Taylor Swift e Operação PsyOp do Pentágono para alavancar votos para Joe Biden

Operação psicológica [PsyOp]:  uma operação militar geralmente destinada a influenciar o estado de espírito do inimigo [ou dos zumbis] através de meios não combativos (como uma singela distribuição de panfletos). Mesmo que você não seja fã da estrela pop Taylor Swift, é quase impossível que você não tenha visto inúmeras imagens dela espalhadas pelas revistas de fofocas, mídias sociais e nas telas de televisão nos últimos meses.

Taylor Swift e Operação PsyOp para alavancar votos para Joe Biden

Fontes: Zero HedgeRússia Today

Como relatou ZeroHedge , “a contagem de histórias na mídia corporativa sobre Swift explodiu exponencialmente, com média acima de 1.000 por dia desde o final de setembro”. Uma pequena maioria dos adultos norte-americanos (53%) se identificaram como fãs de Swift, de acordo com uma pesquisa recente da Morning Consult, enquanto 16% se identificaram como fãs “ávidos” da cantora de “Anti-Hero”.

A sensação da música recentemente maximizou sua personalidade ao se juntar a Travis Kelce, um tight end do time de futebol americano Kansas City Chiefs. E por “capricho do destino”, você não saberia que os Chiefs estão a caminho do Super Bowl, a final esportiva mais famosa e de maior audiência dos EUA? Hoje em dia, os locutores de futebol passam quase tanto tempo cobrindo as travessuras malucas de Swift nas arquibancadas torcendo por seu homem quanto cobrindo a ação acontecendo em campo.

Mas muitas pessoas da direita e conservadores pensam que há algo demasiado artificial, demasiado encenado, demasiado polido e perfeito nesta história de amor americana, como se algum poderoso mestre de marionetes estivesse a manipular a saga feita para a televisão a partir dos cordões manipulados por cima das cenas visíveis. Na verdade, ninguém menos que o ex-candidato presidencial republicano Vivek Ramaswamy sugeriu que o relacionamento de Swift e Kelce abriu caminho para alguma publicidade gratuita para o Partido Democrata e [“Dementia” Joe] Biden.

“Eu me pergunto quem vai ganhar o Super Bowl no próximo mês. E eu me pergunto se há um grande endosso presidencial vindo de um casal artificialmente apoiado culturalmente neste outono. Apenas algumas especulações malucas aqui, vamos ver como envelhece nos próximos 8 meses.”, escreveu Ramaswamy no X (antigo Twitter).

Bem-vindos à Matrix em todo o seu esplendor.  O atual ciclo de notícias dá a impressão de que Taylor Swift está em toda parte. De acordo com dados da agência Bloomberg, as manchetes das pre$$tituta$ da mídia corporativa apresentando “Taylor Swift” começaram a aumentar no primeiro semestre de 2023 e atingiram novos recordes no final do ano.

A cantora, atriz e compositora, que fez uma carreira inteira reclamando por ter escolhido os homens errados, esta sendo atualmente apresentada pelas pre$$tituta$ da mídia tradicional como finalmente encontrando o “seu par perfeito”: o jogador de futebom americano Travis Kelce, do Kansas City Chiefs. 

Patrimônio líquido de Taylor Swift em abril de 2023, antes de começar a namorar Travis Kelce: US$ 570 milhões Patrimônio líquido de Taylor Swift em janeiro de 2024, depois que ela começou a namorar Travis Kelce: US$ 1,1 bilhão Tudo está começando a fazer sentido agora…

O relacionamento não passa no teste de detecção de um polígrafo detector de mentiras, dadas as terríveis escolhas de Taylor com os seus homens. 

Vamos começar com Michael Benz, um ex-funcionário administrativo do Departamento de Estado de Trump, cujo trabalho foi citado em audiências no Congresso, postou no X um vídeo de 2019 apresentando o braço de pesquisa de operações psicológicas do Pentágono que apresentou a ideia de transformar Taylor em um recurso para combater a “desinformação”.

Veja o momento incrível em que um representante da empresa de investigação de operações psicológicas do Pentágono apresentou ao centro de operações psicológicas militares da OTAN a ideia de transformar Taylor Swift num trunfo para a aliança militar ocidental acabar com a “desinformação” na Internet”.

E não, não estamos sozinhos ao levantar esta suspeita. Jesse Watters, da Fox News, também perguntou: “Por que Taylor Swift está em toda parte?” 

Talvez não seja por acaso que a contagem de histórias sobre Taylor Swift na mídia corporativa tenha explodido exponencialmente, com uma média acima de 1.000 por dia desde o final de setembro. 

A ascensão de Taylor ocorre num momento em que a mídia corporativa tradicional está aterrorizada com a ascensão da mídia alternativa, para quem vem perdendo mercado de forma assustadora, ao ponto de a editora chefe do Wall Street Journal, Emma Tucker, alertar as elites do WEF em Davos este mês : Não somos mais os donos das notícias”. 

De volta ao relacionamento de Taylor com Kelce. Considere isto: 

A veterana do UFC Paige VanZant diz que a história de amor de Taylor Swift – Travis Kelce é ‘100% falsa’

“A veterana do UFC Paige VanZant diz que a história de amor de Taylor Swift – Travis Kelce é ‘100% falsa’. Eu acho que a ‘história de amor’ de Taylor Swift/Travis Kelce, eu acredito que é 100% falsa… Eu realmente acredito que é publicidade para Taylor Swift é enorme e agora ela está recebendo um grupo demográfico totalmente diferente que vai assistir a final da NFL… Ele lançou nesta temporada o comercial da vacina. Há tantas coisas estratégicas acontecendo” …

Resta saber se Taylor se tornou um trunfo da OTAN. Com certeza os democratas parecem estar salivando por ela antes das eleições presidenciais para transformar os ‘Swifits’ em eleitores azuis [democratas] a votar em Biden. Ao que tudo indica, ela está prestes a fazer outra má escolha em relação a homens. 

Em 2019, Swift atacou George Soros e o “privilégio masculino tóxico” na indústria musical, alegando que o bilionário havia comprado todo o seu catálogo/acervo de músicas por meio de travessuras secretas. Da mesma forma que Soros investe em procuradores distritais liberais nos estados azuis dos EUA, parece que o poderoso financista também tem uma queda por “divas” pop. 

“Depois que me foi negada a chance de comprar minha música imediatamente, todo o meu catálogo foi vendido para a Ithaca Holdings de Scooter Braun em um negócio que me disseram que foi financiado pela família Soros, 23 Capital e Carlyle Group”, revelou Swift no Prêmio Billboard Mulher da Década.

A 23 Capital é uma empresa financeira apoiada pela Soros Fund Management, enquanto em 1993 Soros investiu 100 milhões de dólares no Carlyle Group, a empresa obscura que recebeu contratos bilionários para reconstruir a infra-estrutura iraquiana [o que vai ser replicado, em breve na Ucrânia] que o Pentágono destruiu durante a invasão de 2003.

Em relação ao catálogo musical de Taylor Swift, ela supostamente o recuperou depois de regravar todo o trabalho. Houve alguma negociação para que Swift reconquistasse seu trabalho, como talvez promover o Partido Democrata e, mais especificamente, (“Dementia” Joe) Biden? Ninguém sabe e/ou pode dizer com certeza, mas os teóricos da conspiração suspeitam que Swift também possa estar conectada a outra entidade poderosa.

Poucas pessoas esperariam encontrar os nomes Pentágono e Taylor Swift na mesma frase, mas foi o que aconteceu numa conferência de 2019 realizada pelo OTAN CCD COE (oficialmente Centro Cooperativo de Excelência em Defesa Cibernética da OTAN), localizado em Tallinn, Estônia. No final das contas, a unidade psicológica do Pentágono usou Swift como exemplo para confrontar a “desinformação” online.

“O método mais comum é trabalhar com e através de pessoas famosas” disse Alicia Marie Bargar, do Laboratório de Física Aplicada John Hopkins. Eu incluo Taylor Swift aqui porque ela é uma pessoa bastante influente on-line… Esta é uma imagem recortada, mas ela está ao lado de uma placa de ‘Vote’. E, na verdade, as celebridades, pelo menos nos EUA, publicam regularmente fotografias suas, incentivando as pessoas a votar, e isso tem um efeito mensurável na participação eleitoral.”

Em agosto de 2019, poucos meses antes de Swift denunciar publicamente Soros, que detinha a chave de ouro de sua fortuna musical, o Pentágono considerava Swift um excelente exemplo de como influenciar a opinião popular da massa de zumbis em direção a uma ideia ou agenda específica, e não apenas aquelas relacionados com assuntos militares.

Afinal de contas, com os pronunciamentos impetuosos de Trump sobre cortar ou mesmo acabar com a OTAN, caso ele voltasse a residir na Casa Branca, não há certamente um pequeno incentivo por parte de pessoas poderosas para garantir que Biden seja reeleito. E é aqui que uma pessoa incrivelmente famosa e influente como Swift e seu namorado estrela do futebol entram em cena.

Muitos comentaristas são da opinião de que o romance entre Swift e Kelce (que, aliás, apareceu em um anúncio promocional de vacina da Pfizer), é uma história fake de amor cuidadosamente planejada e projetada para influenciar um ou mais eventos. Naturalmente, é impossível fornecer provas de tais coisas. Para os teóricos da conspiração, no entanto, o fato de o Pentágono e George Soros serem mencionados juntamente com a estrela pop é suficiente para confirmar as suas suspeitas mais sombrias.

Mas vamos voltar aqui. Pelo que se sabe, o relacionamento de Swift com Soros terminou quando ela recuperou a propriedade de sua coleção de músicas, enquanto a equipe de operações psicológicas da OTAN apenas mencionou a diva como um exemplo de alguém que se enquadra no perfil de um potencial “agente provocador” à serviço do establishment. O que sabemos é que o senil presidente dos EUA, (“Dementia” Joe) Biden, aparentemente está buscando o endosso de Swift antes das eleições de novembro. E não é difícil entender o porquê.

No ano passado, uma única postagem de Swift nas redes sociais levou ao registro de 35.000 novos eleitores nos EUA, relata o New York Times, e os democratas estão certamente ansiosos para transformar seus estimados 280 milhões de seguidores no Instagram em armas votantes, à medida que a popularidade de Biden continua a despencar.

É claro que essas conexões aparentemente condenatórias poderiam ser nada mais do que “mera coincidência e acaso”, sonhos febris dos teóricos da conspiração. A realidade potencialmente dolorosa é que a repentina ascensão de Taylor Swift nas paradas de popularidade e diariamente nas manchetes das pre$$tituta$ da mídia, ao lado de seu namorado, se deve a um romance “completamente natural”. Quanto a Biden e aos meios de comunicação social de tendência democrata, eles ficam muito felizes em explorar os pombinhos para seu próprio ganho político, tal como os republicanos fariam se a situação se invertesse.

Talvez a pior coisa que poderia acontecer a Trump e ao movimento MAGA nesta fase é Swift aparecer em um comercial do Super Bowl (que muitas vezes é mais assistível do que o jogo em si) ou no show do intervalo, onde ela canta com os fogos de artifício e a exibição de luzes, possivelmente com Kelce ao seu lado, ou até mesmo o velho Joe Biden [se estiver acordado], “Saia e vote Biden!” 

Contanto que não haja uma humilhante resposta do público “Vamos, Brandon!” cada vez mais desencantado com o governo de Joe, poderá ser a inesperada bala de prata que afundará de uma vez por todas as ambições presidenciais de Trump.


SEJA UM ASSINANTE DO BLOG: Para os leitores do Blog que ainda não são assinantes e desejam acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que façam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@thoth3126_blog

Siga o canal “Blog Thoth3126” no WhatsApp: https://www.whatsapp.com/channel/0029VaF1s8E9Gv7YevnqRB3X


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.328 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth