browser icon
You are using an insecure version of your web browser. Please update your browser!
Using an outdated browser makes your computer unsafe. For a safer, faster, more enjoyable user experience, please update your browser today or try a newer browser.

Clima selvagem e alterações climáticas estão conectados?

Posted by on 15/07/2016
clima-extremo-tornado-in-Baca-county

“Os últimos anos podem ser lembrados como um período de eventos climáticos extremos, tanto nos Estados Unidos assim como ao redor do mundo”, disse a vice-administradora do NOAA, Dra. Kathryn D. Sullivan, Ph.D.

Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Clima selvagem e extremo e alterações climáticas estariam conectados?

Por Chris Dolce, Weather.com

http://www.weather.com/

A Seca africana

Um relatório da  agência do governo dos EUA, a National Oceanic Atmospheric Administration – NOAA, sugere que a seca Africana foi pior devido ao anos consecutivos do fenômeno La Nina. A agência NOAA lançou o seu relatório do estudo do clima, juntamente com um artigo separado explicando alguns dos eventos climáticos extremos do ano de 2011 a partir de uma perspectiva climática.

Seca intensa na África 

O ano de 2011 será lembrado como um ano de eventos climáticos extremos, tanto nos Estados Unidos assim como ao redor do mundo“, disse a vice-administradora do NOAA – National Oceanic and Atmospheric Administration, Dra. Kathryn D. Sullivan, Ph.D. 

 “Cada evento climático que acontece agora tem lugar no contexto de um ambiente global em mudança climática. Este relatório anual fornece aos cientistas e cidadãos com uma análise do que aconteceu para que todos possamos nos preparar para o que está por vir.”

O Sul dos EUA e o norte do México em seca, em junho de 2011. Laranja escuro e nuances marrons indicam a condições excepcionais de seca extrema .

MAIS: O Primeiro semestre de 2012 foi MAIS QUENTE já registrado na história )

Influência do fenômeno La Nina

NOAA declara que o retorno do fenômeno La Nina (resfriamento das águas do Oceano Pacífico equatorial) afetou climas regionais e influenciou muitos dos eventos climáticos significativos do mundo em 2011.

Isto inclui:

  • Secas históricas no sul dos EUA, norte do México e na África oriental.
  • Tempestades tropicais acima da média histórica e atividade de furacões no Atlântico e atividade no Pacífico oriental abaixo da média.
  • Um período mais chuvoso de dois anos registrado na Austrália (2010-2011), que se seguiu a um longo período de uma década de clima seco na mesma região.
Abaixo: vista aérea de uma estrada nos arredores de Bangkok, na Tailândia em outubro de 2011, nas piores inundações daquele país.

Mais destaques: Mudanças e Tendências para o Sistema Climático Global

O relatório liberado pelo NOAA usa 43 indicadores de clima para rastrear e identificar mudanças e tendências globais para o sistema climático global. Abaixo estão alguns dos destaques do relatório:

  • Quatro conjuntos independentes de dados mostram que 2011 foi um dos 15 anos mais quentes desde que os registros começaram no final de 1800, no entanto, também foi o ano mais frio desde 2008.
  • Mesmo com o fenômeno La Niña, o que resulta em um refrigerador da temperatura média equatorial das águas do Oceano Pacífico, as temperaturas globais de superfície do mar em 2011 estavam entre as 12 maiores de que há registro histórico.
  • O Ártico (região do polo norte) continua a esquentar em cerca de duas vezes a taxa comparado a latitudes mais baixas ao sul.
  • A Estação do Polo Sul, na Antártida registrou a temperatura mais alta de todos os tempos de 9,9 graus Fahrenheit (-12,28 C) em 25 de dezembro de 2011, o que quebrou o recorde anterior de alta temperatura em dois graus.
  • A extensão do gelo ártico do mar estava abaixo da média para todo o ano de 2011, que continua uma tendência de queda que começou em junho de 2001. O gelo marinho no Ártico encolheu para a sua segunda menor extensão de “mínimo gelo no verão” em todos os registros.
  • Concentrações de ozônio na estratosfera do Ártico inferior foi a mais baixa no início de 2011 desde que os registros começaram, em 1979. Mais de 80 por cento do ozônio entre 11 e 12 quilômetros acima da superfície da Terra foi destruído no final de março, com o aumento dos níveis de radiação UV-Ultra Violeta perto da superfície.
  • Concentrações de gases de efeito estufa continuaram a aumentar em 2011. Isto inclui o dióxido de carbono, metano e óxido nitroso. O dióxido de carbono aumentou constantemente, a média anual global ultrapassa 390 partes por milhão pela primeira vez desde que os registros instrumentais começaram.
supertempestade-montana

Acima: Uma supertempestade no estado de Montana-EUA.

Conectando as Alterações Climáticas com Eventos Climáticos Extremos

Um artigo complementar publicado com o relatório examinou as relações entre as mudanças climáticas e os eventos climáticos extremos de 2011.

O relatório publicou que determinar as causas de eventos climáticos extremos continua difícil. Enquanto os cientistas não podem rastrear eventos específicos com as mudanças climáticas, com absoluta certeza, novas e continuadas pesquisas ajudarão os cientistas a compreenderem como a probabilidade de eventos climáticos extremos mudam em resposta ao aquecimento global.

Algumas descobertas-chave

  • As ondas de calor relacionadas com o La Nina como as que o Texas experimentou em 2011 agora são 20 vezes mais prováveis de ocorrer em anos de La Nina hoje do que em anos de La Nina, há 50 anos.
  • Cientistas do Reino Unido descobriram que meses de dezembro frios no seu país estão com a metade da probabilidade de ocorrer agora contra há 50 anos e meses de Novembro quentes são agora 62 vezes mais prováveis de acontecer. Este estudo foi feito depois de um dezembro muito frio de 2010 e um novembro de 2011 muito quente.
  • Os cientistas poderiam não encontrar nenhuma ligação com a mudança climática e a inundação extrema em Bangkok, na Tailândia, em 2011. Embora as inundações fossem sem precedentes, a quantidade de chuva na região da bacia do rio não era muito incomum. Fatores como políticas de contenção de água em reservatórios e aumento  de construções na planície de inundação do rio foram citados como os mais relevantes na definição da escala local do desastre.
Abaixo: a extensão da superfície derretida sobre a cobertura de gelo da Groenlândia em 08 de julho de 2012 (esquerda) e 12 de julho de 2012 (direita).

670398main_greenland_2012194-673As medições de três satélites mostraram que em 8 de Julho, cerca de 40% da cobertura de gelo tinham sido submetidos a descongelamento na ou perto da superfície. Em poucos dias, o derretimento tinha dramaticamente acelerado para (espantosos) 97% estimados da superfície da cobertura de gelo havia derretido em 12 de julho. Na imagem, as áreas classificadas como “provável derretimento” (rosa claro) correspondem aos locais onde, pelo menos, um derretimento da superfície foi detectado por satélite.

As áreas classificadas como “derretimento” (rosa escuro) correspondem aos locais onde dois ou três satélites detectaram o derretimento da superfície. Crédito das imagens: Jesse Allen, NASA Earth Observatory e Nicolo E. DiGirolamo, SSAI e Criosfera Laboratório de Ciências.

Mais informações em

  1. http://thoth3126.com.br/mudanca-nos-polos-magneticos-a-ciencia-se-dobra-as-profecias/
  2. http://thoth3126.com.br/a-terra-esta-a-beira-de-grandes-mudancas/
  3. http://thoth3126.com.br/mudancas-climaticas-groenlandia-sofre-degelo-extremo/
  4. http://thoth3126.com.br/amas-a-anomalia-magnetica-sobre-o-brasil/
  5. http://thoth3126.com.br/uma-visao-pessoal/

Permitida a reprodução desde que mantido na formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

4 Responses to Clima selvagem e alterações climáticas estão conectados?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *