A busca do BRICS, da Rússia-Irã-China por uma nova ordem de Segurança Global

Enquanto o Ocidente coletivo está nas garras de uma crise de legitimidade existencial, o três grandes do BRICS estão concebendo a sua própria ordem de segurança para proteger o resto do mundo dos “genocidas” da Besta OTAN/G-7. O Hegemon não tem ideia do que aguarda a mentalidade Excepcionalista: a China começou a agitar decisivamente o caldeirão civilizacional sem se preocupar com uma série inevitável de sanções da Besta OTAN/G-7 que ocorrerão no início de 2025 e/ou com um possível colapso do sistema financeiro internacional. 

A busca do BRICS, da Rússia-Irã-China por uma nova ordem de Segurança Global

Fonte: The Cradle

Na semana passada, o Secretário de Estado dos EUA, o judeu khazar Anthony Blinken, e a sua lista de exigências ilusórias dos EUA, foram recebidos em Pequim pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, e pelo Presidente Xi Jinping, como se ele fosse pouco mais do que um mosquito irritante. Wang, oficialmente, enfatizou que Teerã tinha justificativa legal da Convenção de Viena para se defender contra a destruição de sua embaixada em Damasco pelos sionistas de Israel.

No Conselho de Segurança da ONU, a China questiona agora abertamente não só o ataque terrorista estatal ao oleoduto russo Nord Streams 1 e 2, mas também o bloqueio do combo EUA-Israel à criação de um Estado palestino. Além disso, Pequim, tal como recentemente Moscou, acolhe as fações políticas da Palestina numa conferência com o objetivo de unificar as suas posições.   

Na próxima terça-feira, apenas dois dias antes de Moscou celebrar o Dia da Vitória da II grande guerra mundial, o fim da Grande Guerra Patriótica, Xi desembarcará em Belgrado para lembrar ao mundo inteiro o 25º aniversário do bombardeamento da embaixada chinesa pelos EUA, Reino Unido e OTAN. 

A Rússia, entretanto, forneceu uma plataforma para a UNRWA – a agência de ajuda da ONU para os refugiados palestinos, que Israel tem procurado desfinanciar – para explicar aos altos representantes do BRICS+5 a situação humanitária cataclísmica dos palestinos em Gaza, conforme descrita pelo Comissário-Geral da UNRWA, Philippe Lazzarini. 

Em suma, negócios políticos sérios já estão sendo conduzidos fora do sistema corrupto da ONU, à medida que as Nações Unidas se desintegram numa concha corporativa com os EUA a ditarem todos os termos como o maior acionista da mesma. 

Mais um exemplo importante dos BRICS+5 como a uma nova ONU: o presidente do Conselho de Segurança Russo, Nikolai Patrushev, reuniu-se em São Petersburgo com o seu homólogo chinês Chen Wenqing à margem da 12ª Cúpula Internacional de Segurança, reunindo mais de 100 nações, incluindo os chefes de segurança dos BRICS+5, o Irã, Índia, Brasil e África do Sul, bem como o Iraque. 

O show de segurança da SCO

Mas a principal encruzilhada destes últimos dias foi a reunião de defesa da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), em Astana, no Cazaquistão. Pela primeira vez, o novo Ministro da Defesa chinês, Dong Jun, reuniu-se com o seu homólogo russo, Sergei Shoigu, para enfatizar a sua parceria estratégica abrangente. 

Dong, significativamente, sublinhou a natureza “dinâmica” da interação militar China-Rússia, enquanto Shoigu redobrou, dizendo que “estabelece um modelo para relações interestatais” baseado no respeito mútuo e em interesses estratégicos compartilhados. 

Dirigindo-se a toda a assembleia da OCS, Shoigu refutou enfaticamente o enorme esforço de propaganda ocidental sobre uma “ameaça” russa à OTAN. Todos estiveram na reunião dos ministros da defesa da OCX – incluindo, na mesma mesa, a Índia, o Irã, o Paquistão e a Bielorrússia como observadores. A Bielorrússia está ansiosa para ingressar na SCO. 

As parcerias estratégicas interligadas Rússia-Irã-China estavam totalmente sincronizadas. Além de Dong se encontrar com Shoigu, ele também se encontrou com o ministro da Defesa iraniano, brigadeiro-general Mohammad Reza Ashtiani, que elogiou generosamente a condenação de Pequim ao ataque aéreo terrorista israelense em Damasco. 

O que está acontecendo agora entre Pequim e Teerã é uma repetição do que começou no ano passado entre Moscou e Teerã, quando um membro da delegação iraniana, em visita à Rússia, observou que ambas as partes haviam concordado em um acordo mútuo e de alto nível do tipo “tudo o que você precisar ” em sua relação.  

Em Astana, o apoio de Dong ao Irã foi inequívoco. Não só convidou Ashtiani para uma conferência de segurança em Pequim, refletindo a posição iraniana, como também apelou a um cessar-fogo imediato em Gaza e à entrega de ajuda humanitária.   

Shoigu, reunido com Ashtiani, forneceu um contexto adicional quando lembrou que “a luta conjunta contra o terrorismo internacional na Síria é um exemplo vívido das nossas relações amistosas de longa data”. O ministro da defesa russo apresentou então o seu argumento decisivo: 

A atual situação político-militar e as ameaças aos nossos Estados obrigam-nos… a abordagens comuns para a construção de uma ordem mundial justa baseada na igualdade para todos os participantes na comunidade internacional.

Uma nova ordem de segurança global

O estabelecimento de uma nova ordem de segurança global está no centro do planejamento dos BRICS+5 – a par do debate sobre a desdolarização. Tudo isto é um anátema para o Ocidente coletivo, que é incapaz de compreender as parcerias multifacetadas e interligadas entre a Rússia, o Irã e a China.   

E a interação continua presencial. O presidente russo, Vladimir Putin, visitará Pequim no final deste mês. Em Gaza, a posição Rússia-Irã-China está em completa sincronia: Israel está cometendo genocídio na Palestina. Para a UE – e para a OTAN como um todo – isto não é genocídio: o bloco apoia Israel aconteça o que acontecer.

Depois de o Irã, em 13 de Abril, ter mudado para sempre o jogo na Ásia Ocidental, sem sequer utilizar os seus melhores mísseis hipersónicos, a questão-chave para a Maioria Global é dura: no final, quem irá conter os genocidas, e como? Fontes diplomáticas sugerem que isto será discutido pessoalmente por Putin e Xi. 

Como observa um estudioso chinês, com desenvoltura singular: 

Desta vez, os bárbaros [EUA/OTAN/G-7] enfrentam uma civilização escrita contínua de 5.000 anos, armada com a Arte da Guerra de Sun Tzu, que refletiu sobre Mao, a estratégia de dupla circulação de Xi, Cinturão e Rota, BRICS+5, digitalização do renminbi, Rússia e China ilimitadas, a indústria manufatureira mais poderosa do mundo, supremacia tecnológica, potência económica e o apoio do Sul Global.

Tudo isso contra uma Hegemon polarizado e em turbulência interna, com o seu porta-aviões judeu khazar genocida nOriente Médio totalmente fora de controle.

As ameaças dos EUA de uma “escolha clara” entre pôr fim a várias vertentes fundamentais da parceria estratégica Rússia-China ou enfrentar um tsunami de sanções não são suficientes em Pequim. O mesmo se aplica às tentativas ilusórias de Washington de impedir que os membros do BRICS+5 abandonem o dólar americano. 

O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov, deixou bem claro que Moscou e Pequim quase chegaram ao ponto de abandonar o dólar americano no comércio bilateral. E o roubo total de cativos russos pelo Ocidente coletivo [EUA/OTAN/G-7] é a última linha vermelha para os BRICS+5 – e todas as outras nações que assistem com horror – como um todo: este é definitivamente um Império “não capaz de acordo”, como Lavrov tem enfatizado desde recentemente. 2021.

Yaroslav Lisovolik, fundador da BRICS+ Analytics, rejeita as ameaças do Hegemon contra os BRICS, uma vez que o roteiro para um sistema de pagamentos alternativo ainda está na sua infância. Quanto ao comércio Rússia-China, o comboio de alta velocidade não-dólar já saiu da estação. 

No entanto, a questão chave permanece: como é que a Rússia-Irã-China, enquanto líderes dos BRICS+5, membros da SCO e, simultaneamente, as três principais “ameaças existenciais” ao Hegemon, serão capazes de começar a implementar uma nova arquitetura de segurança global sem encarar os genocidas. 


4 respostas

  1. … olá, sempre vejo as notícias do Thoth3126!!!… uma sugestão… fazer uma reportagem sobre a indicação do lula, que também é ladrão, colocando dilma rousseff na diretoria do banco do brics até hoje?!… a “rousseff”, ex ‘presidenta’ do brasil, que foi impeachmada em 12 de maio de 2016, no seu segundo mandato, quase levando o brasil à falência!!… a pergunta é: como que fica a credibilidade de uma organização comercial como o brics, que quer contrapor com o ocidente ao mesmo tempo, com essa diretora???… abraço, J.Lima…

  2. Que o G7 e a Nova Ordem Mundial é um caos e cria situações insustentáveis como essa guerra da Ucrânia alguns poucos sabem, mas a China é um veneno doloroso, nojento e repugnante. Essa raça, não o povo, mas o partido comunista chinês é uma doença tão perversa quanto a Nova Ordem Mundial, e pior, estão em guerra constante. Pobre povo que sofrido.

  3. – Créditos sociais;
    – Identidade digital;
    – Unidade monetária digital (CBDCs);
    – Reconhecimento facial em cada esquina;
    – Etc…, etc…
    Isso é a “vida” na China com ZERO liberdade de expressão.
    Se esse é o preço do tal BRICS, prefiro seguir lidando com os demônios já conhecidos…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.330 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth