browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

O risco Donald Trump

Posted by on 27/07/2016

donald-trumpO RISCO TRUMP

Agora é para valer: o magnata que se tornou celebridade depois estrelar um reality show disputará a Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano. Populista e xenófobo, Donald Trump é o perigoso retrato de um mundo cada vez mais intolerante. No início, eram 17 candidatos e Donald Trump apresentava-se apenas como o mais extravagante deles. Um a um, os 16 adversários do magnata foram desistindo da corrida pela indicação do Partido Republicano à Presidência dos Estados Unidos até que o bilionário que era tratado como uma piada inofensiva virou uma realidade perigosa.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Populista e xenófobo, Donald Trump é o perigoso retrato de um mundo cada vez mais intolerante

Por Mariana Q. Barboza, 

Na terça-feira 19, o improvável Trump foi anunciado o candidato oficial da sigla durante a convenção na cidade de Cleveland, em Ohio. O republicano, que aparece empatado com a democrata Hillary Clinton nas pesquisas de intenção de voto, agora tem uma possibilidade real de se tornar “o homem mais poderoso” do mundo.

“Nosso plano é colocar a América em primeiro”, disse o candidato no encerramento da convenção, na quinta-feira 21. “Americanismo, e não globalismo, será nosso lema”. Nestes tempos sombrios, o populismo que Trump encarna pode ser visto como o retrato acabado do mundo atual, cada vez mais intolerante com aquele que é diferente. A crise de sensatez que se instalou com o “Brexit” e a ascensão de Theresa May, a primeira-ministra britânica que detesta os imigrantes, se torna ainda mais assustadora quando se reflete na maior potência global, com enorme campo de influência, e parece longe do fim.

hilary-clinton-donald-trump

Apenas mais dois marionetes que servem ao sistema …

“As forças que levaram Trump ao sucesso na política americana claramente têm algo em comum com as forças populistas de direita que avançam na Europa”,

… afirma Philip Wallach, analista de política do Instituto Brookings, de Washington. “O nacionalismo está voltando de uma maneira que as elites nunca esperaram.” Com Trump na Casa Branca, o mundo provavelmente se tornará um lugar pior. Nas primárias, Trump obteve votação recorde na história da sigla: 13,3 milhões de votos.

O desempenho tem duas explicações para Matthew Kroenig, professor da Universidade Georgetown e ex-conselheiro das campanhas de Marco Rubio nas primárias deste ano e de Mitt Romney nas eleições de 2012. “Em primeiro lugar, a elite do partido nunca consolidou apoio em torno de um único candidato”, disse à ISTOÉ. “Há um consenso entre os republicanos de Washington e Nova York que Rubio ou Jeb Bush deveriam ser os indicados, mas eles nunca se decidiram.” Assim, ao longo de três meses, os votos se pulverizaram entre tantos pré-candidatos, deixando o caminho livre para Trump, que domina a arte da comunicação, adora as redes sociais e, como ex-astro de reality show, é exímio em criar polêmica e propaganda gratuita.

O outro ponto é que a mensagem de Trump ressoa em muitos americanos que estão infelizes com os rumos do país, sobretudo em temas como imigração e política comercial, que afetam diretamente seus empregos e rendimentos. É para essa parcela significativa da população que o empresário diz bravatas como a de que, se eleito presidente, convidará a China para a mesa de negociações declarando-a uma “manipuladora de moeda” e colocando fim aos “subsídios ilegais” que o gigante asiático daria às suas exportações.

“Chega de fábricas com trabalho escravo e paraísos da poluição roubando empregos de americanos”, diz a proposta publicada em seu site oficial. “Trump explora um reservatório de raiva pública que a maioria dos candidatos republicanos não percebeu que existia”, afirma Wallach. “O aparato republicano falhou em coordenar uma resposta efetiva, em parte porque eles desprezavam o maior rival de Trump, Ted Cruz, e essa inação permitiu que Trump tomasse conta do partido.”

marcha-da-tirania

REJEIÇÃO

Para chegar à Casa Branca, o principal obstáculo que o empresário terá que superar será sua enorme impopularidade, que começa dentro do próprio Partido Republicano. A convenção da semana passada ficou marcada pela ausência de figuras tradicionais, como a família Bush e o senador e ex-presidenciável John McCain, cujo status de “herói de guerra” foi questionado por Trump durante a campanha. “Ele só virou um herói, porque foi capturado”, disse o candidato sobre o ex-piloto que foi sequestrado e torturado durante a Guerra do Vietnã, nos anos 60. “Eu gosto de pessoas que não são capturadas.”

Ainda na convenção, Ted Cruz deixou o palco vaiado após pedir que os correligionários votassem “com consciência”, negando-se, assim, a declarar apoio formal a Trump. “Embora Donald Trump explore a ansiedade nos EUA, ele não reflete os princípios republicanos e espero que não reflita seu futuro”, escreveu Jeb Bush, em artigo publicado no jornal americano The Washington Post. Filho e irmão de ex-presidentes, Jeb entrou na corrida presidencial republicana deste ano como favorito e levantou US$ 130 milhões em financiamento, mas deixou a disputa depois de sofrer derrotas acachapantes nos três primeiros Estados onde ocorreram as primárias.

MINORIAS

Entre as mulheres, as pesquisas mostram que a rejeição de Trump supera os 70%. Ainda que, desde a década de 80, as eleitoras americanas venham expressando preferência pelo Partido Democrata, a escolha do magnata como candidato republicano pode levar a distância de votos entre gêneros a ser a maior em 60 anos. Isso porque Trump, organizador de concursos de miss desde os anos 90, nem durante a corrida presidencial se furtou a fazer comentários machistas.

“Não sei se ele entende como ofendeu profundamente as mulheres, inclusive as republicanas”, afirma Virginia Sapiro, professora de Ciência Política da Universidade de Boston. “Quando tenta atrair essa fatia do eleitorado, Trump faz comentários sobre os corpos delas ou diz o quanto ama sua mulher.” Recentemente, o republicano sugeriu que uma jornalista estava menstruada durante um debate da rede de tevê Fox News e afirmou que Hillary “facilitou” os casos extraconjugais do marido, o ex-presidente Bill Clinton. Anos atrás, Trump disse que namoraria sua filha Ivanka se não fosse o pai dela.

“A distância entre os votos masculinos e femininos nessa eleição também pode ser exacerbada porque Hillary vai tentar mobilizar as mulheres para ter a maior votação feminina da história e Trump vai engajar mais os homens brancos”, disse à ISTOÉ Jennifer Lawless, professora do Departamento de Governo da Universidade Americana de Washington e co-autora do livro “Women on the Run: Gender, Media, and Political Campaigns in a Polarized Era” (“Mulheres na disputa: gênero, mídia e campanhas políticas numa era polarizada”, numa tradução livre para o português).

Segundo ela, o significado de uma vitória de Trump para os direitos das mulheres é incerto. “Em alguns pontos, ele se mostrou mais favorável que outros republicanos a políticas importantes para nós, como os programas de assistência social”, afirma. “Sobre o direito ao aborto, ele já disse que a escolha era da mulher e depois que isso ia contra tudo o que ele acreditava.” Para a sorte de Trump, as eleitoras, sobretudo as mais jovens, tampouco gostam de Hillary, que almeja ser a primeira mulher a presidir os EUA.

bilderberg-nwo-sionismo

A ela, faltam carisma, calor, identificação com mulheres comuns. E ainda pesa uma personalidade belicista e autoritária. Para dificultar a escalada de Trump rumo ao topo do mundo, há também os latinos e os negros, que representam parcela cada vez mais significativa da população americana e, principalmente, dos Estados do Sul, onde os republicanos tradicionalmente ganham as eleições. “Pelo que vimos na convenção em Cleveland, provavelmente a única coisa que une os republicanos no momento é o ódio a Hillary”, diz Virginia Sapiro, da Universidade de Boston. “E essa não é a base mais forte para ganhar uma eleição.”

Na disputa de 2012, em que Barack Obama concorreu pela reeleição contra o empresário Mitt Romney, ambos os candidatos brigaram pelo voto latino, num sinal de que as minorias ganhavam mais influência. Os descendentes de hispânicos representavam, afinal, o grupo de americanos que mais crescia no país, numa taxa quatro vezes acima do restante da população. Assim, os democratas colocaram um prefeito neto de mexicanos para abrir sua convenção e, no evento republicano, o filho do candidato, Craig Romney, discursou em espanhol fluente. A mensagem era de inclusão.

Naquele pleito, a supremacia de Obama entre as minorias foi determinante para o desequilíbrio a seu favor nos Estados indecisos. Essa parecia ser uma tendência irreversível para os políticos americanos. A demografia mostra que as minorias, como um todo, cresceram 30% no país na última década, enquanto o número de brancos avançou apenas 1%. Os dados são do censo de 2010, o último disponível. Na tentativa de reverter a vantagem dos democratas, os republicanos apresentaram, neste ano, dois pré-candidatos com origens hispânicas (Marco Rubio e Ted Cruz), uma mulher (Carly Fiorina) e um negro (Ben Carson), mas, contrariando o senso comum, a nomeação ficou novamente com um homem branco, perfil onde a legenda já tem vantagem.

Trump foi além do estereótipo e chamou os latinos de “narcotraficantes”, “criminosos” e “estupradores”. Mais: propôs a construção de um muro na fronteira com o México, obrigando, claro, o governo do país vizinho a pagar por ele (sua equipe avaliou o custo entre US$ 5 bilhões e US$ 10 bilhões), sem se preocupar em como isso poderia ferir as relações com o México e outros países latinos. Tudo isso para conter o fluxo de imigrantes ilegais que tirariam empregos de americanos por aceitar receber menos.

Atualmente existem cerca de 11 milhões de imigrantes vivendo sem documentos nos EUA. Sob Trump, no entanto, o Partido Republicano não parece se importar em como eles se inserem na sociedade nem como contribuem para a economia americana. Na convenção da semana passada, tiveram voz no palco cidadãos que viram seus filhos serem mortos por imigrantes (um foi assassinado e o outro morreu atropelado por um motorista bêbado).

eleição-usa-circo

Os discursos ajudaram a construir um cenário de que os EUA estão numa situação caótica, divididos e sem controle, a que se somam o estado de tensão racial, que tem resultado na morte de policiais e homens negros em diversas cidades do país, e o recente tiroteio numa boate gay de Orlando, na Flórida.

“O maior problema aqui é que o poder americano no mundo está diminuindo”, disse Trump, em entrevista à rede de tevê CNN. “Eu realmente acredito que a história nos ensina que a fraqueza desperta o mal.” Para Virginia Sapiro, o problema maior dessa narrativa está na opinião pública. “Sempre tivemos e sempre teremos populistas como Trump e Marine Le Pen (líder da extrema-direita na França)”, afirma. “A questão é que as populações de países democráticos estão os apoiando numa visão de mundo isolacionista, na expectativa de que eles tragam os bons velhos tempos de volta.”

INCÓGNITA

Como faz com o direito ao aborto, Trump adota posturas erráticas em vários temas – e, por isso, depois de quase um ano de campanha presidencial, os eleitores e analistas sabem pouco sobre que tipo de presidente ele seria. Não é que não o conheçam. Sua personalidade narcisista, agressiva, materialista e extremamente autoconfiante, e seu humor ácido e, não raro, preconceituoso e racista são evidentes desde os tempos em que o empresário se divertia ao demitir pessoas no reality show “O Aprendiz” e escrevia livros de autoajuda. Trump, contudo, é um homem sem ideologia, que confia em poucas pessoas e diz que vai acabar com o Estado Islâmico sem dizer exatamente como.

Para conter o extremismo doméstico, Trump quer proibir a entrada de muçulmanos no país. Falta clareza às suas propostas, mas sobra consistência nas críticas a aliados tradicionais dos americanos, como a OTAN (aliança militar ocidental), o Japão e a Coreia do Sul, na direção oposta a um mundo mais globalizado e conectado. No período como pré-candidato à Presidência, o empresário mostrou pouco interesse nos detalhes que envolvem a administração pública. Uma reportagem da revista do New York Times chegou a dizer que, na prática, Trump passaria os poderes administrativos ao vice-presidente.

Segundo o depoimento de um assessor de John Kasich, governador de Ohio que disputou as primárias, o filho mais velho de Trump, Donald Jr. o sondou para o cargo dizendo que o vice seria responsável pela política doméstica e externa. “E Trump seria responsável pelo quê?”, perguntou o assessor. “Em fazer a América grande de novo” teria sido a resposta. Quem aceitou o desafio foi Mike Pence, governador de Indiana, um conservador cristão tão duro quanto o companheiro de chapa na questão dos imigrantes ilegais e do acolhimento de refugiados sírios – eles foram barrados no Estado de Indiana.

“Na seleção de Pence como seu vice, ficou claro que Trump procurava alguém com experiência legislativa e executiva para aumentar seu apelo”, afirma Lindsay Newman, analista da consultoria de risco IHS Global Insight. Para Wallach, do Instituto Brookings, “Pence pode se tornar o diretor de operações mais importante do mundo enquanto Trump ocuparia o papel público de um presidente-executivo extravagante.” Durante as primárias americanas, é comum que os pré-candidatos se apresentem de maneira mais extrema para conquistar a base dos partidos e espaço na cobertura midiática.

countdown-contagem-regressiva

Há um ano, imaginava-se que Trump seria mais um desses radicais que aparecem nos EUA de quatro em quatro anos fazendo barulho, ganham seus cinco minutos de fama (no caso do empresário, ele já tinha muito mais que isso) e depois são esquecidos para abrir caminho a uma figura mais moderada que seja capaz de obter os votos dos indecisos e independentes. Quando viram que isso não aconteceria, os analistas começaram a se questionar como o magnata se apresentaria ao público em geral para ganhar sua confiança. Desde que Trump se tornou o único candidato republicano na corrida presidencial, há dois meses e meio, espera-se que ele suavize o tom e deixe no passado recente a postura de valentão (ou “bully”, na expressão em inglês), que usou contra seus concorrentes. Mas, por enquanto, esse dia não chegou.


“O néscio pode associar-se a um sábio toda a sua vida, mas percebe tão pouco da verdade como a colher do gosto da sopa. O homem inteligente pode associar-se a um sábio por um minuto, e perceber tanto da verdade quanto o paladar sabe do sabor da sopa”.   —  Textos Budistas. 


Para saber mais:

  1. http://thoth3126.com.br/eua-barras-de-ouro-falsas-em-fort-knox
  2. http://thoth3126.com.br/o-ouro-dos-eua-nao-existe-mais/
  3. http://thoth3126.com.br/russia-investe-pesado-em-ouro/
  4. http://thoth3126.com.br/a-visao-das-provacoes-dos-estados-unidos-por-george-washington/
  5. http://thoth3126.com.br/o-futuro-colapso-dos-e-u-a-previsto-por-jornal-da-russia/
  6. http://thoth3126.com.br/a-maior-fraude-financeira-da-historia-mundial/
  7. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-assinam-acordo-de-400-bilhoes/
  8. http://thoth3126.com.br/china-um-golpe-de-estado-no-mercado-mundial-de-ouro/
  9. http://thoth3126.com.br/russia-e-china-abandonam-o-dolar-americano/
  10. http://thoth3126.com.br/elite-quer-a-guerra-eua-europa-x-russia/
  11. http://thoth3126.com.br/russia-manda-recado-a-elite-ocidental-jogo-acabou/
  12. http://thoth3126.com.br/john-titor-uma-historia-de-um-viajante-no-tempo/

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

thoth(172x226)www.thoth3126.com.br

One Response to O risco Donald Trump

  1. Jonh

    Ele é a besta que antecede o anticristo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *