Entre ou
Cadastre-se

Compartilhe
Receba nosso conteúdo

A ‘Crise Mundial’ Covid-19 – (IV)

A Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada,  Golpe de Estado Global e a Grande Reinicialização: Estamos numa encruzilhada de uma das crises mais graves da história mundial.  Somos história viva, mas nossa compreensão da sequência de eventos desde janeiro de 2020 tem sido confusa [pela própria manipulação do establishment]. Em todo o mundo, as pessoas foram enganadas pelos políticos de seus governos e pela mídia [MSM PRE$$TITUTE$] quanto às causas e as consequências devastadoras da “pandemia” [Fake] de Covid-19.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A  Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada, Golpe de Estado Global e a “Grande – Great Reset – Reinicialização”

Fonte:  Global Research

As sentenças entre [ ] são de autoria de Thoth

Global Research E-Book, Center for Research on Globalization, pelo Prof Michel Chossudovsky  [Este E-book consiste em um Prefácio e Nove Capítulos]


Capítulo IV – Depressão Econômica Planejada e Provocada

No momento em que este artigo foi escrito, havia essencialmente quatro fases distintas na desestabilização projetada da economia global.

  • A primeira fase foi lançada no final de janeiro, quando o governo Trump anunciou (31 de janeiro de 2020) que negará a entrada de estrangeiros “que viajaram pela China nos últimos 14 dias” . Isso imediatamente desencadeou uma crise no transporte aéreo. O comércio China-EUA, bem como toda a cadeia da indústria do turismo, foram afetados.
  • A segunda fase  foi iniciada em 20 de fevereiro, após o Dr. Tedros, Diretor Geral da OMS, alertar que uma pandemia era iminente, o que serviu para desencadear o início do crash do Corona Financial em 2020.
  • A terceira fase  foi lançada com o  bloqueio e fechamento em 11 de março de 190 economias nacionais , com consequências sociais devastadoras e
  • A Quarta fase  foi iniciada em outubro-novembro coincidindo com a chamada “Segunda Onda”.

A Ruptura do Comércio EUA-China 

A decisão de Trump em 31 de janeiro de 2020 foi tomada imediatamente após o anúncio pelo Diretor Geral da OMS de uma Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional (PHEIC) (30 de janeiro de 2020). Em muitos aspectos, este foi um ato de “guerra econômica” contra a China.

E então, após a decisão de Trump em 31 de janeiro de 2020 de reduzir as viagens aéreas e o transporte para a China, uma campanha foi lançada nos países ocidentais contra a China e também contra os chineses étnicos. The Economist relatou   que “O coronavírus espalha o racismo contra e entre os chineses étnicos”

“Comunidade chinesa da Grã-Bretanha enfrenta racismo por causa de surto de coronavírus”

De acordo com o South China Morning Post (Hong Kong) :

“As comunidades chinesas no exterior estão enfrentando cada vez mais o abuso racista e a discriminação em meio ao surto de coronavírus. Alguns chineses de etnia que vivem no Reino Unido dizem que experimentaram uma hostilidade crescente por causa do vírus mortal que se originou na China. ”

E esse fenômeno aconteceu em todos os EUA

China Town, São Francisco

Comércio EUA-China. Dependência [também criada ao longo dos últimos anos] da América do “Made in China”

O que o governo Trump não conseguiu compreender é que os Estados Unidos dependem fortemente das importações de commodities da China.

A verdade tácita é que a América é uma economia impulsionada pela importação (resultante do offshoring) com uma base manufatureira fraca, fortemente dependente das importações da RPC. Apesar do domínio financeiro da América e dos poderes do dólar, existem graves falhas na estrutura da “economia real” da América que foram exacerbadas pela crise Covid-19..

As importações dos EUA da China diminuíram significativamente como resultado da “pandemia”, os impactos sobre o comércio varejista dos EUA são potencialmente devastadores. Este processo de interrupção afetando a produção, as linhas de abastecimento e o transporte internacional começou no início de fevereiro, após a declaração de Trump em 31 de janeiro de 2020.

