Uma Nova Estratégia da Nova Ordem Mundial: O Inferno dos palestinos em Gaza

O russo Vladimir Putin disse recentemente que a situação atual dos palestinos na Bloqueada Faixa de Gaza é uma  “catástrofe humanitária”.  O presidente russo disse também que o princípio da   “responsabilidade coletiva”, no caso de Gaza, onde morrem idosos, mulheres, crianças e famílias inteiras, desafia a lógica e a decência.  Contudo, a decência não tem nada a ver com os planos da ordem mundial liberal, transgênero, “acordada”, transhumanista, LGBTQ+, et caterva, para nós.

Uma Nova Estratégia da Nova Ordem Mundial: O Inferno dos palestinos em Gaza

Fonte: Zero Hedge

Putin prosseguiu definindo a Nova Ordem Mundial como “a mesma velha hipocrisia, padrões duplos, reivindicações de exclusividade, domínio global, para preservar o sistema essencialmente neocolonial”. O líder russo prosseguiu resumindo os objetivos da catástrofe de Gaza e os conflitos mais amplos num conflito em curso entre o Ocidente e o Oriente.

“O objetivo, na minha opinião, de todas estas ações é óbvio – multiplicar a instabilidade no mundo, dividir culturas, povos, religiões mundiais, provocar um conflito de civilizações – tudo de acordo com o conhecido princípio de ‘dividir para governar'”

A Sanção à Iugoslávia

Podemos encontrar a resposta aqui sem nos aprofundarmos muito na história. Olhando para trás, para quando a Iugoslávia era uma sociedade sólida entre o bloco da OTAN e a União Soviética, “dividir para conquistar” é a lição. 

Num artigo de  Ronald D. Cox  de 2020 intitulado “O Imperialismo dos EUA e a Desintegração da Iugoslávia”, o autor diz que o objetivo era “fortalecer e expandir o objetivo da OTAN durante o período pós-Guerra Fria”. Os Estados Unidos intervieram com uma missão mais ampla: expandir a OTAN e proteger o acesso ao abastecimento de petróleo.

Karen Talbot, no seu artigo intitulado  “As verdadeiras razões para a guerra na Iugoslávia: apoiando a globalização com o poder militar”,  a analista descreveu a dissolução da Iugoslávia liderada pelos EUA como um projeto imperialista. Aqui está um trecho do artigo Justiça Social/Opções Globais em 2000:

“Os Estados Unidos e os seus subordinados da OTAN foram claramente encorajados pelo seu “sucesso” no bombardeamento da Iugoslávia, pelos seus anteriores bombardeamentos das áreas sérvias da Bósnia e pelas suas vitórias nos outros remanescentes da Iugoslávia? Croácia, Eslovénia e Macedónia. As crescentes alianças militares, com os EUA no comando, são agora mais propensas do que nunca a tentar intervir de forma semelhante contra qualquer país que se recuse a ser uma colônia da nova ordem mundial, permitindo que a sua riqueza e força de trabalho sejam saqueadas por corporações transnacionais. ”

Deixando de lado a afirmação do então presidente Bill Clinton de que a aliança da OTAN pode “fazer isso agora. Podemos fazer isso amanhã, se for necessário, em outro lugar.”  As cerca de 23.000 bombas lançadas (incluindo munições de urânio empobrecido) sobre a Iugoslávia em 79 dias foram o fim de uma nação de grande potencial e o início de um processo. 

Em 2001 e no espetáculo terrorista de “Falsa Bandeira” do ‘atentado’ de 11 de Setembro às torres gêmeas do WTC, tornou-se claro que “outro lugar” significava o Afeganistão e o Iraque. O plano era, e é, fragmentar o Oriente Médio, proteger o petróleo americano e israelita e os interesses estratégicos naquele país, e subjugar qualquer resistência à ordem liberal permissiva, corrupta e transviada. Todos os americanos veem como terminaram estas guerras multibilionárias. Então, não vou entrar em detalhes aqui.

O ‘Nobre’ Presidente Obama

Em seguida, a América “elegeu” um presidente afro-americano, Barack Hussein Obama, e a campanha de divisão aumentou. O homem que ganhou o Prêmio Nobel da Paz (de alguma forma) bombardeou, ordenou a morte e instigou mais mortes do que qualquer pessoa desde os tempos de Stalin e Hitler. 

Ele também nos mostra que existe um padrão no esquema americano de domínio mundial. Lembre-se, tal como o atual presidente Joe Biden, Obama herdou a situação do Afeganistão e do Iraque. Ele iniciou a retirada das tropas dos EUA em ambos os lugares, ao mesmo tempo que preparava a próxima conflagração chamada a “Primavera Árabe” no norte da África. Engenhoso, não?

Obama ajudou a organizar uma intervenção liderada pela OTAN na Líbia, que resultou na queda de Muammar Gaddafi. Obama supervisionou operações massivas de vigilância como o PRISM, e sobre os políticos do “estado profundo” como Donald Trump e o candidato presidencial Robert Kennedy Jr. 

Além disso, o envolvimento de Obama na guerra na Síria contra o governo de Bashar al-Assad [pelos interesses de Israel] revelou ao mundo as mais flagrantes conquistas da mudança de regime. Milhões de refugiados inundaram a Europa, dezenas de milhares de pessoas morreram e continuam a morrer, e a região ainda está fragmentada e fraca. Quase dividida e conquistada totalmente. Quase. Foi sob a liderança de Obama que o golpe Euromaidan na Ucrânia foi planejado, financiado e executado em 2014.

Ah, e não esqueçamos o “Modelo do Iémen” do Sr. Obama, onde uma força por procuração foi organizada, financiada e apoiada para transformar aquele país num campo de matança de horror indescritível. O vencedor do Prêmio Nobel da Paz ordenou ataques aéreos, assassinatos seletivos e a instalação de um general fantoche solidário com os EUA, com a Arábia Saudita e com Israel. 

Obama afirmou que a revolução do Iémen era “um modelo de sucesso” na implementação de outras mudanças de regime em todo o mundo. Até agora, cerca de meio milhão de pessoas foram mortas nessa experiência modelo neo-imperialista de “sucesso” e ainda em curso. 

Avançando até hoje, a coligação liderada pela Arábia Saudita realizou 25.054 ataques aéreos no Iémen até ao final de Março de 2022. Assim, a administração Biden assumiu a missão. E depois há a Ucrânia, a maior guerra por procuração de todas que se desenrola mesmo diante dos nossos olhos.

O Mini Eu de Obama – Joe Biden

Há alguns anos, nas Nações Unidas, Joe Biden afirmou:  “Não procuramos – repito, não procuramos – uma nova Guerra Fria ou um mundo dividido em blocos rígidos”. Curiosamente,  o The Guardian  teve uma bola de cristal em Setembro de 2021, ao afirmar que  “Impulsionar a adesão da Ucrânia à NATO como um passo pró-democracia pode provocar uma resposta militar russa”. Você não precisa ser professor de Harvard ou Sherlock Holmes para descobrir a verdade subjacente. A missão de Joe Biden (além de levar a América à falência) é precisamente o que ele disse que não é real.

Por último, a guerra por procuração na Ucrânia simplesmente não está correndo bem como planejado. O povo americano não está nada entusiasmado com o fato de o seu presidente enviar centenas de bilhões de dólares para o governo mais corrupto do planeta, enquanto os sem-abrigo vagueiam pelas ruas do seu país. 

À medida que a tolerância com a Ucrânia atinge o ponto de crise e as próximas eleições se aproximam, então o fogo da guerra deve ser aceso noutros lugares. E o Oriente Médio está preparado para um incêndio infernal como o mundo nunca viu. Suponhamos que Israel tenha de gritar “Flecha Quebrada” (uma frase de código militar dos EUA que indica que uma unidade terrestre enfrenta destruição iminente). Nesse caso, é concebível que a batalha final pela dominação mundial possa estar próxima.


AVISO PARA OS ASSINANTES DO BLOG: Para os leitores assinantes do Blog, que recebiam o link para acessar as postagens em seus endereços de E-Mail, solicitamos, por favor, que refaçam a sua inscrição aqui neste LINK: https://linktr.ee/thoth3126, devido à problemas técnicos e perda de dados que tivemos com a migração de servidor. Também avisamos aos nossos leitores que estamos preparando uma NOVA VERSÃO do Blog que em breve será disponibilizada para todos.

Convidamos também a conhecerem e seguirem nossas redes sociais:
Instagram: https://www.instagram.com/th.oth3126/
Facebook: https://www.facebook.com/thoth3126.blog
X (antigo Twitter): https://twitter.com/thoth3126_blog
Youtube: https://www.youtube.com/@


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth