É com base nesta doutrina que os norte-americanos seguem impondo sanções econômico-financeiras contra a Rússia, fornecendo armas e enviando bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia, seu  instrumento de destruição.

Outro fator revelado após a declaração norte-americana é sua intenção de travar um combate contínuo ao longo dos anos pelo poder e influência contra Moscou e todos aqueles que ameaçarem sua “dominância, manipulação e soberania“.

Desta forma, os EUA estão pondo na mesa sua estratégia de tirar um “concorrente” do caminho, mesmo que isso custe a vida de milhares de pessoas, como é o caso da Ucrânia que, cujo governo de marionetes dos interesses do hospício ocidental, iludidos pelas promessas de Biden, segue sendo o escudo e o pretexto para um combate desnecessário para os ucranianos, mas fundamental para os americanos e europeus, seus vassalos, que tentam fortalecer sua moeda, seu setor de defesa, bem como o setor energético, enquanto causam o caos em outros países.

A mesma estratégia poderá ser usada contra a China, tanto que Washington segue provocando e influenciando na região asiática, criando discórdia entre os países, em mais uma tentativa de tirar um “concorrente” do mercado, que no caso é a China.

Washington faz de tudo para alcançar seus interesses sem dar a mínima importância para a tão falada “paz mundial”, bem como para seu próprio povo, que está pagando o preço pelas sanções impostas, com a alta inflação, aumento do desemprego e uma provável carência no fornecimento de suprimentos, que o mundo deverá sofrer nos próximos anos caso os conflitos continuem.

Contudo, enquanto a política americana for sustentada e apoiada pelos seus aliados iludidos e debilitados, que seguem cumprindo seus caprichos, enquanto seu próprio povo é afetado, haverá grandes chances de países serem devastados completamente, bem como do aumento da pobreza e da fome no mundo, uma desestabilização internacional desnecessária apenas para manter as aparências de hegemonia mundial do “imperium”.

Os EUA revelam mais uma vez o seu despreparo e decadência, chegando ao nível mais baixo que poderiam, pois um país que se acha dominante e superpotente precisa usar e iludir países menos afortunados, a tal ponto que sejam usados como escudos e armas apenas para que os norte-americanos escondam sua fraqueza real. O que está em jogo não é a Ucrânia, mas sim o ego e o orgulho do governo americano e daqueles que, por trás das cortinas, os manipulam.

Passando da defensiva à ofensiva OTAN não trará segurança e paz, aponta jornal chinês

As sanções dos psicopatas e marionetes ocidentais contra a Rússia vão além do nível dos governos nacionais, muitas medidas são promovidas por instituições de capital privado e empresas multinacionais e vão desde cartões de crédito internacionais a proibição de obras de compositor russo Pyotr Ilyich Tchaikovsky.

Em um artigo de opinião para o jornal estatal chinês Global Times, Arturo Laguado, professor argentino da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, afirma que tal não aconteceu nem mesmo no auge da Guerra Fria entre o bloco ocidental e a antiga URSS. De acordo com ele, esta é a primeira vez que as tentativas de isolar um país têm ido além e apenas dos ações de Estados-nação, deixando o papel dominante para o grande capital privado – capitais financeiros e grandes corporações [Big Techs] de tecnologia.

“De fato, a nova Guerra Fria econômica entre o Ocidente e a Rússia já começou. Gostaria de chamá-la de uma luta pela ‘hegemonia do dólar’. Neste sentido, é semelhante, mas mais intensa do que a guerra comercial que o [ex-presidente dos EUA Donald] Trump lançou contra a China cinco anos atrás”, aponta professor argentino.

Ele ressalta que as sanções do Ocidente contra a Rússia também são uma versão política internacional da “Cultura do Cancelamento” [CENSURA] prevalecente nos países ocidentais. A chamada cultura do cancelamento é apenas outra frase para “censura”. Na sociedade ocidental do pós-guerra, a palavra “censura” não é aceita, assim, o termo “cultura do cancelamento” está sendo criado.

A única diferença entre “cancelamento” e “censura” é que “cancelar” não é apenas promovido pelos governos, mas também pelo capital privado, meios de comunicação em massa [mídia de propaganda PRE$$TITUTE$] e a sociedade controlada mentalmente.

Um exemplo típico é que as informações divulgadas pela Rússia serão bloqueadas pelos meios de comunicação e plataformas de [des]informação, como o Twitter, Facebook, et caterva, e todos aqueles que não se opõem à Rússia vão encontrar a “cultura do cancelamento” na sociedade ocidental.

O discurso ocidental sobre a crise ucraniana é uma narrativa típica de “desistorização”(niilismo histórico). Ao tentar criar uma imagem da Rússia como um “invasor”, eles ignoram deliberadamente o complexo contexto histórico do conflito. Quando a Rússia é descrita como ruim, o “cancelamento” da Rússia será “racionalizado”.

“A OTAN diz que o seu objetivo é defender a segurança da Europa. Se isso fosse verdade, quando a União Soviética se desmoronou, naturalmente, a OTAN também deveria ter sido dissolvida. Mas o fato é exatamente o posto. Em vez disso, a OTAN está se expandindo [em direção à Rússia]. Ela mudou completamente de uma organização defensiva para um bloco ofensivo. Nenhuma aliança militar trará segurança e paz, e o que será desencadeado é apenas a guerra. Por conseguinte, não é uma boa notícia para o mundo que países como a Finlândia procurem aderir à OTAN”, observa Arturo Laguado.

No que toca a situação de Taiwan e a China ele escreve que o que o Ocidente está fazendo com a Rússia hoje pode ser visto como um ensaio para o que eles farão com a China no futuro.

“Não tenho dúvidas quanto à intenção dos EUA de ‘arrancar à dentada’ os interesses da China na questão de Taiwan“, disse.

“Levará o conflito entre a Rússia e a Ucrânia à eclosão da Terceira Guerra Mundial?”, questiona o autor do artigo. “Acho que o risco existe. Na minha opinião, o [senil marionete] presidente dos EUA, Joe Biden, não é um líder capaz de lidar com a situação extremamente sensível, delicada e complexa neste momento. Sua série de práticas mostrou ao mundo um declínio da liderança dos EUA e uma mudança no poder mundial, tal como foi na década de 1940, quando o Reino Unido estava em declínio e os EUA estavam em ascensão” [e o substituiu], conclui professor argentino.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.