Fatores políticos e geopolíticos desempenharam um papel fundamental, incluindo a campanha anti-chinesa lançada em fevereiro de 2020, bem como ameaças da administração Trump, alegando que a China foi responsável por “espalhar o vírus” desde a sua origem, a cidade de Wuhan.

Os impactos no comércio bilateral EUA-China foram devastadores: as importações de commodities dos EUA da China diminuíram 28,3% (média dos primeiros três meses de 2020 em relação aos primeiros 3 meses de 2019).

Após o bloqueio de 11 de março e o fechamento da economia global, a queda das  importações americanas da China em março de 2020 foi da ordem de 36,5% ( em relação a março de 2019). A queda nas exportações da China para os EUA registrada em abril e maio foi da ordem de 7,9% a 8,5% em relação a abril-maio ??de 2019.

Além disso, de acordo com números citados pelo  Financial Times  (em grande parte atribuíveis à profunda crise financeira que começou em fevereiro de 2020), o valor dos (anunciados) projetos de investimento direto da China nos Estados Unidos caiu cerca de 90%: $ 200 milhões no primeiro trimestre de 2020, abaixo de uma média de US$ 2 bilhões por trimestre em 2019.

“O investimento direto chinês nos EUA ficou em US$ 5 bilhões, uma ligeira queda de US$ 5,4 bilhões em 2018 e bem abaixo de um pico recente de US$ 45 bilhões em 2016, quando as empresas chinesas eram muito mais livres para adquirir empresas norte americanas”

Enquanto a economia dos Estados Unidos havia entrado em uma crise profunda (começando em fevereiro de 2020 com a crise financeira), a economia da China se recuperou: as exportações globais da China no mundo todo (dólares) em abril aumentaram 3,5% (em relação a abril de 2019).

O que aconteceu foi um grande redirecionamento das exportações da China para a União Europeia (UE) e o resto do mundo, o que inevitavelmente afeta o comércio varejista “Made in China” em todos os Estados Unidos.

As implicações geopolíticas são de longo alcance, enquanto a economia real dos EUA está com problemas, a China tornou-se agora o maior parceiro comercial da UE.

O crash financeiro Corona de fevereiro de 2020

O comércio especulativo e a fraude financeira desempenharam um papel fundamental. Na quinta-feira, 20 de fevereiro à tarde em Genebra, (horário CET), o Diretor Geral da OMS. O Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus deu uma conferência de imprensa. Estou “preocupado”, disse ele, “que a chance de conter o surto de coronavírus” esteja “fechando” …

“Eu acredito que a janela de oportunidade ainda está lá, mas que a janela está se estreitando.”

Essas declarações [intencional para criar] de “choque e pavor” contribuíram para desencadear o pânico global, apesar do fato de o número de casos confirmados fora da China ter sido excessivamente baixo: 1.076 casos fora da China , para uma população de 6,4 bilhões.  (Excluindo o navio Princess Diamond, ancorado ao largo do Japão, houve 452 chamados “casos confirmados” em todo o mundo)

A declaração do Dr. Tedros (baseada em conceitos e estatísticas falhos), preparou o terreno para o colapso financeiro de fevereiro desencadeado por informações privilegiadas, conhecimento prévio, negociação de derivativos, vendas a descoberto e uma abundância de operações de fundos de hedge.

COVID-19 foi identificado como o catalisador da crise financeira. Quem estava por trás desse catalisador?

Quem estava por trás da campanha de medo que contribuiu para desencadear o caos e a incerteza nos mercados financeiros?

O pequeno número de casos confirmados fora da China (1.076) não confirma de forma alguma a propagação de uma epidemia mundial. Mas isso não impediu que os mercados despencassem.

Os mercados foram manipulados. Quem quer que tivesse conhecimento prévio (informação privilegiada) da declaração do Diretor-Geral da OMS de 20 de fevereiro de 2020 teria obtido ganhos monetários significativos.

Houve um conflito de interesses (conforme definido pela OMS ) A OMS recebe fundos da Fundação Gates. Bill Gates tem “60% de seus ativos investidos em ações [incluindo ações e fundos de índices-ETFs]”, de acordo com um  relatório da CNBC de setembro de 2019.

O crash da bolsa de valores iniciado em 20 de fevereiro, conhecido como 2020 Coronavirus Crash (20 de fevereiro a 7 de abril de 2020), foi classificado como:

“A queda mais rápida nos mercados de ações globais da história financeira e a queda mais devastadora desde a Queda de Wall Street em 1929.”

A causa da crise financeira foi (de acordo com “analistas”) V. O Vírus, ou seja, a “disseminação massiva” da epidemia fora da China. Mas isso era uma mentira absoluta: houve apenas  1.076 casos em todo o mundo  para uma população de 6,4 bilhões fora da China. (ver Capítulo III). A desinformação da mídia pre$$titute$ desempenhou um papel fundamental na liderança da campanha do medo

Informações privilegiadas e fraude financeira

A possibilidade de fraude financeira e “negociações internas” (o que é ilegal) foi casualmente dissipada por analistas financeiros e relatos da mídia. Sem a mão humana, não há relação causal entre um vírus microscópico e a gama complexa de variáveis ??financeiras.

A campanha de medo do “vírus assassino”, juntamente com os “avisos” oportunos do Dr. Tedros sobre a necessidade de implementar uma pandemia mundial, serviu indelevelmente aos interesses dos [tubarões de sempre] especuladores institucionais e dos fundos de hedge de Wall Street. A crise financeira levou a uma grande mudança na distribuição da riqueza monetária.  (Veja a análise no Capítulo V)

Na semana seguinte ao anúncio da OMS de 20 a 21 de fevereiro, o Dow Jones despencou 12%  ( CNBC , 28 de fevereiro de 2020). Segundo analistas , o mergulho do DJIA foi resultado da disseminação mundial do vírus. Uma declaração sem sentido em contradição com o (pequeno) número de estimativas positivas da OMS Covid (1.076 mortes fora da China), a maioria das quais se baseava no teste PCR defeituoso.

Na segunda-feira, 24 de fevereiro, após a reabertura das bolsas de valores, houve uma queda sem precedentes no Dow Jones atribuível aos “perigos iminentes” que “a Covid estava espalhando pelo mundo criando incertezas nos mercados financeiros”.  

As ações caíram drasticamente na segunda-feira (24 de fevereiro)  com o aumento do número de casos de coronavírus fora da China , alimentando temores de uma desaceleração econômica global prolongada devido à propagação do vírus. O índice Dow Jones Industrial Average  fechou 1.031,61 pontos abaixo, ou 3,56%, em 27.960,80. ” (CNBC) (ênfase adicionada)

Dow Jones Industrial Average dezembro de 2019 – março de 2020

Também em 24 de fevereiro, Trump solicitou ao Congresso a aprovação de ajuda de emergência de US$ 1,25 bilhão.

De acordo com a BBC, os  mercados de ações em todo o mundo registraram quedas acentuadas   “por causa das preocupações sobre o impacto econômico do vírus”, sugerindo que o vírus foi “a mão” invisível responsável pelo declínio dos mercados financeiros.

COVID-19 foi identificado como o catalisador da crise financeira.

Quem estava por trás da campanha de medo que contribuiu para desencadear o caos e a incerteza nos mercados financeiros, juntamente com falências, fechamento massivo de pequenos negócios e desemprego em massa e uma redistribuição maciça da riqueza monetária?

Dia 11 de março de 2020: a pandemia de Covid-19, bloqueio, fechamento de 190 economias nacionais

Em 11 de março de 2020: a OMS declarou oficialmente uma pandemia mundial em um momento em que havia  118.000 casos confirmados e 4.291 mortes em  todo o mundo (incluindo a China). (11 de março de 2020, segundo coletiva de imprensa). O que essas “estatísticas” dizem a você?

O número de casos confirmados fora da China (6,4 bilhões de habitantes) foi da ordem de 44.279 e 1.440 mortes (dados registrados para 11 de março pela OMS, (em 12 de março). (Há uma contradição no número de mortes fora da China gravado pela OMS. Na conferência de imprensa da OMS de Tedros: 4.291 fora da China) (Ver Capítulo III).

Imediatamente após o anúncio da OMS em 11 de março de 2020, a campanha do medo entrou em alta velocidade por toda a mídia pre$$titute. Como no caso da queda das ações em 20-21 de fevereiro, a declaração de 11 de março do Diretor-Geral da OMS havia preparado o cenário.

Os mercados de ações despencaram em todo o mundo. Na manhã seguinte, o Dow (DJIA) despencou 9,99% (queda de  2.352,60  para fechar em 21.200,62). A quinta-feira negra, 12 de março de 2020, foi “o pior dia do Dow” desde 1987 .  A fraude financeira foi o gatilho. Uma transferência maciça de riqueza financeira ocorreu em favor dos bilionários da América. (ver capítulo V)

As imposições de confinamento “Fique em casa” , distanciamento social, uso de focinheiras, foram transmitidas a 193 Estados membros das Nações Unidas. Os políticos são os instrumentos de poderosos interesses de agendas ocultas. Essa decisão de longo alcance foi justificada como um meio de combater o vírus?

A decisão foi baseada em um modelo de bloqueio com defeito projetado pelo Imperial College London. Sem precedentes na história, aplicados quase simultaneamente em um grande número de países, setores inteiros da economia mundial foram desestabilizados e destruídos. As pequenas e médias empresas foram à falência. O desemprego e a pobreza maciça são crescentes.

Em vários países em desenvolvimento, a fome estourou (veja a análise mais abaixo). Os impactos sociais dessas medidas são devastadores. Os impactos na saúde (mortalidade, morbidade) dessas medidas, incluindo a desestabilização do sistema nacional de saúde (em vários países), superam em muito aqueles atribuídos à Covid-19.

Guerra econômica

As instruções vieram muito “de cima”, daqueles que controlam todo o “circo”, de Wall Street, do Fórum Econômico Mundial, das fundações dos oligarcas bilionários. Este projeto diabólico é descrito casualmente pela mídia pre$$titutes corporativa como um esforço “humanitário” de saúde pública. A “comunidade internacional” tem uma “Responsabilidade de Proteger” . Uma “parceria público-privada” não eleita sob os auspícios do Fórum Econômico Mundial (WEF), veio para resgatar 7,8 bilhões de pessoas do planeta Terra. O fechamento da economia global é apresentado como uma forma de “matar o vírus”.

Parece um absurdo. Fechar a economia real do Planeta Terra não é a “solução” mas antes a principal “causa” de um processo de desestabilização e empobrecimento mundial. A economia nacional combinada com as instituições políticas, sociais e culturais é a base para a “reprodução da vida real”: renda, emprego, produção, comércio, infraestrutura, serviços sociais.

Desestabilizar a economia do Planeta Terra não pode constituir uma “solução” para o combate a qualquer vírus. Mas essa foi a “solução” imposta e na qual eles querem que acreditemos e os obedecemos. E é isso que eles estão fazendo.

O bloqueio e o processo de falência planejada

Existe uma relação importante entre a “Economia Real” e o “Big Money”, nomeadamente o establishment financeiro. O que está em curso é um processo de MAIS concentração de riqueza, por meio do qual o establishment financeiro (isto é, os credores multibilionários) está programado para se apropriar dos ativos reais das empresas falidas e também dos ativos do Estado.

A “Real Economia” constitui “a paisagem econômica” da verdadeira atividade econômica: bens de produção, agricultura, indústria, produtos e serviços, o comércio, o investimento, o emprego como infra-estrutura bem social e cultural, incluindo escolas, hospitais, universidades, museus, etc.  A economia real em nível global e nacional está sendo visada pelo bloqueio e fechamento da atividade econômica.

As instruções de bloqueios transmitidas e impostas aos governos nacionais têm contribuído para a desestabilização do “cenário econômico nacional” e global, que consiste em  toda uma estrutura econômica e social O bloqueio “fique em casa” impede as pessoas de trabalhar. De um dia para o outro, ele cria desemprego em massa (no mundo todo). Por sua vez, o bloqueio está associado ao fechamento de setores inteiros das economias nacionais.

O bloqueio contribui imediatamente para  o desengajamento dos recursos humanos (mão de obra) que paralisa a atividade produtiva. Por um lado, os canais de abastecimento e distribuição de todos os produtos estão congelados, o que acaba levando a uma potencial escassez na disponibilidade de commodities e de alimentos.

Por sua vez, várias centenas de milhões de trabalhadores em todo o mundo perdem seus empregos e seus ganhos. Embora os governos nacionais tenham criado várias “redes de segurança social” para os desempregados, o pagamento de salários e vencimentos pelo empregador é interrompido, o que por sua vez leva a um colapso dramático do poder de compra e ao colapso dos governos pois a arrecadação de impostos não mais existe sem atividade econômica.

É uma crise de pagamentos e arrecadação. Vencimentos e salários não são pagos. As famílias pobres não podem comprar alimentos, pagar o aluguel ou hipotecas mensais. As dívidas pessoais e domésticas (incluindo dívidas de cartão de crédito) sobem muito. É um processo cumulativo. A globalização da pobreza leva a um declínio na demanda do consumidor, que então repercute no sistema produtivo, levando a uma nova série de falências. Inevitavelmente, a estrutura do comércio internacional de commodities também é afetada.

Endividamento Global

As instituições financeiras Global Money são os “credores” da economia real que está em crise. O fechamento da economia global desencadeou um processo de explosão do endividamento global. Sem precedentes na história mundial, uma bonança multibilionária de dívidas denominadas em dólares está atingindo simultaneamente as economias nacionais de 193 países.

Os credores também buscarão adquirir a propriedade e / ou controle da “riqueza pública”, incluindo os ativos sociais e econômicos dos Estados, por meio de um projeto de endividamento maciço sob a supervisão de instituições credoras, incluindo o FMI, BIS, o Banco Mundial, os bancos de desenvolvimento regional, etc.

Sob a chamada Grande Reinicialização “Novo Normal” promovida pelo Fórum Econômico Mundial (WEF), os credores (incluindo os bilionários) pretendem comprar setores importantes da economia real, bem como assumir entidades falidas (ver Capítulo IX)

Crise da economia global. A MAIOR Evidência

Nas seções a seguir, revisamos os impactos dramáticos do fechamento da economia global, focalizando as falências, a pobreza global, o desemprego, a eclosão da fome e também a destruição da educação. A maioria dos números citados abaixo são da ONU, do governo e de fontes relacionadas, que tendem a subestimar a seriedade desta crise global em curso, que está literalmente destruindo a vida das pessoas.

O endividamento em todos os setores da atividade econômica em todo o mundo é a força motriz. O que é apresentado a seguir é apenas a ponta do iceberg. Muitos dos dados correspondem aos primeiros 6-8 meses de 2020. Os impactos devastadores do bloqueio da Segunda Onda que estão em andamento ainda estão para ser avaliados:

Falências

A onda de falências desencadeada pelo fechamento da economia mundial afeta tanto as pequenas e médias empresas (PMEs) quanto as grandes corporações. A evidência sugere que as pequenas e médias empresas estão literalmente sendo exterminadas. De acordo com uma pesquisa do International Trade Center, citada pela OCDE, referente a PMEs em 132 países:

Dois terços das micro e pequenas empresas relatam que a crise afetou fortemente suas operações comerciais e um quinto indica o risco de encerrar definitivamente dentro de três meses. Com base em várias pesquisas em vários países, McKinsey (2020) indica que entre 25% e 36% das pequenas empresas podem fechar permanentemente devido ao rompimento nos primeiros quatro meses da pandemia. Relatório da OCDE , ênfase adicionada)

De acordo com a Bloomberg: “Mais da metade das pequenas e médias empresas da Europa afirmam que enfrentarão a falência no próximo ano se as receitas não aumentarem, o que ressalta a amplitude dos danos causados ??pela crise da Covid-19. Uma em cada cinco empresas na Itália e na França espera entrar com pedido de insolvência em seis meses, de acordo com uma pesquisa da McKinsey & Co. em agosto com mais de 2.200 PMEs nas cinco maiores economias da Europa.

As pesquisas tendem a subestimar a magnitude dessa catástrofe em andamento. Os números são muito maiores do que os relatados. Nos EUA, o processo de falência está em andamento. De acordo com um grupo de acadêmicos em uma carta ao Congresso:

“Prevemos que uma fração significativa das pequenas empresas viáveis ??será forçada a liquidar, causando perdas econômicas elevadas e irreversíveis. “Os trabalhadores perderão empregos mesmo em negócios viáveis. …

“Uma série de padrões parece quase inevitável. No final do primeiro trimestre deste ano, as empresas americanas acumularam quase US$ 10,5 trilhões em dívidas – de longe o maior valor desde que o Federal Reserve Bank de St. Louis começou a monitorar o número no final da Segunda Guerra Mundial. “Uma explosão na dívida corporativa”, disse Altman ”( NYT , 16 de junho de 2020).

Com relação a pequenas empresas nos EUA:

quase 90% das pequenas empresas experimentaram um impacto negativo forte (51%) ou moderado (38%) da pandemia; 45% das empresas sofreram interrupções nas cadeias de abastecimento; 25% das empresas têm reservas de caixa para menos de 1-2 meses. “( OCDE )

Os resultados de uma pesquisa com mais de 5 800 pequenas empresas nos Estados Unidos:

… Mostra que 43% das empresas respondentes já estão temporariamente fechadas. Em média, as empresas reduziram seus funcionários em 40%. Três quartos dos entrevistados indicam que têm dois meses ou menos de reserva em dinheiro. … (OCDE)

Em uma pesquisa recente :

“Metade de todos os proprietários de pequenas empresas dos EUA em todo o país acredita que em breve serão forçados a fechar as portas para sempre. Nem mesmo durante a Grande Depressão da década de 1930 vimos algo assim”

Desemprego Global

Uma contração massiva de empregos em todo o mundo está em andamento. Em um relatório de agosto, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) confirma que:

A crise COVID-19 afetou severamente as economias e os mercados de trabalho em todas as regiões do mundo, com perdas estimadas de horas de trabalho equivalentes a quase 400 milhões de empregos em tempo integral no segundo trimestre de 2020 , a maioria dos quais em países emergentes e em desenvolvimento … ( OIT, 2020a). …

Entre os mais vulneráveis ??estão os 1,6 bilhão de trabalhadores da economia informal, representando metade da força de trabalho global, que estão trabalhando em setores que enfrentaram grandes perdas de empregos ou viram suas rendas seriamente afetadas por bloqueios.

A crise do COVID-19 está afetando desproporcionalmente 1,25 bilhão de trabalhadores em empregos de risco, particularmente nos setores mais afetados, como comércio varejista, turismo e serviços de alimentação e manufatura (OIT, 2020b). A maioria desses trabalhadores são autônomos, em empregos de baixa renda no setor informal … Os jovens, por exemplo, estão passando por vários choques, incluindo interrupções na educação e treinamento, emprego e renda, além de maiores dificuldades para encontrar empregos.

 

A OIT não explica de forma alguma as causas políticas do desemprego em massa, resultantes de ações tomadas pelos governos nacionais, supostamente com o objetivo de resolver a pandemia de Covid. Além disso, a OIT tende a subestimar tanto os níveis como o aumento dramático do desemprego.

Os governos estão sob o controle dos credores globais de suas dívidas. O que está previsto para a era pós-Covid é a implementação de medidas de austeridade massivas, incluindo o cancelamento de benefícios aos trabalhadores e redes de segurança social.

Desemprego nos EUA

Nos EUA, “mais de 30 milhões de pessoas, mais de 15% da força de trabalho, se inscreveram para receber seguro-desemprego …”CSM, 6 de maio de 2020 ).

Anunciado no início de dezembro: ”Mais de 10 milhões de americanos deverão perder seus benefícios de desemprego no dia seguinte ao Natal, a menos que o Congresso aja para estender os principais programas relacionados à pandemia – uma perspectiva que a partir de agora parece incerta na melhor das hipóteses.” ( US News and World Report )

O precipício se aproxima à medida que os casos de covid-19 aumentam em todo o país e os pedidos de auxílio-desemprego aumentam, com estados e municípios reimpondo as restrições relacionadas ao vírus. O lapso também deve ocorrer à medida que as proteções para locatários, tomadores de empréstimos estudantis e proprietários de imóveis expiram – uma confluência potencialmente devastadora de eventos para todos os indivíduos, cujas economias foram devastadas pela pandemia, e a economia em geral, que está gradualmente abrindo caminho de volta da recessão induzida pelos “mestres do coronavírus”.

Quando os programas terminarem no final de dezembro, cerca de 12 milhões de pessoas poderão perder o seguro-desemprego, de acordo com a Century Foundation. ( US News and World Report) Durante o colapso econômico mais grave da Main Street na história dos Estados Unidos – com mais de um quarto dos americanos em idade produtiva desempregados – uma calamidade adicional se aproxima:

De acordo com estimativas do Census Bureau, 30 a 40 milhões de americanos enfrentam possível despejo em 2021 por falta de renda para pagar aluguel ou hipotecas de suas casas.

Sem ajuda federal ou uma moratória de aluguel estendida, uma calamidade de proporções bíblicas pode acontecer nos próximos meses. Stephen Lendman

Desemprego na União Europeia (UE)

“Prevê- se que o desemprego em toda a União Europeia aumente para nove por cento em 2020, na sequência da pandemia do Coronavirus e subsequentes bloqueios impostos pelos governos nacionais”.

De acordo com dados oficiais da UE:

Grécia, Espanha e Portugal… viram mais uma vez grandes aumentos no desemprego dos jovens desde o início da pandemia. A Grécia teve um aumento de 31,7% em março para 39,3% em junho, enquanto a Espanha e Portugal tiveram aumentos semelhantes, de 33,9% para 41,7% e 20,6% para 27,4%, respectivamente.

Desemprego na América Latina

Na América Latina, a taxa média de desemprego foi estimada em 8,1% no final de 2019. A OIT afirma  que ela poderia aumentar em modestos 4 a 5 pontos percentuais, para 41 milhões de desempregados. Em números absolutos, essas taxas indicam que o número de pessoas que procuram emprego, mas não são contratadas, passou de 26 milhões antes da pandemia para 41 milhões em 2020 , conforme anunciado por especialistas da OIT.

Essas estimativas da OIT e do Banco Mundial são enganosas. Segundo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) , o aumento do desemprego na região da América Latina é da ordem de 24 milhões, com perdas de empregos na Colômbia da ordem de 3,6 milhões, no Brasil 7,0 milhões e no México 7,0 milhões.

Mesmo esses números tendem a subestimar o aumento dramático do desemprego. E é provável que a situação evolua durante o bloqueio da Segunda Onda, que gerou uma nova “onda” de falências.  De acordo com um Inquérito realizado pelo Instituto Nacional de Estadística e Geografia (INEGI), o aumento do desemprego no México foi da ordem de 12,5 milhões  em abril, ou seja, no mês seguinte ao bloqueio e encerramento da economia nacional a 11 de março de 2020.

A eclosão da fome

A fome eclodiu em pelo menos 25 países em desenvolvimento, de  acordo com fontes da ONU. De acordo com a FAO 17 de julho de 2020:

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) identificaram 27 países que estão na linha de frente de crises alimentares iminentes provocadas pelo COVID-19, já que os efeitos colaterais da pandemia agravam os fatores pré-existentes da fome.

Nenhuma região do mundo está imune, do Afeganistão e Bangladesh na Ásia, ao Haiti, Venezuela e América Central, ao Iraque, Líbano, Sudão e Síria no Oriente Médio a Burkina Faso, Camarões, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Moçambique, Serra Leoa e o Zimbábue na África.

análise conjunta da FAO e do PMA avisa que esses “países do hotspot” estão em alto risco de – e em alguns casos já estão vendo – deteriorações significativas da segurança alimentar nos próximos meses, incluindo o aumento do número de pessoas que sofrem de fome aguda.

A pandemia COVID-19 tem impactos indiretos potencialmente de longo alcance e multifacetados nas sociedades e economias de todos os países, que podem durar muito mais tempo, mesmo depois que a emergência de saúde terminar. Isso pode agravar as instabilidades ou crises existentes ou levar a novas com repercussões na segurança alimentar, nutrição e meios de subsistência.

Com mais de dois bilhões de pessoas, ou 62% de todos os que trabalham em todo o mundo, empregados na economia informal, de acordo com dados da OIT, milhões de pessoas enfrentam um risco crescente de fome. Estima-se que os ganhos dos trabalhadores informais diminuam em 82%, com a África e a América Latina enfrentando o maior declínio (OIT 2020). ( FAO , p. 6).

Fome e desespero na Índia

Os impactos sociais e econômicos do bloqueio de 11 de março na Índia são devastadores, desencadeando uma onda de fome e desespero. “Milhões de pessoas que perderam renda agora enfrentam o aumento da pobreza e da fome, em um país onde, mesmo antes da pandemia, 50 por cento de todas as crianças sofriam de desnutrição”

No final de novembro, a maior greve geral da história do país foi realizada contra o governo Modi com mais de 200 milhões de trabalhadores e agricultores. De acordo com o Sindicato dos Professores da Universidade de Mumbai: 

Esta greve é ??contra a devastadora crise econômica e de saúde desencadeada pela COVID-19 e o bloqueio da classe trabalhadora do país. Isso foi ainda mais agravado por uma série de legislações anti-povo sobre a agricultura e o código de trabalho promulgado pelo governo central. Junto com essas medidas, a Política Nacional de Educação (NEP) imposta à nação durante a pandemia causará ainda mais danos irreparáveis ??à equidade e ao acesso à educação.

De acordo com a Left Voice: 

“A crise pela pandemia se espalhou de grandes cidades, como Delhi, Mumbai e outros centros urbanos, para áreas rurais onde os cuidados de saúde públicos são escassos ou inexistentes. O governo Modi lidou com a pandemia priorizando os lucros das grandes empresas e protegendo as fortunas de bilionários em vez de proteger a vida e o sustento dos trabalhadores ”.

Insegurança alimentar nos EUA 

A nutrição e a insegurança alimentar não se limitam aos países em desenvolvimento. Nos EUA, de acordo com Stephen Lendman:

“Cerca de um em cada quatro lares dos EUA experimentou insegurança alimentar este ano – mais de 27% dos lares com crianças.

Um estudo do Northwestern University Institute for Policy Research estima o número de famílias com insegurança alimentar com crianças em quase 30%.  As famílias negras têm duas vezes mais insegurança alimentar do que as brancas. As famílias latinas também são afetadas de forma desproporcional ”.

A saúde mental é uma questão importante

Ainda não está documentado o impacto desta crise mundial na saúde mental de milhões de pessoas, muitas vezes liderada pelo desemprego e pela pobreza em massa. A frequência de suicídios aumentou. Os dados ainda não foram estabelecidos.

“As consequências secundárias do distanciamento social podem aumentar o risco de suicídio”,  observaram os pesquisadores em um artigo de 10 de abril publicado pela American Medical Association. “É importante considerar as mudanças em uma variedade de fatores de risco econômicos, psicossociais e associados à saúde”. (Veja FEE ) Essencialmente, alertaram os pesquisadores, o isolamento forçado pode vir a ser “uma tempestade perfeita” para o suicídio.

O relatório revisado por pares abaixo não aborda a questão central. Como a perda de emprego planejada juntamente com o confinamento leva à depressão e ao desespero, o que resulta em mortalidade por suicídio.

Educação: os impactos em nossos filhos

As próprias bases da sociedade civil estão ameaçadas. O UNICEF estima que 1,6 bilhão de crianças e adolescentes são afetados pelo fechamento de escolas em todo o mundo. “Conforme a pandemia COVID-19 se espalhou pelo mundo, a maioria dos países anunciou o fechamento temporário de escolas, afetando mais de 91 por cento dos alunos em todo o mundo … Nunca antes tantas crianças estiveram fora da escola ao mesmo tempo …

Faculdades e universidades também estão paralisadas. Os alunos não têm direito à educação. Embora a UNESCO confirme que mais de um bilhão de alunos foram afetados , ela não oferece uma solução ou crítica concreta. A narrativa oficial imposta pela chamada “parceria público / privada” que é imposta aos governos nacionais foi adotada pelo seu valor nominal.

O fechamento de escolas foi implementado em 132 países. Veja o diagrama abaixo (UNESCO, maio de 2020).

clique no mapa para acessar o relatório da UNESCO. – [Continua …]


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo[uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”

.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *