browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Telefonia 5G: O ataque final [da rede Skynet]

Posted by on 26/09/2020

Em novembro de 2018, a Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos (FCC) autorizou a empresa de foguetes SpaceX, de propriedade do empresário Elon Musk, a lançar uma frota de 7.518 satélites para completar o ambicioso esquema da SpaceX de fornecer serviços globais de banda larga 5G via satélite para todos canto da Terra.   Os satélites operarão a uma altitude de aproximadamente 210 milhas [338 km] e irradiarão a Terra com frequências extremamente altas entre 37,5 GHz e 42 GHz. Essa frota será adicionada a uma frota menor da SpaceX de 4.425 satélites, já autorizada no início do ano passado pela FCC, que orbitará a Terra a uma altura de aproximadamente 750 milhas [1.207 km] e está configurada para nos banhar em frequências eletromagnéticas entre 12 GHz e 30 GHz. O total geral de satélites SpaceX está, portanto, projetado para atingir pouco menos de 12.000 satélites em orbita da Terra. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Telefonia 5G: O ataque final [da rede Skynet]

Fonte:  New Dawn Magazine

Já existem atualmente cerca de 2.000 satélites em pleno funcionamento orbitando a Terra. Alguns enviam GPS comercial (ou ‘SatNav’, sistema de navegação por satélite), alguns fornecem sinais de transmissão de TV, alguns fornecem serviços de telefonia móvel e alguns direcionam o radar para frente e para trás para produzir imagens para meteorologistas e vigilância de radares militares. 

A Terra, portanto, já foi totalmente irradiada desde o espaço sideral. Mas as novas frotas da SpaceX constituirão um aumento maciço no número de satélites nos céus acima de nós, e um aumento correspondentemente maciço na radiação que chega à Terra emitida a partir deles. A frota de satélites SpaceX é, no entanto, apenas uma das várias que serão lançadas nos próximos anos, todas servindo ao mesmo propósito de fornecer serviços globais de banda larga. Outras empresas, incluindo a gigante do Complexo Industrial Militar Boeing, a One Web e Spire Global estão cada uma lançando suas próprias frotas menores,

 

Figura 1: Visão conceitual do plano da SpaceX para milhares de satélites, irradiando todo o planeta com EHFs para enviar 5G para todos os lugares, mesmo em desertos remotos e florestas tropicais.

Por que essa onda repentina de atividade? As novas frotas de satélites estão contribuindo para um esforço global combinado para ‘atualizar’ o ambiente eletromagnético da Terra. A atualização é comumente referida como rede sem fio de telefonia 5G ou de quinta geração. Tornou-se costume nos círculos de tecnologia falar sobre a introdução do 5G como envolvendo a criação de um novo “ecossistema eletrônico” global. 

É uma geoengenharia planetária em uma escala nunca antes tentada. Enquanto isso está sendo vendido ao público como um “aprimoramento” da qualidade do streaming de vídeo para mídia e entretenimento, o que realmente está impulsionando é a criação das condições dentro das quais a inteligência eletrônica ou “artificial” [IA] será capaz de assumir uma dimensão e presença cada vez maior em nossas vidas diariamente. 

A introdução do 5G também exigirá centenas de milhares de novas antenas de minifonia móvel (também chamadas de “microcélulas” ou “estações base”) em centros urbanos em toda a Austrália e, literalmente, milhões de novas antenas nas demais cidades no resto do mundo, todos emitindo radiação em frequências e níveis de potência muito mais elevados do que aqueles aos quais estamos atualmente sujeitos. Esses novos mastros são muito menores do que os que vemos atualmente ao lado de rodovias e no topo de edifícios. 

Eles serão discretamente fixados nas laterais das lojas e escritórios ou presos a postes de distribuição de energia elétrica. Os 20.000 satélites são um complemento necessário a este esforço terrestre, pois vão garantir que as zonas rurais, lagos, montanhas, planícies, florestas, oceanos e zonas selvagens, onde não existam edifícios nem postes de luz, todos serão incorporados à nova infraestrutura eletrônica. Nem uma polegada do globo estará livre de radiação.

Dada a escala do projeto, é surpreendente como poucas pessoas estão cientes da enormidade do que agora está apenas começando a se desenrolar ao nosso redor e acima de nossas cabeças. Muito poucas pessoas ouviram falar dos 20.000 novos satélites que irão transformar o planeta no chamado “planeta inteligente”, irradiando-nos noite e dia. Na mídia nacional, não ouvimos vozes questionando a sabedoria, muito menos a ética, de geoengenharia de um novo ambiente eletromagnético global. 

Figura 2: As cores indicam a Taxa de Absorção Específica (SAR) da radiação do telefone móvel. O SAR é a quantidade de energia absorvida pelo tecido, medida em watts por quilograma, mostrada aqui com o vermelho como o valor mais alto e o azul o mais baixo.2

Em vez disso, há uma aceitação alegre e bovina de que a tecnologia deve continuar a progredir, e a presença em nossas vidas de máquinas e dispositivos cada vez mais “inteligentes” que a cada ano se tornam mais inteligentes e capazes é uma parte inevitável desse [pseudo] progresso. E quem não quer progresso? Quase todo mundo ama os seus telefones, iPads e assistentes virtuais elegantes e com um design sedutor, e os considera uma parte “indispensável” de suas vidas [pelo menos a imensa maioria de zumbis]. 

A pergunta que devemos fazer é se também queremos uma exposição cada vez mais intensa do ambiente natural e de todas as criaturas vivas, incluindo nós mesmos, a humanidade, a cada vez mais radiação eletromagnética. É mesmo provável que isso não acarrete quaisquer consequências adversas à nossa saúde, ao meio ambiente natural, às abelhas, aos animais, como afirmam o governo e a indústria? Se as ondas eletromagnéticas que conectam nossos smartphones à Internet viajam e passam através de tijolos, pedras e cimento, então o que acontece quando essas mesmas ondas encontram e atravessam nossos corpos? 

Tenha certeza de que elas não ricocheteiam em nós! Eles viajam direto para o corpo humano. O grau em que são absorvidos pode ser medido com precisão no que é chamado de Taxa de Absorção Específica, expressa em Watts por quilograma de tecido biológico. Quando enchemos nossas casas com WiFi, irradiamos nossos corpos de energia eletromagnética continuamente. Quando colocamos um smartphone no ouvido, ondas eletromagnéticas irradiam para dentro de nossos cérebros (ver figura 2). Nós realmente acreditamos que isso pode ser completamente inofensivo? 

Figura 3: As novas 5G Active Phased Array Antennas (APAA) irão concentrar energia em feixes estreitos e direcionáveis ​​de alta potência.


Ondas e frequências

Atualmente, telefones celulares, smartphones, tablets, WiFi e assim por diante operam abaixo da faixa de 3 GHz na chamada região de “microondas” do espectro eletromagnético. Se você pudesse ver e medir seus comprimentos de onda, descobriria que eles têm muitos centímetros (ou polegadas) de comprimento. Um smartphone operando a 800 MHz, por exemplo, envia e recebe sinais com comprimentos de onda de 37,5 centímetros (pouco menos de 15 polegadas). Operando a 1,9 GHz, os comprimentos de onda são de 16 centímetros (pouco mais de 6 polegadas). O WiFi usa a banda de frequência de 2,4 GHz com comprimentos de onda de 12 centímetros (pouco menos de 5 polegadas de comprimento). 

A introdução do 5G implicará no uso de frequências consideravelmente mais altas do que essas, com comprimentos de onda correspondentemente mais curtos. Acima de 30 GHz, os comprimentos de onda têm apenas milímetros em vez de centímetros. A banda milimétrica (de 30 GHz a 300 GHz) é conhecida como frequência extremamente alta e seus comprimentos de onda têm entre 10 e 1 milímetro de comprimento [3]. Até o momento, a radiação eletromagnética de frequência extremamente alta não foi amplamente propagada e sua introdução marca uma mudança significativa no tipo de energia eletromhttps://www.newdawnmagazine.com/articles/5g-the-final-assaultagnética que se tornará presente no ambiente natural (figura 4). 

Figura 4: Frequências e comprimentos de onda do smartphone, Wi Fi e 5G.

A razão pela qual as ondas milimétricas devem ser usadas para a telefonia 5G é que bandas de espectro muito maiores estão disponíveis nas frequências extremamente altas do que nas frequências mais baixas. Isso significa que pode haver uma “largura de banda” muito mais ampla. Largura de banda mais ampla significa que grandes quantidades de dados podem ser transferidas e a velocidade de transferência dos dados será significativamente mais rápida. Um dos efeitos disso é que reduz o que é chamado de “latência” ou intervalo de tempo no sistema, melhorando a qualidade do streaming de vídeo. Mas, ao fazer isso, ele também permite uma maior uniformidade entre os dados acessíveis de fontes virtuais e nossas percepções de objetos no mundo real, como é necessário, por exemplo, em aplicativos de Realidade Aumentada. Maior uniformidade significa que habitamos com mais facilidade os mundos natural e eletrônico como se fossem uma única realidade. 

Um dos problemas técnicos do uso de frequências na região milimétrica do espectro eletromagnético é que, como as ondas que transportam os dados são tão minúsculas, tendo apenas milímetros de comprimento, elas são menos capazes de atravessar barreiras físicas, como paredes e árvores, do que os ondas mais longas de frequências mais baixas. É por isso que é necessário ter muito mais “microcélulas” ou “estações base” novas. Elas precisarão ser espaçados a 100 metros uma da outro nas cidades porque, além dessa distância, seus sinais enfraquecem e, portanto, são menos capazes de penetrar em edifícios e se conectar com os dispositivos internos. Além de estarem mais espaçadas, as microcélulas 5G operarão com uma potência muito maior do que as atuais antenas de telefonia, a fim de garantir que os sinais sejam suficientemente fortes. 

Como os comprimentos de onda são muito menores, as antenas que os transmitem e recebem também serão muito menores do que as dos atuais mastros telefônicos e dispositivos eletrônicos. Um único transmissor / receptor 5G terá um grande número de antenas minúsculas, agrupadas em uma unidade. Uma matriz de pouco mais de mil dessas antenas mede apenas dezesseis centímetros quadrados, portanto caberá facilmente em uma pequena estação base fixada em um poste de iluminação das ruas, enquanto o smartphone em seu bolso provavelmente terá dezesseis (figura 5). 

Figura 5: Módulo de matriz de antena de onda milimétrica da Qualcomm para um smartphone 5G. Ele tem quatro antenas que podem apontar com precisão para a estação base 5G mais próxima. Os telefones terão quatro desses módulos, ou seja, dezesseis antenas.[4]

Tanto os satélites 5G quanto as antenas terrestres 5G usarão um sistema denominado “phased array”. Em phased array, grupos de antenas são coordenados para irradiar pulsos em uma direção específica e em uma seqüência de tempo especificada. Isso permite que um feixe concentrado de ondas de rádio seja direcionado exatamente a alvos designados, para permitir que os sinais sejam enviados ou recebidos. Como as vigas estão concentradas dessa forma, isso aumenta sua potência, o que significa que são capazes de penetrar mais facilmente nos edifícios. Mas também significa que qualquer criatura viva que fique no caminho de tal feixe concentrado de energia também estará sujeito a uma poderosa dose de eletromagnetismo radiante de freqüência extremamente alta. 

Um estudo publicado no início deste ano demonstrou que certos insetos, por causa de seu pequeno tamanho corporal, são particularmente vulneráveis ​​às ondas milimétricas de frequências mais altas a serem utilizadas pelo sistema 5G (figura 6).[5] Outros estudos mostraram que as bactérias e as plantas são vulneráveis a radiação recebida, assim como (como se poderia esperar) a pele e os olhos dos animais, incluindo, é claro, os próprios seres humanos.[6] 

Além de sua capacidade de concentrar energia em feixes focalizados, a tecnologia de phased array tem outro fator complicador. Em ambos os lados do feixe principal, os intervalos de tempo entre os pulsos são diferentes dos intervalos de tempo entre os do feixe principal, mas podem se sobrepor de forma a produzir mudanças extremamente rápidas no campo eletromagnético. Isso pode ter um efeito particularmente prejudicial sobre os organismos vivos, porque em vez de a radiação se deteriorar quando é absorvida pelo tecido vivo, ela pode ser irradiada novamente dentro do corpo. As cargas móveis que fluem para o corpo tornam-se efetivamente antenas que re-irradiam o campo eletromagnético e o enviam para as profundezas do organismo. Essas ondas re-irradiadas são conhecidas como precursores de Brillouin, em homenagem ao físico francês Leon Brillouin, que as descreveu pela primeira vez em 1914.[8]

Figura 6: Ilustração da absorção da radiação eletromagnética de radiofrequência na abelha. Nas frequências usadas atualmente entre 2 GHz (topo) e 6 GHz (meio), o comprimento de onda é relativamente grande em comparação com o inseto. Mas a 24 GHz, (abaixo) o comprimento de onda está mais próximo do tamanho do inseto e a radiação penetra ainda mais.

As “garantias” nada tranquilizadoras dos governos e da indústria

O órgão governamental [na Austrália] encarregado de assessorar sobre os efeitos da radiação eletromagnética na saúde humana, a Agência Australiana de Proteção contra Radiação e Segurança Nuclear (ARPANSA), busca nos assegurar que não há evidências estabelecidas de que a radiação de Radiofrequência (que rádio, televisão, telefones celulares, smartphones e 5G de todo uso) tem quaisquer efeitos adversos à saúde em adultos ou crianças.[9] O conselho da ARPANSA é amplamente baseado em descobertas derivadas do supostamente independente AGNIR (Grupo Consultivo sobre Radiação Não Ionizante), que assessora o Departamento de Saúde do Reino Unido.[10] O relatório do AGNIR, publicado em 2012, sobre a segurança da radiação de radiofrequência afirmava que faltava evidência “convincente” e “conclusiva” para quaisquer efeitos adversos à saúde. Era como dar um cheque em branco ao setor de telecomunicações para que passasse para as frequências mais altas sem se importar com as consequências.[11]

Acontece que, longe de ser independente, o órgão AGNIR tem uma alta proporção de membros com  flagrantes conflitos de interesses, e seu relatório distorceu ou simplesmente deixou de fora as evidências que deveriam tê-los levado a chegar a uma conclusão oposta àquela a que chegaram. Em uma análise forense do relatório, a pesquisadora de saúde ambiental Sarah Starkey deixa claro que apenas um desrespeito intencional das evidências científicas disponíveis poderia explicar suas contradições internas e aparente incompetência. [12] Ainda assim, ao que parece, não é apenas a base da política atual do governo do Reino Unido, mas também da política do governo australiano, permitindo a implantação do 5G sem nem mesmo um aceno para a necessidade de uma avaliação prévia de saúde e segurança.[13] Saúde e segurança simplesmente não aparecem no pensamento do governo, apesar de uma verdadeira montanha de literalmente milhares de trabalhos de pesquisa demonstrando efeitos adversos à saúde humana que continuam a crescer a uma taxa de cerca de 350 por ano, em média praticamente um por dia.[14]

Uma das razões para ignorar esta evidência na implantação aceleradíssima  para criar o ecossistema eletrônico 5G é a convicção nos círculos governamentais de que, a menos que o introduzamos imediatamente, seremos “deixados para trás” e nosso crescimento econômico e competitividade serão postos em risco. Simplesmente não há tempo para considerar as possíveis consequências para a saúde humana. As recompensas do “futuro conectado” devem ser medidas em bilhões de dólares de receita. 

As quantias alucinantes envolvidas são bem exemplificadas em uma estimativa recente de que a indústria de mídia global sozinha deve ganhar US$ 1,3 trilhão com a implantação 5G até 2025, principalmente porque 5G “desbloqueará o potencial da realidade aumentada (AR) e da realidade virtual (VR) “. [15] A ironia de que o futuro “conectado” é aquele em que lucros estonteantes podem ser obtidos a partir de tecnologias que nos  desconectam  cada vez mais do mundo natural e real e da nossa saúde é totalmente esquecida.

As somas envolvidas são suficientes para explicar por que a indústria de telecomunicações fez, nos últimos 25 anos, o máximo para garantir que as pesquisas sobre os efeitos das tecnologias sem fio na saúde produzisse resultados negativos ou inconclusivos. Desde 1993, a indústria financiou um grande número de estudos, economizando muitas despesas para os governos e, ao mesmo tempo, preservando a ilusão conveniente de que o júri ainda não decidiu se a exposição à radiação de radiofrequência causa danos. 

Figura 7: Torre de celular disfarçada de árvore.

No início deste ano, o The Guardian publicou um artigo citando uma pesquisa que mostrou que, enquanto 67% dos estudos financiados de forma independente encontraram um efeito biológico da exposição à radiação de radiofrequência, apenas 28% dos estudos financiados pela indústria o fizeram. Estudos financiados pela indústria são quase duas vezes e meia menos prováveis ​​do que estudos independentes para encontrar efeitos na saúde.[16] Os autores do artigo do  Guardian explicam que a indústria de telecomunicações não precisa vencer o argumento científico sobre segurança, mas simplesmente manter o argumento funcionando indefinidamente, produzindo estudos com resultados que não conseguem verificar, ou melhor, contradizem as pesquisas que o fazem encontrar efeitos adversos à saúde. 

Um dos mais notórios é o gigantesco “Estudo Interphone”, financiado pela indústria, que concluiu que segurar um telefone móvel na cabeça realmente protege o usuário de tumores cerebrais! Este estudo, que está cheio de contradições e sofre de graves falhas de design, é freqüentemente citado como o mais confiável até o momento, embora na verdade tenha sido totalmente desacreditado.[17] No entanto, mantém-se a impressão de que não existe consenso científico e, portanto, não existem fundamentos suficientes para a tomada de medidas contra a disseminação da telefonia 5G. Desnecessário dizer que isso convém ao [marionetes do] governo tanto quanto convém à indústria. 

O caminho para a imersão total

Além dos efeitos na saúde humana, há um outro nível do que a implementação da tecnologia 5G realmente envolve. Para obter uma perspectiva sobre isso, devemos lembrar que não faz muito tempo que o campo eletromagnético da Terra não era perturbado por frequências eletromagnéticas geradas pela sociedade humana.  Antes da década de 1880, havia apenas duas causas principais de eletromagnetismo, ambas naturais: os raios das tempestades, que também acionavam as ressonâncias muito fracas de baixa frequência conhecidas como ressonâncias de Schumann, e a luz e a energia solar. 

Os raios e a energia do sol produzem efeitos em partes específicas e muito limitadas do espectro eletromagnético. A própria ideia de que algo como “eletromagnetismo” e um “espectro eletromagnético” existisse não era nem mesmo cogitada antes do século XIX. E, do ponto de vista da era pré-elétrica, a verdade da situação é que eles realmente não existiam como fator de experiência. Além do relâmpago e da energia do sol, as energias do espectro eletromagnético não tiveram impacto na vida humana, pois estavam totalmente dormentes (figura 8).

Figura 8: Radiação eletromagnética de fundo natural, mostrando as frequências em ciclos por segundo.

Naquele mundo pré-tecnológico, tanto o relâmpago quanto a energia do sol eram considerados com certo grau de admiração, como fenômenos naturais que expressavam poderes maiores do que qualquer coisa que os seres humanos pudessem reunir. Na antiguidade, ambos eram associados a deuses – relâmpagos com violentos deuses da tempestade, invariavelmente com associações do submundo, como Seth, Baal e Zeus; e a energia e a luz do sol com divindades solares sublimes como Ra, Shamash e Apollo. Na era judaico-cristã posterior, persistiu a sensação generalizada de que esses fenômenos tinham uma fonte espiritual, com os relâmpagos considerados como expressivos da ira divina e a luz como a vestimenta do Logos cósmico. Tocamos aqui uma relação profundamente sentida com a natureza que foi amplamente erodida ao longo dos séculos desde a Revolução Científica. No decorrer dos séculos XVIII e XIX, tanto o relâmpago quanto a luz foram despojados de sua numinosidade espiritual, abrindo caminho para uma explicação inteiramente materialista da luz e uma abordagem inteiramente tecnológica da eletricidade.

No início, as frequências utilizadas estavam na extremidade inferior do espectro eletromagnético. Na década de 1890, as linhas de transmissão que forneciam a nova rede elétrica para fábricas e casas eram padronizadas em 50 ou 60 Hz (ou ciclos por segundo). Quando as transmissões de rádio públicas começaram na década de 1920, eram principalmente nas frequências de ondas longas abaixo de 500 KHz (milhares de ciclos por segundo). Com o passar do século, as frequências usadas por tecnologias novas e aprimoradas tornaram-se cada vez mais altas. Nas décadas de 1930 e 40, as frequências de ondas médias e curtas (entre 500 KHz e 1700 KHz) foram utilizadas, enquanto na década de 1950 as Frequências Muito Altas (VHF) de 30 – 300 MHz (ou milhões de ciclos por segundo) foram empregadas para ambos emissão de rádio e TV.

Durante a Segunda Guerra Mundial, foi descoberto um método para gerar frequências ainda mais altas, entre 3 e 30 GHz (milhares de milhões de ciclos por segundo), que se tornou a base do radar. A cada aumento de frequência, mais potência era necessária para transmitir as ondas de rádio. O advento dos telefones celulares, smartphones e WiFi, trouxe para o uso generalizado a parte do espectro de Ultra High Frequency (UHF) (300 MHz – 3 GHz) para transmissão de sinal. A transmissão nessas frequências exige mais de dez vezes a potência necessária para a transmissão VHF.

Hoje, no limiar da nova era de um “ecossistema eletrônico” de frequência extremamente alta, com frequências de até 70 GHz previstas, ainda mais potência será necessária para a transmissão efetiva de suas ondas milimétricas.[18]  Então o ambiente natural, o reino animal e vegetal ficará totalmente saturado com uma névoa invisível de altíssima radiação (figura 9).

Figura 9: Radiação eletromagnética induzida pelo homem, mostrando as frequências em ciclos por segundo.


Neste breve esboço histórico, vemos frequências cada vez mais altas formando a base de cada nova inovação tecnológica desenvolvida pelo homem. À medida que cada uma das novas tecnologias foi introduzida, o ser humano tornou-se um pouco mais dissociado do mundo natural e da própria natureza. Considere como isso aconteceu. A partir da década de 1890, o fornecimento de energia elétrica para residências, escolas, hospitais e fábricas revolucionou os padrões de vida, libertando a humanidade da subserviência aos ciclos diurnos e noturnos, verão e inverno da natureza, ao dar acesso a uma nova fonte de luz , calor e poder. Então, na década de 1920, o rádio possibilitou que as pessoas se comunicassem a grandes distâncias e trouxe as vozes de reis e políticos, cantores e poetas para nossas salas de estar, mesmo que não estivessem fisicamente presentes.

Na década de 1950, a televisão intensificou a experiência de um mundo ausente, mas presente, veiculado pela imagem em movimento. Lembro-me, quando criança, da qualidade viciante da televisão: a pessoa é arrastada para fora de si mesma e da consciência do ambiente que o cerca para o fascinante mundo das imagens de uma história mostrada na tela.

Com o advento do smartphone, a tendência de dependência foi muito fortalecida, em parte porque a tela se tornou uma interface portátil com a Internet e em parte por causa das políticas deliberadamente exploradoras do Facebook, Google e outros para prender as pessoas em um relacionamento viciante com seus dispositivos.[19] O vício em usar mídias sociais via smartphones desloca os usuários de seu próprio centro de imobilidade e, ao mesmo tempo, os desconecta do ambiente natural e de si próprios.

O sistema de telefonia 5G vai acentuar ainda mais essa tendência de as pessoas se perderem e vai enfraquecer ainda mais sua relação com a natureza, pois promete tornar a Realidade Virtual imersiva avançada acessível a todos.  Embora os fones de ouvido de Realidade Virtual já estejam disponíveis comercialmente há algum tempo, a RV ainda está em sua infância. O próximo desenvolvimento na tecnologia Realidade Virtual é complementar o fone de ouvido com um “traje tátil”, que permite ao usuário experimentar sensações de toque – pressão, calor, dureza, maciez, umidade e secura – na realidade virtual. Essas oportunidades de “imersão total” na realidade virtual levarão a uma confusão crescente sobre a qual mundo realmente pertencemos: o gerado eletronicamente ou o mundo natural. O uso da Realidade Aumentada, possibilitada por meio de capacetes especiais, óculos eletrônicos ou lentes de contato.[20]

As pessoas vão se ajustar a considerar o mundo virtual como tendo tanto direito a sua atenção, suas emoções e pensamentos, quanto o mundo natural. A tentação será dar sua lealdade àquilo que não apenas mina sua relação com a natureza, mas também, por meio de seu ataque à imaginação, tem um efeito corrosivo na vida interior da alma. A confusão só será exacerbada por um grande aumento no uso de holografia 3D que dará às entidades virtuais a capacidade de encarnar eletronicamente no ambiente físico. É isso que a saturação do mundo com ondas milimétricas de freqüência extremamente alta e potentes vai permitir. As ondas em si mesmas são apenas parte do problema: são as tecnologias que flutuam nas costas das ondas e seu impacto [dependência] em nossa vida interior que também devem nos preocupar.

Figura 10: Antenas [assinaladas pelos círculos] 5G instaladas em postes de iluminação ao longo de uma rua em uma cidade dos EUA.

A formação do “cérebro eletrônico global”

Mas se o 5G promete alterar radicalmente o mundo experiencial que habitamos dessa forma, há algo mais que devemos entender se quisermos compreender o que realmente está sendo preparado. Ao mesmo tempo que tecnologias cada vez mais sofisticadas desconectam cada vez mais os seres humanos do mundo natural e real, uma rede de “inteligência” eletrônica, de extensão global, gradualmente emergiu [e vai assumir o controle]. No início, estava sob supervisão humana, mas tem se tornado cada vez mais autônoma. Considere a diferença entre a radiodifusão e a Internet: a primeira está sob estrito controle humano e serve a um propósito muito específico, enquanto a última se estabeleceu como uma infraestrutura eletrônica permanente e constantemente disponível de escopo e alcance indefinidos.

Os esforços agora em curso para criar um ecossistema eletrônico 5G são a pré-condição necessária para desenvolver e aperfeiçoar uma rede global de Inteligência Artificial [IA] que se alimenta da transferência muito rápida de grandes quantidades de informações. Esse “cérebro” eletrônico global”, inocentemente chamado de “Internet das Coisas”, já está causando impacto em nossas vidas.

Por meio da “Internet das Coisas”, cada vez mais coisas serão conectadas à Internet e tornadas “inteligentes” ao receberem a capacidade de funcionar de forma autônoma. Em autoestradas inteligentes, seu carro dirige sozinho enquanto você, usando seu fone de ouvido de Realidade Virtual e colete háptico, joga jogos de computador interativos no banco de trás; e na sua casa inteligente a sua geladeira irá encomendar de forma autónoma mais ovos, leite e queijo para si através de uma ligação wireless com um fornecedor.

Mas a realidade é que a própria Internet das Coisas é a precursora do que tem sido chamado de “Internet do Pensamento”, na qual os seres humanos terão que viver em relação à vasta inteligência eletrônica global. Ele estará ativo em todo o nosso ambiente e seremos obrigados a interagir com ele para realizar as tarefas mais simples.[21] Na Internet of Thinking não é difícil ver os traços de um estado totalitário eletronicamente sobrecarregado, com controle sem precedentes sobre as minúcias da vida dos indivíduos. 

A possibilidade de isso acontecer só será aumentada pelos milhares de novas estações de minifones e satélites irradiando cada centímetro do planeta com ondas milimétricas. Pois isso é o que 5G significa: significa implantar não apenas um sistema de telecomunicações aprimorado, mas um novo “sistema de sistemas” – a infraestrutura do totalitarismo eletrônico.[23]

Uma cortina desenhada contra a luz

À medida que nosso mundo está cada vez mais sufocado por uma névoa de ondas de rádio, microondas, eletromagnéticas e ondas milimétricas, pode parecer que os deuses do Submundo tomaram conta da humanidade com um aperto cada vez maior, atraindo-nos para as falsas luzes – as luzes ilusórias dos seres do inferno e fantasmas famintos contra os quais o Livro dos Mortos Tibetano há muito tempo atrás alertou. 

As energias eletromagnéticas que convocamos, e que prometiam nos dar novos poderes, agora parecem estar nos dominando, levando-nos para um reino do Submundo de entretenimento e distração infernal, de ilusão e desconexão da realidade que realmente importa – a realidade da natureza e a ordem espiritual que infunde a natureza, a realidade de outras criaturas com quem compartilhamos nosso mundo, vivendo no solo, nas águas e no céu e caminhando na Terra ao nosso lado.

Devemos nos perguntar:

  • A Terra e os seres humanos realmente precisam de um ecossistema eletrônico? 
  • Vamos nos beneficiar de alguma forma por ser irradiados abusivamente com potentes energias? 
  • Existe realmente alguma necessidade de tecnologia 5G ? 
  • Podemos, mesmo remotamente, conceber que 5G é a resposta para qualquer um dos problemas ecológicos, sociais e espirituais urgentes que enfrentamos hoje? 
  • Estamos em um limiar terrível, mas render-se ao desespero não pode ser a resposta certa. O que podemos fazer?

Em primeiro lugar, podemos protestar! Existem campanhas contra a implantação do sistema 5G que podemos aderir, existem petições para assinar, cartas para escrever e ações judiciais para apoiar. O melhor lugar para começar é o “Apelo Internacional para Parar o 5G na Terra e no Espaço”, que até agora reuniu mais de 40.000 assinaturas, incluindo as de muitos profissionais de saúde, ambientalistas e outros cientistas.[23]  Mas, além do protesto, há algo mais que precisa ser feito, que é trazer uma compreensão espiritualmente informada do significado mais profundo do cérebro eletrônico global, cujo surgimento 5G será acelerado.

Para tanto, precisamos desenvolver uma percepção clara da qualidade moral da eletricidade e reconhecer o tipo de entidade ou “entidades espirituais” a que serve. Isso nos capacitará a quebrar o encanto que a eletrônica e as tecnologias eletrônicas lançaram sobre nós e nos permitirá formar um relacionamento mais apropriado com eles. Um dos insights mais úteis de Rudolf Steiner sobre eletricidade foi sua observação de que ela é a Luz em um estado decaído e degradado – luz que caiu sob a natureza para o reino subnatural – e é por isso que devemos nos proteger ativamente contra uma dependência sempre crescente nele, pois ameaça nos arrastar para baixo.[24]

Isso aponta para uma terceira coisa que podemos fazer, que é realmente a base de tudo o mais. É reconstruir nossa relação com a luz, que em sua benevolência e pureza altruísta nos saúda todas as manhãs, e que, ao contrário das luzes eletrônicas falsas e ilusórias que nos levariam para o Mundo Inferior, nos acena em uma direção bem diferente, em direção a nossa humanidade essencial.

Por meio de um relacionamento meditativo aprofundado com a luz, praticado durante as horas do dia e as estações do ano, podemos nutrir um relacionamento com a nossa própria Luz interior que é a fonte de tudo o que é criativo, belo e bom no mundo. Essa Luz interior a tradição cristã conhece como Logos Cósmico [Cristo].

À medida que a cortina de eletrosmog se fecha em nosso mundo, somos apresentados a uma tarefa sagrada que, aconteça o que acontecer, atenderemos a tudo o que a Luz tem para nos dar, pois aí está o divino Poder Salvador pois a alternativa é se transformar num Zumbi salivante.

O artigo a seguir, foi publicado na New Dawn 173 (maio-junho de 2019) , apresenta informações importantes sobre as redes de telefonia 5G que estão sendo erguidas em paisagens urbanas na Austrália, Grã-Bretanha, Europa, EUA, Ásia e, eventualmente, em todos os lugares.


Sobre o autor: Jeremy Naydler é um filósofo, historiador cultural e jardineiro que vive e trabalha em Oxford, Inglaterra. Ele é autor de vários livros sobre a história da consciência e tem uma preocupação de longa data com o impacto das tecnologias eletrônicas em nossa vida interior e em nosso relacionamento com a natureza. Sua publicação mais recente é In the Shadow of the Machine: The Prehistory of the Computer and the Evolution of Consciousness (Forest Row: Temple Lodge, 2018)


Notas de rodapé:

  1. One of the best sources for this information is the website of the Global Union Against Radiation Deployment from Space (GUARDS) at www.stopglobalwifi.org, and the related Cellular Phone Task Force website at www.cellphonetaskforce.org. Both organisations are informed and inspired by the tireless research and campaigning of Arthur Firstenberg, to whom this article is greatly indebted.
  2. Source: ISEE/ISEA Conference: Environmental Epidemiology and Exposure, Paris, 5/9/2006
  3. The rule is, the higher the frequency at which the wave oscillates, the shorter the wavelength will be.
  4. Source: Qualcomm, July 2018
  5. Arno Thielens et al., “Exposure of Insects to Radio-Frequency Electromagnetic Fields from 2 to 120 GHz”, Nature, 8: 3924 (2018): “The insects show a maximum in absorbed radio frequency power at wavelengths that are comparable to their body size… The studied insects that are smaller than 1cm show a peak in absorption at frequencies (above 6 GHz), which are currently not often used for telecommunication, but are planned to be used in the next generation of wireless communication systems.”
  6. Cindy Russell, “A 5G Wireless Future,” The Bulletin (January/February, 2017), pp.20-23, reviews the research, and lists a large number of adverse health effects of millimetre wave electromagnetic radiation including arrythmia, antibiotic resistance, cataracts, compromised immune system, etc.
  7. Source: Arno Thielens et al., Nature, 8: 3924 (2018), fig.4
  8. Kurt Oughstun, interview on “Brillouin Precursors,” Microwave News, 22, 2 (2002), p.10. According to Oughstun, a professor of electrical engineering and mathematics at the University of Vermont, “A single Brillouin precursor can open small channels through the cell membrane because, as it passes through the membrane, it can induce a significant change in electrostatic potential across that membrane.” See also Arthur Firstenberg, “5G – From Blankets to Bullets,” January 17, 2018, at www.cellphonetaskforce.org.
  9. For example, in the ARPANSA fact sheet on “Wi-fi and Health” (“There is no established evidence that the low exposure to RF EME from Wi-fi adversely affects the health of children or the general population”) and on “Mobile Phones and Health” (“There is no established evidence that the use of mobile phones causes any health effects”), for which see www.arpansa.gov.au. Given the vast amount of evidence indicating adverse health effects, one wonders what it takes for this evidence to be “established.”
  10. ARPANSA TSR-164 Report, Review of Radiofrequency Health Effects Research – Scientific Literature 200-2012 (2014). This report has been critiqued by Victor Leach and Steven Weller of the Oceania Radiofrequency Scientific Advisory Association (ORSAA) in Radio Frequency Exposure Risk Assessment and Communication: Critique of ARPANSA TRS-164 Report: Do We Have a Problem? (2017), available at www.orsaa.org. Leach and Weller point out the derivative nature of the ARPANSA report, as well as serious flaws in its assessment of the evidence, which simply does not support the conclusions reached.
  11. Report of the Advisory Group on Non-Ionising Radiation, Health Effects from Radiofrequency Electromagnetic Fields (2012)
  12. Sarah J. Starkey, “Inaccurate official assessment of radiofrequency safety by the Advisory Group on Non-ionising Radiation,” Review of Environmental Health, 31:4 (2016), pp.493-503
  13. The Australian Government Department of Communication and the Arts, October 2017 strategic report on the roll out of 5G, “5G – Enabling the Future Economy,” does not mention health and safety precautions.
  14. One of the best sources for this mountain of research is The BioInitiative Report (2012), which helpfully gathers it into manageable sections, and is regularly updated. It can be accessed online at www.bioinitiative.org. According to the Report, between 2007 and 2012 approximately 1,800 new studies demonstrated adverse health effects, i.e. on average 350 per year.
  15. Ovum, “5G Economics of Entertainment Report” (October, 2018). The report was commissioned by Intel, and a summary is available at www.newsroom.intel.com
  16. Mark Hertsgaard and Mark Dowie, “The inconvenient truth about cancer and mobile phones,” The Guardian, 14 July 2018. The blatant funding bias was first exposed in 2006 by Louis Slesin, “‘Radiation Research’ and the Cult of Negative Results,” Microwave News, 26.4 (July, 2006), pp.1-5. A good summary of the problem is given in “Bias and Confounding in EMF Science,” on the Powerwatch website: www.powerwatch.org.uk/science/bias.asp
  17. The Interphone Study is devastatingly critiqued in L. Lloyd Morgan et al., Cellphones and Brain Tumors: 15 Reasons for Concern (2009), available online at www.electromagnetichealth.org
  18. Ofcom, Enabling 5G in the UK (March, 2018), pp.3-4
  19. Jacqui Goddard, “Facebook exploits human weakness, admits former boss Sean Parker,” The Times, 10 November 2017
  20. Ovum, “5G Economics of Entertainment Report,” see note 14 above
  21. Maynard Williams, “Welcome to the Internet of Thinking,” The Telegraph, 8 May 2018
  22. Nokia White Paper, “5G – a System of Systems” (www.Nokia.com)
  23. The appeal can be accessed at www.5gspaceappeal.org
  24. Rudolf Steiner, Anthroposophical Leading Thoughts, Rudolf Steiner Press, 2007, p.218

A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL):   “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… 

Image result for puppet gifAs mesmas mentes das pessoas que estamos tentando salvar. “Mas até que nós consigamos salvá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso os transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você  para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Mais informações, leitura adicional:

  • Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

    www.thoth3126.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.