browser icon
Você está usando uma versão insegura do seu navegador web. Por favor atualize seu navegado!
Usando um navegador desatualizado torna seu computador inseguro. Para mais segurança, velocidade, uma experiência mais agradável, atualize o seu navegador hoje ou tente um novo navegador.

A Cosmologia Antiga: Um Caminho para o Futuro?

Posted by on 05/10/2020

Todos nós conhecemos os dois movimentos celestes que têm um efeito profundo na vida e na consciência humana. O primeiro, o movimento diurno ou rotação da Terra em seu próprio eixo, faz com que a humanidade passe de um estado de vigília para um estado de sono subconsciente e de volta à consciência a cada 24 horas.  Nossos corpos se adaptaram tão bem à rotação da Terra que ela produz essas mudanças regulares na consciência, sem sequer pensarmos nesse processo notável. O segundo movimento celestial, conforme definido por Copérnico – a revolução da Terra em torno do Sol – tem um efeito igualmente significativo, fazendo com que trilhões de formas de vida brotem do solo, floresçam, frutifiquem e depois se decomponham enquanto bilhões de outras espécies hibernam, desovam, ou migram em massa.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Cosmologia Antiga: Um Caminho para o Futuro?

Por Walter Cruttenden – Fonte:  New Dawn Magazine

Nosso mundo visível literalmente ganha vida, muda completamente sua cor e passo, e então se reverte a cada aumento e diminuição desse segundo movimento celestial.

O terceiro movimento celestial, a precessão dos equinócios, é menos compreendido do que os dois primeiros, mas se quisermos acreditar nas culturas antigas de todo o mundo, é igualmente transformador em seu efeito. O que disfarça o impacto desse movimento é a sua escala de tempo. Como uma mosca que vive apenas um dia por ano e não sabe nada sobre as estações do ano, a média de vida de um ser humano compreende apenas 1/360 do ciclo precessional de aproximadamente 25,920 anos. E como a libélula nascida em um dia nublado e sem vento pode não ter ideia de que existe algo tão esplêndido como o sol ou uma brisa, nós, atualmente nascidos em uma era de exacerbada racionalidade materialista, podemos ter pouco conhecimento de uma Idade de Ouro ou de estados superiores de consciência [que já existiram na Terra], no entanto, essa é a mensagem ancestral.

Giorgio de Santillana, o ex-professor de história da ciência no MIT, nos diz que a maioria das culturas antigas acreditava que a consciência e a história não eram lineares, mas cíclicas, o que significa que iriam subir e descer em longos períodos de tempo. Em sua obra marcante, Hamlet’s Mill , de Santillana e a co-autora Hertha von Dechend mostraram que o mito e o folclore de mais de 30 culturas antigas ao redor do mundo falam de um vasto ciclo de tempo com alternância das Idades Escura [trevas-ignorância] e Dourada [Luz-consciência] que se movem, alternam com a precessão dos equinócios. Platão chamou isso de o Grande Ano

Embora a ideia de um grande ciclo ligado à lenta precessão do equinócio fosse comum a várias culturas antes da era cristã, a maioria de nós aprendeu [nos foi dito pelo “establishment acadêmico”] que isso é apenas um conto de fadas; não houve Idade de Ouro. No entanto, um número crescente de novas evidências astronômicas e arqueológicas sugere que o ciclo da precessão dos equinócios pode ter uma base científica de fato. Mais importante, a compreensão do ciclo pode fornecer uma visão sobre para onde a atual sociedade planetária está se dirigindo neste momento e por que a consciência pode estar se expandindo a uma taxa exponencial em um futuro não muito distante. Se for assim, conceitos como o fim do calendário em dezembro de 2012 podem ter um significado real. Compreender a causa da precessão dos equinócios é a chave para compreender o ciclo inteiro.

A Precessão dos equinócios observada

A observação dos três movimentos da Terra é realmente muito simples. Na primeira rotação, vemos o Sol e as estrelas nascerem no leste e se pôr no oeste a cada 24 horas. E se olhássemos as estrelas apenas uma vez por dia, veríamos um padrão semelhante ao longo de um ano: elas surgem no leste e se põem no oeste, com todas as doze constelações do zodíaco (aqueles antigos marcadores de tempo que ficam ao longo do eclíptica – a trajetória do Sol) passando sobre nossas cabeças a uma taxa de cerca de uma por mês até retornarmos ao nosso ponto de partida no céu no final do ano. 

E se olharmos apenas uma vez por ano, digamos no equinócio de outono, notaríamos que as estrelas se movem retrógradas (em oposição aos dois primeiros movimentos) a uma taxa de cerca de um grau a cada 72 anos. Neste ritmo, o equinócio cai em uma constelação diferente aproximadamente uma vez a cada 2.160 anos, levando cerca de 25,920 anos para completar seu ciclo através das doze constelações. Isso é chamado de precessão (movimento para trás) dos equinócios, em relação às estrelas fixas.

A teoria padrão da precessão diz que é principalmente a gravidade da Lua agindo sobre a Terra oblata que deve ser a causa da mudança de orientação da Terra para o espaço inercial, também conhecido como “precessão”. No entanto, esta teoria foi desenvolvida em um momento antes dos astrônomos saberem que o sistema solar poderia se mover e agora foi considerado pela União Astronômica Internacional como “inconsistente com a teoria dinâmica”. A astronomia oriental antiga ensina que a observação de um equinócio movendo-se lentamente ou “precessando” através das doze constelações do zodíaco é simplesmente devido ao movimento do Sol curvando-se através do espaço em torno de outra estrela (mudando nosso ponto de vista das estrelas da Terra). Aqui no Instituto de Pesquisa Binária, modelamos um sistema solar em movimento e descobrimos que ele realmente produz melhor a precessão observável enquanto resolve uma série de anomalias do sistema solar. Isso sugere fortemente que a explicação antiga pode ser a mais plausível, embora os astrônomos “modernos” ainda não tenham descoberto uma estrela companheira do Sol.

As doze constelações do zodíaco

Além das considerações técnicas, um sistema solar em movimento parece fornecer uma razão lógica para que possamos ter um Grande Ano [de 25,920 anos] com a alternância das idades de ouro e escuridão. Ou seja, se o sistema solar que transporta a Terra realmente se move em uma grande órbita, submetendo a Terra ao espectro eletromagnético (EM) de outra estrela ou fonte de energia ao longo do caminho, poderíamos esperar que isso afetaria nossa magnetosfera, ionosfera e indiretamente toda a vida existente na Terra em um padrão compatível com essa órbita. Assim como os movimentos menores diurnos e anuais da Terra produzem os ciclos do dia e da noite e as estações do ano (ambos devido à mudança de posição da Terra em relação ao espectro Eletromagnético [luz] do Sol), o mesmo pode acontecer com o movimento celestial maior que deve produzir um ciclo que afeta a vida e a consciência em grande escala.

Uma hipótese de como a consciência pode ser afetada em tal ciclo cósmico pode ser construída com base no trabalho da Dra. Valerie Hunt, a ex-professora de fisiologia da UCLA. Em uma série de estudos, ela descobriu que as mudanças no campo EM ambiental (que nos cerca o tempo todo) podem afetar dramaticamente a cognição e o desempenho humanos. Em suma, a consciência parece ser afetada por campos sutis de luz. Ou, como diria o físico quântico Dr. Amit Goswami, “A consciência prefere a luz.” Consequentemente, o conceito por trás do Grande Ano ou modelo cíclico da história, consistente com o mito e o folclore, é baseado no movimento do Sol através do espaço, submetendo a Terra a campos estelares crescentes e decrescentes (todas as estrelas são enormes geradores de energia do espectro EM), resultando na lendária ascensão e queda das eras ao longo de grandes épocas.

Perspectiva histórica

As teorias atuais da história geralmente ignoram o mito e o folclore e não consideram quaisquer influências externas macro sobre a consciência humana. Para a maior parte, a teoria da história moderna ensina que a consciência (ou história) se move em um padrão linear do primitivo ao moderno, com poucas exceções. Seus princípios incluem:

  • A humanidade evoluiu da África.
  • As pessoas eram caçadoras-coletoras até cerca de 5.000 anos atrás.
  • As tribos se uniram pela primeira vez para proteção de outras partes em conflito.
  • A comunicação escrita deve preceder quaisquer grandes estruturas de engenharia ou civilizações populosas.

O problema com esse paradigma acadêmico amplamente aceito é que ele não é consistente com a interpretação em evolução de culturas antigas recentemente descobertas e a existência de inúmeros artefatos anômalos [como as pirâmides] distribuídos pelo planeta. Nos últimos cem anos, grandes descobertas foram feitas na Mesopotâmia, no Vale do rio Indus, na América do Sul [Andes] e em muitas outras regiões que quebram as regras da teoria da história e atrasam o tempo de desenvolvimento humano avançado. Especificamente, eles mostram que o homem antigo era, de muitas maneiras, muito mais proficiente e civilizado há quase 5.000 anos do que durante a Idade das Trevas mais recente de apenas quinhentos a mil anos atrás.

Em Caral, um antigo complexo de “origem desconhecida” na costa oeste do Peru, encontramos seis pirâmides de carbono datadas de 2700 aC, uma data contemporânea às pirâmides egípcias e que rivaliza com a época das primeiras estruturas importantes encontradas no chamado “Berço da Civilização ”na Mesopotâmia. No entanto, Caral está a um oceano de distância do “berço”, e não encontramos evidências de qualquer escrita ou armamento, duas das chamadas necessidades da civilização. O que encontramos são belos instrumentos musicais, estruturas astronomicamente alinhadas e evidências de comércio com terras distantes, todos sinais de uma cultura próspera e pacífica.

Gobekli Tepe apresenta um desafio ainda maior para as explicações dos eruditos acadêmicos sobre as correntes da história. Este local na Turquia, datado de 9.000 aC, contém uma arquitetura dramática, incluindo pilares esculpidos de grandes proporções. Encontrar algo tão grande e complexo muito antes das datas aceitas [impostas] pelos eruditos para a invenção da agricultura e da cerâmica é um enigma arqueológico. Esses locais desafiam o paradigma histórico padrão dos eruditos acadêmicos. Mas o que é ainda mais estranho é que muitas dessas civilizações pareciam declinar em massa.

Na antiga Mesopotâmia, Paquistão, Jiroft e terras adjacentes, vemos conhecimento de astronomia, geometria, técnicas de construção avançadas, encanamento sofisticado e sistemas de água, arte incrível, tintas e tecidos, cirurgia, medicina, cerâmicas e muitos outros refinamentos de uma cultura civilizada que parecia surgiram do nada, mas foram completamente perdidas nos próximos milhares de anos. Na época da Idade das Trevas em todo o mundo, cada uma dessas civilizações, incluindo as grandes, do Egito e o Vale do Indus, haviam se transformado em pó ou estilos de vida nômades. Perto das profundezas da crise, havia ruínas e pouco mais, enquanto a população local não sabia nada sobre os construtores, exceto através de lendas. E em algumas áreas onde ainda existiam populações maiores, como em todas as partes da Europa, a pobreza, a peste e as doenças eram frequentemente crescentes e a capacidade de ler, escrever ou duplicar qualquer um dos feitos de engenharia ou científicos anteriores tinha essencialmente desaparecido. O que aconteceu?

Embora os registros desse período ainda sejam muito irregulares, as evidências arqueológicas indicam que a consciência, refletida como engenhosidade e capacidade humana, diminuiu muito. Parecíamos ter perdido a capacidade de fazer as coisas que costumávamos fazer. Ironicamente, isso é exatamente o que muitas culturas antigas previram. O mais importante assiriologista do mundo, Stefan Maul, lançou luz sobre esse fenômeno em sua Palestra Presidencial de Stanford, onde nos diz que os acadianos sabiam que viviam em uma época de declínio; eles reverenciavam o passado como um tempo superior e tentaram se agarrar a ele, mas ao mesmo tempo lamentaram e previram a Idade das Trevas que se seguiria. Seus estudos etimológicos de tabuinhas cuneiformes mostram que as antigas palavras para “passado” agora se tornaram nossas palavras para “futuro”, enquanto suas palavras para “futuro” agora se tornaram nossas palavras para “passado”.

Este princípio de épocas crescentes e decrescentes da consciência no tempo é descrito em vários baixos-relevos encontrados nos antigos templos de “escolas de mistério” mitraicas. O famoso Tauroctany, ou cena de matança de touros, é geralmente cercado por dois meninos, Cautes e Cautopetes, com um segurando uma tocha no lado ascendente do zodíaco, indicando que é um tempo de luz; a outra segura uma tocha no lado descendente do zodíaco, indicando que é um tempo de escuridão (veja o exemplo na página 48). Como mostra o gráfico na página oposta, esses períodos de tempo correspondem à descrição grega de quando a Terra passa por períodos de ascensão e queda da consciência.

Mitras e o touro. Este afresco do mithraeum em Marino, Itália (século III) mostra o Tauroctonia e o revestimento celestial do cabo de Mitras. À esquerda e à direita de Mithras estão os dois meninos Cautes e Cautopetes, com um segurando uma tocha no lado ascendente do zodíaco, indicando que é um tempo de luz; o outro segura uma tocha no lado descendente do zodíaco, indicando que é um tempo de escuridão.

Jarred Diamond, o conhecido historiador-antropólogo e autor de Guns, Germs and Steel , argumenta que são principalmente as vantagens geográficas e ambientais locais no planeta Terra que determinam qual grupo de seres humanos tem sucesso ou falha em relação a outro. Aqueles que têm aço, armas e germes ruins vencem. Embora isso ajude a explicar muitas diferenças regionais dos últimos milhares de anos, não aborda as macrotendências que pareciam ter afetado todas as culturas (incluindo a China e as Américas) à medida que deslizavam coletivamente para a última Idade das Trevas mundial. O modelo cíclico ou do Grande Ano se sobrepõe e aumenta as observações de Diamond, dando uma razão para a desaceleração generalizada da consciência. Isso sugere que não é apenas a geografia e o ambiente do homem em Terra que determina seu sucesso relativo, mas também a geografia e o ambiente da Terra no espaço que afeta a humanidade em uma escala macroscópica. Assim como pequenos movimentos celestes afetam dramaticamente a vida a curto prazo, parece que grandes movimentos celestiais colorem a vida a longo prazo, resultando nas estações do Grande Ano. 

A compreensão de que a consciência pode de fato subir e descer com os movimentos dos céus dá significado a mitos e folclore antigos e coloca culturas e artefatos anômalos (como o dispositivo de Antikythera e a bateria da Babilônia) em um contexto histórico que faz sentido. Ele explica por que tantas culturas antigas podem ter ficado fascinadas com as estrelas e nos fornece um paradigma viável para compreender a história antiga. Também poderia nos ajudar a identificar as forças que impulsionaram o renascimento e que podem estar acelerando a consciência na era atual. O mito e o folclore, a linguagem científica de outrora, fornecem um olhar mais profundo sobre a consciência ao longo das diferentes idades.

Um olhar antigo para o futuro

O historiador grego Hesíodo nos fala da natureza maravilhosa da última Idade de Ouro, quando “paz e abundância” abundavam. Os mitos dos nativos norte americanos como os Hopis nos falam de antigas cidades hoje no fundo do mar.  Tipicamente, os povos antigos quebraram o grande ciclo em uma fase ascendente e descendente, cada uma com quatro períodos. A cultura védica nos diz que quando o Equinócio de Outono se move de Virgem para Aries, passamos pelas ascendentes Kali, Dwapara, Treta e Satya “Yugas” (esta última sendo sua Era Dourada) antes de declinar lentamente em ordem reversa conforme o equinócio termina sua jornada. Os gregos e outras civilizações mediterrâneas primitivas usaram como períodos e os rotularam de Idade do Ferro, Bronze, Prata e Idade do Ouro. Culturas mais distantes, como os maias ou hopis, usavam ainda outros nomes como “mundos” ou “sóis” e os numeravam para identificar épocas específicas.

Seja qual for a linguagem usada, o conceito é o mesmo. O sábio Swami Sri Yukteswar, em seu livro The Holy Science (1894), ilustra que quando nosso sistema solar está em um ponto mais distante de sua estrela companheira, a consciência da humanidade está em seu ponto mais baixo (ocorrendo por volta de 500 CE), e quando o Sol está em seu ponto mais próximo (ocorrendo em seguida em 12.500 CE ) a consciência alcançará seu ponto mais alto deste ciclo. Os pontos são vistos no céu por onde o equinócio outonal o Sol cruza uma das doze constelações do zodíaco (o relógio celestial). Quando o equinócio está em Áries, que quase sempre é colocado na posição de 12 horas [norte] do zodíaco, a Terra está no melhor ambiente estelar possível, tornando mais fácil para muitas pessoas experimentar um estado de consciência desperto. E quando o equinócio está na constelação de Libra, as condições são piores e uma Idade das Trevas, um período de consciência iludida, prevalece. 

Atualmente, estamos apenas algumas centenas de anos na era ascendente, passando do que os gregos chamam de Idade do Homem (Ferro – Kali Yuga]) para a Idade do Herói (Bronze – Dwapara Yuga), mas ainda muito longe da Idade dos Semideuses (Prata – Treta Yuga) ou a Era dos Deuses (Ouro – Satya Yuga), que são totalmente inconcebíveis para nós neste momento. Isso significa que agora estamos despertando de uma época em que a consciência individual se percebe puramente como uma forma física que vive em um universo estritamente físico para uma época em que começamos a ver a nós mesmos e ao universo como mais transparentes, compostos principalmente de energia sutil. 

Isso começou com as descobertas da Renascença (princípios da eletricidade, leis da gravitação, microscópios, telescópios e outras invenções que expandem nossa consciência) e se acelerou desde então com a física quântica que nos ensina que matéria e energia são intercambiáveis, e os conceitos de Einstein de que mesmo o tempo e o espaço são relativos. Em suma, estamos de volta à ascensão apenas começando a “nos lembrar” como consciência pura vivendo em um mundo de possibilidades não sonhadas.

De acordo com Paramahansa Yogananda, autor de Autobiografia de um Iogue , por volta do ano 4100 dC (quando cruzarmos para o Treta yuga propriamente dita) “telepatia e clarividência serão novamente de conhecimento comum”. Pode parecer rebuscado, mas de acordo com o mito e o folclore, já houve tal época na Terra antes, por volta de 3100 aC, da última Treta yuga. Isso é o que Gênesis chamaria de era pré-Babel  “confundindo as línguas”, quando a humanidade se comunicava livremente com a natureza diante de Deus.

As pessoas muitas vezes esquecem como era o mundo há apenas 500 anos, quando todas as nações estavam em guerra umas com as outras, as pragas, as pestes e doenças e a pobreza dizimavam regularmente grandes populações da Terra, a expectativa de vida era metade do que é hoje, os direitos individuais eram inexistentes e a justiça era aplicada por tortura, inquisição ou queima na fogueira. Sim, o mundo ainda tem inúmeros problemas [todos criados pelo homem], mas agora a consciência está se expandindo rapidamente. De acordo com a revista Time , mais de 17 milhões de pessoas estão meditando apenas nos Estados Unidos. O aumento da consciência se manifesta de muitas maneiras, mais visivelmente como tecnologia, com muitos acreditando que agora estamos nos aproximando de um ponto de singularidade, mas a ampliação da consciência é muito mais. Pode haver alguma dúvida de que nossas melhorias em todas as áreas da sociedade nos próximos 500 anos serão fora das tabelas em comparação com os últimos 500?


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”



Mais informações, leitura adicional:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.