browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

Última resistência de Kennedy e Trump: cooperação espacial usada contra Deep State

Posted by on 19/11/2020

Kennedy’s Last Stand & the Trump Card: Space Cooperation used against Deep StateEm 12 de novembro de 1963, o presidente Kennedy chegou a um acordo ousado com o então líder soviético Nikita Khrushchev: missões lunares conjuntas para acabar com a Guerra Fria. O Grupo MJ-12 [Deep State] não queria a cooperação dos EUA e da Rússia no espaço, uma vez que isso ameaçava expor suas operações espaciais secretas usando tecnologias de engenharia reversa adquiridas da Alemanha nazista e de espaçonaves alienígenas acidentadas. A chave para entender o que está acontecendo hoje na América é identificar o grupo por trás do “Assassinato de Kennedy” e como sua manifestação moderna está secretamente tentando remover Trump da presidência por seus esforços para construir cooperação internacional em torno de uma série de iniciativas relacionadas ao espaço exterior e liberação de secretas tecnologias avançadas e da vida extraterrestre. 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Última resistência de Kennedy e Trump: cooperação espacial usada contra Deep State

Fonte:  Exopolitics,org

Embora o discurso de Kennedy no início de 20 de setembro de 1963 nas Nações Unidas pedindo aos soviéticos que cooperassem em missões espaciais conjuntas e um pouso na lua seja um fato histórico bem conhecido, a aceitação de Khrushchev menos de dois meses depois é virtualmente desconhecida para a maioria.

O pedido de Kennedy e o acordo subsequente com Khrushchev representou muito mais do que uma tentativa de acabar com as tensões da Guerra Fria sobre o número crescente de armas nucleares sendo construídas pelos EUA e pelos soviéticos. Kennedy estava corajosamente tentando dar um fim ao bloqueio do Deep State na liberação de tecnologias classificadas relacionadas a OVNIs que poderiam desencadear avanços mundiais.

Em 28 de junho de 1961, o presidente Kennedy enviou um Memorando de Segurança Nacional Top Secret solicitando que seu Diretor da CIA, Allen Dulles, preparasse para ele uma “revisão das Operações de Inteligência MAJESTIC-12 no que se refere aos Planos de Guerra Psicológica da Guerra Fria”. Kennedy se referiu a um grupo de controle interagências chamado Majestic 12 [que acabou se transformando num governo paralelo dos EUA], que havia sido secretamente estabelecido em 24 de setembro de 1947, para gerenciar as questões e tecnologias relacionadas aos OVNIs. Essa autoridade colocava o MJ-12 no centro do Deep State nos Estados Unidos naquela época.

Embora o Memorando de 28 de junho [acima] de Kennedy não tenha sido oficialmente desclassificado, o exame do documento vazado confirma sua autenticidade.

A resposta de Dulles ao memorando de Kennedy é revelada em outro documento Top Secret divulgado em 5 de novembro de 1961. A resposta de Dulles dá uma visão geral das atividades do MJ-12 com relação às atividades psicológicas, que ele confirma envolver a questão dos OVNIs. Ele descreve os OVNIs como parte da “propaganda soviética” projetada para “espalhar a desconfiança no governo”.

A carta de Dulles reconhece que é possível que alguns “casos de OVNIs sejam de origem não terrestre”, mas estes não “constituem uma ameaça física à defesa nacional.” Mais significativamente, a carta de Dulles afirma: “Por razões de segurança, não posso divulgar dados pertinentes sobre alguns dos aspectos mais sensíveis das atividades do MJ-12”.

O que Kennedy não sabia era que, além de negar seu pedido e bloquear seus outros esforços para afirmar a autoridade presidencial sobre as operações MJ-12 e a revelação dos OVNIs, Dulles organizou para que o MJ-12 emitisse oito diretivas em outubro de 1961. As Diretivas autorizavam “a remoção” de escritório de membros da administração Kennedy se eles ameaçassem as operações do MJ-12.

No meu livro Kennedy’s Last Stand (2013), documento os múltiplos esforços de Kennedy para afirmar a autoridade presidencial sobre o Grupo MJ-12 e arquivos OVNIs classificados. Em resumo, depois que Kennedy chegou a seu acordo inovador com Khrushchev para missões conjuntas espaciais e lunares, o chefe da divisão de contra-espionagem da CIA, James Jesus Angleton, implementou uma das diretrizes do MJ-12 autorizando a remoção de figuras políticas.

A mais extrema das oito diretivas MJ-12 era uma enigmática  autorização de assassinato:

Rascunho – Diretriz relativa do projeto Meio Ambiente – Quando as condições se tornam desfavoráveis ​​para o crescimento em nosso meio ambiente e Washington não pode mais ser influenciada, o clima está sem chuva … deveria estar úmido.

O Dr. Robert Wood, o maior especialista na análise de documentos MJ-12 usando métodos forenses, concluiu que o documento queimado é uma diretiva de assassinato.  Ele ressalta que a frase enigmática, “deveria ser molhado” se origina da Rússia, onde a frase “trabalhos úmidos” ou “casos molhados” denota alguém que foi morto e está encharcado de sangue.

A implementação do “Projeto Meio Ambiente” levou ao conhecido assassinato público de Kennedy e serviu como um claro aviso para outros líderes políticos não desafiarem o Estado Profundo.

O Grupo MJ-12 não queria a cooperação dos EUA e da Rússia no espaço, uma vez que isso ameaçava expor suas operações espaciais secretas usando tecnologias de engenharia reversa adquiridas da Alemanha nazista e de espaçonaves alienígenas acidentadas. Ainda mais sensíveis foram os acordos alcançados com a colônia nazista alemã na Antártica e diferentes grupos extraterrestres.

Nas décadas subsequentes, o Grupo MJ-12, trabalhando por meio da CIA, estava no controle das operações secretas e atividades de inteligência no espaço. Isso foi possível graças a um enorme orçamento negro de mais de um trilhão de dólares anualmente que a CIA canalizava para vários programas classificados e agências de defesa, como o National Reconnaissance Office.

O Departamento de Defesa [DoD] e o gabinete executivo do presidente ficaram sem saber exatamente o que estava acontecendo na órbita da Terra e além. Antes de se tornar Secretário de Defesa em 20 de janeiro de 2001, Donald Rumsfeld chefiou uma Comissão de Segurança Nacional nomeada pelo Congresso que entregou um relatório  recomendando a criação de um Corpo Espacial para defender os EUA de um Pearl Harbor Espacial:

Um ataque a elementos dos sistemas espaciais dos EUA durante uma crise ou conflito não deve ser considerado um ato improvável. Se os EUA quiserem evitar um “Pearl Harbor Espacial”, precisam levar a sério a possibilidade de um ataque aos sistemas espaciais dos EUA. Os líderes da nação devem assegurar que a vulnerabilidade dos Estados Unidos seja reduzida e que as consequências de um ataque surpresa aos recursos espaciais dos EUA sejam limitados em seus efeitos.

O uso do espaço na defesa dos interesses dos EUA pode exigir a criação de um departamento militar para o espaço em alguma data futura … Um Corpo Espacial dentro do Departamento da Força Aérea pode ser um modelo apropriado por si só ou uma estação intermediária útil na evolução para um Departamento Espacial.

Apenas oito meses depois, em 10 de setembro de 2001, quando a legislação do Congresso para um Corpo Espacial estava para ser revelada, Rumsfeld revelou que 2,3 trilhões de dólares não podiam ser contabilizados e declarou que a burocracia do Pentágono era a maior ameaça da América :

“O tema de hoje é um adversário que representa uma ameaça, uma grave ameaça, para a segurança dos Estados Unidos da América . Este adversário é um dos últimos bastiões do planejamento central do mundo, governa ao ditar planos de 5 anos … Você pode pensar que estou descrevendo um dos últimos ditadores decrépitos do mundo, mas seus dias também estão quase no passado e eles não podem igualar a força e tamanho deste adversário. O adversário está mais perto de casa, é a burocracia do Pentágono … Neste edifício, apesar da era de recursos escassos, tributados por ameaças crescentes, o dinheiro desaparece em duplicidade de deveres, burocracia inchada, não por ganância, mas por engarrafamento. A inovação é sufocada não por más intenções, mas pela inércia institucional”.

Em seu discurso, Rumsfeld não estava apenas identificando as razões para o dinheiro desaparecido, mas também sinalizando que ele poderia ser usado para financiar iniciativas necessárias, embora caras, do Pentágono, como o Space Corps.

Um dia após seu discurso provocativo, os ataques [fakes] terroristas de 11 de setembro (de bandeira falsa) envolveram os Estados Unidos em guerras intermináveis ​​no Oriente Médio contra uma ameaça terrorista global planejada. Consequentemente, a proposta de um Corpo Espacial foi engavetada por quase 20 anos, até o segundo ano da presidência de Donald Trump.

Em 13 de março de 2018, o presidente Trump apresentou pela primeira vez e, nos meses seguintes, propôs formalmente a criação da Força Espacial como um 6º ramo das Forças Armadas dos EUA.

Como o presidente Kennedy antes dele, Trump teve uma visão ousada de cooperar com a Rússia para implementar sua agenda presidencial e encerrar a nova Guerra Fria. Durante sua primeira campanha eleitoral presidencial, Trump fez muitas aberturas para que o presidente Putin da Rússia cooperasse em uma série de questões globais.

Novamente, como Kennedy, Trump previu o lançamento de novas tecnologias para levar a humanidade a uma nova era de prosperidade e cooperação. Isso é evidenciado no discurso inaugural de Trump em 2017, onde ele disse :

Estamos no nascimento de um novo milênio, prontos para desvendar os mistérios do espaço, para libertar a Terra das misérias das doenças e para aproveitar as energias, indústrias e tecnologias de amanhã.

Como Kennedy, Trump convocou missões lunares conjuntas com outras nações com viagens espaciais, incluindo a Rússia. Em 11 de dezembro de 2017, o presidente Donald Trump emitiu a Diretiva de Política Espacial-1, que exigia o retorno dos humanos à Lua, a exploração comercial do espaço e as missões humanas a Marte e além.

A Diretiva apelava a “um programa inovador e sustentável de exploração com parceiros comerciais e internacionais para permitir a expansão humana em todo o sistema solar e trazer de volta à Terra novos conhecimentos e oportunidades”.

Assim como Kennedy havia tentado contornar a oposição do Deep State para que ele ganhasse acesso a arquivos confidenciais de OVNIs, a proposta da Força Espacial de Trump é também uma tentativa de contornar o bloqueio do Deep State em liberar tecnologias classificadas de engenharia reversa que poderiam desencadear uma revolução na atual tecnologia global.

Além disso, a criação da Força Espacial por Trump ameaça a tentativa do Estado Profundo de tornar a América vulnerável a um Pearl Harbor Espacial, envolvendo-a em uma guerra sem fim contra o terror. Ao mesmo tempo, o Deep State tem ajudado secretamente a China comunista por décadas [secretamente transferindo tecnologias] a desenvolver espaçonaves antigravitacionais e a construir uma marinha espacial poderosa, como alerto em Rise of the Red Dragon (2020).

Trump está enfrentando retaliação maciça do Estado Profundo sobre seus planos de cooperação no espaço sideral, missões lunares conjuntas, terminando a Guerra Fria com a Rússia e estabelecendo uma Força Espacial, assim como Kennedy fez antes dele.

As oito diretivas do Majestic-12, ou alguma iteração atualizada delas, estabelecem métodos drásticos que podem ser usados ​​para remover ou tirar qualquer líder político que ameace suas operações. Hoje, uma eleição roubada , ao invés de um assassinato físico, é a solução do Deep State para remover o presidente Donald Trump, mais um líder problemático aos seus planos e agendas, do cargo político.

A chave para entender o que está acontecendo hoje na América é identificar o misterioso grupo por trás do Assassinato de Kennedy e como sua manifestação moderna está secretamente tentando remover Trump da presidência por seus esforços para construir cooperação internacional em torno de uma série de iniciativas relacionadas ao espaço exterior

O dia 22 de novembro vai marcar o 57º aniversário do assassinato de Kennedy. Os verdadeiros perpetradores permaneceram habilmente nas sombras e nunca foram processados ​​por seu crime. Assim, seus sucessores continuam a traçar e implementar agendas do Estado Profundo que remontam às oito diretrizes originais do MJ-12 [MAJESTIC-12].

[Nota: Para saber mais sobre o assassinato do presidente Kennedy, o grupo por trás dele, e por que esta informação tem um link crítico para a batalha épica do presidente Trump hoje, realizarei um webinar intensivo no domingo, 22 de novembro de 2020 – clique aqui ou banner abaixo para mais informações].

[Observação: a versão em áudio deste artigo está disponível no YouTube e no Spotify ]

© Michael E. Salla, Ph.D. Copyright Notice


“Mas, conhecendo ele os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino, dividido contra si mesmo, será assolado; e a casa, dividida contra si mesma, cairá.  Lucas 11:17

“Jesus, porém, conhecendo os seus pensamentos, disse-lhes: Todo o reino dividido contra si mesmo é devastado; e toda a cidade, ou casa, dividida contra si mesma não subsistirá”. Mateus 12:25

“E, se uma casa se dividir contra si mesma, tal casa não pode subsistir”.  Marcos 3:25


Mais informações, leitura adicional:

Permite reproduzir desde que mantida a formatação original e a conversão como fontes.

phi-cosmoswww.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.