A ‘Crise Mundial’ Covid-19 – (IX)

A Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada, Golpe de Estado Global e a Grande  Reinicialização:  Estamos numa encruzilhada de uma das crises mais graves da história mundial.  Somos história viva, mas nossa compreensão da sequência de eventos desde janeiro de 2020 tem sido confusa [pela própria manipulação do establishment]. Em todo o mundo, as pessoas foram enganadas pelos políticos de seus governos e pela mídia [MSM PRE$$TITUTE$] quanto às causas e as consequências devastadoras da “pandemia” [Fake] de Covid-19.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A  Crise Mundial Covid-19 de 2020: Destruindo a Sociedade Civil, Depressão Econômica Planejada, Golpe de Estado Global e a “Grande – Great Reset – Reinicialização”

Fonte:  Global Research

As sentenças entre [ ] são de autoria de Thoth

Global Research E-Book, Center for Research on Globalization, pelo Prof Michel Chossudovsky  [Este E-book consiste em um Prefácio e Nove Capítulos]


Capítulo IX – Golpe de Estado Global ? A “Grande – Great Reset – Reinicialização”,  Dívida global e “tratamento de choque” neoliberal

História da agenda “Tratamento de Choque” Econômico. Do Programa de Ajuste Estrutural (SAP) para o “Ajuste Global (GA)”

O fechamento (simultâneo) de 11 de março de 2020 das economias nacionais de 190 estados membros da ONU é diabólico e sem precedentes. Milhões de pessoas perderam seus empregos e suas economias ao longo da vida. Nos países em desenvolvimento, a pobreza, a fome e o desespero prevalecem. O fechamento das economias nacionais levou a uma espiral de aumento da dívida global. Cada vez mais, os governos nacionais são controlados pelos credores, que atualmente financiam as redes de segurança social, resgates corporativos e doações.

Embora esse modelo de “intervenção global” não tenha precedentes em nossa história, ele possui certas características que lembram as reformas macroeconômicas em nível de país, incluindo a imposição de um forte “remédio econômico” pelo FMI. Para abordar essa questão, examinemos a história do chamado “tratamento de choque econômico” ( termo usado pela primeira vez na década de 1970 ).

Pinochet e Kissinger

Flash de volta ao Chile, 11 de setembro de 1973.

Como professor visitante da Universidade Católica do Chile, vivi o golpe militar dirigido contra o governo eleitoral e democraticamente eleito de Salvador Allende. Foi uma operação da CIA liderada pelo então Secretário de Estado  Henry Kissinger juntamente com devastadoras reformas macroeconômicas.

Imagem à esquerda: Kissinger junto com General Augusto Pinochet (anos 1970)

No mês seguinte ao Golpe de Estado, o preço do pão aumentou de 11 para 40 escudos durante a noite . Esse colapso engendrado tanto dos salários reais quanto do emprego sob a ditadura de Pinochet conduziu a um processo de empobrecimento em todo o país. Enquanto os preços dos alimentos disparavam, os salários foram congelados para garantir “a estabilidade econômica e evitar pressões inflacionárias”. De um dia para o outro, um país inteiro caiu na pobreza abismal: em menos de um ano, o preço do pão no Chile aumentou 36 vezes e 85% da população chilena foi empurrada para baixo da linha de pobreza. ” Esse foi o “Great Reset” do Chile em 1973. 

Presidente Geral Jorge Videla, David Rockefeller e o Ministro da Economia da Argentina Martinez de Hoz, Buenos Aires (anos 1970)

Dois anos e meio depois, em 1976, voltei à América Latina como professor visitante na Universidade Nacional de Córdoba, no coração industrial do norte da Argentina.  Minha permanência coincidiu com outro golpe de estado militar em março de 1976. Por trás dos massacres e violações dos direitos humanos, reformas macroeconômicas de “mercado livre” também foram prescritas – desta vez sob a supervisão dos credores de Nova York da Argentina, incluindo David Rockefeller, que era amigo do ministro da Economia da Junta Militar,  José Alfredo  Martinez de Hoz.

O Chile e a Argentina foram “ensaios gerais” para o que estava por vir: a imposição do Programa de Ajuste Estrutural (SAP) do FMI-Banco Mundial foi imposta a mais de 100 países a partir do início dos anos 1980. (Ver Michel Chossudovsky, A Globalização da Pobreza e a Nova Ordem Mundial , Pesquisa Global, 2003)

Um exemplo notório de “mercado livre”: o Peru em agosto de 1990 foi punido por não se conformar aos ditames do FMI : o preço do combustível subiu 31 vezes e o preço do pão aumentou mais de doze vezes em um único dia. Essas reformas – realizadas em nome da “democracia” – foram muito mais devastadoras do que as aplicadas no Chile e na Argentina sob o regime militar.

Kissinger com o ditador-geral da Argentina Jorge Videla (anos 1970)

O bloqueio de março de 2020

E agora em 11 de março de 2020, entramos em uma nova fase de desestabilização macroeconômica, que é mais devastadora e destrutiva do que 40 anos de “tratamento de choque” e medidas de austeridade impostas pelo FMI em nome dos interesses financeiros dominantes. Há ruptura grave, ruptura histórica e também continuidade. É o “neoliberalismo elevado ao enésimo grau”

Fechamento da economia global: impactos econômicos e sociais em todo o planeta

Compare o que está acontecendo com a economia global hoje com as medidas macroeconômicas “negociadas” país a país impostas pelos credores no âmbito do Programa de Ajustamento Estrutural (SAP). O “Ajuste Global” de 11 de março de 2020 não foi negociado com os governos nacionais. Foi imposto por uma “parceria público / privada”, apoiada na propaganda mediática, e aceita, invariavelmente, por políticos corruptos cooptados e controlados pelos mestres do establishment.

Desigualdade social e empobrecimento “engendrados”. A Globalização da Pobreza 

Compare as “diretrizes” de “Ajuste Global” de 11 de março de 2020 que afetam todo o planeta com o de 11 de setembro de 1973 no Chile .

Em uma ironia amarga, os mesmos interesses do Big Money por trás do “Ajuste Global” de 2020 estiveram ativamente envolvidos no Chile (1973) e na Argentina (1976). Lembre-se da “Operação Condor” e da Operação “Guerra Suja” ( Guerra Sucia ).

Há continuidade: Os mesmos interesses financeiros poderosos continuam agindo: As burocracias do FMI e do Banco Mundial em ligação com o Federal Reserve, Wall Street e o WEF estão atualmente envolvidos na preparação e gestão das operações de dívida “pós-pandêmica” Novo Normal (em nome dos credores) é o atual mantra sob a agenda da “Grande – Great Reset – Reinicialização”.

Henry Kissinger esteve envolvido na coordenação do “Reset” de 11 de setembro de 1973 no Chile.

No ano seguinte (1974), ele foi encarregado da redação do “National Strategic Security Memorandum 200 (NSSM 200), que  identificou o despovoamento como “a maior prioridade da política externa dos Estados Unidos para o Terceiro Mundo”.

O impulso do “despovoamento” sob a “Grande – Great Reset – Reinicialização”? 

Hoje, Henry Kissinger é um firme apoiador ao lado da Fundação Bill & Melinda Gates (que também está firmemente comprometida com o despovoamento) do Great Reset sob os auspícios do Fórum Econômico Mundial (WEF).

Não há necessidade de negociar com governos nacionais ou realizar “mudança de regime”. O projeto de bloqueio de 11 de março de 2020 constitui um “Ajuste Global” que desencadeou milhões de falências, desemprego em massa e privatizações em uma escala muito maior, afetando de uma só vez as economias nacionais de mais de 150 países.

E todo esse processo é apresentado à opinião pública como forma de combater um “vírus assassino” que, segundo o CDC e a OMS, é semelhante à uma gripe sazonal. (Vírus A, B).

A estrutura hegemônica de poder do capitalismo global 

A Banca Internacional [Waal Street e Londres], Big Pharma e as gigantes de mídia social Big Tech, incluindo as fundações de oligarcas psicopatas e bilionários são a força motriz. É uma aliança complexa de Wall Street, o estabelecimento bancário, os grandes conglomerados de petróleo e energia, os chamados “Empreiteiros de defesa”[Complexo Industrial Militar], Big Pharma, os conglomerados de biotecnologia, a mídia pre$$titute corporativa, as telecomunicações, comunicações e gigantes da tecnologia digital do Vale do Silício [Big Techs], juntamente com uma rede de think tanks, grupos de lobby, organismos internacionais como a ONU, o FMI, Banco Mundial, o BIS, laboratórios de pesquisa, etc. Os donos da propriedade intelectual também desempenham um papel central.

Esta poderosa teia que controla a rede digital-financeira-comunicações de tomada de decisões também envolve importantes credores e instituições bancárias: o Federal Reserve, o Banco Central Europeu (BCE), o FMI, o Banco Mundial, os bancos regionais de desenvolvimento e o Banco de Pagamentos Internacionais baseado em Basileia ( BIS), que desempenha um papel estratégico fundamental.

Por sua vez, os escalões superiores do aparato do Estado dos EUA (e os países Aliados Ocidentais de Washington) estão direta ou indiretamente envolvidos, incluindo o Pentágono, a Inteligência dos EUA (e seus laboratórios de pesquisa), as autoridades de Saúde, Segurança Interna e o Departamento de Estado dos EUA (incluindo as embaixadas dos EUA em mais de 150 países).

A “economia real” e o “muito dinheiro”

Por que essas políticas de bloqueio, lockdowns, distanciamento social, fechamento de fronteiras, uso de focinheiras, por causa do vírus da Covid estão liderando a falência de milhões de pequenos e médios negócios, a pobreza e o desemprego em massa ?

O capitalismo global não é monolítico. De fato, existe um “conflito de classes” “entre os super-ricos e a vasta maioria da população mundial.

Mas também há intensa rivalidade dentro do sistema capitalista. Ou seja, um conflito entre o “Big Money Capital” e o que pode ser descrito como “Real Capitalism”, que consiste em corporações em diferentes áreas de atividade produtiva nos níveis nacional e regional. Inclui também pequenas e médias empresas, que são os maiores geradores de empregos [bares, pubs, restaurantes, teatros, cinemas, esportes, etc].

O que está em curso é um processo brutal de concentração e transferência de riqueza (e controle de tecnologias avançadas) sem precedentes na história mundial, por meio do qual o establishment financeiro (isto é, os oligarcas credores multibilionários) está programado para se apropriar dos ativos reais de ambos, as riquezas dos países e das empresas falidas, bem como dos ativos dos Estados.

A “Economia Real” constitui a “paisagem econômica” da atividade econômica real de um pais: ativos produtivos, agricultura, pecuária, transportes, processamento de alimentos, indústria, serviços, comércio, infraestrutura econômica e social, investimento, emprego, etc. A economia real em nível global e nacional está sendo direcionada pelo bloqueio e encerramento da atividade econômica. As instituições financeiras “Global Money” são os “credores” da economia real.

Governança Global: Rumo a um Estado Totalitário

Os indivíduos e organizações envolvidos no Evento 201 Pandemic Simulation de 18 de outubro de 2019  estão agora envolvidos  na gestão real da crise, uma vez que ela foi posta em açãor em 30 de janeiro de 2020 sob a declaração de Emergências Pública de Saúde de Importância Internacional (ESPII) decretada pela OMS, que em conjunto por sua vez, abriu o palco para a crise financeira de fevereiro de 2020 e o bloqueio global de março.

O bloqueio e fechamento generalizado das economias nacionais desencadeou uma segunda onda de desemprego em massa, juntamente com a falência planejada (aplicada no mundo todo) de pequenas e médias empresas, os maiores empregadores no sistema econômico de qualquer país.

Tudo isso liderado pela implantação de um Estado totalitário global que visa quebrar todas as formas de protesto, resistência e rebeldia contra as imposições decretadas pelos governos. O programa de vacinação em massa da Covid (incluindo o passaporte digital embutido) (ver Capítulo VI) é parte integrante da criação e instalação de um regime totalitário global.

O que é o infame ID2020? É uma aliança de parceiros público-privados, incluindo agências da ONU e a sociedade civil. É um programa de identificação eletrônica que usa vacinação generalizada como plataforma de identidade digital global. O programa aproveita o registro de nascimento e as operações de vacinação existentes para fornecer aos recém-nascidos uma identidade digital portátil e persistente ligada biometricamente. Zonas vermelhas, máscaras faciais [focinheiras], distanciamento social, bloqueio, ( Peter Koenig, 12 de março de 2020)

“The Great Reset” – A Grande Reinicialização

Os mesmos credores poderosos que desencadearam a crise da dívida global da Covid estão agora estabelecendo uma agenda de um  “Novo Normal” que consiste essencialmente em impor o que o Fórum Econômico Mundial descreve como a “Grande – Great Reset – Reinicialização”:

Usando bloqueios e restrições da COVID-19 para levar adiante essa transformação, a Grande Restauração está sendo implementada sob o pretexto de uma ‘Quarta Revolução Industrial’, na qual empresas mais antigas serão levadas à falência ou absorvidas em monopólios, fechando efetivamente grandes seções da economia pré-COVID. As economias estão sendo ‘reestruturadas’ e muitos trabalhos serão realizados por máquinas movidas a IA.

Os desempregados (e haverá muitos) seriam colocados em algum tipo de renda básica universal e teriam suas dívidas (endividamento e falência em grande escala é o resultado deliberado de bloqueios e restrições) amortizadas em troca de entregar seus ativos [propriedades] ao estado ou mais precisamente para as instituições financeiras ajudando a impulsionar esta Grande Reinicialização . O WEF diz que o público vai ‘alugar’ tudo o que precisa: retirando o direito de propriedade sob o pretexto de ‘consumo sustentável’ e ‘salvando o planeta’. Claro, a minúscula elite que lançou esse ótimo reset será dona de tudo. (Colin Todhunter,  Dystopian Great Reset, 9 de novembro de 2020). O oligarca Bill Gates [of Hell] esta comprando vastas áreas de terras agricultáveis nos EUA.

O que está previsto na “Grande – Great Reset – Reinicialização” é um cenário em que os credores globais terão se apropriado até 2030 de toda a riqueza mundial, enquanto empobrecem grandes setores de toda a População Mundial.

Em 2030,  “Você não terá nada e será feliz”.  (veja o vídeo abaixo)

As Nações Unidas: Um Instrumento de Governança Global em Nome de uma Parceria Público / Privada Não Eleita

O sistema da ONU também é cúmplice. Endossa e é um instrumento de implantação da agenda “governança global” e “The Great Reset”.

Embora o secretário- geral da ONU, Antonio Guterres,  reconheça com razão que a pandemia é “mais do que uma crise de saúde”, nenhuma análise ou debate significativo sob os auspícios da ONU quanto às verdadeiras causas dessa crise foi realizado.

De acordo com um Relatório da ONU de setembro de 2020:

“Centenas de milhares de vidas foram perdidas. A vida de bilhões de pessoas foi afetada. Além dos impactos na saúde, COVID-19 expôs e exacerbou profundas desigualdades … Afetou-nos como indivíduos, famílias, comunidades e sociedades. Teve um impacto em todas as gerações, inclusive nas que ainda não nasceram. A crise evidenciou fragilidades dentro e entre as nações, bem como em nossos sistemas para montar uma resposta global coordenada às ameaças compartilhadas”. ( Relatório ONU )

As decisões de longo alcance que desencadearam a destruição social e econômica em todo o mundo não são mencionadas. Nenhum debate no Conselho de Segurança da ONU. O Consenso entre os cinco membros [EUA, China, Rússia, Inglaterra e França] permanentes do Conselho de Segurança.

O vírus Covid-19, com letalidade de apenas 0,25% [igual ao da gripe sazonal comum] é casualmente considerado o “responsável” pelo processo de destruição econômica do planeta inteiro. O projeto de “parceria público-privada” do Fórum Econômico Mundial intitulado “Reimagine e Reinicie nosso Mundo”  foi endossado pelas Nações Unidas.

Volte para George Kennan e a Doutrina Truman no final dos anos 1940. Kennan acreditava que a ONU forneceu uma maneira útil de “conectar o poder com a moralidade”, usando a moralidade, como um meio de carimbar as “guerras humanitárias” da América.

A crise da Covid e as medidas de bloqueio são o culminar de um processo histórico. O bloqueio e o fechamento da economia global são as mais eficazes “armas de destruição em massa” que no verdadeiro sentido da palavra “destroem a vida das pessoas”.  

Estamos lidando com extensos e variados “crimes contra a humanidade”.

Joe Biden e a “Grande Reinicialização”

Joe Biden é um [corrupto] político preparado, um procurador de confiança, um marionete servindo aos interesses dos seus senhores do establishment [Deep State].

Não esqueçamos que Joe Biden apoiou firmemente a Invasão do Iraque, alegando que Saddam Hussein “tinha armas de destruição em massa”. “O povo norte americano foi enganado para aceitar esta guerra”, disse o senador Dick Durbin . Não se deixe enganar novamente por Joe Biden.

Acrônimos em evolução. 9/11, GWOT, WMD e agora COVID : Biden foi recompensado por ter apoiado a invasão do Iraque.

Durante a campanha eleitoral, a Fox News descreveu Biden como um “socialista” que ameaça o capitalismo: “A ligação perturbadora de Joe Biden com o movimento socialista ‘Great Reset’”.

Embora isso seja um absurdo absoluto, muitos “progressistas” e ativistas anti-guerra endossaram Joe Biden sem analisar as consequências mais amplas de uma presidência de Biden.

A agenda da “Grande – Great Reset – Reinicialização”” causa divisão social, é racista. É um projeto diabólico de capitalismo global. Constitui uma ameaça para a grande maioria dos trabalhadores americanos, bem como para as pequenas e médias empresas. Também mina vários setores importantes da economia capitalista.

A Presidência Biden e o Bloqueio

No que diz respeito à Covid, Biden está firmemente comprometido com a decretação de uma “Segunda Onda”, ou seja, manter o fechamento parcial da economia dos EUA e da economia global como forma de “combater o vírus assassino”.

Joe Biden pressionará pela adoção do “Great Reset” do WEF tanto nacional quanto internacionalmente, com devastadoras consequências econômicas e sociais.  As reuniões do Fórum Econômico Mundial (WEF) de 2021 agendadas para o verão de 2021 em Cingapura se concentrarão na implementação da “Grande Reinicialização” 

O presidente Biden é um firme defensor dos bloqueios pela pandemia. Suas declarações a respeito de um “Inverno sombrio” em 2021  confirmam que ele não apenas endossa a adoção de políticas de bloqueio da Covid-19, sua administração perseguirá e adotará plenamente a “Grande – Great Reset – Reinicialização” do Fórum Econômico Mundial como parte integrante da política externa dos EUA, para ser implementado ou mais corretamente “imposto” em todo o mundo.

Por sua vez, a administração Biden-Harris tentará anular todas as formas de resistência popular aos bloqueios impostos por causa do vírus corona.

O que está se desenrolando é uma nova e destrutiva fase do imperialismo norte-americano. É um projeto totalitário de engenharia econômica e social, que acaba por destruir a vida das pessoas em todo o mundo. Essa “nova” agenda neoliberal usando o bloqueio corona como um instrumento de opressão social foi endossada pelo presidente Biden e pela liderança do Partido Democrata.

A Casa Branca de Biden será usada para instituir o que David Rockefeller chamou de “Governança Global”, que é equivalente a uma “ditadura democrática” [sic] mundial.

Deve-se notar que o movimento de protesto nos EUA, contra o bloqueio é fraco. Na verdade, não existe um movimento de protesto nacional de base coerente. Por quê? Porque as “forças progressistas”, incluindo intelectuais de esquerda, líderes de ONGs, líderes sindicais e trabalhistas – a maioria dos quais alinhada com o Partido Democrata – apoiaram desde o início o bloqueio. E eles também apoiam Joe Biden.

Em uma amarga ironia, ativistas anti-guerra, bem como os críticos do neoliberalismo, aplaudiram e endossaram Joe Biden.

A menos que haja um protesto significativo e resistência organizada, nacional e internacionalmente, a “Grande – Great Reset – Reinicialização” será incorporada às agendas de política externa dos principais países e pela administração dos Estados Unidos de Joe Biden-Kamala Harris. É o que você chama de Imperialismo com “Rosto Humano”.

Onde estão os movimentos de protestos contra esta “parceria público-privada” de bloquios generalizados pela Covid-19 não eleita?

As mesmas fundações “filantrópicas” (dos oligarcas, Gates, Rockefeller, Ford, Soros, et caterva) que são os arquitetos tácitos da “Grande Reinicialização” e de uma “Governança Global” também estão envolvidas no (generoso) financiamento do ativismo pelas Mudanças Climáticas, movimentos como a Rebelion Exctintion, Antifa, o Fórum Social Mundial, Black Lives Matters, LGBTQ+, et caterva.

O que isso significa é que as bases desses movimentos sociais são frequentemente enganadas e traídas por seus líderes, que são rotineiramente cooptados [comprados] por um punhado de fundações corporativas.

O Fórum Social Mundial (FSM), que comemora 20 anos, reúne ativistas antiglobalização comprometidos de todo o Mundo. Mas quem controla o FSM? Desde o início, em janeiro de 2001, foi (inicialmente) financiado pela Fundação Ford. É o que você chama de  “dissidência fabricada” (muito mais  insidiosa do que o “consentimento fabricado” de Herman-Chomsky).

O objetivo das elites financeiras “é fragmentar o movimento popular em um vasto mosaico do tipo“ faça você mesmo”. O ativismo tende a ser fragmentado. Não existe um movimento anti-guerra integrado antiglobalização ”. (Michel Chossudovsky, Manufacturing Dissent , Global Research, 2010)

Nas palavras de McGeorge Bundy, presidente da Fundação Ford (1966-1979):

“Tudo o que a Fundação [Ford] fez pode ser considerado como “tornando o mundo seguro para o capitalismo”, reduzindo as tensões sociais ao ajudar a confortar os aflitos, fornecer válvulas de segurança para os irados e melhorar o funcionamento do governo

O movimento de protesto contra a “Grande – Great Reset – Reinicialização”, que constitui um “Golpe de Estado Global”, requer um processo de mobilização mundial:

Não pode haver movimento de massa significativo  quando a dissidência é generosamente financiada por esses mesmos interesses corporativos [WEF, Gates, Ford, et al] que são o alvo do movimento de protesto”.

A estrada à frente

Mais de 7 bilhões de pessoas em todo o mundo são direta ou indiretamente afetadas pela crise [fabricada] da covid-19.

O que é necessário é o desenvolvimento de uma ampla rede de base que enfrente tanto os arquitetos desta crise quanto os poçíticos corruptos e marionetes dos governos nacionais e regionais (estados, províncias) envolvidos na execução do bloqueio e encerramento da atividade econômica como forma de combater “o vírus”. A legitimidade dos políticos e de seus poderosos patrocinadores corporativos deve ser questionada, incluindo as medidas do Estado policial adotadas para fazer cumprir as várias políticas impostas ao público. (Máscaras faciais, distanciamento social, reuniões públicas, etc.)

Esta rede seria estabelecida (nacional e internacionalmente) em todos os níveis da sociedade, nas cidades e aldeias, locais de trabalho, paróquias. Sindicatos, organizações de agricultores, associações profissionais, associações empresariais, sindicatos de estudantes, associações de veteranos, grupos religiosos seriam chamados a integrar este movimento.

A primeira tarefa seria desativar a campanha do medo e a desinformação da mídia pre$$titutes, bem como acabar com o programa de vacinação da Covid da Big Pharma.

A mídia corporativa pre$$titutes seria diretamente desafiada, sem visar especificamente os “‘jornalistas tradicionais””, muitos dos quais foram instruídos a seguir a narrativa oficial. Esse esforço exigiria um processo paralelo no nível de base, de sensibilização e educação dos cidadãos sobre a natureza do vírus, os resultados dos testes de PCR, os impactos do bloqueio, a máscara facial e o distanciamento social bem como a vacinação em massa e obrigatória.

A “divulgação” de um movimento de resistência através das redes sociais e meios de comunicação online independentes será realizada tendo em conta que tanto o Google, o Facebook, Twitter são instrumentos de censura e controle mental das massas.

A criação de tal movimento, que desafia vigorosamente a legitimidade das elites financeiras, bem como as estruturas de autoridade política corrupta e servil a nível nacional, não é uma tarefa fácil. Exigirá um grau de solidariedade, unidade e compromisso sem paralelo na história mundial.

Também exigirá quebrar as barreiras políticas e ideológicas dentro da sociedade (ou seja, entre os partidos políticos) e agir a uma só voz [sem divisões] . Devemos também compreender que o “projeto corona” é parte integrante da agenda imperial dos Oligarcas globais do establishment. Tem implicações geopolíticas e estratégicas. Também exigirá, eventualmente, destituir os arquitetos desta diabólica “pandemia” e indiciá-los por crimes contra a humanidade. (FIM)


Questione tudo, nunca aceite nada como verdade sem a sua própria análise, chegue às suas próprias conclusões.


“Parece duvidoso se, de fato, a política de “Botas no rosto” pode continuar indefinidamente.  Minha própria convicção é que a oligarquia governante encontrará maneiras menos árduas e perdulárias de governar e de satisfazer sua ânsia de poder, e essas formas serão semelhantes às que descrevi em Admirável Mundo Novo[uma verdadeira profecia publicada em 1932]Na próxima geração, acredito que os governantes do mundo descobrirão que o condicionamento INFANTIL e a narco-hipnose são mais eficientes, como instrumentos de governo, do que e prisões e campos de concentração, e que o desejo de poder pode ser completamente satisfeito sugerindo às pessoas que amem sua servidão ao invés de açoita-los e chutando-os até à obediência. ”  Carta de Aldous Huxley  EM 1949 para George Orwell autor do livro “1984”

 

0 resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Receba nosso conteúdo

Junte-se a 4.326 outros assinantes

compartilhe

Últimas Publicações

Indicações Thoth