Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Ucrânia está ‘Sangrando’

Mesmo para as guerras bem relatadas do século XX, décadas depois, os historiadores ainda buscam melhorar nossa compreensão delas.  Com o atual conflito na Ucrânia, estamos em meio à experiência sem precedentes de poder discernir uma proporção notavelmente elevada do que está acontecendo, embora com muito ruído no sinal entre a propaganda agressiva das pre$$tituta$ ocidentais e questões de fontes com vários supostos narradores to-the-action.

Ucrânia está ‘Sangrando’

Fonte: NakedCapitalism.com

Mas a guerra transcorreu em um ritmo aparentemente lento, devido à mudança de estratégia da Rússia para a guerra de atrito (em vez de tentar forçar negociações), o tempo necessário para quebrar as linhas extremamente bem fortificadas (sem incorrer em custos humanos enormes e desnecessários) e a Rússia escolher esmagar outros elementos das forças armadas da Ucrânia, principalmente suas defesas aéreas. 

Isso levou os comentaristas a se concentrarem em batalhas e até mesmo em pontos quentes na linha de contato, em parte porque é onde a ação ocorreu, em parte porque observadores atentos esperam poder encontrar pistas de quando e onde a luta pode mudar com campanhas maiores e mais decisivas.

No entanto, o foco contínuo em disputas comparativamente locais, e até mesmo a observação do início da Grande Contra-ofensiva superantecipada da Ucrânia, parece ter distraído os comentaristas do que conduzirá ao amplo cronograma da resolução do conflito, na ausência de uma escalada nuclear.

É o material militar, como quanto armamento, pessoal e munição, ou mais precisamente, quão pouco a Ucrânia tem. Uma suposição tácita tem sido, uma vez que as guerras de desgaste (de acordo com John Mearsheimer em sua última palestra) são guerras de artilharia, que a artilharia servirá como o reagente limitante. De LibreTexts :

Quando não há reagente suficiente em uma reação química, a reação para abruptamente. Para descobrir a quantidade de produto produzido, deve-se determinar qual reagente limitará a reação química (o reagente limitante).

A suposição de que a falta de artilharia de todo tipo restringirá a Ucrânia mais cedo ou mais tarde provavelmente ainda é válida, mas merece monitoramento.

Os vazamentos do Discord, por exemplo, mostraram que a Ucrânia estava ficando criticamente sem munição no período de março e suas defesas aéreas em uma trajetória para se esgotar fatalmente no final de maio. É certo que esse tipo de previsão serviria como um apelo à ação para reunir mais suprimentos de todos os tipos. 

Mas sabemos que o [Hospício do] Ocidente já estava raspando o fundo do barril desde então. Tem enviado sistemas de armas díspares que criam enormes problemas de treinamento / tripulação, bem como bagunças logísticas. Muitos foram retirados da naftalina e não funcionam corretamente. E alguns não são adequados para o propósito, veja a discussão de Moon of Alabama sobre o F-16, que pode decolar e pousar apenas em suaves campos de golfe.

Lembre-se de que Scott Ritter havia previsto que a guerra terminaria no final do verão e início do outono. Isso pode parecer ridículo à luz de todo o barulho ocidental até que você se lembre de que a Ucrânia está realmente ficando sem munição. Pior ainda, a diferença de poder de fogo parece ter aumentado. Anteriormente, a Ucrânia estava disparando de 3.000 a 4.000 tiros por dia para um dia típico russo de 20.000 tiros.

Houve relatos mais recentes de racionamento de munição na Ucrânia. Por exemplo, de uma nova história da New Yorker :

O major encarregado da artilharia do batalhão de Pavlo me disse que em Kherson suas equipes de morteiros dispararam cerca de trezentos projéteis por dia; agora eles eram racionados para cinco por dia. Os russos usam uma média dez vezes maior.

O artigo tenta sugerir que esta unidade não é tão bem fornecida quanto algumas outras.  Independentemente disso, o bombardeio russo aumentou. A Rússia costumava aumentar para ocasionais 50.000 a 60.000 rodadas por dia. Alguns relatórios sugerem que os antigos níveis de aumento estão se aproximando de um novo normal.

Lembre-se, como Alexander Mercouris relatou, com base em (entre outras coisas) Medvedev sendo encarregado da produção de armas e regularmente visitando fábricas, a Rússia está claramente fazendo um grande esforço para aumentar ainda mais a produção com urgência e parece ter sucesso, como mostrado não apenas no aumento de bombardeios, mas também em ataques mais frequentes de mísseis e drones. 

Nos últimos dois dias, a Rússia se envolveu no que é amplamente aceito como seu mais feroz e sustentado ataque aéreos com drones e mísseis até agora, com Kiev como um dos principais alvos. O resultado foi um choque registrado na escala Richter (2,8º a 3,4º na escala Richter, dependendo da fonte), que deve resultar de grande depósitos de explosivos atingidos, possivelmente um grande esconderijo subterrâneo de munições. O ataque de drones foi amplamente descrito como um enxame, e alguns acreditam que ele contou com drones Garan 2 produzidos recentemente.

Reconhecidamente, devido à dificuldade de chegar a conclusões firmes de reivindicações conflitantes, é difícil saber quanto mais dano a Rússia causou com a intensificação desses ataques de drones e mísseis, mas com certeza parece muito. A Rússia havia algumas semanas se concentrando em eliminar sistemas de contra-bateria. Ele também tem como alvo depósitos de munição, com alguns acertos impressionantes.

Observem também que o uso pesado de drones, inclusive durante o dia, sugere que a Rússia julgou as defesas aéreas da Ucrânia tão esgotadas que poderia usá-los como armas ofensivas, e não apenas para fazer a Ucrânia desperdiçar mísseis de defesa aérea ainda mais caros e escassos. para derrubar drones baratos e facilmente substituíveis.

Dima e outros dizem que os russos agora danificaram/destruíram não apenas um, mas dois dos sistemas Patriot enviados pelos EUA. Isso antes de chegar ao fato, como Simplicius the Thinker sugeriu em seu último sitrep, que a Ucrânia disparou tantos mísseis Patriot que está ficando sem esses suprimentos :

Diz-se que a Ucrânia já disparou, em apenas um ou dois meses, mais de 40% da produção anual dos EUA. Acha que isso é sustentável?

Lembre-se, essa produção anual destina-se a abastecer alguns países, incluindo os EUA, não apenas a Ucrânia. E tenha em mente que, embora o Ocidente esteja fazendo barulho sobre a necessidade de fabricar mais armas, tudo o que ele fez foi lançar mais alguns contratos com os atuais comerciantes de armas dos EUA, com o resultado de que haverá mais oferta… disponível em cerca de 3 anos. 

À taxa de aumento da produção russa de armas e munições, a diferença só será maior até então. Tenho idade suficiente para ter ouvido falar do Sputnik. Mesmo como aluno do ensino fundamental, eu estava ciente do senso de urgência sobre a necessidade de os EUA responderem, e até mesmo algumas das medidas, como programas reforçados de engenharia e ciências.

Alguém se pergunta por que a Rússia está atirando tão atrás da frente de batalha. Parte disso pode ser uma espécie de operação de imobilização, para forçar a Ucrânia a comprometer mais recursos para defender Kiev. Mas lembre-se de que a Rússia também tem bombardeado o Dnipro e outros locais que se acredita serem locais de preparação/suprimento mais próximos do local previsto para a badalada e esperada contra-ofensiva ucraniana atrasada.

Simplicius afirma que a Rússia tem afetado não apenas os suprimentos, mas linhas de abastecimento ucranianos. Lembre-se de que a Rússia tem poupado a destruição generalizada de pontes (para ser justo, Dima apontou uma no sul da Ucrânia e mostrou como sua remoção embotou uma rota de ataque esperada). No entanto:

Além disso, inúmeros relatos de ataques russos agora atingem não apenas as áreas de preparação da AFU, mas também as junções de ferrovias e estações de trem onde o material está sendo descarregado para a guerra. Estes não são apenas rumores especulativos, mas na verdade algumas fotos surgiram mostrando vários desses locais atingidos…

Não é como se a Ucrânia não estivesse fazendo nada em resposta, mas seus ataques de propaganda confirmam sua posição fraca. A Ucrânia (ou, se quisermos acreditar, russos amigos da Ucrânia que por acaso estavam usando equipamentos americanos como Hummers) fez uma incursão em Belgorod que foi feita para parecer que cobria muito mais terreno devido a alguns ataques de drones. 

Como observou Lambert, isso durou cerca de apenas um ciclo de notícias. Hoje, alguns drones atacaram Moscou e aparentemente 2 ou 3 atingiram uma área residencial, não matando ninguém, mas danificando apenas a aparência de alguns belos edifícios, e nada mais. De algumas sagacidades no Twitter:

Drones em Moscou: 1) Poderia facilmente ter sido uma bandeira falsa – mobilização ou outro ataque terrorista. 2) Ou a UA decidiu testar a defesa aérea da Rússia e abateu vários drones que caíram em prédios residenciais (aliás, não há vítimas, estranhamente…)

Talvez a Ucrânia ainda administre um grande ataque terrorista. Está claramente muito interessada em causar à Rússia e seus oblasts libertados um mundo de dor ao desencadear um incidente nuclear na usina nuclear de Zaporzhizhia. Mas até agora, apesar do foco no reconhecimento de nomes (ataque na ponte de Kerch! o Kremlin! território russo e agora Moscou!), o IRA irlandês em seu apogeu era muito melhor no terrorismo real sem o benefício do apoio e das armas da OTAN.

A Ucrânia pode estar depositando suas esperanças em arrastar a OTAN para o conflito. Mas, a menos que a Rússia ataque um membro da OTAN (lembre-se de que foi por isso que a Ucrânia estava tão ansiosa para retratar seu míssil S-300 errante como um ataque russo à Polônia), é difícil imaginar a Rússia indo para lá. 

E os beligerantes em potencial mais beligerantes (como em querer não olhar muito para uma bandeira falsa), ou seja, a Polônia, já é legal com a ideia. Seus militares sinalizaram que sabem que não estão prontos para a luta, e cada vez mais o público polonês está insatisfeito com o influxo maciço de refugiados ucranianos e vê o prolongamento da guerra como um agravamento do problema.

Mas a trajetória atual ainda é que o Ocidente está tão criticamente com pouco material que decide que precisa encontrar uma maneira confusa de deixar a Ucrânia por conta própria, mas fingindo o contrário.  Blinken, em sua entrevista com David Ignatius, na verdade sinalizou que esperava que a Ucrânia chegasse a um impasse ou perdesse quando falou em continuar a armar a Ucrânia depois que a guerra terminasse.  Isso foi há meses e as perspectivas da Ucrânia não melhoraram.

Há também um problema de tempo. É difícil ver como o Ocidente coletivo continua bombeando ar suficiente no balão furado da Ucrânia para não ficar aparente que está totalmente murchado antes das eleições de 2024. Talvez o governo Biden pense que pode manter a torcida e a amplificação de alfinetadas suficientes para manter a ilusão de não derrota por tanto tempo. Talvez isso esquente tanto as coisas com a China a ponto de distrair a memória do público peixinho dourado da Ucrânia.

Mas, independentemente disso, minha aposta é em limites críticos de suprimentos, causando a crise nas operações militares na Ucrânia, em oposição a uma grande vitória no campo de batalha. Ou, mais precisamente, aqui um sucesso russo altamente visível, como um cerco de Odessa ou Dnipro ou uma marcha para outro ponto no Dnieper, será prova do estado fatalmente enfraquecido das forças da Ucrânia, e não uma causa.

Lembre-se, mesmo assim, a Rússia ainda terá o grande problema do que fazer com a Ucrânia Ocidental.  Mas o grau de comprometimento remanescente do Ocidente com o Projeto Ucrânia será mais evidente e ajudará a informar os próximos passos da Rússia.


“O indivíduo é deficiente mentalmente [os zumbis], por ficar cara a cara, com uma conspiração tão monstruosa, que nem acredita que ela exista. A mente americana [humana] simplesmente não se deu conta do mal que foi introduzido em seu meio. . . Ela rejeita até mesmo a suposição de que as [algumas] criaturas humanas possam adotar uma filosofia, que deve, em última instância, destruir tudo o que é bom, verdadeiro e decente”.  – Diretor do FBI J. Edgar Hoover, em 1956.


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal  AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)”. para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Saiba mais, leitura adicional:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *