Ucrânia sendo Pressionada a “Negociar” com a Rússia o Fim do Conflito

Em mais um importante indicador e sinal de que a política de Washington DC mudou drasticamente com Kiev, depois de se ter tornado claro que as forças armadas da Ucrânia não serão capazes de derrotar a Rússia nas linhas da frente, tendo perdido mais de 13.700 soldados e aproximadamente 1.800 tanques e outros armamentos pesados até agora somente neste mês e com a maior parte do Donbass firmemente sob controle russo, a Missão dos EUA na OTAN publicou a seguinte mensagem [um choque de realidade para o Hospício Ocidental]…

Ucrânia sendo Pressionada a Negociar com a Rússia o Fim do Conflito [um choque de realidade para o Hospício Ocidental]…

Fontes: Rússia TodayZero Hedge

A Ucrânia perdeu mais de 13.700 soldados e aproximadamente 1.800 tanques e outros armamentos pesados até agora neste mês, disse o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, a seus colegas de governo na terça-feira durante uma reunião ministerial.

As forças russas têm frustrado ativamente as tentativas de Kiev de romper as suas linhas defensivas e continuar a reduzir a capacidade militar da Ucrânia, disse o alto funcionário. Ele alegou que os soldados ucranianos estavam se rendendo em massa depois de perceberem a futilidade de sua contra-ofensiva.

O Ocidente está agora dizendo a Zelensky, de forma mais ou menos explícita e abertamente: é hora de encerrar isto”.

O relato oficial da Missão dos EUA na OTAN escreveu candidamente no X nessa segunda-feira o seguinte: “Nesta batalha dura e dinâmica, os soldados da Ucrânia lutam bravamente todos os dias e continuam a inspirar [e a morrer aos milhares] o mundo com a sua bravura e coragem. Continuaremos a apoiá-los para que estejam na posição mais forte possível na mesa de negociações quando chegar a hora afirma o comunicado.

Isso marca uma mudança drástica nas mensagens públicas e na propaganda das pre$$tituta$. Até pouco tempo atrás, o governo Biden havia essencialmente banido as palavras “mesa de negociações” do seu discurso público. 

O jornalista Glenn Greenwald comentou sobre essa mudança narrativa: “O Ocidente agora está dizendo a Zelensky, mais ou menos explicita e abertamente: é hora de encerrar isso.”

Esta diferença significativa na retórica pública também começou a aparecer cada vez mais nas pre$$tituta$ da grande mídia, o que também refletiu muito tardiamente a “fadiga de guerra” do público americano. – que já estava se instalando antes mesmo da muito alardeada tentativa de contraofensiva da Ucrânia no início do verão…

Morning Joe admite que a Ucrânia perdeu a guerra contra a Rússia. A humilhação pública está aqui agora. A rendição pública está chegando perto.

Já é amplamente aceito que as conversações já podem estar ocorrendo discretamente e que Washington está finalmente pressionando o governo do marionete palhaço Zelensky para encontrar uma saída para a derrota no campo de batalha. 

“Os EUA e as autoridades europeias começaram a conversar discretamente com o governo ucraniano sobre o que as possíveis negociações de paz com a Rússia poderiam implicar para acabar com a guerra, de acordo com um atual alto funcionário dos EUA e um ex-funcionário dos EUA familiarizado com as discussões”, dizia um relatório do início de novembro da NBC. “As conversas incluíram resumos muito amplos do que a Ucrânia pode precisar abrir mão para chegar a um acordo com a Rússia, disseram as autoridades.” 

Certamente, no mínimo, isto incluirá a renúncia permanente de Kiev a quaisquer reivindicações futuras sobre a Crimeia. Mas a questão dos quatro territórios anexados equivalentes a cerca de 20% da Ucrânia é o que determinará se um acordo de paz será alcançado ou não. 

Enquanto isso, o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, emitiu a sua última avaliação das baixas ucranianas no final de Outubro, quando disse que tinham ultrapassado as 90.000 desde o início da malfadada contra-ofensiva de Kiev no início de Julho. Durante a reunião desta semana, Shoigu descreveu o custo pago pelos soldados ucranianos no conflito como “colossal”.

Valery Zaluzhny, principal general da Ucrânia, disse anteriormente que o conflito com a Rússia havia chegado a um “impasse” e que suas forças armadas provavelmente não iriam conseguir um avanço no confronto tão cedo. O presidente Vladimir Zelensky contestou a avaliação, alegando que ainda estavam a ser feitos progressos na tentativa do seu país de devolver a Ucrânia às suas fronteiras anteriores a 2014.

Na segunda-feira, o secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, visitou Kiev para se encontrar com Zelensky e anunciar o mais recente pacote de assistência militar de Washington, no valor de cerca de 100 milhões de dólares. O Pentágono, contudo, alertou que está ficando sem dinheiro autorizado pelo Congresso para ser gasto na Ucrânia.

O financiamento tornou-se controverso no Capitólio; a ala conservadora do Partido Republicano se opõe a mais ajuda à Ucrânia. Os críticos da promessa da Casa Branca de apoiar Kiev “enquanto for necessário”  queixaram-se da falta de transparência e argumentaram que os EUA têm tarefas e prioridades mais importantes.

Alguns legisladores do Partido Republicano descreveram o governo Zelensky como um beneficiário problemático de ajuda, à luz de uma série de escândalos de corrupção este ano, incluindo no Ministério da Defesa ucraniano. 

Na terça-feira, o líder ucraniano deu as boas-vindas a mais dignitários estrangeiros na capital, incluindo o ministro da Defesa alemão, Boris Pistorius, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, e o presidente da Moldávia, Maia Sandu. O país comemora o 10º aniversário do que Kiev chama de  “Revolução da Dignidade”, os protestos em massa e a derrubada armada do governo democraticamente eleito da Ucrânia que, em última análise, levou ao atual confronto com a Rússia.

Moscou descreveu o conflito na Ucrânia como parte de uma guerra do ocidente por procuração liderada pelos EUA contra a Rússia, na qual os ucranianos são usados ​​como “bucha de canhão”. Anatoly Antonov, embaixador de Moscou em Washington, chamou o último pacote de ajuda “uma pílula sedativa” para o governo Zelensky, à medida que se aproxima da conclusão rápida de seu colapso, com o palhaço marionete Zelensky provavelmente sendo “jogado debaixo do ônibus” pelos seus antigos “aliados”.


“E ouvireis de GUERRAS e de rumores de GUERRAS; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores”.  Mateus 24:6-8


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.309 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth