Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

Victoria Nuland deixando o cargo enquanto a Ucrânia está nas cordas, política externa dos EUA em Ruínas

casa-branca-circo-eua

As forças ucranianas estão em retirada e a guerra está correndo mal do ponto de vista da OTAN, os mais de 60 bilhões de dólares dos EUA para Kiev estão suspensos na Câmara e as hipóteses de reeleição de ‘Dementia’ Joe parecem sombrias em Novembro. E como se confirmasse que não há luz no fim do túnel, a judeu khazar, feroz defensora dos interesses de Israel, Victoria Nuland está deixando o cargo de Subsecretária de Estado para Assuntos Políticos dos EUA.

Victoria Nuland deixando o cargo enquanto a Ucrânia está nas cordas, política dos EUA em Ruínas

Fontes: Zero HedgeRússia Today

O Departamento de Estado anunciou na manhã dessa terça-feira que ela está se aposentando.  Curiosamente, o anúncio da Associated Press sublinha o seu legado agressivo na Rússia e na Ucrânia. “Victoria Nuland, a terceira diplomata norte-americana mais importante e alvo frequente de críticas pelas suas opiniões agressivas sobre a Rússia e as suas ações na Ucrânia, deixará o cargo este mês, informou o Departamento de Estado na terça-feira”escreveu.

Seu chefe, o também judeu khazar, Antony Blinken, disse algo um pouco irônico ao revelar sua saída: “Mas é a liderança dos conservadores na Ucrânia que diplomatas e estudantes de política externa estudarão nos próximos anos”.

Na verdade, muitos já a conhecem como Victoria-‘Foda-se a UE’-Nuland  e por essencialmente dirigir a política externa na Europa, desde os anos de Obama como então Secretária de Estado Adjunta para a Europa, onde muitos dos problemas que desencadearam o desastre e a trágica guerra Rússia-Ucrânia foi iniciada pela primeira vez .

De acordo com mais elogios do secretário Blinken:

“Os seus esforços têm sido indispensáveis ​​para confrontar a invasão em grande escala da Ucrânia por Putin, organizar uma coligação global [apenas a OTAN/G-7] para garantir o seu fracasso estratégico e ajudar a Ucrânia a trabalhar rumo ao dia em que será capaz de se manter firmemente com os seus próprios pés – democrática, econômica e militarmente.”

É claro que a declaração corajosa de Blinken sobre o “fracasso estratégico” da Rússia parece um pouco forçada e prematura (para dizer o mínimo), considerando também que, mesmo do ponto de vista da propaganda, os principais países da OTAN estão atualmente muito na defensiva e expostos em suas políticas externas. As coisas simplesmente não estão correndo bem em território da OTAN  e menos ainda para Israel, segundo muitos relatos. 

Até mesmo o The Guardian está agora cantando uma música muito diferente, listando graves fracassos políticos e desastres para o Ocidente :

A Europa Ocidental não tem qualquer interesse concebível em intensificar a guerra na Ucrânia através de uma troca de mísseis de longo alcance. Embora deva manter o seu apoio logístico às forças ucranianas, não tem qualquer interesse estratégico no desejo de Kiev de expulsar a Rússia das áreas maioritariamente de língua russa da Crimeia ou do Donbass. Tem todo o interesse em procurar assiduamente uma solução rápida e iniciar a reconstrução da Ucrânia.

Quanto às sanções de “poder brando” impostas pelo Ocidente à Rússia, elas falharam miseravelmente, perturbando a economia comercial global no processo. As sanções podem ser apreciadas pelos diplomatas e grupos de reflexão ocidentais. Podem até prejudicar alguém – nomeadamente os utilizadores de energia da Grã-Bretanha – mas não devastaram a economia russa nem mudaram a opinião de Putin. Este ano, espera-se que a taxa de crescimento da Rússia exceda a da Grã-Bretanha.

A inépcia crassa de um quarto de século de intervenções militares ocidentais deveria ter-nos ensinado algumas lições. Aparentemente não aprendemos nada.

pouco mais de uma semanaela estava falando sobre “apertar o laço” em torno de Putin para a CNN …

…Mas parece que ela nunca mais terá a chance enquanto ocupar um cargo importante no Departamento de Estado.

Enquanto isso, o Washington Post relembra um momento passado particularmente engraçado e a reação da Rússia centrada em Nuland :

O antigo secretário de Estado John Kerry recordou inúmeras vezes que quando Nuland deixou o cargo de porta-voz durante o seu mandato para se tornar o principal diplomata da Europa, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, felicitou-o por “se livrar daquela mulher”. Kerry disse que respondeu a Lavrov que não se livrou dela: “Eu a promovi”.

O atual secretário de Estado, Antony Blinken, elogiou Nuland pelas suas três décadas e meia de serviço público e agradeceu-lhe pelo seu [nefasto] papel na definição da política externa dos EUA em todo o mundo sob seis presidentes e 10 secretários de Estado.

Neste ponto, poderíamos dizer que ela está escolhendo sabiamente “desistir enquanto está à frente”... mas a realidade das suas desastrosas políticas intervencionistas na Europa Oriental é algo mais como desistir enquanto você está atrás e perdeu todas as suas apostas.

O substituto temporário de Nuland para subsecretário após sua aposentadoria foi anunciado como diplomata de carreira John Bass, ex-embaixador no Afeganistão. Atualmente ocupa o cargo de subsecretário de estado de gestão.

Nuland teve muitos momentos de admissão no estado profundo de modo arrogante de dizer “a parte tranquila em voz alta” ao longo dos anos…

Lembremos também que ela liderou os esforços de “promoção da democracia” de mudança de regime de Obama na Ucrânia. Em 2014, um clipe de áudio vazado postado no YouTube causou profundo constrangimento ao Departamento de Estado em meio a acusações de que os EUA estavam coordenando esforços de golpe usando a “Revolução Maidan” em curso para derrubar o então presidente eleito da Ucrânia e pró Rússia, Viktor Yanukovych.

A megera também tinha sido fundamental nos seus cargos anteriores no Departamento de Estado na   desastrosa intervenção de Obama na Líbia, na “Primavera Árabe”.

Durante a sua “aposentadoria” inicial durante os anos Trump, ela fez parte de vários grupos de reflexão, incluindo o agressivo Brookings Institution, onde foi uma crítica feroz do suposto “apaziguamento” de Trump a Putin.

Ela também defende há muito tempo uma intervenção militar dos EUA mais profunda na Síria, um dos principais interesses de Israel, impedido pela ajuda militar da Rússia à Bashar al-Assad, que pôs fim ao projeto de expansão territorial dos judeus khazares sionistas na região. 


Em dezembro de 2013, ela visitou Kiev com o falecido senador John McCain para distribuir doces aos manifestantes armados na praça central da cidade. Dias antes do golpe de fevereiro de 2014, quando o assassinato em massa orquestrado tomou conta da cidade, ela foi  gravada discutindo como “parteirar essa coisa” com o então embaixador dos EUA em Kiev, Geoffrey Pyatt, supostamente exclamando  “Foda-se a UE”  quando se tratava da escolha de um novo líder no país devastado pela guerra.

Nuland demitiu-se do Departamento de Estado durante a administração Trump, assumindo o comando do grupo de reflexão Centro para uma Nova Segurança Americana (CNAS) antes de se juntar ao Grupo Albright Stonebridge e ao conselho do neoliberal National Endowment for Democracy (NED). Ela voltou ao governo após a posse do presidente ‘Dementia’ Joe em 2021, após os Democratas fraudarem as eleições.

Ela trabalhou no armamento da Ucrânia e na formação de uma coligação ocidental que forneceria a Kiev armas e munições para o conflito com a Rússia. No mês passado, ela apelou ao Congresso para aprovar 61 bilhões de dólares em financiamento para a Ucrânia, argumentando que a maior parte desse montante “regressaria diretamente à economia dos EUA”, para criar empregos na indústria de armas do Complexo Industrial Militar.

A sua viagem mais recente a Kiev envolveu uma intervenção junto do Presidente Vladimir Zelensky em nome do General Valery Zaluzhny, embora sem sucesso. Zaluzhny foi posteriormente demitido. Numa entrevista à CNN no final de Fevereiro, Nuland admitiu a derrota  dos esforços dos EUA em relação a derrota de Moscou, reconhecendo que o alvo da sua política  “não é a Rússia que, francamente, queríamos”. 

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, atribuiu a saída de Nuland ao “fracasso do curso anti-russo da administração Biden”.

“A russofobia, proposta por Victoria Nuland como o principal conceito de política externa dos Estados Unidos, está arrastando os democratas para o fundo como uma pedra”, disse Zakharova. Publicando uma foto de Nuland tirada em algum momento em uma igreja ortodoxa, ela disse que se o político dos EUA quisesse “ir a um mosteiro para expiar seus pecados, podemos dar uma boa palavra”.

Nuland [cuja ascendência paterna é russa, de judeus da Bessarábia] é casada com o judeu khazar neoconservador Robert Kagan, cofundador do Projeto para o Novo Século Americano-PNAC. Sua cunhada Kimberley Kagan, casada com o irmão de Robert, Fred, dirige o Instituto para o Estudo da Guerra.

Num comunicado divulgado na terça-feira, Blinken observou que a sua amigo “Toria” ocupou a maior parte dos cargos no Departamento de Estado, desde funcionária consular a embaixadora e secretária adjunta, ao longo dos seus 35 anos de carreira. Seu cargo mais recente foi como subsecretária de assuntos políticos. Ela também foi vice interina de Blinken após a aposentadoria de Wendy Sherman em julho de 2023, até que Kurt Campbell foi confirmado para o cargo no mês passado.

“O que torna Toria verdadeiramente excepcional é a paixão feroz que ela traz para lutar por aquilo em que mais acredita: liberdade, democracia, direitos humanos e a capacidade duradoura da América de inspirar e promover esses valores em todo o mundo”, disse Blinken. 


Uma resposta

  1. Vai queimar no fogo do inferno essa bruxa, que ameaçou até os conservadores brasileiros a aceitarem calados, quietinhos, a “perfeição” da contagem eletrônica de votos nas urnas que o povo nunca soube e nunca saberá como funcionam, a não ser que todo o povo se torne expert em informática.
    Começou a queda do time do mal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *