Reconstruir um mundo melhor? Primeiro, precisamos aceitar que a economia já estava doente

Primeiro, precisamos aceitar que as economias do Ocidente estavam totalmente destruídas antes da chegada do Covid-19: Os bloqueios dos principais países por causa da pandemia do Covid-19 estão criando uma depressão global que provavelmente será a pior da história. Não podemos voltar ao que passou como normal; precisamos ser corajosos e tomar medidas radicais para reiniciar as economias dos principais países do mundo. Por quê? Porque sugere que essa crise aguda pela pandemia e as medidas tomadas para combatê-la são a causa de nossos atuais problemas econômicos. Na realidade, o Covid-19 infectou uma economia já cronicamente doente, em “estado terminal” e que permaneceu sem diagnóstico e sem tratamento.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Reconstruir um mundo melhor? Primeiro, precisamos aceitar que as economias do Ocidente estavam totalmente destruídas antes da chegada do Covid-19

Fonte:  https://www.rt.com/op-ed/487245-west-economies-broken-covid-19/

Tempos desesperados exigem medidas desesperadas e uma depressão global será desesperadora – e é por isso que precisamos de um debate aberto e honesto sobre o problema, antes de corrermos para soluções aparentes que seriam piores do que a cura.

Não há dúvida de que o impacto econômico da crise do Covid-19 será imenso. As previsões do segundo trimestre sugerem que estamos experimentando a queda mais profunda e rápida da atividade econômica desde que os governos começaram a calcular o PIB de seu país trimestralmente. Um tsunami econômico está prestes a atingir uma série de ondas enormes à nossa frente.

Mas usar a metáfora de um desastre natural devastador de ondas em série de um tsunami para descrever o preço que a pandemia terá sobre a economia global é perigoso. Por quê? Porque sugere que essa crise aguda de saúde e as medidas tomadas para combatê-la são a causa de nossos atuais problemas econômicos. Na realidade, o Covid-19 infectou uma economia já cronicamente doente, em “estado terminal” e que permaneceu sem diagnóstico e sem tratamento.

Este é um ponto que precisa ser enfatizado repetidamente. A depressão iminente não é apenas por causa do Covid-19. Isso confunde um sintoma com uma causa subjacente. O crescimento global e, especialmente, o crescimento das economias avançadas já eram sombrios antes do Covid-19. E eles têm sido sombrios há anos. As previsões econômicas para este ano já eram bastante pessimistas antes que a maioria das pessoas soubesse da palavra coronavírus.

Sim, a crise do Covid-19 resultou em ações governamentais sem precedentes. No Reino Unido, o Tesouro espera agora emprestar mais £$ 150 bilhões de libras (US$ 186 bilhões), o equivalente a um projeto e meio de infraestrutura, como o projeto ferroviário HS2, em quatro meses. Isso é mais do que o país já tomou emprestado e mais do que em tempos de guerra. E dado que o retorno à normalidade pré-Covid-19 permanece incerto, isso pode ser apenas o começo.

É por isso que recentemente se falou em impor um imposto único sobre a riqueza. A ideia é que todos – famílias e empresas, ricas e pobres – paguem uma quantia equivalente a uma parcela de seus ativos líquidos. Isso reverteria os regimes tributários em todo o mundo, que tributam a renda obtida pelo trabalho muito mais do que a tributação da riqueza dos muito ricos.

Ed Conway, editor de economia da Sky News, escrevendo no Times, calcula aproximadamente que uma taxa única de 10% sobre toda a riqueza líquida das famílias no Reino Unido geraria mais de £$ 1 trilhão de libras (US$ 1,24 trilhão) em receitas. Isso seria suficiente para pagar todos os custos do Covid-19. Forneceria recursos para o NHS por gerações e reduziria a dívida nacional dos níveis de guerra para algo mais parecido com a normalidade.

Isso pode parecer atraente e justificado em nome de uma recessão “Covid-19”, e pode lhe dar aceitação. Mas seria desastroso por duas razões.

Primeiro, seria dinamite política. Tributar ativos comprados com renda já tributada seria injusto ao extremo. E depois de anos de austeridade em que milhões sofreram dificuldades econômicas, isso exacerbaria as divisões da sociedade, e não as cimentaria. A ideia de que estamos juntos nisso simplesmente destacaria a desigualdade e a divisão, não um objetivo comum. Nenhum governo na história fez isso por esse mesmo motivo.

Mas a segunda razão é ainda mais importante: simplesmente adiaria ter de lidar com a doença crônica do desempenho econômico esclerosado e atrasar as decisões difíceis que os governos terão que tomar para superar as consequências da crise do lockdown pelo Covid-19.

Como, por exemplo, algo como um imposto sobre a riqueza lidaria com o fato de a Itália suportar seu 17º declínio mensal consecutivo na atividade industrial em fevereiro de 2020? Mesmo que as regulamentações fiscais da UE permitissem essa abordagem, os desafios econômicos mais persistentes da Itália decorrentes do investimento inadequado das empresas e as restrições à adesão à zona do euro não seriam resolvidas.

O endividamento crônico e a produtividade em declínio no mundo desenvolvido indicam que há uma necessidade fundamental de reiniciar a produção, investir em novas tecnologias e permitir que as empresas zumbis e as estagnadas, que atualmente sobrevivem apenas com subsídios e apoio estatais, desapareçam, com a incopetência de quem as dirige.

Isso requer coragem política e a necessidade de convencer o público das dificuldades de curto prazo que isso acarreta. Mas reenergizar a produção é a única maneira de gerar riqueza a longo prazo, que pode elevar os padrões de vida e financiar serviços públicos no futuro. Atualmente, não há um governo no mundo que esteja engajando o público nessa conversa.

Se um imposto único sobre a riqueza foi introduzido, mas usado para iniciar o investimento produtivo, e não para pagar a dívida existente para manter economias e negócios estagnados, pode haver um motivo para isso. Mas isso requer algo que nenhum governo está disposto a fazer – envolver seus eleitores em uma conversa adulta [porque teriam que ser honestos] sobre os problemas que estamos enfrentando e as decisões difíceis que teremos que tomar para lidar com isso.

O exemplo de Rishi Sunak, o chanceler britânico do tesouro, demonstra claramente o problema. Durante um recente briefing diário de Downing Street, ele reconheceu os ‘tempos difíceis’ marcados pelo Escritório de Responsabilidade Orçamentária, mas mentiu, presumivelmente para oferecer algum conforto, afirmando que o Reino Unido “entrou nessa crise com uma economia fundamentalmente sólida. ” Ele garantiu a todos que a economia “se recuperará”.

Os alunos do ensino médio que sabem ler e escrever sabem que a economia do Reino Unido, como quase todas as economias desenvolvidas, está longe de ser “sólida”. O bloqueio do Covid-19 certamente colocou novos encargos para um paciente já doente. Mas nos iludirmos de que paliativos como um imposto sobre a riqueza possam oferecer luz no fim do túnel ou que simplesmente voltaremos à normalidade estagnada antes do Covid-19 podem apenas enfraquecer nossa capacidade de enfrentar as ondas sucessivas que surgirão do tsunami econômico que sucederá o Covid-19 vindo em nossa direção. .

As declarações, visões e opiniões expressas nesta coluna são exclusivamente do autor e não representam necessariamente as do RT. – Acha que seus amigos estariam interessados? Compartilhe esta história!


Além do coronavírus, as mudanças climáticas que o planeta esta enfrentando são inevitáveis, causarão grandes mudanças e tem como causa FATORES EXTERNOS, algo que muitos cientistas já descobriram. Saiba mais em:


“E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como o dragãoE exerce todo o poder da primeira besta na sua presença, e faz que a Terra e os que nela habitam adorem a primeira besta, cuja chaga mortal fora curada. E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à Terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na Terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na Terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia. E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta. 

E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas, Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento, calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis”.  –  Apocalipse 13:11-18


 Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.310 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth