Uma Transformação Massiva está ocorrendo na Rússia e o Ocidente está Cego para isso

Dois anos e meio após o início da sua guerra contra o Ocidente na Ucrânia, a Rússia encontra-se certamente no caminho de um novo sentido de si mesma. Na verdade, esta tendência é anterior à operação militar, mas foi fortemente intensificada como resultado e consequência. Desde fevereiro de 2022, os russos vivem numa realidade totalmente nova. Pela primeira vez desde 1945, o país está realmente em guerra, com combates acirrados ao longo de uma linha de frente de 2.000 quilômetros, e não muito longe de Moscovo.

Uma transformação social na Rússia que começou antes do início dos combates na Ucrânia no início de 2022 parece agora irreversível

Fonte: Rússia Today

Belgorod, um centro provincial perto da fronteira com a Ucrânia, é continuamente sujeito a ataques mortais de mísseis e drones em instalações civis por parte das forças de Kiev.

Ocasionalmente, os drones ucranianos chegam muito mais fundo no interior da Rússia. No entanto, Moscou e outras grandes cidades continuam como se não houvesse guerra e (quase) também não houvesse sanções ocidentais. As ruas estão cheias de gente e os shoppings e supermercados oferecem a habitual abundância de bens e alimentos. Poderíamos concluir que Moscou e Belgorod são uma história de dois países, que os russos conseguiram viver simultaneamente tanto em tempos de guerra como em tempos de paz.

Esta seria uma conclusão errada. Mesmo a parte do país que aparentemente vive “em paz” é marcadamente diferente do que era antes do início do conflito na Ucrânia. O foco central da Rússia pós-soviética – o dinheiro – não foi eliminado, é claro, mas perdeu certamente o seu domínio inquestionável.

Quando muitas pessoas – não apenas soldados, mas também civis – são mortas, outros valores não materiais estão regressando. O patriotismo, insultado e ridicularizado pelo hospício “liberal” do ocidente na sequência do colapso da União Soviética, está ressurgindo com força.

Na ausência de uma nova mobilização militar, centenas de milhares de pessoas que assinam contratos com os militares da Rússia são motivadas pelo desejo de ajudar o seu país voluntariamente. Não apenas pelo que eles podem obter com isso.

A cultura popular russa está abandonando – lentamente, talvez, mas de forma constante – o hábito de imitar o que está na moda no Hospício do Ocidente liberal, “acordado”, transgênero, LGBTQ+, DEI, satanista, pedófilo, ESG, transhumanista e “zero emissão CO²”.

Em vez disso, as tradições da literatura russa, incluindo a poesia, o cinema e a música, estão sendo revividas e desenvolvidas. Um aumento no turismo interno abriu aos russos comuns os tesouros do seu próprio país – até recentemente negligenciados, à medida que a sede de viajar para o estrangeiro era saciada. (As viagens ao estrangeiro ainda estão disponíveis, mas a logística difícil torna o acesso a outras partes da Europa muito menos fácil do que antes).

Politicamente, não há nenhuma oposição contra o sistema atual. Quase todas as suas antigas figuras de proa da oposição estão no estrangeiro e Alexey Navalny morreu na prisão. Muitos antigos ícones culturais que, depois de Fevereiro de 2022, [judeus khazares russos que] decidiram emigrar para Israel, para a Europa Ocidental ou para qualquer outro lugar, estão rapidamente tornando-se celebridades de ontem, à medida que o país avança.

Os jornalistas e ativistas russos que criticam a Rússia à distância estão cada vez mais perdendo contato com os seus públicos anteriores e são confrontados com acusações de servirem os interesses dos países ocidentais que lutam contra a Rússia na guerra por procuração na Ucrânia. Em contrapartida, quase dois terços dos jovens que deixaram a Rússia em 2022 por medo de serem mobilizados regressaram, alguns deles bastante amargurados com a sua experiência no “estrangeiro” hostil aos russoa.

A declaração de Putin sobre a necessidade de uma nova elite nacional na Rússia, e a sua promoção dos veteranos de guerra como o núcleo dessa elite, é mais uma intenção do que um plano real nesta fase, mas a elite russa está definitivamente passando por uma mudança massiva. Muitos magnatas liberais [em sua maioria judeus khazares] já não pertencem essencialmente à Rússia; o seu desejo de manter os seus bens no Ocidente acabou por separá-los do seu país natal.

Aqueles que permaneceram na Rússia sabem que os iates no Mediterrâneo, as vilas na Côte d’Azur e as mansões em Londres não estão mais disponíveis para eles, ou pelo menos não são mais seguros para mantê-los. Na Rússia, está surgindo um novo modelo de empresário de nível médio: alguém que combina dinheiro com envolvimento social (não o modelo ESG/DEI) e que constrói o seu futuro dentro do país.

A cultura política russa está regressando aos seus fundamentos. Diferentemente do Ocidente, mas um tanto semelhante ao Oriente – baseia-se no modelo de família. Existe ordem e existe uma hierarquia; os direitos são equilibrados pelas responsabilidades; o estado não é um mal necessário, mas o principal bem público e o valor social máximo.

A política, no sentido ocidental de competição constante e muitas vezes sem limites, é vista como egoísta e destrutiva; em vez disso, espera-se que aqueles a quem é confiada a liderança do Estado arbitrem, garantam a harmonia dos vários interesses, etc.

É claro que isto é um ideal e não uma realidade. Na realidade, as coisas são mais complexas e complicadas, mas a cultura política tradicional, na sua essência, está viva e bem, e os últimos 30 a 40 anos, embora extremamente instrutivos e impactantes, não a derrubaram.

As atitudes russas em relação ao Ocidente também são complexas. Existe uma apreciação da cultura ocidental clássica e moderna (mas não tanto pós-moderna), das artes e da tecnologia, e até certo ponto dos padrões de vida. Recentemente, a imagem positiva anteriormente não adulterada do Ocidente como sociedade foi estragada pela promoção agressiva pelo ocidente dos valores LGBTQ, da cultura do cancelamento, de outros desvios e assim por diante.

O que também mudou foi a visão das políticas ocidentais, da política e especialmente dos políticos, que perderam o respeito que a maioria dos russos outrora tinha por eles. A visão do Ocidente como adversário hereditário da Rússia ganhou novamente proeminência – não principalmente devido à propaganda do Kremlin, mas em função das próprias políticas do Ocidente, desde fornecer à Ucrânia armas que matam soldados e civis russos, até sanções que, em muitos aspectos, são indiscriminada, a tentativas de cancelar a cultura russa ou de excluir os russos do desporto mundial. Isto não fez com que os russos considerassem os ocidentais individuais como inimigos, mas o Ocidente político/media é amplamente visto aqui como uma casa de adversários.

Há uma clara necessidade de um conjunto de ideias orientadoras sobre “quem somos”,  “onde estamos neste mundo” e “para onde vamos”. Contudo, a palavra “ ideologia” está demasiado ligada, na mente de muitas pessoas, à antiga e obsoleta rigidez do Marxismo-Leninismo Soviético.

Tudo o que finalmente surgir será provavelmente construído sobre a base em valores das religiões tradicionais, começando pela Ortodoxia Russa, e incluirá elementos do nosso passado, incluindo os períodos pré-petrino, imperial e soviético.

O atual confronto com o Ocidente torna imperativo que surja finalmente algum tipo de novo conceito ideológico, no qual a soberania e o patriotismo, a lei e a justiça assumam um papel central. A propaganda ocidental refere-se a isso pejorativamente como “Putinismo” , mas, para a maioria dos russos, pode ser simplesmente descrito como o caminho da Rússia”.

É claro que há pessoas insatisfeitas com políticas que as privaram de certas oportunidades. Especialmente se os interesses dessas pessoas estiverem principalmente no dinheiro e na riqueza individual. Os membros deste grupo que não foram para o estrangeiro estão sentados em silêncio, nutrem receios e esperam, em particular, que de alguma forma, custe o que custar para os outros, os “bons velhos tempos” voltem. É provável que fiquem desapontados. Quanto às mudanças dentro da elite, Putin pretende infundir sangue novo e vigor no sistema.

Não parece que algum tipo de “expurgo” esteja chegando. As mudanças, no entanto, serão substanciais, dado o fator idade. A maioria dos atuais ocupantes dos primeiros cargos tem cerca de 70 anos. Nos próximos seis a dez anos, esses cargos serão atribuídos a pessoas mais jovens. Garantir que o legado de Putin continue vivo é uma tarefa importante para o Kremlin. A sucessão não é apenas uma questão de quem eventualmente emerge na posição de topo, mas de que tipo de “geração dominante” que entra.


2 respostas

  1. Realmente a Russia vem ajudando a impedir a propagação do projeto da NOM, e mesmo com todas as atrocidades para evitar que a OTAN instale bases na Ucrânia, que a deicharia vulnerável, e isso não pode ser permitido, todos sabem, o Povo do bem tem o PUTIN como um defensor da familia, da Ética moral e da preservação dos bons costumes! Eu em particular, tenho este Volodymir Zelensky como um marioneti da NOM ou ate de Demons/Arconts etc…, pois mesmo sabendo que levaria a destruição da Ucrânia e a incontaveis mortes a decisão de entrar na OTAN, e mesmo diante de tamanha tragédia, ele mantem!

  2. A sociedade da Rússia sempre atuou na preservação de seus conceitos morais . familiares e sociais. Tem na família, como ordem primas de comportamento vindo dos fundamentos familiares. Apos surto ocidental com seus comportamentos e valores deturpadores dos bens morais e sociais. Essa volta a seus próprios valores, se da justamente numa era em que se pregam liberdade e ideologias um tanto quanto duvidosas, para com comportamentos familiares.
    Seguindo esses caminhos demonstram amadurecimento e preservaçao de costumes, lhes levam a prosperidade e liberdade própria, sem espelhos de ofuscante de outras sociedades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth