browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Sociedades ‘Secretas’ e o Engano [das trevas] de Ahriman, por Rudolf Steiner

Posted by on 29/06/2021

Muitos acreditam que há uma “guerra oculta” ou “espiritual” ocorrendo entre as forças da “Luz” e os servidores das “trevas”, ou entre os servidores do “bem” e os do “mal”, e que essa “guerra” se manifesta no nosso plano material, através das religiões, politica, cultural, espiritual e economicamente, ou seja em todos os aspectos da vida em nossa sociedade. A definição de ‘bem e mal’, ou ‘Luz e trevas’, metafisicamente pode – de uma perspectiva esotérica – ser considerada como uma dicotomia entre aqueles que buscam um caminho espiritual mais elevado para a humanidade e aqueles que buscam acorrentar a alma do homem/mulher à ilusão da matéria. 


“O indivíduo é [TÃO] deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Sociedades ‘Secretas’ e o Engano de Ahriman [das trevas]

Pelo Dr. Kerry Bolton – Fonte:  New Dawn Magazine

Muitas vezes é surpreendentemente difícil discernir as afiliações nesta ‘batalha’, com a multidão de Ordens, Escolas e personalidades ocultas. Freqüentemente, usam terminologias e símbolos semelhantes ou até idênticos, e baseiam-se nas mesmas tradições e origens. Em tal situação, as pessoas bem-intencionadas são “facilmente enganadas” a apoiar objetivos de longo prazo que não compreendem.

Guerra Oculta: Os Adeptos da Magia ‘Negra’ e da Magia ‘Branca’ [Trevas X Luz]

A definição de ‘bem e mal’, ou ‘Luz e trevas’, metafisicamente pode – de uma perspectiva esotérica – ser considerada como uma dicotomia entre aqueles que buscam um caminho espiritual mais elevado para a humanidade e aqueles que buscam acorrentar o homem à matéria. Essa dicotomia é bem retratada nas representações padrão do trunfo “O Diabo” nos Arcanos Maiores do Tarô.[1]  Paul Foster Case, fundador dos Builders of the Adytum, deu uma explicação particularmente adequada:

Em seus significados mais gerais, significa Mamon e, portanto, grandes negócios, as convenções da sociedade, a injustiça e a crueldade de uma ordem social em que o dinheiro toma o lugar de Deus, em que a humanidade é bestializada, em que a guerra é engendrada pela ganância disfarçada como patriotismo, em que o medo é dominante. Os estudantes de astrologia não terão dificuldade em ver como isso corresponde a Capricórnio, o signo dos grandes negócios e o signo mundial da fama.[2]

Vê-se nesta carta um homem e uma mulher começando a assumir a aparência de feras – com chifres e caudas – acorrentados a um bloco sólido, representando a matéria, com o Diabo entronizado. Como Case afirma, é um símbolo do [atual] reinado de Mammon, que é introduzido por doutrinas materialistas como o capitalismo, marxismo, movimentos como transgênero, transhumanismo, et caterva, mantendo a humanidade focada em atividades inferiores e animalescas sob o disfarce de ‘liberalismo’, ‘progresso’ e ‘liberdade’.

Ocultistas como René Guenon, Aleister Crowley e Julius Evola[3] têm procurado identificar as Escolas em conflito como Irmandades ‘Brancas’ e ‘Negras’, ou como os Caminhos da Mão ‘Direita’ e o da Mão ‘Esquerda’.

Dada a confusão que existe – porque indivíduos e correntes ocultas que são diametralmente opostas freqüentemente afirmam representar as mesmas tradições – a injunção bíblica ‘pelos seus frutos os conhecereis’ é a melhor fórmula para identificar os motivos e a quem servem, embora isso também seja frequentemente obscuro e dissimulado.

Por exemplo, o notório ocultista inglês Aleister Crowley, cujas travessuras “malignas” tocaram nos tablóides ingleses, poderia facilmente ser considerado um “Adepto Negro”. Embora Crowley afirmou ao trabalho na tradição de, entre outros, e por razões pouco claras, do Adepto Adam Weishaupt do século XVIII e sua sociedade ‘secreta’ Illuminati cripto-maçônica, Crowley procurou expor a guerra espiritual que estava ocorrendo entre os Adeptos ‘Brancos’ e ‘Negros’,[4] enquanto sua doutrina de Thelema é antitética à doutrina dos Illuminati.[5] Além disso, embora fosse um maçom, como Eliphas Levi,[6] René Guenon[7]  condenou os Adeptos Negros que subverteram e redirecionaram a Maçonaria.[8]

Steiner e a Decepção Ahrimanica

Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da Antroposofia, cuja influência foi muito além dos círculos ‘ocultos’ por sua proeminência na educação alternativa, arquitetura e agricultura orgânica, foi uma dessas personalidades seminais que acreditavam na existência de tal ‘ guerra oculta ‘. Novamente, como com Crowley, as dificuldades são encontradas devido às próprias afiliações de Steiner com a Maçonaria.[9] No entanto, Steiner, como Guenon, Evola, Levi e Crowley, buscou francamente expor uma corrente das Trevas em ação nas sociedades secretas, e em particular na Maçonaria, cuja influência estava sendo dirigida politicamente no mundo.

Em uma palestra de 1919 proferida em Zurique, intitulada ‘The Ahrimanic Deception’, Steiner afirmou que, “uma grande parte da humanidade hoje já está sob o controle, de um lado ou de outro, das forças Ahrimanicas [das trevas] de natureza cósmica que estão se tornando cada vez mais fortes. ”Steiner teve uma percepção incomum do que ele chamou de “Impulso Luciférico”, que ele afirmou ter se manifestado na Terra em torno do ano 3000 a.C. O impulso luciférico preparou o caminho para o “impulso de Cristo” na cosmologia de Steiner. Ambos os ‘impulsos’ começaram a desaparecer e a humanidade tornou-se cada vez mais materialista. Steiner afirmou que esta Decepção Ahrimanica emana de um ser real:

O impulso arimânico procede de um Ser supersensível diferente do Ser de Cristo ou de Lúcifer … A influência desse Ser torna-se especialmente poderosa na Quinta Época Pós-Atlântida. Se olharmos para as condições confusas dos últimos anos, descobriremos que os homens/mulheres foram levados a tais condições caóticas principalmente por meio dos poderes Ahrimanicos.[10]

Enquanto o impulso luciférico empurrou a humanidade para o que Nietzsche poderia ter chamado de paixão dionisíaca que dá origem às artes e traz a humanidade para fora de si mesma, embora, de acordo com Steiner, com uma “falsa espiritualidade”, “Ahriman é o poder que seca o homem, prosaico, filisteu – que o petrifica e o leva à superstição do materialismo.[11] Ahriman parece se igualar à percepção cristã do Anticristo. O impulso de Cristo equilibra os dois polos, no que, em alguns aspectos, parece semelhante a uma dialética hegeliana.

E a verdadeira natureza e ser do homem/mulher é essencialmente o esforço para manter o equilíbrio entre os poderes de Lúcifer/Ahriman; o impulso de Cristo ajuda a apresentar a humanidade a estabelecer esse equilíbrio…. A influência ahrimânica está em ação desde meados do século XV e aumentará em força até que uma encarnação real de Ahriman ocorra entre a humanidade ocidental.[12]

Preparando o caminho para [a chegada de] Ahriman/Lúcifer [o anti Cristo]

A relevância deste conceito de Decepção Ahrimanica em relação a uma ‘guerra oculta’ pelo domínio mundial, é que:

Ora, é característico dessas coisas que sejam preparadas com muita antecedência. Os poderes ahrimânicos preparam a evolução da humanidade de tal forma que ela pode se tornar uma presa de Ahriman quando ele aparecer em forma humana dentro da civilização ocidental … Ahriman aparecerá em forma humana e a única questão é, como ele encontrará a humanidade preparada. Será que seus preparativos garantiram para ele como seguidores toda a humanidade que hoje se diz civilizada, ou ele encontrará uma humanidade que pode oferecer resistência.[13]

A maneira pela qual a humanidade olha para o cosmos sob a Decepção Ahrimanica não é com o espanto espiritual e sentido de lugar das civilizações passadas, incluindo, poderíamos acrescentar, aquelas do homem gótico no ciclo da juventude da Civilização Ocidental, como o filósofo- o historiador Oswald Spengler apontou,[14] mas apenas como parte de um processo mecânico e matemático. Steiner disse sobre isso:

Hoje o homem olha de sua terra para o mundo das estrelas e para ele está cheio de estrelas fixas, sóis, planetas, cometas e assim por diante. Mas com que meios ele examina tudo o que olha para ele do espaço cósmico? Ele o examina com a matemática, com a ciência da mecânica. O que está ao redor da terra é roubado de espírito, de alma e até de vida. É um grande mecanismo, na verdade, apenas para ser compreendido com a ajuda de leis matemáticas e mecanicistas. …[15]

Podemos afirmar sobre essa decepção ahrimânica que ela motiva o racionalismo e o materialismo, as ideologias dominantes do Ocidente tardio.[16] Steiner advertiu que a Decepção Ahrimanica visa imbuir o Homem/Mulher de “superstição científica”, uma “ilusão externa”, que embora necessário (estava longe da intenção de Steiner repudiar as ciências) fez o que podemos identificar como Racionalismo e Materialismo em dogma.

O segundo método da Decepção Ahrimanica é dividir a sociedade em facções rivais [Divide et Impera]. Steiner identificou habilmente o marxismo, um produto do cientificismo, como o método principal do engano de Ahriman.

Desde os tempos da Reforma e da Renascença, o economista emergiu como o novo sacerdote no mundo cada vez mais materialista, enquanto Steiner também apontou que a religião cristã também havia sido dessacralizada.

Desde então, o economista [o dinheiro] está no comando. Os governantes são, na verdade, apenas os trabalhadores manuais [marionetes], os trapaceiros dos economistas. Não se deve imaginar que os governantes dos tempos modernos são qualquer coisa, exceto serem marionetes dos economistas e de seus “empregadores” [o sistema bancário internacional].[17]

Em seguida, Steiner alude a um assunto muito importante, o poder que os banqueiros assumiram:

No século XIX, o homem “econômico” é substituído pela primeira vez pelo homem que pensa em termos bancários, e no século XIX é criada pela primeira vez a organização das finanças que sufoca todas as outras relações. Deve-se apenas ser capaz de olhar para essas coisas e acompanhá-las de forma empírica e prática.[18]

Esta declaração fornece a chave para a história do ‘mundo moderno’ nas últimas centenas de anos, e a agência humana que pressiona por um estado mundial – uma ‘Nova Ordem Mundial’ – acorrentada ao peso morto da matéria.[19] O poder das “cabalas”, os bancos internacionais, movimentos como transhumanismo, transgênero, et caterva, apenas prepara o caminho para a criação de uma Nova Ordem Mundial Asrimânica e das trevas ao reorientar o espírito do Homem:

Se os homens/mulheres não percebem que o estado de direito e o organismo do Espírito devem ser contrapostos à ordem econômica convocada pelos economistas e os bancos, então, novamente, por meio dessa falta de consciência, Ahriman encontrará um instrumento importante para preparar sua encarnação.[20] [E controlar o planeta de forma definitiva]

O Papel das sociedades secretas e seus membros

A ‘Decepção Ahrimanic’ equivale ao que Guenon e Evola se referiram como a ‘Contra-Tradição’. As sociedades secretas que usa por trás da fachada da Tradição Perene são a ‘Anti-Tradição’. Steiner deu uma palestra sobre o papel dessas sociedades secretas nessa guerra oculta entre a Luz e as trevas.

Ao se referir tanto às “obras humanitárias” quanto à evolução espiritual que supostamente está na base da Maçonaria,[21] Steiner, como Levi, Crowley, Evola e Guenon, também falou sobre a maneira como a ‘Decepção Ahrimanica’ opera por meio da Maçonaria. Steiner foi ainda mais longe do que os “teóricos da conspiração” antimaçônicos, como Nesta H Webster[22] e o eminente estudioso escocês, Prof. John Robison,[23] ele próprio um Maçom da Grande Loja, ambos os quais aceitaram a inocência de intriga da Maçonaria inglesa.

Steiner, no entanto, fez questão de discutir as origens da Maçonaria Continental nas Lojas inglesas. Apesar de seu repúdio à Maçonaria ‘irregular’ do Grande Oriente que predomina na Europa Continental e na América Latina, a Maçonaria da Grande Loja inglesa, afirmou Steiner, também estava envolvida em uma luta pelo poder mundial. Ele disse que o governo britânico foi subvertido pelas sociedades secretas e que, em particular, as relações exteriores foram assumidas por “um comitê interno”.[24] Steiner, ao traçar as origens da Maçonaria do Grande Oriente até a Grande Loja, escreveu que:

Mas em todos os lugares de uma maneira diferente, em muitos lugares fora do real reino britânico, a Maçonaria busca exclusivamente ou principalmente interesses políticos [e o poder].  Esses interesses políticos no sentido mais palpável são perseguidos pelo ‘Grande Oriente da França’, mas também por outros ‘Grandes Orientes’. Pode-se dizer agora: o que isso tem a ver com os ingleses? … Mas veja isso em conjunto com o fato de que a primeira Loja de Alto Grau em Paris foi fundada na Inglaterra, não na França! Não foi fundado por franceses, mas britânicos; eles apenas teceram os franceses em sua Loja …[25]

 

Depois de listar as Lojas que foram fundadas sob o impulso da Grande Loja inglesa, da Espanha à Rússia, Steiner acrescenta que, “essas Lojas foram fundadas como instrumentos externos para certos impulsos políticos ocultos”. Esses impulsos incluíam a “fúria dos jacobinos”[26] (que lançaram um Reinado de Terror sobre a França em nome de ‘Liberdade, Igualdade, Fraternidade’); os Illuminati de Weishaupt e o Carbonari italiano. Embora Steiner admita que eles começaram sem uma intenção “maligna” (o que eu contestaria), eles “continuaram seu trabalho subterrâneo em muitas formas diferentes”, depois de serem levados para a clandestinidade. Steiner alude à falta de sinceridade da Maçonaria da Grande Loja em ser capaz de dizer:

‘vejam em nossas lojas, eles são muito respeitáveis ​​- e não estamos preocupados com os outros’. Mas se alguém pode ver através da conexão histórica e das forças motrizes em uma interação de oposição mútua, então é de fato a alta política britânica que está oculta por trás disso.[27]

Sobre as sociedades “ocultistas-políticas”, Steiner observou que elas servem a um objetivo materialista por trás da fachada da espiritualidade: o que Guenon e Evola chamaram de “Anti-Tradição” e Levi chamou de “profanação” do conhecimento. Essas “várias Ordens” “não são espirituais, por causa de seus propósitos e objetivos”. Eles são as sociedades secretas que trabalham em nome da “democracia” e de uma “república universal” (como fizeram os jacobinos e os Illuminati). Steiner avisou:

Se alguém quer, como pessoa dos tempos modernos, ver com clareza para encontrar o mundo abertamente e compreendê-lo, então não se deve deixar cegar pela lógica democrática, que se justifica apenas em sua própria esfera, ou por frases relativas ao progresso democrático etc. Seria preciso também apontar para a interposição de algo que se revela na tentativa de dar governo a poucos através dos meios disponíveis dentro das Lojas – a saber, o ritual e seu efeito sugestivo.[28]

Embora existam lojas místicas genuínas (ed) – mesmo Guenon buscou iniciação nelas, assim como Steiner – ambos apontaram que se deve estar ciente dessas Ordens com “adereços místicos” e reivindicações de pedigree/ritual antigo como uma máscara para outros motivos e fins, como eles são “frequentemente nebulosos, talvez até fraudulentos”“ Pois a obtenção do poder é de especial importância para os membros dessas sociedades secretas, não o insight, a evolução espiritual”[29].


Notas de rodapé:

1. Por exemplo, o popular ‘Baralho de Tarô Rider-Waite’.

2. Caso Paul Foster, Oráculo do Tarô: Um Curso sobre Adivinhação do Tarô , Capítulo 6, ‘Os Trunfos Maiores: 15. Le Diable’, tarotinstitute.com/free/Oracle2.pdf .

3. Julius Evola, Men Between the Ruins , Inner Traditions, 2002, 250-251.

4. Aleister Crowley, Magick Without Tears, Falcon Press, 1983, 66.

5. KR Bolton, ‘Aleister Crowley as Political Theorist’, Crowley: Thoughts & Perspectives Vol. II , Troy Southgate, editor, Black Front Press, 2011, 5-27; Keith Preston, ‘The Whole of The Law: The Political Dimensions of Crowley’s Thought, ibid., 68-84.

6. Eliphas Levi, The History of Magic , traduzido por AE Waite, 1913, Rider, 1982, 310. Levi, ao condenar a “profanidade” da Maçonaria e seu envolvimento na subversão política, incluindo a Revolução Francesa, o fazia como um iniciado do 18º Grau Rosacruz. Isso é indicado em uma nota de rodapé em sua História da Magia, onde ele afirma: “Tendo atingido por nossos próprios esforços um grau de conhecimento que impõe silêncio, consideramo-nos comprometidos por nossas convicções ainda mais do que por um juramento. … e de forma alguma deixaremos de merecer a coroa principesca da Rosa Cruz … ” (286). Levi aqui afirma que ele permaneceu fiel ao que considerava a genuína Tradição da Maçonaria, enquanto condenava o que via como a perversão da Maçonaria pela Contra-Tradição. Sua referência ao juramento maçônico anexado à ‘Rosa Cruz’ indica que ele havia alcançado até o 18º de Cavaleiro do Pelicano e Águia e Príncipe Soberano Rose Croix de Heredom.

7. Robin Waterfield, René Guenon & the Future of The West, Sophia Perennis, 2002, 21.

8. René Guenon, The Reign of Quantity and the Signs of the Times , Nova York, Sophia Perennis, 2001, 260-261.

9. ‘Was Rudolf Steiner a Freemason?’, Www.fourhares.com/freemasonry/Steiner_and_masonry.html

10. Rudolf Steiner, ‘The Ahrimanic Deception’, Zurique, 27 de outubro de 1919, wn.rsarchive.org/Lectures/AhrDec_index.html

11. Ibid.

12. Ibid.

13. Ibid.

14. Oswald Spengler, O declínio do Ocidente , George Allen & Unwin, 1971. Spengler, escrevendo no início dos anos do século XX, sustentou que a história é não linear progressiva, mas que cada civilização é auto-suficiente e passa pelos seus próprios ciclos orgânicos análogos de nascimento, juventude, maturidade, velhice e morte. Durante as últimas épocas de uma civilização, a cultura torna-se petrificada e materialista e o pensamento monetário e a licenciosidade domina. Este é o ciclo FINAL da civilização ocidental atual. Em termos gerais, as teorias histórico-cíclicas de Steiner e Spengler podem ser usadas em conjunto.

15. Rudolf Steiner, ‘The Ahrimanic Deception’, op. cit.

16. Vide, Spengler, op. cit.

17. Ibid.

18. Ibid.

19. Para as agendas políticas dos banqueiros internacionais, incluindo as sua fortes conexões com o marxismo, consulte: KR Bolton, Revolution from Above, Arktos Media Ltd, 2011.

20. Rudolf Steiner, ‘The Ahrimanic Deception’, op. cit.

21. Rudolf Steiner, ‘O Trabalho das Sociedades Secretas no Mundo’, Berlim, 23 de dezembro de 1904, wn.rsarchive.org/Lectures/19041223p02.html

22. Nesta H Webster, Secret Societies & Subversive Movements, Britons Publishing Co., 1964, Capítulo 6, ‘The Grand Lodge Era’, 128-129.

23. John Robison, 1798, Proofs of a Conspiracy, Western Islands, 1967, ‘Introdução’, 6.

24. Rudolf Steiner, ‘The Karma of Untruthfulness’, ‘Rudolf Steiner Archive, GA 173’, 18 de dezembro de 1916, www.rsarchive.org/Lectures/GA/index.php?ga=GA0173

25. Rudolf Steiner, ‘Karma of Untruthfulness, Part II’, GA 174, 8 de janeiro de 1917, www.rsarchive.org/GA/index.php?ga=GA0174

26 Ibid.

27. Ibid.

28. Ibid.

29. Rudolf Steiner, ‘The History & Actuality of Imperialism’, Dornach, Suíça, 21 de fevereiro de 1920.


Nosso trabalho no Blog é anônimo e não visa lucro, no entanto temos despesas fixas para mantê-lo funcionando e assim continuar a disseminar informação alternativa de fontes confiáveis. Desde modo solicitamos a colaboração mais efetiva de nossos leitores que possam contribuir com doação de qualquer valor ao mesmo tempo que agradecemos a todos que já contribuíram, pois sua ajuda mantem o blog ativo. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal AGENCIA: 1803 – CONTA: 00001756-6 – TIPO: 013 [poupança] e pelo PIX 211.365.990-53 (Caixa).


“A sabedoria (Sophia) clama lá fora; pelas ruas levanta a sua voz. Nas esquinas movimentadas ela brada; nas entradas das portas e nas cidades profere as suas palavras:  Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento? Atentai para a minha repreensão; pois eis que vos derramarei abundantemente do meu espírito e vos farei saber as minhas palavras [o conhecimento]. – Provérbios 1:20-23


Mais informações, leitura adicional:

One Response to Sociedades ‘Secretas’ e o Engano [das trevas] de Ahriman, por Rudolf Steiner

  1. jedu

    Os seres que compõem a Humanidade devem se perguntar: o que vim fazer neste planeta? apenas nascer, crescer, trabalhar, “curtir” e continuar a espécie? afinal para que servimos como pessoa e Alma em evolução, como indivíduos?
    Quanto maior o rebanho, mais lucro para os produtores.

Deixe um comentário para jedu Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.