Quem é Volodymyr Zelensky?

As Contradições de um “marionete”: Volodymyr Zelensky é judeu [khazar]. Ele apoia o Batalhão Nazista Azov, os dois partidos nazistas, que cometeram inúmeras atrocidades contra a comunidade judaica na Ucrânia. Ele pertence a uma família judia de origem na Rússia. Ele foi criado como falante nativo de russo, e que até recentemente não era fluente em ucraniano. E agora o seu governo esteve envolvido em atingir a população de língua russa em toda a Ucrânia e a destruição do país.

Quem é (o “marionete”) Volodymyr Zelensky?

Fonte: Global Research

No meio da iminente invasão da Ucrânia pela Rússia no mês passado [fevereiro de 2022], enquanto o resto do mundo estava em pânico, havia um homem com nervos de aço que estava tão estoicamente calmo e indiferente como um monge meditando no meio de um terremoto. Ironicamente, o monge Zen que exortou os decisores políticos ocidentais a não exagerarem a ameaça de invasão da Rússia, para que os investidores e turistas estrangeiros não fugissem do país, não era outro senão o crédulo presidente da Ucrânia.

Ou o Presidente Zelensky foi demasiado ingênuo para compreender as consequências da invasão iminente ou não só teve um aviso prévio, mas de fato teve um papel vital na orquestração da Guerra Russo-Ucrânia durante os seus três anos de presidência, a fim de cumprir a missão ultrassecreta que lhe foi atribuída [pelos psicopatas ocidentais da OTAN/G-7] a ele por seus mentores nas agências de inteligência ocidentais para seu pais ser um instrumento para enfraquecer a Rússia.

Nascido de pais judeus numa cidade no centro da Ucrânia em Janeiro de 1978, a sua infância permanece envolta em mistério. “Ele cresceu como falante nativo de russo”, praticamente sem nenhum conhecimento de ucraniano.

Volodymyr Zelensky foi preparado e instruído por agentes secretos da CIA/MOSSAD na Ucrânia desde a sua vida estudantil, enquanto estudava Direito na Universidade Nacional Kryvyi Rih.

Em vez de seguir uma carreira jurídica, escolheu ser um ator como profissão a mando dos seus patronos influentes para ganhar publicidade a nível nacional, particularmente através da série de comédia televisiva “Servo do Povo”, na qual Zelensky “desempenhou profeticamente” o papel do presidente ucraniano.

Na verdade, a sua produtora Kvartal 95, que produz filmes, desenhos animados e programas de televisão, foi generosamente financiada por grandes recursos das agências de segurança ocidentais. Expondo comicamente a corrupção e as negociações desprezíveis do político e oligarca ucraniano tradicional, a série “Servo do Povo” foi ao ar de 2015 a 2019 e tocou as mentes e corações das massas ucranianas.

As agências de segurança ocidentais não só financiaram generosamente a sua obscura organização mediática, como também o apresentaram a uma conspiração clandestina de ilustres produtores e realizadores de Hollywood, adeptos da guerra psicológica, lavagem cerebral e das relações públicas. O sucesso mediático de “Servo do Povo” é atribuído tanto aos esforços dos funcionários do Kvartal 95 como à habilidade das organizações de comunicação social internacionais especializadas na formação de opinião global.

Aproveitando a sua onda de publicidade favorável na mídia, Zelensky venceu uma eleição presidencial esmagadora em 2019. Mais tarde, o seu partido político, que ele “coincidentemente” chamou de “Servidor do Povo”, obteve uma vitória esmagadora numa eleição legislativa antecipada realizada pouco depois da sua tomada de posse como presidente.

Desde 2019, depois de ter sido eleito presidente através de métodos questionáveis, Zelensky tem trabalhado sub-reptícia e secretamente num projeto clandestino para fomentar uma crise com a Rússia sob um pretexto frágil. Não só rejeitou desdenhosamente a proposta russa, mas também permitiu que as forças de segurança da Ucrânia realizassem exercícios militares conjuntos e exercícios navais ao lado das forças da OTAN no Mar Negro, mesmo debaixo do nariz da Rússia. Deixando de lado o seu desrespeito imprudente pelo sofrimento das massas ucranianas e a provocação suicida da Rússia para um confronto armado, ele é apenas um peão idiota e útil no grande esquema das coisas.

Apesar da sua origem judaica, ele não hesitou em colaborar com o infame Batalhão Azov da Ucrânia , oficialmente parte da Guarda Nacional da Ucrânia, que tem sido amplamente reconhecido como uma força paramilitar voluntária neonazista ligada a organizações estrangeiras de supremacia branca.

O Batalhão Azov foi inicialmente formado como um grupo de voluntários em maio de 2014 a partir da gangue ultranacionalista Patriotas da Ucrânia e do grupo neonazista Assembleia Social Nacional (SNA). Como batalhão, o grupo lutou na linha de frente contra separatistas pró-Rússia em Donbass, região oriental da Ucrânia.

Poucos meses depois de recapturar a estratégica cidade portuária de Mariupol das mãos dos separatistas apoiados pela Rússia, a unidade foi oficialmente integrada na Guarda Nacional da Ucrânia em 12 de novembro de 2014, e recebeu muitos elogios do então presidente Petro Poroshenko. “Estes são os nossos melhores guerreiros”, disse ele numa cerimônia de entrega de prêmios em 2014. “Os nossos melhores voluntários.”

A unidade era então liderada por Andriy Biletsky, que serviu como líder tanto dos Patriotas da Ucrânia (fundado em 2005) quanto do SNA (fundado em 2008). Em 2010, Biletsky disse que o propósito nacional da Ucrânia era “liderar as raças brancas do mundo numa cruzada final… contra os Untermenschen [as raças inferiores] lideradas pelos judeus”. Biletsky foi eleito para o parlamento em 2014. Ele deixou o Azov porque os funcionários eleitos não podem estar nas forças militares ou policiais. Ele permaneceu deputado até 2019.

Estas forças foram financiadas de forma privada por oligarcas – sendo o mais conhecido Igor Kolomoisky, um magnata judeu khazar bilionário da energia e então governador da região de Dnipropetrovska. Além de Azov, Kolomoisky financiou outros batalhões voluntários, como as unidades Dnipro 1 e Dnipro 2, Aidar e Donbass. O Mint Press News relatou recentemente [1]:

“A candidatura presidencial de Zelensky em 2019, que o viu ganhar 73% dos votos, foi bem-sucedida porque ele estava concorrendo para combater a corrupção e criar a paz no país, mas, como revelaram os documentos vazados conhecidos como Pandora Papers, ele próprio armazenava fundos em contas bancárias offshore. A campanha de Zelenskyy foi na altura impulsionada e financiada pelo multimilionário israelo-ucraniano Igor Kolomoisky – ele próprio acusado de roubar $ 5,5 bilhões de dólares do seu próprio banco.

“Os muçulmanos parecem ser uma questão importante para o Batalhão Azov. A islamofobia presente não só em Azov, mas também na Guarda Nacional da Ucrânia, repercutiu fortemente nas redes sociais, à medida que o site oficial da Guarda Nacional glorificava o Batalhão de Azov enquanto mergulhavam as suas balas em gordura de porco. O vídeo foi dirigido a soldados muçulmanos da Chechênia que lutam ao lado da Rússia e foram descritos como orcs pela Guarda Nacional no Twitter.”

Em junho de 2015, tanto o Canadá como os Estados Unidos anunciaram que não apoiariam nem treinariam o regimento Azov, citando as suas ligações neonazistas. No ano seguinte, porém, os EUA levantaram a proibição sob pressão do Pentágono. Em Outubro de 2019, 40 membros do Congresso dos EUA liderados pelo Representante Max Rose assinaram uma carta apelando, sem sucesso, ao Departamento de Estado dos EUA para designar Azov como uma “organização terrorista estrangeira” (FTO).

Em fevereiro de 2019, a The Nation Magazine publicou um artigo detalhado: “Os neonazistas e a extrema direita estão em marcha lado a lado na Ucrânia” [2], elaborando a ideologia política xenófoba e de supremacia branca dos grupos militantes de extrema direita da Ucrânia.

“O então presidente do Parlamento, Andriy Parubiy, foi cofundador e liderou duas organizações neonazistas: o Partido Social-Nacional da Ucrânia (mais tarde renomeado Svoboda) e o Patriota da Ucrânia, cujos membros acabariam por formar o núcleo de Azov.

“Ainda mais perturbadora é a penetração da extrema direita na aplicação da lei. Pouco depois do golpe de Maidan em 2014, os EUA equiparam e treinaram a recém-fundada Polícia Nacional, no que se pretendia ser um programa marcante de reforço da democracia ucraniana. O vice-ministro do Interior – que controla a Polícia Nacional – é Vadim Troyan, um veterano de Azov e dos Patriotas da Ucrânia.

“Em 2015, o parlamento ucraniano aprovou legislação que torna dois grupos paramilitares da Segunda Guerra Mundial – a Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN) e o Exército Insurgente Ucraniano (UPA) – heróis da Ucrânia, e tornou crime negar o seu heroísmo. A OUN colaborou com os nazistas e participou no Holocausto, enquanto a UPA massacrou milhares de judeus e 70.000-100.000 polacos por sua própria vontade.”

Não obstante, apesar de “ficar heroicamente” em Kiev e de “montar corajosamente” a ofensiva de relações públicas contra os meios de comunicação ocidentais enquanto a cidade está cercada pelas forças russas, não há risco para a segurança pessoal de Zelensky. O Washington Post relatou [3] em 5 de março:

“A possível tomada de Kiev pela Rússia provocou uma enxurrada de planejamento no Departamento de Estado, no Pentágono e noutras agências dos EUA, no caso de o governo Zelensky ter de fugir da capital ou do próprio país. “Estamos agora fazendo planos de contingência para todas as possibilidades”, incluindo um cenário em que Zelensky estabelece um governo no exílio na Polônia, disse um funcionário da administração dos EUA.

“Zelensky, que se autodenomina o alvo número 1 da Rússia, permanece em Kiev e garantiu aos seus cidadãos que não irá embora. Ele conversou com autoridades dos EUA sobre se deveria se mudar para o oeste, para uma posição mais segura na cidade de Lviv, mais perto da fronteira com a Polônia. A equipe de segurança de Zelensky tem planos prontos para realocá-lo rapidamente e aos membros de seu gabinete, disse uma autoridade ucraniana de alto escalão. ‘Até agora, ele se recusou a ir.’”

É óbvio, lendo nas entrelinhas, que a equipe de segurança de Zelensky não inclui apenas agentes do serviço de segurança interna da Ucrânia, a SBU, mas também profissionais altamente qualificados de operações especiais de várias agências de segurança ocidentais, incluindo as formidáveis ​​CIA, NSA [e o MOSSAD israelense], que o levariam através da fronteira com a Polônia assim que se tornar claro que a capital está prestes a cair nas mãos do avanço das forças russas.

Na verdade, os empreiteiros militares privados, em estreita coordenação e consulta com operadores secretos da CIA e das agências de inteligência ocidentais, não estão apenas treinando as forças recrutadas da Ucrânia na utilização de esconderijos de MANPADS e de munições anti-blindadas fornecidas pelos EUA, pela Alemanha e pelo resto da Europa.

As nações europeias não só prestam assistência militar à Ucrânia, mas também dirigem toda a estratégia de defesa da Ucrânia, participando ativamente em operações de combate em algumas das batalhas mais duras contra as forças de segurança da Rússia a norte de Kiev e em Kharkiv e Donbass.

Famoso por albergar os sites secretos da CIA onde alegados agentes da Al-Qaeda foram submetidos a afogamento e tortura antes de serem enviados para a Baía de Guantánamo nos primeiros anos da guerra contra o terrorismo, só na Polônia a presença militar dos EUA ultrapassa agora os 10.000 soldados, sendo a maioria dos 15.000 soldados enviados para a Europa no mês passado indo para a Polônia para se juntarem aos 4.000 soldados norte-americanos já estacionados no país. 

Os aeródromos e campos de treino nas regiões fronteiriças da Polônia tornaram-se um centro de transporte de armas e militantes para Lviv, no oeste da Ucrânia, que depois viajam para os campos de batalha em Kiev e no leste da Ucrânia. O relatório do Washington Post observa ainda que:

“Durante uma visita oficial, um comandante de operações especiais ucraniano disse ao deputado Michael Waltz (R-Flórida), ao deputado Seth Moulton (D-Mass.) e a outros legisladores que estavam mudando o treinamento e planejando se concentrar na manutenção de uma oposição armada, contando com táticas semelhantes às dos insurgentes.

“As autoridades ucranianas disseram aos legisladores que estavam frustrados pelo fato de os Estados Unidos não terem enviado mísseis Harpoon para atingir navios russos e mísseis Stinger para atacar aeronaves russas, disseram Moulton e Waltz em entrevistas separadas.

“Enquanto os militares russos enfrentam desafios logísticos – incluindo escassez de combustível e alimentos – Waltz prevê que os ucranianos atacarão repetidamente as linhas de abastecimento russas. Para fazer isso, eles precisam de um fornecimento constante de armas e da capacidade de instalar dispositivos explosivos improvisados, disse ele. ‘Essas linhas de abastecimento serão muito, muito vulneráveis, e é aí que você literalmente deixa o exército russo morrer de fome.’

“’Você não pode enviá-los para a Ucrânia no último minuto e esperar que algum guarda nacional pegue um Stinger e abata uma aeronave’, disse ele. A continuação de uma campanha de resistência exigirá a continuação de envios clandestinos de armas ligeiras, munições, explosivos e até mesmo equipamento para o frio. ‘Pense nos tipos de coisas que seriam usadas por sabotadores em oposição a um exército repelindo uma invasão frontal’, disse Moulton.”

Claramente, o planejamento e os preparativos estão bem encaminhados para atrair a Rússia para o “projeto armadilha de urso” da OTAN, um termo emprestado da Guerra Soviético-Afegã dos anos 80, quando as potências ocidentais usaram as forças de segurança do Paquistão e o financiamento generoso dos Estados do Golfo ricos em petróleo para fornecer treino de guerra de guerrilha e armamento letal aos jihadistas afegãos para “sangrar as forças de segurança” da antiga União Soviética na guerra prolongada.

A queda iminente de Kiev face à blitz russa é uma conclusão precipitada de que mesmo os decisores políticos ocidentais reconhecem que os militares recrutados da Ucrânia e as milícias irregulares aliadas simplesmente não são páreo para as forças de segurança profissionais da Rússia numa guerra regular.

As tumultuadas últimas três semanas desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro foram apenas o prelúdio de uma longa e sórdida saga de guerra de desgaste que se seguiu, montada por uma miríade de grupos militantes fortemente armados, alimentados pelas potências ocidentais contra adversários globais e regionais, como aconteceu no Afeganistão, no Iraque , Líbia e Síria.

Zelensky está sendo preparado e apresentado como um “salvador carismático” para liderar uma insurgência prolongada e sangrenta contra as forças de segurança russas na Ucrânia. Embora tenha uma figura arrojada ostentando uniformes militares e exortando os compatriotas a se levantarem em armas contra os “invasores russos” em discursos sentimentais, ao mesmo tempo em que incentiva os patronos da OTAN a fornecerem assistência militar e imporem sanções mais duras ao Kremlin, que ato excepcional de valor Volodymyr Zelensky se apresentou até agora? Ele já esteve na linha de fogo na linha de frente da Guerra Russo-Ucrânia?

Aproveitando a predileção inata do público crédulo [zumbis ignorantes] pela adoração de heróis, os grandes meios de comunicação social estão a projetando Zelensky como um messias a travar uma cruzada contra uma potência rival que ousou resistir à expansão da OTAN para leste, na esfera de influência tradicional da Rússia. 

A lógica de relações públicas da transmissão em direto dos seus discursos odiosos e violentos aos parlamentos da Europa e dos Estados Unidos é tanto dar publicidade a um fantoche dispensável como tentativa [inútil] de difamar e isolar internacionalmente um arqui-inimigo na cena global [a Rússia].

Nauman Sadiq é um analista geopolítico e de segurança nacional baseado em Islamabad, focado em assuntos geoestratégicos e guerra híbrida nas regiões do Afeganistão e do Oriente Médio. Os seus domínios de especialização incluem o neocolonialismo, o complexo militar-industrial e o petroimperialismo. Ele contribui regularmente com relatórios investigativos diligentemente pesquisados ​​para a Global Research.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth