Vender armas para assassinos da Guerra Moderna Num ‘Mundo Demoníaco’. A Criminalização da Justiça

Enquanto os criminosos mais despóticos do mundo circulam livremente nas suas torres de marfim, os pequenos criminosos e os justos estão firmemente encarcerados atrás das grades. É assim que “A Lei” funciona num mundo onde a injustiça assumiu o papel da justiça. Os acordos celebrados entre aqueles que ocupam os mais altos cargos de poder são cada vez mais celebrados sem qualquer recurso ao interesse público, aos procedimentos democráticos, aos protocolos internacionais ou à lei do país onde são promulgados.

Vender armas para assassinos da Guerra Moderna Num ‘Mundo Demoníaco’. A Criminalização da Justiça

Fonte: Global Research

Ao nível da rua, os exercícios de relações públicas fazem parecer que algum “interesse/segurança nacional” está sendo defendido. Alguma verdade inviolável sendo mantida e que não deve ser desafiada.

É assim que a Grã-Bretanha, os EUA e os seus aliados mais próximos “condenam” – num exercício de relações públicas cuidadosamente codificado – o assassinato implacável de dezenas de milhares de palestinos em Gaza pelos sionistas de Israel, mas continuam a fornecer em abundância a estes assassinos as mais recentes armas da guerra moderna.

Depois, quando Netanyahu ordenou a destruição do consulado iraniano em Damasco, matando 11 pessoas, incluindo pelo menos dois comandantes seniores da força al-Quds da Guarda Revolucionária Iraniana, foi rapidamente recebido um aviso da liderança iraniana de que iria vingar-se destes mortes.

Nesta altura, os líderes ocidentais que tinham condenado os assassinatos injustificados do exército israelita em Gaza, levantaram-se e anunciaram descaradamente uma garantia “firme de ferro” de que “não hesitariam em defender o “povo eleito” de Israel contra os seus inimigos”.

E assim o fizeram – quando o Irã se manteve fiel – e numa resposta cuidadosamente calculada que utilizou projéteis de movimento relativamente lento e (entendemos) deu um pré-aviso emitido muito antes da sua intenção – lançaram uma frota de drones e foguetes para perturbar o principal campo de aviação militar de Israel e esgotar suas defesas antiaéreas. 

O governo do Reino Unido, desrespeitando – como se tornou a norma –   o direito internacional e os protocolos de envolvimento militar, ordenou que os seus aviões de combate entrassem em ação sobre o território israelita para derrubar mísseis e drones iranianos que chegavam, à custa dos contribuintes britânicos não consultados. Os EUA e a França envolveram-se da mesma forma.

Essa bravura predatória (contínua) está sendo demonstrada na causa da defesa do indefensável.

O Irã é um país que resistiu à pressão para se tornar mais um posto militar permanente dos EUA. Portanto, continua a ser o inimigo público número 1 do Oriente Médio, pela definição belicista e imperialista ocidental e aliado de Israel.

Afinal de contas, como poderia ainda ser permitido a um país árabe operar de acordo com as suas próprias práticas e tradições culturais e não se ajoelhar perante o poder do déspota mais velho para se conformar com os costumes e exigências energéticas ocidentais?

Portanto, se surgir uma desculpa há muito aguardada para tirar o Irã da água, isso significará a conclusão de uma limpeza completa das ambições hegemônicas dos EUA/Israel (e dos seus aliados) no Oriente Médio e uma excelente oportunidade para colocarem as mãos encharcadas de sangue em muito mais bens valiosos dos ativos minerais iranianos. Pelo menos essa era a visão dos Neoconservadores antes de o Irã começar a desenvolver sua própria indústria local de mísseis e uma capacidade nuclear.

Mas não pense muito sobre como a Rússia, a China e outros aliados do Irã poderão reagir a tal resultado. “Não”, diz Lord Cameron, Secretário dos Negócios Estrangeiros do governo britânico. “Devemos continuar a vender armas a Israel. Devemos nos manter firmes”. 

Isto, apesar de um clamor global contra tal ação por parte de um grande número de seres humanos sencientes que ainda mantêm valores reais, incluindo a capacidade de pensar em rápido declínio.

“Oh, Deus”, diz o Ministro das Finanças do Reino Unido, Jeremy Hunt, “as vendas de armas a Israel rendem bilhões, não podemos simplesmente eliminá-las, pois não? A economia nacional não pode dar-se ao luxo de se endividar ainda mais.”

“Mas e as próximas eleições gerais?” diz a hierarquia conservadora. “E se o eleitorado ficar do lado dos palestinos e rejeitar a nossa linha de ação?”

O Ministro das Finanças não precisa de pensar muito “Nesse caso iremos com o eleitorado e proibiremos a venda de armas. Isso pode melhorar nossas chances no outono. Compensaremos a perda financeira aumentando os impostos sobre alimentos e combustíveis. Devemos manter o nosso compromisso da “Grande Reinicialização” e do Novo Acordo Verde para matar os agricultores à fome, atingir os trabalhadores da indústria e livrar o mundo dos combustíveis fósseis, certo?”

A moral desta história não é difícil de compreender: existe apenas um deus – o deus do poder e do controle. O deus do ‘domínio de espectro total’. Além disso, o jogo do engano move-se de um lado para o outro, de modo a fazer parecer que está sendo feita alguma tentativa de “defender a justiça” e tocar as cordas da democracia.

Assim, os arquitetos do controle dizem para si próprios: “não deixem nenhum instinto humanitário entrar em cena. Não, isso significa o começo do fim do mundo como o conhecemos. Afinal, nosso sistema centralizado de controle satânico é o novo normal, é do nosso interesse que a maioria não queira ser perturbada por mudanças no status quo.’ 

Alguns leitores podem estar se perguntando: o que acontecerá se esses demônios que conhecemos forem substituídos por demônios que não conhecemos?

Bem, na verdade, os demônios atuais estão agitando o mesmo caldeirão maligno que os seus antecessores, por isso os próximos irão sem dúvida continuar o trabalho: fazer com que quaisquer resistentes remanescentes sejam completamente controlados pelo medo, submetidos a IA, micro-ondas e despojados dos seus bens. Tire a soberania dos Estados-nação do caminho. Criar uma Nova Ordem Mundial centralizada e supranacional que torne qualquer expressão de amor um crime. Eliminar as artes, a espiritualidade e cerca de 90% da população humana.

Defender o indefensável arrasta alguém para o mesmo poço de cobras ocupado por psicopatas assassinos genocidas. É uma missão suicida e não há luz no fim desse túnel em particular. Sabemos o que nós, ‘as pessoas com propósito’, temos que fazer. Isso se repete em todos os meus escritos.

Já deveríamos ter avançado fortemente no nosso compromisso com a defesa da Vida. Deveríamos estar planejando, todos os dias, as ações que precisamos tomar para retomar o controle de nossos destinos e nos unirmos a outras pessoas não-zumbis com propósito para esse mesmo fim.

A revolução de baixo para cima que expulsará os demônios em forma humana que vampiram tão assiduamente as nossas liberdades, os nossos poderes únicos de pensamento e até as nossas próprias almas, está tão próxima quanto nós coletivamente a fazemos.

A Fonte Suprema nos deu todo o poder que precisamos para agir. Ao não usarmos esse poder, deixamos que ele murche na videira. Isto é um crime por omissão. Um crime que torna cúmplice no convite à colonização interna e externa por demônios. 

Você já viu a mesma escrita na parede?

Talvez você tenha visto, pois é cada vez mais difícil não percebê-lo. Mas a tendência continua a ser a de eliminar os tijolos   – como as surpreendentes verdades de Banksy – em vez de encarar a realidade.

Lutamos pelo futuro daquilo que proclamamos ser o “amor à vida”. Não pode haver compromisso na nossa determinação de sairmos vencedores no que se tornou um confronto muito literal entre as forças da vida e as da morte. Mas lembrem-se, “a hora mais escura é pouco antes do amanhecer”. 

Cada um de nós tem um papel fundamental a desempenhar para inspirar o amanhecer do amanhã a surgir no horizonte como um arauto ardente da nossa determinação energética de livrar este belo planeta de parasitas políticos, cruéis, frios e sanguinários psicopatas obcecados pelo poder.

Aqueles cujas mãos manchadas de sangue consideram os lucros da guerra mais valiosos do que a defesa do dom imensurável da vida. Aquele dom que é o direito fundamental insubstituível de todos os povos. De toda a humanidade.

Notem bem: o diálogo político retratado neste artigo são palavras do autor, não citações dos citados.

Julian Rose é agricultor orgânico, escritor, locutor e ativista internacional. Ele é autor de quatro livros, dos quais o último ‘Superando a Mente Robótica’ é um chamado para resistir à despótica tomada de controle de nossas vidas pela Nova Ordem Mundial. Visite seu site para mais informações www.julianrose.info 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth