Rumo à III Guerra: Ataque de Bandeira falsa no Horizonte? O Estranho Caso do Radar Nuclear russo destruído

Se aceitarmos a verdade fundamental de que a Ucrânia nada mais é do que um campo de batalha por procuração entre [a Besta do G-7/OTAN/Khazares] o “Ocidente” e a Rússia, então poderemos dizer que a Terceira Guerra Mundial já começou. Até agora, os detentores do poder contentaram-se em manter a situação limitada principalmente à Ucrânia, mas um acontecimento recente sugere que as coisas estão prestes a mudar. Há algo muito estranho acontecendo na frente nuclear entre a OTAN e a Rússia e acredito que talvez seja hora de considerar a possibilidade de que uma ameaça de bandeira falsa esteja em andamento.

Fonte: Alt-Market.us – De autoria de Brandon Smith

Nas últimas duas semanas, a Ucrânia “recebeu o crédito” por pelo menos dois ataques separados contra alvos muito peculiares – estações de radar russas “além do horizonte” usando drones com um impressionante alcance de voo de pelo menos 1.200 milhas [1.920 km]. 

Até este ponto, os ataques de longo alcance em território russo têm sido extremamente raros. Então, por que essas estações de radar específicas foram atacadas ?

As estações Voronezh-DM foram posicionadas fora da cidade de Orsk e na região de Krasnodar (Armavir); longe das linhas de frente na Ucrânia. Os ataques estão sendo saudados como o ataque mais profundo que a Ucrânia atingiu no coração da Rússia, mas as PRE$$TITUTA$ dos meios de comunicação social corporativos do ocidente ignoraram as implicações mais amplas da situação.

É provável que os drones utilizados fossem de origem norte-americana ou europeia. A OTAN impôs (até aos últimos dias) “restrições rigorosas” sobre a forma como as suas armas podem ser utilizadas pela Ucrânia. Drones de longo alcance e mísseis de cruzeiro que atingem alvos nas profundezas da Rússia são um convite a um grande retrocesso, incluindo a ameaça de uma resposta nuclear pela Rússia.

Dito isto, não são tanto as armas utilizadas que preocupam, mas sim os alvos específicos que a Ucrânia supostamente escolheu.

Os sistemas de radar além do horizonte da Rússia têm um alcance de detecção de pelo menos 6.000 milhas [9.654 km] (o alcance real é classificado) e fazem varredura especificamente em busca de mísseis balísticos de alta altitude. Eles não são projetados para detectar mísseis de cruzeiro de médio alcance (ATACMS) e drones. Ou seja, as duas estações destruídas pelos drones “ucranianos” destinam-se a funcionar como um sistema de alerta precoce para ataques nucleares.

Os ucranianos supostamente desafiaram as restrições da OTAN, não uma, mas duas vezes, para atingir sistemas de radar que nada têm a ver com eles. Na verdade, as matrizes de radar ficam em posições permanentemente fixas e nenhuma das matrizes estava realmente apontada para a Ucrânia, mas sim para o Norte e Sudoeste da Rússia.

O radar Armavir foi construído em 2009 para colmatar uma lacuna criada pela perda de radares na Ucrânia e também pretendia substituir um antigo radar Daryal em Gabala. Curiosamente, os “fãs de pesquisa” de Armavir e Orsk observam os céus principalmente acima do Oriente Médio, incluindo Israel, e uma grande parte da Europa, incluindo a Suíça.

A Ucrânia em vez de atacar recursos estratégicos vitais, como refinarias de petróleo ou depósitos de munições, as defesas nucleares da Rússia estão sendo sistematicamente prejudicadas. Por que?

É importante compreender que um ataque deste tipo no centro da Rússia requer planejamento e logística complexos. Isto não pode ser alcançado sem informações secretas no terreno, bem como com a ajuda da vigilância por satélite.

A Ucrânia depende totalmente dos satélites e da informação da OTAN/EUA; nenhum ataque deste tipo seria possível sem o envolvimento de ambos. Além disso, os drones utilizados precisariam ter a capacidade de escapar dos sistemas de detecção precoce e permanecer escondidos por milhares de quilômetros. Este tipo de tecnologia vem principalmente do Ocidente.

Por outras palavras, não é possível que estes ataques tenham sido realizados pela Ucrânia sem ampla ajuda e aprovação do comando dos EUA ou da Europa [a Besta do G-7/OTAN/Khazares]. Questionamos a noção de que um piloto ucraniano estivesse pilotando os drones, mesmo que remotamente. Estamos falando de algumas das estações de radar mais bem defendidas em toda a Rússia.

Por que isso importa?

Vamos considerar as realidades horríveis…

  • Primeiro, o ataque às defesas nucleares russas pode fazer com que o Kremlin acredite que está sendo preparado para um ataque nuclear. Por que outro motivo seu radar balístico seria atacado? Isso significa que eles estarão em alerta máximo para uma possível troca nuclear. Isso não é bom.
  • Em segundo lugar, as estações Voronezh-DM são usadas para identificar alertas FALSO POSITIVOS de ataque nuclear. Ou seja, se for usada uma arma contra a Rússia que imite um míssil balístico de alta altitude, sua capacidade de detectar que NÃO é uma bomba nuclear será reduzida. Os russos podem lançar as suas próprias ogivas em resposta a um ataque não nuclear (respondendo a um ataque falso ou uma bandeira falsa).
  • Terceiro, Armavir e outras estações poderiam ser usadas para registrar a atividade de mísseis balísticos bem fora do espaço aéreo russo (em locais como o Oriente Médio). É possível que estes ataques tenham como objetivo cegar a Rússia e impedi-la de detectar eventos de mísseis que não estejam relacionados com a guerra na Ucrânia.
  • Quarto, é possível que a OTAN e a Ucrânia acreditem que o desmantelamento do radar envia uma mensagem de que se a Rússia ameaçar um ataque nuclear, poderão ser atingidos primeiro. Tudo isto significa que a Rússia não dará um aviso, simplesmente lançará um ataque.
  • Quinto, o ataque ao radar de Armavir por si só cumpre as condições que o governo russo estabeleceu publicamente em 2020 para ações que poderiam desencadear um ataque nuclear de retaliação. A rede de alerta precoce da Rússia faz parte da postura mais ampla de dissuasão nuclear do país.

“As condições que especificam a possibilidade de uso de armas nucleares pela Federação Russa” incluem qualquer “ataque por um adversário contra locais governamentais ou militares críticos da Federação Russa, cuja interrupção prejudicaria as ações de resposta das forças nucleares”, de acordo com os Princípios Básicos de Política Estatal da Federação Russa sobre Dissuasão Nuclear publicada pelo Kremlin em 2020 .

Até agora não houve nenhuma indicação sobre como a Rússia irá retaliar, mas vamos considerar as circunstâncias na frente neste momento. As defesas ucranianas são escassas e carecem da mão-de-obra necessária para manter os pontos fortes mais rudimentares do front. Como observamos no mês passado, a linha da frente da Ucrânia está prestes a ser invadida e quebrada, provavelmente neste verão [com início em junho no hemisfério norte], com a Rússia iniciando um novo ataque ofensivo no norte, perto de Kharkiv.

Os países da OTAN dizem agora que apoiam o uso de armas de longo alcance pela Ucrânia dentro da Rússia. Isto significa que as principais áreas metropolitanas da Ucrânia estarão em cima da mesa para os ataques de longo alcance da Rússia, uma medida que os russos têm evitado na maior parte. Fique atento também ao uso potencial de bombas termobáricas (bombas de vácuo) pela Rússia; estas são armas massivamente destrutivas que até agora estiveram ausentes do campo de batalha (além de relatórios não verificados).

O Ocidente [a Besta do G-7/OTAN/Khazares] está enviando à Rússia a mensagem de que não permitirá que a Ucrânia perca o seu conflito por procuração, que não irá buscar por soluções diplomáticas e que se a Rússia começar a ganhar terreno significativo, vale tudo. Isso inclui armas nucleares? É difícil prever.

A suspeita é que o “establishment” queira criar um cenário em que a Rússia seja levada a reagir de forma exagerada a um evento, ou, o público seja levado a acreditar que a Rússia é uma ameaça nuclear legítima para o Ocidente. Existe também a possibilidade externa de a Rússia estar sendo impedida de monitorizar um futuro incidente balístico no Oriente Médio Oriente.

O momento dos ataques ao radares da Rússia ocorre apenas algumas semanas antes da planejada “conferência de paz” da Ucrânia, na Suíça, em 15 de Junho. Embora os principais líderes dos EUA, da China e da Europa não estejam presentes (e a Rússia não seja convidada), a reunião ainda é um alvo interessante para um “ataque de bandeira falsa” e, portanto, para a unificação dos interesses ocidentais em torno de uma guerra maior com a Rússia. Não estamos declarando que a conferência em si será necessariamente atacada, mas um grande ataque durante a conferência poderia ser usado para vender a ideia de uma intervenção total da OTAN no conflito da Ucrânia com a Rússia.

Se o objetivo é expandir a guerra, então qualquer aparente hostilidade dirigida à conferência também poderia ser usada como desculpa para reunir o apoio popular para uma escalada. O fato de tantos líderes mundiais, incluindo Biden, se recusarem a comparecer torna tudo ainda mais duvidoso.

Duvido muito que o establishment queira desencadear uma guerra nuclear global. Eles têm tudo a perder e muito pouco a ganhar. Acabaram de passar a maior parte do século passado construindo uma das mais complexas redes de controle econômico e político da história da humanidade. Não creio que eles ficariam felizes em ver tudo vaporizado num piscar de olhos. Dito isto, um evento nuclear limitado poderia servir bem os seus interesses.

Enquanto escrevemos isto, vários governos, incluindo e especialmente o governo francês, apelam ao envio de tropas europeias para a Ucrânia. Alguns líderes políticos querem que os militares europeus sejam “conselheiros” e formadores. Isto é exactamente o que os EUA fizeram pouco antes de enviarem extensas forças militares para o Vietname. Lembra-se do incidente de bandeira falsa no Golfo de Tonkin?

Algo muito estranho está acontecendo aqui. Não temos dúvidas de que a Terceira Guerra Mundial é o resultado pretendido do confronto entre o ocidente [a Besta do G-7/OTAN/Khazares] e a Rússia na Ucrânia. A questão é: como planejam conseguir esse resultado e ao mesmo tempo convencer o público americano e europeu a juntar-se ao esforço de guerra? Eles precisam de um desculpa séria do tipo um “ataque de bandeira falsa” para culpar a Rússia.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth