browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

AGHARTA – 4 – No Mundo no Interior da Terra

Posted by on 15/05/2016

smoky_god-livro

Livro “The Smoky God” ou Uma Viagem ao Mundo Interior do reino de AGHARTA – QUARTA PARTE: No Mundo no Interior da Terra

Temo que essa história aparentemente incrível, que eu vou relatar será considerada como o resultado de um intelecto distorcido e superexcitado,  pelo glamour de desvendar um mistério maravilhoso, mais do que um registro verdadeiro das experiências      incomparáveis  ​​relatadas por  Olaf Jansen, cuja eloquente loucura então apelou para a minha imaginação em que todo pensamento e crítica analítica foram efetivamente dissipados pela beleza da sua História …

“Aquele que controla os outros pode ser poderoso, mas aquele que domina a si mesmo é mais poderoso ainda.” – Lao Tsé–600 a.C./531 a.C.(Filósofo chinês, fundador do Taoísmo, escreveu o “Tao Te Ching” )


Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

The Smoky God, or A Voyage Journey to the Inner Earth“, é um “romance” publicado em 1908 por Willis George Emerson, que o apresenta como um relato verdadeiro de um marinheiro norueguês chamado Olaf Jansen, e explica como o saveiro dele navegou através de uma entrada no polo norte para o interior da Terra onde ele entrou em contato com uma outra civilização.

Fontehttp://www.ourhollowearth.com/PartFour.htm

QUARTA PARTE: O Mundo do Interior da Terra

Aprendemos que na civilização da “Terra Interior” os homens não se casam antes de estarem entre os 75-100 anos de vida, e que a idade em que as mulheres entram na fase do casamento é apenas um pouco menor, e que no mundo da “Terra Interior” os homens e as mulheres freqüentemente vivem entre os seiscentos à oitocentos anos de idade, e em alguns casos, atingem idade muito mais avançada. (1)

smoky-god-encontro

(1) O historiador judeu Josefo diz: “Deus prolongou a vida dos patriarcas que precederam o dilúvio, tanto por conta de suas virtudes e para lhes dar a oportunidade de aperfeiçoar as ciências da geometria e astronomia, que eles haviam descoberto, o que eles não poderiam ter feito se eles não tivessem vivido 600 anos, porque é só depois de decorrido o prazo de 600 anos que o grande ano (astronômico) é percebido ” – Flammarion, Astronomical Myths, Paris p. 26

Durante o ano seguinte, visitamos muitas aldeias e vilas, proeminentes entre eles, sendo as cidades chamadas de Nigi, Delfi e Hectea, e meu pai foi chamado nada menos do que uma meia dúzia de vezes para revisar os mapas da superfície que tinham sido feitos a partir dos esboços brutos que ele tinha dado originalmente das divisões da terra e da água na superfície “fora” da terra interior.

Lembro-me de ouvir a observação do meu pai de que a raça de pessoas gigantes  na terra interior do “The Smoky God” tinha uma ideia quase tão precisa  da geografia da superfície “fora” da terra como a teria um professor universitário médio em Estocolmo.

Em nossas viagens, chegamos a uma floresta de árvores gigantescas, perto da cidade de Delfi. A Bíblia disse que havia árvores altas com mais de 300 pés (91 metros) de altura, e mais de trinta metros de diâmetro, que cresciam no Jardim do Éden, Ingersoll, Tom Paines e Voltaire sem dúvida teriam pronunciado que essa declaração seria mais um mito. No entanto, essa é a descrição também de uma gigantesca árvore sequóia da Califórnia; mas estes gigantes da Califórnia são insignificantes quando comparados com os Golias florestais encontrados no  continente “no interior da Terra”, onde abundam árvores poderosas com cerca de 800-1000 pés (240 a 304 metros) de altura, e 100-120 pés (30,40 a 36 metros) de diâmetro; incontáveis ​​em número e que formam florestas que se estende terra à detro centenas de quilômetros de distância do mar.

polonorte-entrada-essa7

As pessoas são extremamente musicais, e nós aprendemos um grau notável de suas artes e ciências, especialmente geometria e astronomia. Suas cidades são equipadas com vastos palácios de música, onde não raro, até vinte e cinco mil vozes luxuriosos desta raça gigante se mesclam em poderosos coros de sinfonias das mais sublimes. As crianças não devem frequentar uma instituição de ensino (escola), antes de completarem 20 anos de idade. Então sua vida escolar começa e continua por cerca de 30 anos, dez dos quais são uniformemente dedicados por ambos os sexos para o estudo da música.

Suas principais vocações são a arquitetura, a agricultura, a horticultura, a criação de grandes manadas de gado e a construção de meios de transporte peculiares a esse país, para viagens em terra e água. Por algum dispositivo que eu não posso explicar, eles mantem uma integração na comunicação com as outras partes mais distantes do seu país, através de correntes de ar (n.t. via rádio?).

Todos os edifícios são erguidos com especial atenção para a resistência, durabilidade, beleza e simetria, e com um estilo de arquitetura muito mais atraente para os olhos do que qualquer outro que eu já tenha observado em outros lugares na superfície da Terra.

Cerca de três quartos da superfície do mundo “interior” é composto da terra e cerca de um quarto da água. Existem inúmeros rios de enorme tamanho, alguns que flui em direção ao norte e outros ao sul. Alguns destes rios tem até 30 milhas (48 quilômetros) de largura, e é a partir dessas grandes vias fluviais, nas partes extremas do norte e sul  da superfície “dentro” da terra, em regiões onde as baixas temperaturas são persistentes, que os icebergs são formados de água doce. Em seguida, são empurrados para o mar exterior como enormes línguas de gelo, pelas inundações de águas turbulentas que, duas vezes por ano, varrem tudo diante deles.

Vimos incontáveis exemplares de pássaros não maiores do que aquelas espécies encontradas nas florestas da Europa ou da América do Norte. É bem conhecido que nos últimos anos algumas espécies inteiras de aves deixaram de existir na terra. Um escritor em um artigo recente sobre este assunto diz: (2)

(2) “Quase todos os anos testemunhamos a extinção final de uma ou mais espécies de aves. Das quatorze variedades de pássaros encontrados um século antes em uma única ilha – a ilha de St. Thomas nas Antilhas  – oito agora têm de ser contados entre as espécies desaparecidas”.

agharta-MAP of Inner Earth

Não é possível que essas espécies de aves desaparecendo encerrem sua história no mundo sem encontrar um asilo no mundo do “interior daTerra” ?

Não importa se no interior entre as montanhas, ou à beira-mar, encontramos prolíficas espécies de aves. Quando elas levantam voo abrindo suas grandes asas algumas das aves pareceram medir até 30 pés (9 metros de envergadura) de ponta a ponta de cada asa. Eles são de grande variedade e de muitas e variadas cores. Fomos autorizados a subir na borda de uma rocha e examinar um ninho com ovos. Havia cinco no ninho, cada um dos quais tinha, pelo menos, dois pés (60 centímetros) de comprimento e cerca de quinze polegadas (37,5 centímetros) de diâmetro.

Depois que estivemos na cidade de Hectea durante uma semana, o nosso instrutor Galdea nos levou a uma enseada, onde se via milhares de tartarugas ao longo da costa arenosa. Eu hesito em afirmar o tamanho dessas grandes criaturas. Eles tinham entre 25-30 pés (7.5 a 9 metros de comprimento), de cinco a seis pés (1,5, a 1,8 metros) de largura e totalmente sete pés (2,10 metros) de altura. Quando uma delas projetou a sua cabeça para fora do casco tinha a aparência de um monstro do mar hediondo.

As condições estranhas existentes no “mundo interior” são favoráveis ​​não só para vastos prados de gramíneas luxuriantes, florestas de árvores gigantes, e todo o tipo de vida vegetal, mas é preenchido com maravilhosa vida animal também.

Um dia, vimos uma grande manada de elefantes. Devia haver cerca de quinhentos desses monstros com voz de trovão, com suas inquietas e ondulantes trombas. Eles estavam arrancando enormes galhos das árvores e pisoteando arbustos menores transformando-os em pó. Eles teriam em média de mais de 100 pés (30 metros) de comprimento e de 75 a 85 pés (22,50 a 25,5 metros) de altura.

smoky-god-elefante

Parecia, enquanto eu contemplava essa maravilhosa manada de elefantes gigantes, que eu estava novamente vivendo na biblioteca pública em Estocolmo, onde eu tinha passado muito tempo estudando as maravilhas da época do período Mioceno. Eu estava cheio de espanto mudo, e meu pai também ficou mudo de espanto. Ele segurou meu braço com um aperto de proteção, como se um mal terrível nos ultrapassasse. Éramos dois átomos nesta grande floresta, e, felizmente, não fomos observados por este vasto rebanho de elefantes enquanto eles perambulavam, seguindo os passos de um líder como o faz um rebanho de ovelhas. Eles procuravam por forragem e comiam as que encontravam enquanto viajavam, e de vez em quando estremeciam o  firmamento com seus profundos bramidos. (3)

(3) “Além disso, havia um grande número de elefantes naquela ilha: e havia abundância de provisão para os animais de todos os tipos e também tudo do que perfumado existe na terra, sejam raízes ou forragem, madeiras, ou para destilação de flores ou frutos, tudo crescia e prosperava naquela terra “. – The Cratyluo de Platão.

Há uma névoa obscura que sobe da terra, todas as noites, e invariavelmente, chove uma vez a cada 24 horas. Esta grande umidade do ar e a luz elétrica e o calor sejam, talvez, revigorantes para a vegetação ser tão luxuriante, enquanto o ar altamente carregado de energia e a regularidade das condições climáticas podem ter muito a ver com o crescimento gigante e a longevidade de toda a vida animal.

Em alguns lugares os vales estendem-se por muitos quilômetros em todas as direções. “O Smoky God” (a divindade enfumaçada, enevoada), em sua luz branca clara, olhava calmamente para baixo. Havia uma brisa no ar eletricamente carregado que tão suavemente passava pelo nosso rosto como um sussurro de fuga. A natureza cantava uma canção de ninar no débil murmúrio dos ventos cujo hálito era doce com a fragrância dos brotos e das flores.

Depois de ter passado muito mais do que um ano visitando algumas das principais cidades do “mundo interior” e uma grande quantidade de idas ao interior do país, mais de dois anos se passaram desde o momento em que tínhamos sido resgatados pelo grande navio em excursão pelo rio, quando decidimos lançar nossa sorte mais uma vez sobre o mar, e nos esforçarmos para voltar ao nosso “mundo” na superfície “fora” da terra interior.

Demos a conhecer os nossos desejos à nossos anfitriões gigantes, e eles foram relutante, mas prontamente atendidos. Nossos anfitriões deram para meu pai, a seu pedido, vários mapas que mostravam toda a superfície do “mundo interior” da Terra, suas cidades, oceanos, mares, rios, golfos e baías. Eles também se ofereceram para nos dar tantos sacos de pepitas de ouro – alguns deles tão grandes como um ovo de ganso – que estivéssemos dispostos a tentar levar conosco em nosso pequeno barco de pesca.

No devido tempo, voltamos a cidade de Jeú, onde passamos um mês em consertar e reformar nosso pequeno barco saveiro de pesca. Depois que tudo estava pronto, o mesmo navio “Naz” que originalmente nos descobriram, nos levou a bordo e navegou conosco até a foz do rio Hiddekel.

Depois que nossos irmãos gigantes tinham lançado nossa pequena embarcação no mar para nós, eles foram muito cordiais e efusivos em nossa despedida, e evidenciaram muito solicitude para com a nossa segurança. Meu pai jurou pelos deuses Odin e Thor que ele certamente voltaria novamente dentro de um ou dois anos e lhes faria mais uma visita. E, assim, dissemos-lhes adeus. Nos fizemos prontos e içamos as nossas velas, mas havia pouca brisa. Entramos em um estado de calma dentro de uma hora depois que os nossos amigos gigante nos deixaram e começaram em sua viagem de retorno.

Os ventos estavam soprando constantemente para o sul, ou seja, eles estavam soprando a partir do (polo) norte desde a abertura da Terra em direção ao que sabíamos ser o sul, mas que, segundo apontava a agulha da nossa bússola, estava diretamente para o norte.

Durante três dias, nós tentamos velejar, e batemos contra o vento, mas sem sucesso. Ao que meu pai me disse: “Meu filho, para retornar pelo mesmo caminho que viemos é impossível nesta época do ano e eu me pergunto por que não pensei nisso antes. Estamos aqui no mundo interior já quase dois anos e meio, portanto, esta é a época (verão no hemisfério sul) em que o sol está começando a brilhar na abertura do (Polo) sul da Terra. A grande noite fria (o inverno no hemisfério norte) está no país do Spitzbergen “. “O que vamos fazer?” Perguntei.

“Só há uma coisa que podemos fazer”, respondeu meu pai “, é nos dirigirmos para o sul.” Assim, ele virou a embarcação sobre seu casco, deu velas cheias, e começou a ir pelo norte indicado pela bússola, mas, de fato, a rumar diretamente ao sul. O vento era forte, pareciamos ter atingido uma corrente de ar que estava correndo com uma rapidez notável na mesma direção em que queríamos ir.

Em apenas 40 dias chegamos a Delfi, uma cidade que visitáramos em companhia de nossos guias Jules Galdea e sua esposa, perto da foz do rio Giom. Aqui paramos durante dois dias, e foram mais uma vez recebidos com hospitalidade e entretidos pelas mesmas pessoas que nos acolheram na nossa visita anterior. Nós nos aprovisionamos com algumas provisões adicionais e novamente partimos, seguindo nosso caminho com a agulha da bússola apontando para o norte.

Em nossa viagem em busca de uma saída para o nosso mundo exterior passamos através de um canal estreito, que parecia ser um curso de água entre dois corpos consideráveis ​​de terra. Havia uma bela praia à nossa direita, e decidimos fazer o reconhecimento desse terreno. Soltamos âncora, e aportamos em terra para descansar por um dia antes de continuarmos com a nossa perigosa empresa navegando para fora do “mundo interior”. Nós fizemos uma fogueira com algumas varas de troncos secos. Enquanto meu pai estava caminhando ao longo da costa, eu preparei uma refeição tentadora dos suprimentos que nós tínhamos providenciado.

Havia uma luz suave, luminosa que meu pai disse resultar do sol que brilhava no sul a partir da abertura da terra (pelo polo sul). Naquela noite, dormimos profundamente, e despertamos na manhã seguinte tão descansados como se tivéssemos dormido em nossas próprias camas em Estocolmo.

Após um bom café da manhã partimos em uma excursão para o interior da terra que aportamos, mas nós não chegamos a ir muito longe quando avistamos algumas aves que reconhecemos imediatamente serem da família dos pinguins, existentes na região do polo sul. Eles são aves que não voam, mas excelentes nadadores e grandes em tamanho, com peito branco, asas curtas, cabeça preta, e os bicos muito repicados. Eles chegam a três pés (cerca de um metro) de altura. Eles nos olharam com surpresa e curiosidade, e se moviam gingando, ao invés de caminhar, em direção à água, e nadram para longe em direção ao norte. (4)

(4) “As noites nunca são tão escuras nos pólos como em outras regiões, pois a luz da lua e das estrelas parecem possuir o dobro da luz e esplendor habituais. Além disso, há uma luz contínua, em tons variados de cores (auroras boreais) dos quais estão entre os fenômenos mais estranhos da natureza “. – Astronomia de Rambrosson.

aurora-dynamite-191014

Aurora Boreal

Os eventos que ocorreram durante os próximos cem ou mais dias foram pobres em acontecimentos para serem descritos. Nós estávamos em um mar aberto e sem gelo. O mês que contávamos era para ser novembro ou dezembro, e nós sabíamos que o chamado Pólo Sul estava agora banhado pelo sol. Portanto, ao passar para fora e para longe da luz elétrica interna do sol “The Smoky God” do mundo da Terra Interior e seu calor genial, então nós seríamos atingidos pela luz e calor do sol, que brilha através da abertura pelo polo sul da Terra. E nós não estavam enganados. (5)

(5) “O fato que dá ao fenômeno da aurora polar (boreal no norte, austral no sul) sua maior importância é que a terra se torna auto-luminescente; que, além da luz que como um planeta é recebida do corpo solar, ele mostra uma capacidade de sustentar um processo luminosa adequado a si mesmo “. – Humboldt.

aurora-boreal-addicts-strip

Aurora Boreal na região do Árctico

Houve momentos em que a nossa pequena embarcação, impulsionada pelo vento que era contínuo e persistente, atravessou as águas, como uma seta. Na verdade, se tivéssemos encontrado uma pedra ou obstáculo oculto, o nosso pequeno navio iria ter sido esmagado e transformado em gravetos de lenha.

Finalmente estávamos conscientes de que a atmosfera circundante foi crescendo intensamente para ficar muito mais fria, e, poucos dias depois, icebergs foram avistados longe para a nossa esquerda. Meu pai argumentou, e com razão, que os ventos que encheram nossas velas vieram do clima quente  da “Terra Interior”. A época do ano foi era dúvida a mais auspiciosa para nós fazermos a nossa viagem para o nosso mundo “do exterior” e tentar navegar com o nossa pequeno saveiro de pesca através dos canais abertos da zona congelada que envolve a região polar do sul. Meu pai gritou: “Rebentação em frente!”

Logo estávamos em meio a enormes compressas de gelo, e como a nossa pequena embarcação navegou através daqueles canais estreitos e escapou de ser esmagada eu ainda não sei. A agulha da bússola se comportou da mesma forma bêbada e não confiável, quando da passagem, sobre a curva sul ou da borda do escudo da Terra, como o tinha feito na nossa viagem de entrada pelo acesso via polo norte. A agulha da bússola girava, mergulhou e parecia uma coisa possuída por um espírito ruim. (6)

(6) O Capitão Sabine, na página 105 em “Voyages in the Arctic Regions,”, diz: “A determinação geográfica da direção e intensidade das forças magnéticas em diferentes pontos da superfície da Terra tem sido considerada como um objeto de pesquisa especial para examinar, em diferentes partes do globo, a declinação, inclinação e a intensidade da força magnética, e seu periódico e variações seculares, e as relações e dependências mútuas poderiam ser devidamente investigadas apenas em observatórios Magnéticos fixos. “

Um dia, quando eu estava preguiçosamente olhando por cima do lado do saveiro navegando em águas claras, meu pai gritou: “Icebergs em frente!” Olhando para cima, eu vi através de uma névoa se levantar um objeto branco que se erguia várias centenas de pés de altura, impedindo completamente o nosso avanço. Baixamos as velas do barco imediatamente, e paramos de navegar muito em breve. Em um momento e já nos encontramos encravados entre dois icebergs monstruosos. Cada um se encostando e arranhando contra o seu companheiro, uma outra montanha de gelo.

smoky-god-barco2

Eram como dois deuses da guerra em luta pela supremacia. Ficamos muito alarmados. Na verdade, estávamos entre as linhas de uma batalha real; o trovão sonoro da moagem do gelo era como que contínuas salvas de artilharia. Blocos de gelo maior do que uma casa eram freqüentemente levantados uma centena de pés pela poderosa força da pressão lateral; eles iriam tremer e sacudir para lá e para cá por alguns segundos para, em seguida desabar com um rugido ensurdecedor, e desaparecer mergulhando nas águas espumantes e geladas. Assim, por mais de duas horas, a titânica luta dos dois gigantes de gelo continuou.

Parecia que o fim havia chegado para nós. A pressão do gelo era terrível, e enquanto nós não fôssemos pegos na parte perigosa do encontro dos dois icebergs, estaríamos a salvo, por enquanto, ainda que o roçar e rasgar de toneladas de gelo, uma vez que caiam espirrando aqui e ali nas profundezas das águas nos enchiam com agitação e medo.

Finalmente, para nossa grande alegria, a moagem do gelo cessou, e dentro de algumas horas a grande massa lentamente se dividiu, e, como se por um ato da Providência houvesse sido realizado, bem diante de nós estava um canal aberto. Deveríamos nos aventurar com a nossa pequena embarcação para passar por esta abertura? Se a pressão viesse de novo, o nosso pequeno saveiro, bem como nós mesmos seríamos esmagados em pedaços. Decidimos aproveitar a oportunidade, e, consequentemente, içamos nossas velas a uma brisa favorável, e logo começamos como um cavalo de corrida, a correr desafiando este desconhecido estreito canal de águas abertas.

Continua na Parte V.  Partes anteriores em:

  1. http://thoth3126.com.br/the-smoky-god
  2. http://thoth3126.com.br/agharta-2-a-historia-de-olaf-jansen/
  3. http://thoth3126.com.br/agharta-3-alem-do-vento-norte/

Saiba mais sobre AGHARTA em:

  1. http://thoth3126.com.br/agharta-o-mundo-intra-terreno-em-nosso-planeta/
  2. http://thoth3126.com.br/brasilia-jk-akhenaton-eo-egito/
  3. http://thoth3126.com.br/geometria-sagrada-a-flor-da-vida-e-a-linguagem-da-luz/
  4. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  5. http://thoth3126.com.br/a-conexao-terramaldekmarte-em-gize-cydonia-e-teotihuacanmirador/
  6. http://thoth3126.com.br/vietnam-gigantesca-caverna-descoberta/
  7. http://thoth3126.com.br/grand-canyon-misterios-de-uma-imensa-caverna-revelados/
  8. http://thoth3126.com.br/pedra-da-gavea-uma-esfinge-no-brasil/
  9. http://thoth3126.com.br/aghartha-e-area-51-um-visitante-na-terra-interior/
  10. http://thoth3126.com.br/aghartatelos-uma-cidade-subterranea-sob-o-monte-shasta/
  11. http://thoth3126.com.br/aghartha-o-reino-da-terra-interior/
  12. http://thoth3126.com.br/agharta-e-o-almirante-richard-e-byrd/
  13. http://thoth3126.com.br/o-reino-de-agharta-visto-pela-federacao-galactica/
  14. http://thoth3126.com.br/monte-shasta-outra-visita-a-terra-interior-parte-3-final/

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

2 Responses to AGHARTA – 4 – No Mundo no Interior da Terra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *