Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A Charada do ‘Vazamento’ do Pentágono

As informações vazadas de documentos do Pentágono pode ser vantajosa para a Rússia se não for uma operação de desinformação: e essa possibilidade é bastante real. O roteiro parece uma paródia do lendário desenho animado da revista Mad de 1960, “Espião vs. Espião”: [Pseudos] Documentos secretos do Pentágono caem nas mãos da Rússia maligna. Bem, na verdade nas mãos de milhões que acessam o Twitter e o Telegram.

A Charada do ‘Vazamento’ do Pentágono

Fonte: Strategic-culture.org

Portanto, aqui, pelo valor de face, temos um grande vazamento essencialmente detalhando o planejamento do Pentágono para o próximo estágio da guerra por procuração OTAN x Rússia na Ucrânia: a interminavelmente debatida “contra-ofensiva” ucraniana da primavera que pode ou não começar em meados de Abril, bem como os planos de guerra que foram compartilhados com os FVEY – os Cinco Olhos.

A informação vazada pode – e a palavra operativa é “poderia” – ser vantajosa para a Rússia se isso não for uma má desinformação: e essa possibilidade é bastante real.

O inestimável Ray McGovern, que sabe uma ou duas coisas sobre a CIA, observou se o Pentágono está “falsificando a taxa de mortos na guerra para dourar lírios da Páscoa em Kiev? O vazamento recente de um documento aparentemente oficial da OTAN mostra que 71.500 ucranianos mortos e apenas 16.000 a 17.500 russos abatidos, muito longe das ‘estimativas’ anteriores do Pentágono. Tudo soa tão vietnamita-déjà vu!”

Portanto, isso pode ser o Vietnã novamente – nunca conte com o Pentágono aprendendo com seus erros – mas pode ser algo muito mais alarmante, de acordo com uma importante fonte de inteligência de Beltway e Washington, aposentado: “Nossa interpretação dessa violação é que insiders fontes de inteligência nos EUA liberaram estes dados críticos de inteligência para evitar uma guerra nuclear com a Rússia”.

Do jeito que está, a única certeza é que a guerra de spin ficou furiosa. Portanto, o vazador pode ter sido um – descontente – insider dos EUA. Não, espere: a coisa toda pode ser falsa, como insiste o Pentágono.  Na linguagem fictícia, isso seria uma tentativa de “espalhar informações falsas que possam prejudicar os EUA”.

Ajustado ou não, o índice “secreto” de mortos de guerra comparativos do Pentágono entre russos e ucranianos ainda não faz sentido. Os números parecem refletir as baixas de Bakhmut/Artemovsk, onde as taxas de baixas russas eram mais altas. No entanto, correspondentes militares russos confiáveis ??no terreno garantem que a proporção é realmente de 10 para 1, com os russos empregando a técnica do caracol combinada com uma formidável máquina de trituração de artilharia.

Incompetência “estupefaciente”

A conclusão indiscutível dos vazamentos – de dados reais ou falsos – do Pentágono é que os EUA estão em estado de guerra contra a Rússia. E isso é sério o suficiente.

Washington tem fornecido informações ininterruptas sobre postos de comando, depósitos de munição e nós-chave nas linhas militares russas. É essa inteligência em tempo real que permitiu a Kiev alvejar as forças russas, matar alguns generais  e forçar os depósitos de munição das forças russas a se afastarem das linhas de frente.

Tudo o que os estenógrafos do Pentágono/OTAN dizem sobre Kiev desempenhar o proverbial “papel decisivo” no planejamento e execução desses ataques é mentira. Os EUA exercem controle total e absoluto da guerra na Ucrânia com base no comando central. Incluindo aquele bunker subterrâneo “secreto” perto de Lviv, que recentemente recebeu um cartão de visita do Sr. Khinzal e foi ao encontro de seu criador – junto com mais de 200 agentes de alto nível da OTAN eliminados.

Falso vazamento ou não, também temos a confirmação de que o Pentágono tem acesso direto às comunicações do Ministério da Defesa da Rússia. E que os americanos ouçam a todos e a seu vizinho: o ator de camiseta suado em Kiev, todos os aliados do Five Eyes e o Mossad.

Quanto à noção de que Kiev mudou seus “planos militares” contra-ofensivos por causa dos vazamentos do Pentágono, todos podem se sentir livres para controlar o tom de suas gargalhadas.

A resposta russa de não resposta a toda essa comoção pode ser vista como um clássico de desorientação. Respondendo aos EUA envolvidos de fato em uma guerra não declarada contra a Rússia, muito mais quente do que a guerra híbrida, o presidente Putin disse que a Rússia está interessada em “coexistência pacífica com os EUA e em estabelecer um equilíbrio de interesses” devido ao seu status de duas das maiores potências nucleares do mundo.

Bem, ninguém pode imaginar Stalin dizendo que a Rússia estava interessada em uma coexistência pacífica com a Alemanha nazista em julho de 1941, quando a Wehrmacht avançava para Moscou, Leningrado e o petróleo do Cáucaso.

Do ponto de vista de informações militares valiosas, o indispensável Andrei Martyanov resumiu tudo: esses “documentos” não contêm nada, além de confirmar que o Pentágono não tem absolutamente nenhuma pista sobre a SMO: por que está acontecendo, qual é o modus operandi da Rússia e o que ela pretende alcançar.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, foi direto ao ponto : “Não temos a menor dúvida sobre o envolvimento direto ou indireto dos EUA e da OTAN na guerra(…)

Como enfatiza Martyanov, a Rússia manobra um complexo IVR (Inteligência, Reconhecimento e Vigilância) extremamente avançado, incluindo inteligência humana no solo, guerra eletrônica e constelações de satélites: “Em termos de correlatos de guerra e estatísticas de combate – eu não tocaria em nada vindo de Pentágono com uma vara longa.”

De fato, existem vários problemas sérios com as informações “ultrassecretas” do Pentágono. Ele também transmite a impressão de que foi redigido com base em dados abertos e não em informações reais. E tudo isso embalado por um trabalho bastante ruim.

Por exemplo, a insistência em “reequipar” a defesa aérea ucraniana com mísseis não é apoiada por dados sobre a origem de tais mísseis. O nome do NASAMS – o sistema de defesa aérea terrestre de médio alcance co-desenvolvido pela Raytheon – está escrito incorretamente.

Nos documentos oficiais da OTAN, as armas da URSS e da Rússia são indicadas na codificação da OTAN. Não há uniformidade de estilo: é uma mistura confusa de designações de códigos oficiais e transliterações do russo para o inglês.

Portanto, não é de admirar que se solidifique a impressão de que o Comando do Exército dos EUA na Europa (EUCOM) obteve sua “informação” de fontes abertas e não tem a menor ideia de quantas armas, quantos equipamentos e quantas pessoas os ucranianos realmente têm.

E isso explica o que está acontecendo em Artemovsk – com os russos gastando todo o tempo do mundo para calibrar sua defesa estratégica e, após o abandono ordenado de Kherson, atrair os ucranianos para um matadouro ininterrupto. Martyanov qualifica a incompetência dos EUA/OTAN para vê-la chegando como “estupefaciente”.

Uma guerra de vida ou morte para controlar a Eurásia

Mais uma vez: a consequência mais importante dos vazamentos do Pentágono é estabelecer que os EUA, de fato e de jure, estão em guerra contra a Rússia – qualquer que seja o giro daquele pedaço de madeira morta norueguês [Jens Stoltenberg] em Bruxelas. A Rússia estabelecerá um tribunal de crimes de guerra para a Ucrânia, então, mais cedo ou mais tarde, os luminares ocidentais coletivos selecionados devem se refugiar em seus bunkers na Nova Zelândia.

Também é crucial ter sempre em mente que a Ucrânia é um mero peão em seu jogo para não perder o poder mundial, contra China, Rússia e potencialmente a Alemanha.

O objetivo inicial dos psicopatas khazares neocons de Washington DC era cortar a relação da Alemanha com a Rússia usando o “salsicha de fígado”, o chanceler Scholz, que foi informado com antecedência sobre o ataque terrorista no Nord Streams 1 e 2.

Scholz também estava envolvido no golpe de desorientação da CIA, canalizando a culpa pelo ataque terrorista para algum obscuro “dissidente” ucraniano e um iate desajeitado – como brilhantemente coberto por Seymour Hersh.

O próximo passo é isolar a Ucrânia da Rússia – “reconquistando” a Crimeia, o foco da atual blitzkrieg de relações públicas, e Donbass, originando assim uma revolta psicológica cataclísmica na Rússia, levando a uma mudança de regime de Putin. Então os khazares finalmente controlariam os maciços recursos naturais da Rússia – e os bloqueariam da China por terra e por mar através da Frota dos Estados Unidos.

Isso não é exatamente inteligente – mas os neoconservadores khazares se deleitam em seu próprio lago intelectualmente raso. Deixe aquele idiota insuportável almirante John Kirby dizendo que não pode haver negociações com a Rússia até que eles deixem a Ucrânia, abandonando Donbass e a Crimeia.

Portanto, a (o show) guerra na Ucrânia deve continuar, até o último ucraniano, ou todos esses planos elaborados irão irremediavelmente morrer. Esta é uma guerra de vida ou morte contra a Rússia-China pelo controle da Eurásia. Isso implicará em mais vazamentos do Pentágono? Traga-os.


{Nota de Thoth: A estrondosa queda da “Estátua de Nabucodonosor“, com o fim do Hospício e os psicopatas ‘acordados’ da civilização ocidental e a própria destruição da região da cidade de Roma [incluso a cloaca do Vaticano] pela QUEDA DE UM ASTEROIDE estão bem próximos de acontecer. O Hospício Ocidental, o circo do G-7, do qual dois marionetes já caíram, os ditosPaíses de Primeiro Mundo” vão fazer face ao seu carma “liberal” e “acordado”}


“Precisamos URGENTEMENTE do seu apoio para continuar nosso trabalho baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado [Deep State] Profundo, et caterva, que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. Considere apoiar o nosso trabalho. Disponibilizamos o mecanismo Pay Pal, nossa conta na Caixa Econômica Federal   AGENCIA: 1803 – CONTA: 000780744759-2, Operação 1288, pelo PIX-CPF 211.365.990-53 (Caixa)” para remessas do exterior via IBAN código: BR23 0036 0305 0180 3780 7447 592P 1


Artigos Relacionados:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *