browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Registros do núcleo de gelo da Antártica resolvem Teorias de Mudança dos Polos da Terra (4)

Posted by on 14/10/2021

Um documento da CIA desclassificado chamado “The Adam and Eve Story” gerou muita controvérsia sobre as previsões de um deslocamento de pólos (também conhecido como deslocamento da crosta/litosfera) e consequentes eventos catastróficos que varrem o planeta em um futuro não muito distante. O documento de 57 páginas é baseado em um livro de autoria de Chan Thomas, em 1963

Registros do núcleo de gelo da Antártica resolvem as Teorias de Mudança dos Polos da Terra

Fonte: https://www.exopolitics.org/

Para a Parte 1, clique AQUI.  Para a parte 2, clique AQUI. Para a parte 3, clique AQUI

Nele, Thomas propôs um cenário de mudança de polos que diferia de maneiras significativas com o que Charles Hapgood havia proposto anteriormente em seu livro pioneiro de 1958 sobre o assunto, Earth’s Shifting Crust: A Key To Some Basic Problems Of Earth Science, prefaciado por ninguém menos que Albert Einstein.

A teoria de Hapgood, endossada na época por Albert Einstein, propunha que os polos geofísicos se movessem periódica e ciclicamente até 40 graus por meio de deslocamentos da crosta terrestre (litosfera). Este fenômeno seria provocado pelo peso crescente das calotas polares que acumulam mais e mais gelo ao longo dos milênios até que eventualmente gerem força centrífuga suficiente devido à rotação do planeta, para fazer a crosta se mover sobre o manto como Einstein explicou no prefácio do livro.

Em The Adam and Eve Story, Chan propôs que o deslocamento dos pólos fosse muito maior, tanto quanto 90 graus, com os pólos se deslocando para a zona equatorial tão subitamente como em menos de um dia. Chan propôs que os pólos fossem invertidos para que a Antártida acabasse retornando à região do polo sul, e o Ártico faria o mesmo em relação ao polo norte.

Cada vez que os pólos geográficos fizessem uma dessas curvas de 90 graus, haveria ventos catastróficos e ondas gigantescas varrendo todo o planeta, especialmente na região equatorial onde o giro da Terra seria da velocidade de 1.000 milhas / por hora {1.609 km}. A água e o vento continuariam a se mover na direção oeste através da lei da inércia, varrendo as massas de terra invadindo todos os continentes que percorreram a região equatorial durante essa mudança de polos, como Thomas explicou:

“Em ¼ a ½ dia, os pólos se movem quase até o equador, e todo o inferno se solta {unlish hell}. A atmosfera e os oceanos não mudam com a casca – eles continuam girando do oeste para o leste – e no equador essa velocidade é de 1000 milhas {1.609 km} por hora. Uma rotação por dia da Terra normalmente tem que ocorrer. Assim, enquanto a crosta se desloca com os pólos indo em direção ao equador, os ventos e as águas de todo os oceanos vão para o leste, soprando através da face da Terra com velocidades supersônicas, inundando continentes com água milhares de quilômetros terra à dentro”.

“Você pode ver, então, que as eras glaciais não são uma questão de avanço e recuo da cobertura do gelo; É simplesmente que diferentes áreas da Terra estão em regiões polares em momentos diferentes, por diferentes durações de tempo, com as mudanças entre as posições norte e sul ocorrendo tão rápido quanto numa fração de tempo de um dia”. [ A História de Adão e Eva , pp.13-14]

O vídeo a seguir ilustra o que acontece durante uma dessas mudanças de 90 graus dos polos magnéticos e o que Thomas estava propondo para o que está por acontecer em futuro não muito distante. Pode-se ver facilmente quão devastadora pode ser uma mudança de 90 graus na inclinação norte/sul do eixo axial do planeta e por que a CIA pode ter sido motivada a suprimir tal informação.

De acordo com Ben Davidson, autor da série popular Catástrofe da Terra, este movimento de vaivém iria abordar estudos paleomagnéticos que mostram que os pólos magnéticos estão nos seus locais atuais há milhões de anos. Davidson concluiu que isso tornava a teoria do deslocamento dos pólos de Thomas muito mais convincente que a de Charles Hapgood. Na verdade, Davidson acreditava que Hapgood estava colocando sua teoria como um “ponto de encontro limitado” pela CIA, a fim de colocar a verdade de uma forma que mais tarde poderia ser facilmente desacreditada.

Infelizmente para Davidson, amostras do núcleo de gelo da Antártida claramente apoiam a teoria de Hapgood e não a de Thomas. As amostras do núcleo de gelo da Antártida Oriental datam de 1,5 milhão de anos. O diagrama a seguir ilustra amostras de núcleos de gelo tiradas de diferentes regiões da Antártida e mostram quanto tempo atrás as camadas da cobertura de gelo datam.

https://www.exopolitics.org/cosmic-rays-as-triggers-for-solar-flashes-earth-core-eruptions-pole-shifts/Figura 1. Locais de perfuração do núcleo antártico com profundidade e duração de registro. Do projeto US ITASE Project .

Os resultados dos locais de perfuração do núcleo de gelo mostram que a Antártida Oriental esteve coberta por gelo por centenas de milhares de anos, com o Lago Vostok tendo algumas das capas de gelos mais antigas descobertas (220.000 anos). Amostras de núcleo de gelo mais antigas do que as registradas no mapa acima foram mais tarde encontradas tanto no Lago Vostok (400.000 anos), quanto na área do Domo C (800.000 anos), como mostrado nos registros da NOAA .

Um estudo subseqüente de 2013 afirmou que as amostras de núcleo de gelo de até 1,5 milhão de anos são mais prováveis ​​de serem encontradas na área Domo C da Antártida Oriental. Simplificando, os cientistas concordam que a Antártida Oriental foi coberta por mantas de gelo por pelo menos 1,5 milhão de anos, e provavelmente muito antes do que isso.

Em contraste, as amostras do núcleo de gelo na Antártida Ocidental têm apenas alguns séculos de idade, com apenas uma até agora correspondendo à idade de muitos dos locais da Antártida Oriental. Este local encontra-se na área de perfuração designada Boyd, cujo gelo foi encontrado com cerca de 70.000 anos de idade, como ilustra o mapa acima.

Os registros do núcleo de gelo mostram conclusivamente que grande parte do continente antártico esta localizado na zona polar (latitudes superiores a 66 graus) por pelo menos 1,5 milhão de anos, e não na zona equatorial (O-23 graus de latitude) como proposto por Thomas.  A teoria de Hapgood oferece uma explicação melhor para o fato de apenas parte da Antártida ficar sem gelo por períodos significativos. Mas como explicamos a amostra de gelo mais recente de 70 mil anos encontrada na região de Byrd, na Antártida Ocidental?

Para encontrar uma resposta definitiva para onde os pólos geográficos estiveram localizados e, em seguida, se mudaram através de deslocamentos da crosta para novas posições, preservando alguns, mas não todo o gelo acumulado antes do deslocamento, podemos recorrer ao trabalho de Rand e Rose Flem-Ath, autores de When the Sky Fell {Quando o céu caiu}Mais informações neste link: As Digitais dos deuses – O Martelo e o Pêndulo

Em seu livro bem documentado, eles usaram uma série de registros arqueológicos e fósseis para mostrar onde foram encontradas mantas de gelo nos últimos 100 mil anos, e como essas posições mudaram devido aos deslocamentos da crosta planetária, como proposto inicialmente por Hapgood. Até o momento, não encontrei outros autores apresentando um caso tão convincente para usar dados científicos disponíveis para rastrear as posições respectivas dos pólos norte e sul geográficos durante os últimos 100.000 anos.

Suas descobertas fornecem uma explicação clara para as diferentes idades encontradas nas amostras do núcleo de gelo extraídas de diferentes regiões da Antártida; e por que a teoria de Charles Hapgood, em vez da de Thomas, fornece uma explicação mais precisa de como funciona a teoria do deslocamento da crosta {litosfera} e a mudança brusca dos polos da Terra.

Primeiro, começo com a ilustração de Flem-Aths das posições dos pólos norte e sul antes de 91.600 a.C. Ele mostra como a maior parte da Antártida Oriental estava dentro do círculo antártico, enquanto a Antártida Ocidental ficava na zona temperada – semelhante à atual localização da Nova Zelândia. Note que o Pólo Sul estava localizado na costa leste da Antártica, enquanto o Pólo Norte ficava no Alasca.

É importante ressaltar que a área Domo C contendo algumas das amostras de núcleo de gelo mais antigas encontradas até o momento estava localizada dentro do círculo antártico, preservando assim grande parte das antigas mantas de gelo existentes nos últimos 1,5 milhão de anos ou mais.

Figura 2. p. 83 de Rand e Rose Flem-Ath, When the Sky Fell

O próximo diagrama mostra o continente antártico em relação ao Pólo Sul depois que um deslocamento da crosta da Terra levou a um deslocamento do pólo em torno de 91.600 a.C. Conseqüentemente, durante o período de 91.600 a.C a 50.600 a.C, grande parte da região inferior da Antártida Ocidental, junto com as montanhas Transantárticas, ficava no círculo antártico, enquanto a península de Palmer e áreas significativas da Antártica Oriental ficavam dentro da zona temperada.

Mais uma vez, o pólo sul físico estava localizado sobre o oceano, em vez de no interior do continente antártico – desta vez na costa da Antártica Ocidental – adjacente ao mar de Ross. O pólo geofísico havia se deslocado cerca de 40 graus da costa da Antártida Oriental até a costa oeste da Antártida durante o deslocamento de 91.600 a.C. Isso está muito próximo do que Hapgood propôs de que foi o deslocamento da crosta que ocorreria durante um deslocamento de polos. Significativamente, é muito menos do que a mudança de polo de 90 graus reivindicada por Thomas.

É importante ressaltar que a área do Dome C permaneceu inteiramente dentro do círculo antártico, preservando assim sua antiga camada de gelo. Além disso, a área de Byrd onde a amostra de gelo de 70.000 anos de idade foi encontrada, foi movida de sua localização anterior na zona temperada antes do deslocamento de 91.600 a.C, para dentro do círculo antártico. Isso permitiu que o acúmulo de gelo começasse, contabilizando assim sua idade estimada.

Figura 2. p. 83 de Rand e Rose Flem-Ath, When the Sky Fell

A próxima mudança de pólos ocorreu por volta de 50.600 a.C, e uma ilustração fornecida pelo Flem-Aths mostra a localização aproximada dos pólos de 50.600 a.C a 9.600 a.C. Por volta de 50.600 a.C, o Pólo Sul voltou para o outro lado do continente antártico, onde mais uma vez ficava perto da costa da Antártida Oriental. 

Uma mudança de pólo de aproximadamente 30 graus ocorreu, o que é novamente consistente com a estimativa de Hapgood para os deslocamentos ciclicos da crosta {litisfera} que a Terra sofre. É importante enfatizar que o deslocamento de 50.600 a.C foi bem menor do que a mudança de 90 graus prevista na teoria de Thomas.

A maior parte da Antártida Oriental ficou novamente localizada dentro do círculo antártico, preservando suas antigas camadas de gelo e permitindo que se expandissem. A região de Byrd, contendo a amostra do núcleo de gelo de 70.000 anos, agora estava localizada fora do Círculo Antártico. Sua posição marginal está marginalmente dentro da zona temperada, o que permitiria à região de Byrd preservar a maior parte de suas camadas de gelo, semelhantes às geleiras do sul da Nova Zelândia.

Figura 4. p. 85 de Rand e Rose Flem-Ath, When the Sky Fell

O período de 50.600 a.C. a 9.600 a.C. é significativo, pois corresponde à última vez que grandes porções do continente antártico ficam fora do círculo polar. A maior parte da Antártica Ocidental ficava na zona temperada, e sua área costeira teria, portanto, sido livre de gelo. Significativamente, o litoral e o interior da Antártica Ocidental teriam sido navegáveis, assim como o mapa de 1513 de Piri Reis demonstra.

No diagrama a seguir, o mapa de Piri Reis (de 1513) é sobreposto a um mapa do globo, mostrando como o litoral antártico desde a ponta da península de Palmer, até o flanco leste até a Antártida Oriental, era conhecido pelos antigos capitães de mar, ASSIM COMO TODA A COSTA LESTE DA AMÉRICA DO SUL ATÉ A ANTÁRTIDA.

Também vital para entender é que esse período, 50.600 a.C. a 9.600 a.C., corresponde à civilização atlante sobre a qual Platão escreveu em seus famosos diálogos, Timeu e Critias. Platão explicou o extenso sistema de ilhas e cursos de água do continente de Atlântida em seu interior, e como Atlântida era o centro de um poderoso império que dominava grande parte da África, Europa e Ásia.

Isso finalmente nos leva à mudança de pólo de 9.600 a.C. que levou a todo o continente antártico, a ser movido para dentro do círculo antártico. A magnitude do deslocamento da crosta terrestre que move o Pólo Sul de sua localização anterior, na costa leste da Antártica, até seu local atual era de aproximadamente 20 graus. Mais uma vez, significativamente menos do que Thomas estava propondo em sua teoria de deslocamento crustal.

Os Flem-Aths afirmam que a Atlântida estava localizada na Antártida e que os remanescentes desta lendária civilização perdida hoje estão sob os lençóis de gelo da Antártida Ocidental. Isso é consistente com o que vários insiders e informantes têm revelado sobre a descoberta de uma antiga civilização congelada sob os lençóis de gelo do continente Antártico.

Se os Flem-Aths {When the Sky Fell} e outros estão certos de que a Atlântida de Platão está enterrada sob o gelo da Antártida, isso nos dá um meio de estimar a devastação que seria causada por um deslocamento da crosta de aproximadamente 20 graus. Seria suficiente acabar com as regiões costeiras de todo o mundo, como os arquipélagos baixos como a Atlântida, mas permitir que aqueles que vivem em regiões elevadas ou montanhosas sobrevivam aos tsunamis, terremotos e furacões subsequentes que acompanham o deslocamento dos pólos.

Quando amostras de núcleos de gelo são examinadas em relação ao que sabemos sobre as teorias de deslocamento da crosta terrestre propostas por Hapgood e Thomas, elas levam a uma conclusão clara. O exame de amostras de núcleos de gelo de diferentes partes da Antártida sustentam a teoria de Hapgood de que os deslocamentos da crosta terrestre ocorrem periodicamente e envolvem deslocamentos de pólo de até 40 graus.

https://maps.ngdc.noaa.gov/viewers/historical_declination/Esta animação mostra o movimento feito pelo pólo magnético norte em intervalos de 10 anos de 1970 a 2020. As linhas vermelhas e azuis indicam “declinação”, a diferença entre o norte magnético e o norte verdadeiro, dependendo de onde está estacionado; Na linha verde, uma bússola indicaria o norte verdadeiro. Visual by NOAA National Centers for Environmental Information

O livro de Flem-Aths, When the Sky Fell , nos dá um meio de rastrear as mudanças de polos mais significativas nos últimos 100.000 mil anos e ilustra como elas ocorreram de uma maneira que é consistente com o que as amostras do núcleo de gelo antártico nos dizem.

A teoria de Thomas de que a Terra experimenta regularmente mudanças de pólos de 90 graus que invertem os pólos das regiões equatoriais não é suportada pelos registros do gelo antártico. Embora seja reconfortante saber que é improvável que a Terra experimente algo como a cataclísmica mudança de pólo de 90 graus prevista por Thomas, é preocupante saber que mesmo uma mudança de pólo de 20 graus devastou a civilização mundial de Atlântida há cerca de 11.600 anos atrás {nota de Thoth: Foi em 10.986 a.C., em evento conhecido como o Dilúvio do Noé bíblico}

A probabilidade de que em breve passemos por uma nova mudança de polos devido a outro deslocamento da crosta-Litosfera causado pela atividade solar, pelos raios cósmicos, pelo colapso do campo magnético da Terra, atividade do núcleo da Terra e / ou um rápido derretimento do gelo da Antártica Ocidental {ou tudo isso somado}, parece ser bastante alto, como sugeri em artigos anteriores, examinando a série de catástrofes terrestres de Davidson.

Isso DEVERIA exigir um nível sem precedentes de transparência {algo impossível} por parte dos governos no compartilhamento de dados sobre a história da Antártida {e do planeta}, o que se sabe sobre as mudanças  anteriores dos polos norte e sul, da mudanças no campo magnético associado a esse evento, a divulgação de tecnologias reprimidas que permitiriam que a humanidade se preparasse e escapasse de eventos cataclísmicos iminentes.

© Michael E. Salla, Ph.D.


“E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e fosse semelhantemente a noite”.  Apocalipse 8:12

“E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo”.   Apocalipse 16:8


“Precisamos do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio . . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.