browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Programa de crédito social da China está se Expandindo e chega ao Canadá

Posted by on 29/04/2021

O “sistema de crédito social” orwelliano da China que registra e classifica o comportamento social e financeiro dos cidadãos e corporações em toda a China, usando um vasto sistema de vigilância, se expandiu globalmente e agora está abertamente operacional no renomado restaurante Haidilao Hot Pot, no oeste do Canadá. Ryan Pan, gerente do Haidilao Hot Pot em Vancouver, confirmou que mais de 60 câmeras de vigilância foram instaladas no restaurante a pedido da empresa Haidilao, como parte do sistema de crédito social na China. Ele disse que o local de Vancouver tem 30 mesas com duas câmeras atribuídas a cada mesa.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

O Sistema de Vigilância de ‘crédito social’ da China se expandiu globalmente e agora está abertamente operacional também no oeste do Canadá.

Fonte:  Sunday Guardian Live

Vancouver, British Columbia, Canadá: Quando questionado especificamente por que o Haidilao exigia tantas câmeras para monitorar funcionários e clientes, Ryan Pan disse que as câmeras foram instaladas para “punir” os funcionários se eles não aderissem aos padrões corporativos e para  “rastrear pessoas” Pan também disse que o vídeo foi enviado de volta para a China, mas se recusou a dizer o porquê, além de dizer que o motivo para fazer isso era “segredo”.

Fundado em Sichuan, China, o restaurante Haidilao abriu em duas localidades na região de Vancouver, a mais recente das quais foi inaugurada em 2018 em um antigo restaurante Swiss Chalet no badalado bairro de Kitsilano, em Vancouver. O local fica a uma curta distância da casa alugada pela Huawei para funcionários temporariamente realocados em Vancouver para ajudar Meng Wanzhou, o diretor financeiro (CFO) da gigante das telecomunicações da China. 

a 'pontuação de crédito social' da China está se expandindo globalmente, agora operando abertamente no oeste do Canadá

O restaurante Haidilao Hot Pot em Vancouver, Canadá

Após sua prisão e audiência sobre um pedido provisório de extradição dos EUA por fraude e conspiração para cometer fraude a fim de contornar as sanções dos EUA contra o Irã. O local em Haidilao não fica a mais de 10 minutos da mansão de Meng Wanzhou e do Consulado da República “Popular” da China. Haidilao tem mais de 935 restaurantes em todo o mundo e mais de 36 milhões de membros VIP e mais de 60.000 funcionários.

Entramos em contato com Ivy Li, com os amigos canadenses de Hong Kong, que é um conhecido orador, escritor e ativista em assuntos relacionados à China e pró-democracia, para perguntar por que os canadenses deveriam se preocupar com o fato de o sistema de crédito social da China estar agora operacional no Canadá. Ivy, que nasceu e foi criada em Hong Kong, disse o seguinte em resposta:

“Não apenas os canadenses e chineses étnicos e os negócios com laços chineses estão em risco, mas a privacidade e a segurança de todos os canadenses e de nossa sociedade estão comprometidas . Os clientes de um restaurante popular de culinária étnica, especialmente em uma área nobre, podem ser diplomatas e políticos entretendo seus convidados, CEOs discutindo suas estratégias de negócios, profissionais falando sobre projetos da empresa, jornalistas conduzindo entrevistas, etc., etc. Os jantares discutem uma ampla gama de assuntos, especialmente depois de um par de garrafas de vinho. A mesa de jantar em um restaurante popular é um dos melhores lugares para escutar alguém e obter o pulso de uma sociedade”. 

 SISTEMA DE CRÉDITO SOCIAL DA CHINA

O sistema de crédito social da China foi lançado oficialmente em todo o país em 2014 com um plano para construir “confiança” no mercado e na sociedade em geral. De acordo com um relatório do USA Congressional Research Service (CRS) em 2020, o sistema de crédito social da China se desenvolveu em dois sistemas conectados, mas distintos: um sistema para monitorar o comportamento individual, ainda em estágios piloto iniciais, e um sistema mais robusto para monitorar o comportamento corporativo .

O prazo para a implementação do sistema de crédito social da China era 2020, quando se tornou obrigatório para todos os cidadãos chineses estarem inscritos no banco de dados nacional e classificados com uma “pontuação social” baseada em diferentes comportamentos; essas “pontuações sociais” são então usadas para punir ou recompensar os cidadãos [zumbis] chineses.  Elogie o Partido Comunista Chinês (PCC) nas redes sociais e você receberá uma pontuação mais alta, potencialmente levando a benefícios como prioridade para admissões escolares, serviços de ginástica gratuitos, tempos de espera mais curtos em hospitais e outros benefícios. Proteste ilegalmente contra o PCC, esqueça de pagar sua conta de serviços públicos ou se associe conscientemente a outro indivíduo que tenha uma pontuação baixa, e você pode ser restringido no acesso aos serviços públicos, impedido de tomar transporte ou talvez seus filhos não tenham acesso as melhores escolas.

Um modelo semelhante é aplicado a empresas na China, denominado Sistema de Crédito Social Corporativo (CSCS), projetado para criar um sistema de reputação único e padronizado para empresas locais e estrangeiras. O sistema aborda virtualmente todos os aspectos das operações de negócios de uma empresa na China, avaliando o desempenho da empresa, garantindo que paguem seus impostos, mantenham o padrão de serviço e outras entidades de mercado. Com base em sua classificação, as autoridades chinesas recompensarão ou punirão as empresas que podem resultar em multas, taxas de inspeção mais altas e possivelmente até mesmo constar na lista negra. As empresas que recebem uma alta pontuação de crédito social corporativo podem resultar em melhores taxas de impostos, acesso ao mercado e possivelmente serem colocadas no que é conhecido como uma “lista vermelha”.

Isso fica dentro da China. O que não está claro é como o sistema de crédito social da China afeta os chineses estrangeiros que vivem no Canadá e que trabalham para empresas com laços com a China e que devem fazer parte do CSCS. Os comportamentos e ações tomadas por pessoas que trabalham no Canadá para empresas chinesas afetarão a pontuação de parentes ou outros funcionários na China? Não é inconcebível que uma pessoa que protesta no Canadá sobre abusos de direitos humanos na China não seja contratada por uma empresa chinesa porque foi incluída na lista negra do sistema de crédito social da China, mesmo morando no Canadá. E quanto ao impacto do sistema de crédito social da China nas leis de emprego, privacidade e direitos humanos canadenses?

Sabemos que a China já começou a avançar com a criação de uma versão do sistema de crédito social corporativo em inglês pela Xinhua Credit para empresas não chinesas.

Marcas internacionais já são punidas se saem da linha [do controle comunista] dentro e fora da China. Eles devem ficar em silêncio ou apoiar ativamente as políticas da China se quiserem acesso futuro ao mercado chinês. Vimos o gerente geral do Houston Rockets da NBA, Daryl Morey, tuitou em apoio aos protestos de Hong Kong e, por fim, foi forçado a se desculpar. Mais recentemente, o boicote à H&M e a outras marcas ocidentais na China depois que elas se manifestaram contra o trabalho forçado na indústria do algodão na região de Xinjiang, na China. Já existe um sistema baseado em punições para empresas que não cumprem o regime comunista do PCC, independentemente do cumprimento do CSCS da China.

ALGUMA LEI CANADENSE FOI QUEBRADA?

O CSCS da China que opera dentro das fronteiras canadenses se resume à segurança dos trabalhadores, direitos humanos, privacidade dos cidadãos e segurança nacional, todos os quais são regidos pela legislação em nível municipal, provincial e federal. O governo canadense está ciente de que a China implementou o CSCS e até mesmo emitiu recomendações sobre como conduzir negócios dentro da China, agora que ele foi implementado. Mas pouco ou nada foi feito por funcionários eleitos para impedir a China de implementar o CSCS dentro do Canadá como uma forma de controlar trabalhadores estrangeiros da China e empresas de propriedade chinesa, ou qualquer pessoa que seja de etnia chinesa com laços pessoais ou profissionais com a China .

Em nível municipal (cidade), até recentemente, as câmeras de segurança comerciais costumavam ser alimentadas por um plugue na parede com um cabo de vídeo voltando para um gravador de vídeo pessoal (PVR). Normalmente, a cidade de Vancouver exigiria uma licença elétrica para este tipo de montagem, o que teria, no mínimo, alertado as autoridades municipais neste caso, dado o grande volume de câmeras instaladas. No entanto, as câmeras do Haidilao parecem ser câmeras mais modernas alimentadas por Ethernet (POE). O que significa que eles estão conectados a uma rede que pode enviar imagens de vídeo ao vivo para a China. Eles podem ser instalados em qualquer ponto sem autorização. Muito simples.

A Colúmbia Britânica afirma ter leis de privacidade rígidas com a Lei de Proteção de Informações Pessoais (PIPA) que regem como uma organização pode coletar, usar ou divulgar informações sobre indivíduos. Quando questionada se o Gabinete do Comissário de Privacidade estava ciente do envio de imagens privadas de trabalhadores estrangeiros temporários e cidadãos canadenses para a China, Michelle Mitchell do Gabinete do Comissário de Privacidade em BC (não relacionado ao autor), enfatizou que um componente importante do PIPA é consentimento e que uma organização deve ter consentimento antes de coletar, usar ou divulgar informações pessoais, citando três tipos de consentimento sob o PIPA, que é consentimento expresso, consentimento implícito e consentimento opt-out.

Uma vez que muitos dos funcionários do restaurante Haidilao são cidadãos chineses e trabalham sob o Programa de Trabalhador Estrangeiro Temporário no Canadá, e já estão listados no sistema de Crédito Social da China como cidadãos da China, eles provavelmente não exigirão privacidade de acordo com a lei canadense . Mesmo os funcionários que vivem no Canadá permanentemente com “status de residente permanente” enfrentam a mesma pressão para se conformar ao programa CSCS obrigatório da China, porque a China não considera os indivíduos com status de residente permanente no Canadá, a menos que renunciem à sua cidadania chinesa. “Consentimento” não é uma opção em regimes totalitários, especialmente comunistas.

 SEGURANÇA DOS TRABALHADORES E PRIVACIDADE DOS CIDADÃOS

Perguntamos ao Ministro do Trabalho da Colúmbia Britânica, Harry Bains, se ele estava ciente de que o programa de crédito social da China estava ativo em BC, e se ele tinha planos de atualizar as leis trabalhistas para proteger os funcionários – estrangeiros e domésticos – para evitar punições de funcionários estrangeiros trabalhando em BC. O Ministro não respondeu à pergunta de forma alguma, preferindo que Lisa Beare, a Ministra de Serviços ao Cidadão na Colúmbia Britânica, que é responsável por governar a legislação do PIPA, respondesse. Lisa Beare também não respondeu diretamente à pergunta, em vez disso, o Ministério forneceu uma resposta clichê para dizer que eles esperam que as organizações essencialmente adiram ao sistema de honra seguindo a legislação de privacidade atual. “A Província espera que as organizações sigam a Lei de Proteção de Informações Pessoais (PIPA) em relação ao manuseio de informações pessoais dos moradores da Colúmbia Britânica.” Não houve menção pela Sra. Beare dos planos do governo para atualizar a legislação para refletir as preocupações atuais de privacidade em torno da intrusão da China no direito dos canadenses à privacidade.

SEGURANÇA NACIONAL

Um aspecto mais insidioso do CSCS da China é que ele pode ser usado para espionar cidadãos canadenses sob o pretexto de fazer parte do programa de crédito social da China. As autoridades canadenses podem considerar que o CSCS não tem nada a ver com o Canadá e nossas leis. No entanto, o gerente do restaurante Haidilao Hot Pot afirmou claramente que havia duas razões para as câmeras de vigilância, tanto para fins de crédito social quanto de segurança do Estado. Com toda a probabilidade, as fontes de dados da próxima geração – como informações de feeds de vídeo baseados em reconhecimento facial, vigilância de telefone celular e histórico de compras de e-com – estão sendo coletadas dos canadenses enquanto comem e não seria a primeira vez que o PCC filmou canadenses dentro do Canadá.

Nos últimos dois anos, uma coleção cada vez maior de câmeras de vigilância foi adicionada ao Consulado da China de Vancouver, localizado no prestigioso distrito de Shaughnessy em Vancouver, à beira de uma estrada de alto tráfego que vai para a cidade. A câmera de vigilância foi instalada na borda da propriedade, uma das quais se lança para o espaço canadense e depois se retrai. A rua é um lugar frequente para ativistas pró-Hong Kong, uigures que protestam contra o genocídio, iranianos que protestam contra o pacto de cooperação com a China e membros do Falun Gong que protestam contra a perseguição de seus membros na China. O Canadá é um país multicultural que abriu suas portas para inúmeros refugiados que fogem da perseguição e promove a igualdade e o direito à liberdade de expressão como um valor fundamental.

As câmeras usadas pelo consulado da RPC são as mesmas que os EUA proibiram a compra e o uso de acordo com a Lei de Autorização de Defesa Nacional (NDAA) como uma ameaça à segurança cibernética.

Em 2019, Global Affairs, o departamento do governo do Canadá que gerencia as relações diplomáticas e consulares do Canadá, também não parece estar preocupado que o governo da China esteja espionando canadenses com câmeras instaladas no terreno da embaixada que lançam no espaço canadense, sugerindo ingenuamente que tratar do assunto é deixado para a República Popular da China e o sistema de “honra” de ter o dever de cumprir as leis canadenses.

“Os representantes diplomáticos e consulares têm o dever de respeitar as leis locais e existe uma expectativa semelhante quanto à forma como as missões estrangeiras operam. No Canadá, existe a expectativa de que as missões estrangeiras cumpram as leis e regulamentos federais, provinciais e municipais, incluindo aqueles que regem o uso de equipamentos de segurança física, como câmeras, cercas e luzes. ”

POR QUE TORNAR ISSO TÃO ÓBVIO?

Por que instalar mais de 60 câmeras de segurança em um restaurante se você não quer que os clientes façam perguntas? O gerente do restaurante, Ryan Pan, disse que a empresa tinha uma disciplina de segurança alimentar muito rígida. A rede sofreu um incidente público embaraçoso em um de seus restaurantes em Pequim há alguns anos, que poderia ser usado para justificar como uma reação exagerada à instalação de tantas câmeras.

Entretanto, há poucas dúvidas de que a vigilância chinesa dentro do Canadá pode ser correlacionada à necessidade do PCC de controlar completamente seus cidadãos. Ao estabelecer essa capacidade no Canadá, por meio do que se acredita ser uma empresa corporativa capitalista, os chineses são capazes de identificar a resposta do Canadá. O restaurante, neste caso, com seu grande volume “over-the-top” de câmeras de vigilância poderia na verdade ser um teste de penetração que mede a vulnerabilidade, bem como as reações da polícia canadense e exibição ao público em geral.

As respostas passivas das autoridades eleitas, da aplicação da lei e das agências de inteligência de segurança do Canadá servem apenas para encorajar as operações de influência, que têm sido historicamente o padrão pelo qual os comunistas chineses baseiam suas táticas. O potencial para uma maior exploração baseada em tecnologia dentro do Canadá certamente aumentará.

Em uma rara declaração pública feita em 9 de fevereiro de 2021, o Diretor David Vigneault do Serviço de Inteligência de Segurança do Canadá (CSIS) disse sobre a ameaça à Segurança Nacional do Canadá pelo Governo da China:

“Para ser claro, a ameaça não vem do povo chinês, mas sim do Governo comunista da China que busca uma estratégia de vantagem geopolítica em todas as frentes – econômica, técnica, política e militar – e usa todos os elementos do poder estatal para realizar atividades que são uma ameaça direta a segurança e soberania do nosso país. Devemos todos fortalecer nossas defesas”. 

(E-D) O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e o ministro da Defesa homenageiam o PLA em um jantar em Vancouver, em 2019, após a prisão de Meng dois meses antes. (Foto do vídeo) e o restaurante Haidilao em Vancouver, onde mais de 60 câmeras de vigilância estão instaladas, duas para cada mesa e nas áreas dos funcionários.

Apesar da agência de inteligência de segurança do Canadá alertar os canadenses e autoridades eleitas sobre a ameaça à segurança nacional do Canadá, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, tem desfrutado dos benefícios de um “relacionamento muito acolhedor” com a China e não é provável que implemente quaisquer mudanças significativas na lei que possam afetar esse relacionamento.

Perguntamos ao Gabinete do Primeiro Ministro (PMO) se o Primeiro Ministro Trudeau estava ciente de que o Sistema de Crédito Social Corporativo da China agora está operacional no Canadá e se ele sabia que os cidadãos canadenses estavam tendo suas informações biométricas obtidas por video vigilância e enviadas de volta para a China. Também perguntamos se ele pretendia fazer alguma coisa legislativamente para lidar com o CSCS no Canadá.

O Gabinete do Primeiro-Ministro não respondeu dentro do prazo.

Ivy Li disse isso em resposta à aparente falta de preocupação do Primeiro Ministro do Canadá com a vigilância da China de cidadãos canadenses: 

“O que é mais assustador para um canadense é que, sabendo que o ‘Sistema de Crédito Social’ do Partido Comunista Chinês é capaz de operar abertamente no Canadá, mesmo assim nossos governos em todos os níveis não têm medidas para detê-lo, para evitar que ele se reproduza em todo o país e para proteger os canadenses de serem espionados diretamente por meio de empresas privadas por um regime ditatorial que atualmente está cometendo genocídio, trabalho forçado, extração de órgãos sob demanda e aniquilamento dos direitos básicos dos cidadãos de Hong Kong. Esse regime está vindo para nós. O sistema de crédito social da CCP deveria se tornar ilegal no Canadá, e compartilhar nossas informações ao vivo com um sistema de vigilância supressiva de um regime estrangeiro comunista por uma empresa privada deveria ser uma ofensa criminal”.

A questão final e crucial é:

  • Quantas empresas no Canadá instalaram sistemas de vigilância a pedido dos comunistas chineses do PCC com o objetivo de cumprir suas obrigações com o Sistema de Crédito Social Corporativo da China ? 
  • Isso é apenas o começo ou o sistema [de vigilância] já está bem encaminhado? 
  • O Canadá está preparado para lidar com o Sistema de Crédito Social da China operando dentro do Canadá a partir de uma perspectiva de trabalho, direitos humanos, privacidade e segurança nacional ou as autoridades eleitas do Canadá irão apenas desejar que tudo acabe e apaziguar o PCC em vez de proteger seus cidadãos e seguir as melhores práticas sob a aliança de parceria 5eyes?

Scott McGregor é um especialista e consultor de inteligência. Ele é um ex-Operador de Inteligência das Forças Armadas canadenses e Conselheiro de Inteligência para Crimes Graves Federais da Divisão E da RCMP. Ina Mitchell é jornalista investigativa.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo [uma verdadeira profecia publicada em 1932]

Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984” 


Mais informação adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.